Janus, o deus bicéfalo nos diz claramente que é necessário olhar para o passado a fim de se poder entender o futuro.

Janus, o deus bicéfalo nos diz claramente que é necessário olhar para o passado a fim de se poder entender o futuro.

Adolph Hitler, o Anticristo. Quando se vê a figura esmirrada daquele militarzinho esquisito e lembra dos terríficos abantesmas criados pela imaginação humana para representar o Mal, fica-se na dúvida de que realmente aquele homenzinho danado de feio tenha sido o oponente do Grande Avatar conhecido como Yoshua ou Jesus. Mas tudo indica que realmente ele o foi. E se é verdade, então, as grandes e terríficas transformações que todas as profecias previram já estão em pleno andamento e, ainda assim, há muita gente esperando que elas aconteçam segundo suas imaginações…

Ninguém, nenhum povo, representou tão bem o mistério da compreensão do futuro quanto os velhos gregos. Seu Deus Janus tem duas cabeças. Uma olha para trás, para o passado e a outra olha para a frente, para o futuro. A que olha para a frente só pode compreender o que vê devido ao que a que olha para trás lhe informa. Então, não podemos compreender nosso futuro imediato, mediato ou longínquo se não olharmos atentamente para o que o passado nos conta…

Dietrich Eckart, o "mago negro" que orientava Hitler em tudo o que dizia respeito à Magia Negra Tibetana.

Dietrich Eckart, o "mago negro" que orientava Hitler em tudo o que dizia respeito à Magia Negra Tibetana.

Os estudos posteriores à Segunda Guerra nos revelam que a Alemanha hitlerista era literalmente fascinada pela busca de suas origens arianas na Ásia. E o Tibet exercia uma atração irresistível nos pesquisadores nazistas. E justamente no Tibet existem os maiores centros de Magia, tanto Branca quanto Negra, de toda a Terra. Muitos escritores pesquisadores afirmam, com base em documentos, que vários dos lugares-tenente de Hitler estiveram em estreito contato com os monges tibetanos e dos que abraçavam a Magia Negra recebiam todas as instruções sobre como proceder para invocar e controlar o Mal. Uma das muitas figuras proeminentes junto a Hitler foi Dietrich Eckart, advogado e médico fascinado pelo ocultismo tibetano. Quando conheceu Hitler, durante um discurso deste aos membros do partido, Eckart estava envolvido com a Thule, cujos membros pregavam a vinda de um “messias alemão”, após sua derrota na Primeira Guerra Mundial. Juntamente com outro membro daquela sociedade secreta, Karl Haushofer, ele se constituiu num dos principais orientadores mágicos de Hitler, pois este mesmo nunca pertenceu de verdade à Thule Gesellschaft. Eckart introduziu Alfred Rosenberg junto a Hitler e foi este Alfred quem primeiro publicou os mal afamados “PROTOCOLOS DOS SÁBIOS DE SIÃO”, obra misteriosa e de autoria desconhecida, mas que foi atribuída aos judeus, o que lhes rendeu grandes perseguições e fortaleceu o anti-semitismo mundo a fora. 

E onde Eckart e os gurus da Thule Gesellschaft iam buscar os conhecimentos “negros”? E o que realmente significava o substantivo “Thule”?

Comecemos pelo vocábulo “Thule” e vamos a uma síntese da síntese do aparecimento da sociedade secreta Thule Gesellschaft na Alemanha. Ela foi fundada em 25 de dezembro de 1.917 e esta data não foi escolhida à-toa. Antes de seu nascimento havia, na Alemanha, a Ordem Esotérica “Germanenorden” ou Ordem dos Germanos, criada em Berlim, em 1912, pelo professor Theodor Fritsch. Na Ordem dos Germanos se cultuavam os deuses pagãos da mitologia germânica e se buscava ressuscitar os ritos que os invocavam e serviriam para deles obter favores. Diz-se que entre os sacrifícios praticados estava o do derramamento de sangue humano também. Os deuses germânicos eram, em seu tempo, elementais que tinham tido o azar de ter rompido o limite astral que os separavam da terceira dimensão dos humanos e, com isto, caído no envolvimento com estes, através de fórmulas mágicas e rituais invocativos. O antigo culto tinha já caído em desuso, mas o grupo do professor Theodor Fritsch buscava ressuscitá-lo. E aqui é preciso que atentemos para um alerta dado por esotéricos e ocultistas sérios. Quando uma religião é criada, forma-se no Astral uma Egrégora, ou seja, um centro de força que é proporcional à fé de seus praticantes. Quanto maior seja o número destes, maior é a força mágica da Egrégora daquela Religião. Quando esta religião termina, deixa de ser praticada pela parcela da humanidade que a cultuava,  sua Egrégora leva 7 vezes o tempo que ela teve de duração para finalmente deixar de existir. Assim, se um determinado culto durou um século, levará sete séculos para sua Egrégora desaparecer. Durante este tempo, as energias positivas vão-se evolando da Egrégora mais rapidamente que as energias negativas. Deste modo, chegará o tempo em que o peso de tais energias arrastará o cadáver egregórico para as entranhas do planeta onde há o Laboratório de Deus. Ali, o cadáver egregórico será desmanchado e seus átomos ultérrimos limpados de toda a carga negativa e devolvidos limpos, para o Cosmos. Assim, quando alguém tenta ressuscitar um culto já desativado por alguma cultura humana, corre o sério perigo de só conseguir trazer de volta o que de pior ele possuía. E foi isto que o professor Theodor Fritsch conseguiu. Ele tinha conhecimento deste fato e não foi à-toa que estudou cuidadosamente todas as datas necessárias para a criação da Egrégora da Thule Gesellschaft.

Ele Venceu o Demônio chamado Desejo, inerente ao físico.
Ele Venceu o Demônio chamado Desejo, inerente ao físico.

É necessário, agora, chamar a atenção para o fato de que todos os que orbitavam Hitler eram cultos, muito bem informados e eram pessoas altamente disciplinadas, senhoras de si. Não se pense que para ser mágico e dominar as Forças, quer boas quer más, basta se vestir com tal ou qual tipo de rouba de tal ou qual cor e lançar mão de tais ou quais instrumentos construídos de madeira, couro, ferro, chumbo, prata, cobre ou ouro, não. Nada disto faz de alguém um mago. Nem mesmo um simples macumbeiro de terceira categoria. Para ser um Mago a pessoa tem de ser acima de tudo senhora de si. E isto só é alcançado com grande disciplina e tenaz capacidade de renúncia de coisas fúteis e passageiras, desde as guloseimas até os mais sofisticados bens eletroeletrônicos. E os magos que assessoravam Hitler eram seres assim, especiais e determinados. Tinham disciplina rígida e praticavam exercícios duríssimos com vistas a se manterem capacitados tanto psíquica quanto emocionalmente para controlar e dirigir as forças com as quais estavam em íntima e perigosa união. Então, eles sabiam o que estavam fazendo e o faziam conscientes da meta que visavam alcançar. Os corpos de tais homens, seus Elementais Físicos, tinham de ser submetidos a duríssimos regimes de privação de alimento e de água, de sono e de descanso, até atingirem o ponto de exaustão, sem que eles permitissem que suas mentes se turvassem pelo esgotamento físico. Quanto mais exaurido de sua energia ficasse o corpo orgânico, mais livre era a mente para exercer seu Poder de Concentração sobre a Vontade e fazer que esta trabalhasse em prol do que era mentalizado pelo Mago, no caso dos hitleristas, nos objetivos de conquistas territoriais de nações e na invocação das Forças Negras da Magia Elemental a fim de as colocar ao serviço de seus desejos densos e empregá-las no controle e na influência das fracas psiques de milhares de soldados. E para chegar a tal façanha, tinham, antes, de se terem submetidos a duríssimos treinamentos para o despertamento da Vontade sob controle volitivo da Mente, o que não é absolutamente fácil. Jesus deixou seu exemplo de como agir para dominar o Mal. Subindo a um morro e se isolando de todos, deixou-se ficar em jejum por quarenta dias e quarenta noites sem dormir. O que a Bíblia não diz é de como Ele lutou para afastar de sua mente toda e qualquer imagem mundana, toda e qualquer imaginação supérflua, mormente aquelas de cunho coital, copulativo, espicaçadas pelo desejo do físico. O apelo ao prazer coital lhe foi açulado ao máximo, visto que Seu Espírito era o mais forte dentre os fortes. Por isto, a tentação que teve de enfrentar e vencer foi mil vezes mais cruel do que aquela que qualquer um que se dedique a ser Mago tem de encarar. Os impulsos primitivos do corpo, da carne, lhe vinham em ondas avassaladoras e lhe inundavam a Mente mortal com fortes apelos à imaginação mundana e sexual. O prazer de descansar; o prazer de se alimentar; o desejo de obter o prazer de ser acariciado pelas mãos de uma mulher e de ter seu corpo aceito pelo corpo dela, tudo isto girava dentro de seu Ser Mortal, buscando um modo de quebrantar Sua Vontade e lhe encher o espírito com o poder do Desejo (o Demônio que o teria tentado  lá em cima). Mas Jesus resistiu e enquanto seu corpo fraquejava e o desejo primitivo que o animava se perdia, se esvanecia na fraqueza da carne, sua Vontade se revelava cada vez mais forte até inundar todos os seus corpos de manifestação. Com isto, com o enfrentamento deste desafio titânico,  Ele visava quebrantar e submeter seu Elemental Físico à Sua Vontade a fim de despertar em sua Mente a Psique mortal, mas revestida da energia da imortalidade de que Seu Evoluidíssimo Espírito era portador. Ele teve de vencer a carne antes de poder controlar o Espírito, caso contrário jamais teria obtido os resultados espetaculares que os ignorantes chamaram de milagres. Era preciso que se tornasse um Mago Branco, mesmo sendo seu Espírito elevadíssimo como era, a ponto de requerer espíritos especiais para lhe gerar um corpo livre de karma. Mas a Carne, produto da Terceira Dimensão, é todo poderosa em seu elemento e seja qual seja o espírito que aqui desça e dela se revista, terá de travar dura batalha com ela para domá-la e controlá-la, caso contrário tornar-se-á prisioneiro do Samsara. Assim, o leitor fica sabendo que os feiticeiros negros que auxiliavam Hitler e lhe incutiam o sonho da raça de super homens não eram qualquer um não. Se Hitler era fraco quanto a se submeter a gigantescas mortificações para obter o poder sobre o Mal, havia quem o fizesse por ele e o colocasse como o “bode expiatório” diante das forças maléficas que atraíam. O Bem, Jesus, foi gerado no ventre de um Buda. O Mal, Hitler, foi forjado pelas mentes perversas de seus sequazes.

Quando a Thule Gesellschaft foi programada, não o foi aleatoriamente, não. Estudos Astrológicos e numerológicos foram levantados com cuidado, a fim de que as posições cósmicas da Egrégora do Mal que dela devia nascer fosse fincada no local certo na matéria inferior do Astral e do Etérico. Tudo foi planejado minuciosamente, cuidadosamente, para que o resultado que se visava fosse alcançado, ou seja, disseminar pelo mundo uma Raça Superior Alemã, uma Raça Ariana Pura. E é aqui que entram os Magros Negros do Tibet, dos quais falarei em nosso próximo encontro.

Até lá e

NAMASTÊ!