O Arcanjo que nos visita diariamente é o desconhecido e temido Lúcifer

O Arcanjo que nos visita diariamente é o desconhecido e temido Lúcifer

“E o Arcanjo rebelde foi precipitado nos infernos por Jeovah, contra quem ousou se rebelar”. Mais ou menos assim inicia-se a saga do Demônio Cristão, chamado de Lúcifer, depois de ter sido Luzbel. Lúcifer, sinônimo de Demônio, aquele mesmo de chifre e rabo que a Igreja Católica tomou de empréstimo aos mazdeístas e fez popular e temido no mundo cristão. Onde está aquele arcanjo, outrora tão amado de Deus? Onde se esconde? Nas profundezas da Terra? Em algum lugar invisível bem ao lado do nosso mundo objetivo, mas mayávico? Que cara tem? Que tipo de corpo possui? Aquele corpo horroroso que os filmes fantasiosos de Hollywood nos mostram?

Não. Ele continua trabalhando feliz e contente, sob a batuta invisível e irreprimível do Criador de todas as coisas. Ele continua trazendo da Mansão de Deus a vida e a vitalidade para todas as Formas no nosso sistema planetário. Penetra constantemente em nosso corpo; vitaliza nossas células; organiza nossas emoções e ordena nossos pensamentos. E tudo isto silenciosamente, sem alarde, sem preconceitos, sem preferências. Ele é o objeto de nosso estudo: o Átomo Ultérrimo.

Você pode estar estranhando o que digo, mas veja: quem é Luzbel? Ou melhor: que significa este nome? Luzbel significa a bela luz, a Luz da Revelação do Oculto. A Luz da Criação, pois o átomo ultérrimo é o fundamento da Criação Divina. Se ele não tivesse sido engendrado em primeiro lugar, nada mais teria tido oportunidade de existir. E ele contém em si uma luminosidade esplendorosa, graças às Energias Divinas que guarda em suas espiras. E, após construir o Plano de Matéria Divina, lançou-se para baixo, para a construção dos Planos de Matéria Cósmica mais densos, mais pesados, até a construção deste Plano de Matéria Densa de nossa Terceira Dimensão. Nesta descida ele se transformou de Luzbel em Lúcifer, cujo nome significa o portador da Luz. Eis, pois, a explicação para o mito cristão que oculta o significado transcendental da Criação em toda a sua grandeza. E esta grandeza tem como base o infinitesimal e indestrutível Átomo Ultérrimo. Coisas de Deus, não é mesmo?

O Átomo Ultérrimo está em toda parte, neste planeta. Penetra em tudo a todo mínimo instante. Dá Forma a Tudo. Movimenta-se com a velocidade da luz e, o que já foi descoberto e intriga os Cientistas da Física Quântica, perfaz um átomo químico que não existe de verdade. O que quero dizer com isto? Quero dizer que todo átomo químico parece estar permanentemente se desfazendo em coisa de pico segundo. Num pico segundo parece ser matéria; parece ser sólido; no pico segundo seguinte desaparece para tornar a reaparecer, indo para algum lugar desconhecido, “imaterial” e dali retornando novamente à Terceira Dimensão. Isto só se explica quando se compreende que os Átomos Ultérrimos que compõem um Átomo Químico terrestre estão, constantemente, retornando aos Planos de Matéria mais Sutil que este em que vivemos encarnados. Eles não permanecem perenemente aqui nesta dimensão. Transitam desta para as outras, mais sutis, pois ali também têm o que fazer, o que vivificar.

Quando estão aqui, na Terceira Dimensão, os Átomos Ultérrimos mantêm o milagre da Vida em constante fazimento. No que nos diz respeito isto é feito assim: o Átomo Ultérrimo carregado de prana ou chi solar penetra em nosso chakra Svadhisthana esplênico. Dali, passa, pelos nadis meridianos, às contra-partes etéricas de todas as células que constituem o corpo físico de que dispomos, inundando nosso Duplo Etérico de Energia Vital, o que o faz manter-se sadio e coeso. Isto permite que nosso corpo físico denso, cujas células se encontram unidas pela força poderosa dos nadis do Duplo Etérico, também se mantenha saudável.

Outra porção muito grande de Átomos Ultérrimos nos penetra o corpo físico denso através dos olhos, da respiração e da pele. Estes, vão diretamente às mitocôndrias celulares bem como às células de nossos sangue e linfa e ali descarregam o Prana ou Chi de Vitalidade (saúde física) que trazem em si. Isto faz que nosso organismo físico receba diretamente uma carga de vitalidade muito boa e imediata, mas ela é consumida rapidamente, entre 12 a 24 horas, enquanto aquela que chega às contrapartes etéricas de nossas células é uma qualidade de energia que demora mais a se esgotar, pois chega de modo dosado às mitocôndrias celulares orgânicas. Além disto, a Energia Vital (Energia de Vida) não nos atinge diretamente, através da penetração dos Átomos Ultérrimos pela nossa pele ou pelos nossos olhos. Por aqui, apenas a Energia de Vitalidade (Prana ou Chi de saúde) é que beneficia as células de nosso organismo, através da alquimia que ocorre nas mitocôndrias celulares.

O Chi ou Prana de Vitalidade vem circulando ativamente dentro das espiras finas do Átomo Ultérrimo. Ao chegar ao nosso organismo físico, descarrega-se conforme foi dito acima. O Átomo Ultérrimo, então, é expelido, na maior parte, pela expiração (aqueles que nos penetraram diretamente pela pele, pelos olhos ou pela respiração). Quando nos penetram, são brilhantes e coloridos de conformidade com a qualidade de Prana ou Chi que transportam. Se é Prana ou Chi que vai beneficiar a saúde física de nosso sistema circulatório, por exemplo, traz Prana ou Chi vermelho, amarelo ou laranja brilhante. Se vai beneficiar o sistema digestivo vem carregado de Prana ou Chi verde-escuro, vermelho-escuro, vermelho-arroxeado ou laranja-esverdeado. Toda esta Vitalidade fica nas mitocôndrias das células que constituem nossos órgãos no aparelho digestivo. assim descarregados, os Átomos Ultérrimos saem de volta para o Espaço com uma cor cinza, semelhando poeira constituída de cinza de madeira queimada. Está desvitalizado e precisa retornar ao Subplano Etérico do Plano de Matéria Densa para poder novamente se energizar.

Este processo descrito acima é o mesmo para qualquer corpo animal ou vegetal no nosso planeta. A Vida e a Vitalidade que nos mantém no corpo físico denso nos chegam através dos milhares e milhares de Átomos Ultérrimos que nos penetram constantemente. Por isto é que o Tai-Chi-Tchuen exercita seus praticantes na respiração controlada e profunda, preferentemente ao ar livre e sob árvores ou próximo de rios, lagos ou oceanos, pois nestes lugares os Átomos Ultérrimos são muito mais sadiamente preenchidos de Prana ou Chi de Vitalidade do que em ambientes fechados, artificialmente refrigerados e à noite.

Além de beneficiar nosso corpo físico-denso, como já disse linhas acima, o Chi ou Prana do Átomo Ultérrimo também atua poderosa e definitivamente no nosso Corpo Emocional ou Corpo Astral. Nele, os Átomos Ultérrimos contêm um Prana ou Chi muito mais refinado, muito mais brilhante, pois todos os Átomos Ultérrimos que aqui trabalham são qualificados pela Energia Cósmica Sentimento qualificada para a humanidade. Assim, ao penetrar o Corpo Emocional de uma pessoa, o Átomo Ultérrimo lhe transmite uma carga muito intensa de Prana ou Chi Emocional que passa a ser definido segundo as tendências psicossomáticas afetivas pessoais. Estes Átomos Ultérrimos penetram no Corpo Emocional através dos Chakras que se prendem ao corpo físico denso, pois são os Chakras os “portais” corretos de entrada e de saída para as Energias de Vida e de Vitalidade de nossos Corpos de Manifestação.

Até nosso próximo encontro e

NAMASTÊ.