A TRISTEZA DE OROZIMBO

2 Comentários

A Consciência é um Deus que não perdoa...

A Consciência é um Deus que não perdoa…

Fiquei surpreso quando dei de cara com aquela cara negra, de olhos brilhantes numa cabeça redonda sobre ombros largos, fortes e musculosos, parado diante de meu portão esperando para entrar. Abracei meu amigo com alegria, mas ele não me retribuiu o abraço com a mesma euforia. Olhei-o nos olhos e notei uma nuvem de tristeza nublando-lhe a expressão. Em silêncio caminhamos para a escadinha de minha varanda, que ele subiu firme, mas devagar. Parecia trazer sobre os ombros um grande peso. Não perguntei nada. Sabia que ele falaria quando estivesse pronto para isto.

Orozimbo sentou-se no seu toco e pediu seu café amargo. Servi-o e me sentei ao seu lado, numa cadeira de madeira. Ficamos em silêncio, olhando o abacateiro que, com nove meses, já me ultrapassava em altura. Ele cachimbou um tempão, sempre silencioso, olhar perdido algures, numa dimensão que eu não enxergava. Então, com um suspiro profundo bateu sua mão calejada em minha coxa.

— Véi num gosta de perdê amigo, num sabe? E gosta menu ainda de num pudê ajudá…

Calou-se novamente. E novamente esperei. Então, depois de mais cinco ou seis baforadas, curvou-se, bateu o cachimbo na borda da calçada, tornou a enchê-lo e acendeu o fumo oloroso. Voltou-se para mim e perguntou: Mais

DETESTO A REDE GLOBO

Deixe um comentário

Policiais amordaçados é o ideal dos Polititicas e dos nossos terroristas ferozes.

Policiais amordaçados é o ideal dos Polititicas e dos nossos terroristas ferozes.

Eu não vejo a hora de a Olimpíada acabar. Claro que com ela todas as melhorias montadas na velha Rio a toque de caixa vão desabar. O transporte público (que nunca foi lá grandes coisas) vai terminar novamente no buraco; a segurança pública (que deixou até um policial da Força Nacional morto porque a Administração Carioca não pensou na segurança deles, deixando que andassem sem um militar que conhecesse as armadilhas mortais da ex-Cidade Maravilhosa) vai pro brejo, de onde nunca devia ter saído. O Souza Aguiar, que recebeu uma ajuda e tanto da GE, com equipamentos de T.I. de primeira linha, com novos aparelhos para suporte médico, aparelhos digitalizados etc… vai ser surripiado tão logo os “olímpicos” turistas retornem para suas casas achando que tiveram uma Olimpíada maravilhosa… O sistema elétrico que visa tornar mais inteligente, eficaz e econômica a iluminação de novos e reconstruídos cartões postais cariocas, o bairro da Lapa e o Parque do Flamengo, tudo bancado pela GE, com iluminação de lâmpadas LED, que oferece maior luminosidade e muito maior economia, após três meses estará com todas elas quebradas, ambos no escuro, de conformidade com o que os bandidos gostam, desertos de segurança pública e com vítimas à vontade para serem depenadas e, algumas, assassinadas para diversão da bandidagem carioca. Enfim, o velho Rio voltará à estaca zero. Só quem vai lucrar com tudo o que lhe deram serão os “nossos” terroristas nacionais. Aliás, estes dão de dez a zero nos coitadinhos que saem por aí se explodindo idiotamente. Aqui, no gigantesco Brasil, “nossos” terroristas não se explodem, que não são bestas. Explodem caixas de banco à granel, pois isto dá muito mais dinheiro. Ninguém aqui vai-se matar por Alá ou outra qualquer entidade que vive no além espaço sideral. Eles estão muito bem onde estão e nossa bandidagem está muito bem aqui. Matam acobertados pela Lei vagabunda aprovada por Políticos mais vagabundos ainda e vivem felizes como o Diabo em pessoa. Mais

A AGONIA DA MORIBUNDA

Deixe um comentário

Em sua simplicidade ele sabe muito e ensina muito.

Em sua simplicidade ele sabe muito e ensina muito.

Orozimbo sentou-se na borda da cama onde jazia o corpo emagrecido da Senadora. Ela havia sido sua consulente desde quando, ainda jovem, entrara para a Política. Era uma adolescente muito bonita, pele clara, cabelos castanhos, quase louros, olhos caramelados e sorriso cativante. Tinha uma expressão angelical, de felicidade e alegria perene na face. Cativava a quantos com ela interagisse. Tinha um corpo de linhas proporcionais, excitantes para os homens e sabia perfeitamente de seu feitiço sobre eles. Gostava daquilo. E quando decidira, lá pelos de 1970, aceitar ser a Presidenta da UNES e, depois, da UBES, viera consultar os búzios de Orozimbo. Ele tinha franzido a testa e dito que aquele caminho era sem volta. “Vancê vai enricá, minina, mas é dinhêro mardito. Vancê se tornará ladrona dos pobre. E perderá a decênça… Num entre nisto não, nho sim? Num será bão pra sua arma, imbora seje munto bão pra sua vida de muié bunita. Mas num vale a pena, intende? ” Certa de que jamais enveredaria pela senda do Crime, a jovem lhe sorrira e dissera, segura de si: “Eu vou mudar tudo, Pai Orozimbo. O senhor vai ver. Vou entrar naquele covil de covardes traidores do país e vou virar tudo de cabeça para baixo. Aí, comigo no comando, nosso Brasil vai-se libertar finalmente do jugo maldito da traição e da corrupção!”. 

Orozimbo cachimbou um bocado, olhando os búzios com o cenho franzido, em total concentração. Então, rebateu: “Num vai ser ansim não, minina. Vancê vai-se enrolá com um Partido confuso, que vai adotá a cor vermeia, que é a cor da guerra, da dor, do sofrimento e do desastre. Vermeio é a cor do sangue que se derrama antes de a Históra mudar de rumo. Vancê é uma jove de propósito firme, mas lá dentro da pulítica num tem gente ansim não, cumprende? Lá dentro tem munta gente qui num presta. O tar partido, véi vê aqui, tem uma nuve cinzenta sobre ele. Uma nuve qui vem de munto, munto tempo e otros territóros. Territóros lá de fora, qui num é do Brasil. Mas é o símbolo da solidão qui os dono dele vai jogá sobre os otro. Num entre nele. Ao menos faça isto. Ninhum presta, véi sabe disto, mas esse que véi vê, num presta mermo. É tudo errado. E lá dentro vancê inté pode crescê, mas será pur trapaça, mintira, artimanha covarde… Tudo que num presta e só tem o qui vancê afirma, agora, qui vai combatê. Num vai não, minina. Vancê é uma só e mermo qui queiresse, já terá sido murdida pela Cobiça e com o veneno disto, será munto fárci vancê merguiá de cabeça na corrupção. Num entre em política, minha jove. Num entre qui na idade adurta, caje véia, vancê vai se vê im parpos de aranha. Mas aí, ouça bem, será munto tarde pra chorá. Num terá cuma andá de vorta”. Mais

A CAMPANHA FOI CONDUZIDA NA FORMA DA LEI E AS CONTAS APROVADAS PELO TSE.

Deixe um comentário

"Eis oque vocês merecem! Bala! Imundos! quem pensam que são?"

“Eis oque vocês merecem: Bala! Imundos! quem pensam que são?”

Este é o bordão do PTralhista, sempre que é flagrado no mar de lama da corrupção. Agora, os PMDBistas e PSDBistas também adotaram o mesmo bordão. Tudo foi feito estritamente dentro da Lei. Nenhuma doação foi criminosa. As empresas jogaram seus dinheiros no lixo da Moral e da Ética absolutamente dentro da Lei. É, na boa e na má ação, sempre quando o sapato aperta todos os iguais se irmanam…

José Serra, o Santo do Pau cheio de cupim, foi dedurado pela arraia miúda da Odebrecht, os executivos. Mas quem pode jogar a primeira pedra nele? Afinal, quem está no mar ou nada ou se afoga. E ele está nas águas turbulentas do Oceano da Polititica Nacional Brasileira desde quando o diabo ainda dizia “dá-dá”. Não tem jeito, gente, ou se faz uma revolução POPULAR, não OPERÁRIA, mas POPULAR MESMO, com a gentalha que estupidamente tem-se deixado esfolar pelos patifes de colarinho branco, ou nunca o brasileiro sairá da condição de escravo, mesmo que obrigado a usar gravata com camisa de qualquer cor, menos branca. O colarinho branco já tem dono neste país de patifes. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CIX ): YEHOSHUA ACONSELHA EZEQUIEL, O RABI.

Deixe um comentário

Ele começara e já não mais tinha como ser parado.

Ele começara e já não mais tinha como ser parado.

O rebuliço causado em Cafarnaum pelo milagre coletivo que o jovem do poço havia realizado durou três dias. Após isto, a notícia esfriou. As pessoas que tinham assistido a tudo, na maioria, eram viajores que transitavam pela cidade em demanda de outros destinos, e as mulheres logo foram silenciadas por seus maridos ciumentos, os quais não receberam de bom grado o rejuvenescimento de suas esposas enquanto eles continuavam estragados e envelhecidos. O ciúme e o zelo pela sua posse exacerbou-se entre alguns, a ponto de as companheiras terem sido proibidas de comentar qualquer coisa a respeito do milagre. Agora, a quase totalidade das que tinham sido privilegiadas pela cura não saía de casa e os raros curiosos que tentavam aproximação, se não fossem parentes, eram corridos a pauladas. E os parentes estavam prevenidos para não tocarem no assunto sob pena de apanharem e serem corridos da casa.  No entanto, na cidade havia muita expectativa e muita curiosidade a  respeito do jovem filho do construtor Yoseph. Quem soube da filiação de Yehoshua lembrou-se dele e de seu pai. Embora recordassem de um rapaz calmo, sempre alegre e participativo, não acreditavam que ele tivesse adquiro poderes sobrenaturais nem, muito menos, que realmente fosse o enviado de Yeveh para a libertação de Israel. Tinha de ser alguém militar, conhecedor das artes da guerra e disposto a convencer o povo hebreu a se alistar para a batalha. Ela seria naturalmente sangrenta e com toda a certeza, se não contasse com a ajuda do Todo Poderoso Yaveh, o resultado da refrega seria desastrosa. Roma era uma potência incalculavelmente poderosa. Seus exércitos contavam-se aos milhares de milhares. E eram de homens afeitos a combates, muito bem treinados e sempre mantidos no treinamento ininterrupto. Não se vencia um legionário facilmente. Mesmo os poderosos celtas e os aguerridos germanos, sírios, persas, egípcios e outros povos não davam conta de ganhar uma batalha contra uma centúria romana, ainda que com a vantagem de dez homens contra um. O enviado de Yeveh tinha de ser alguém especial, diferente. Ninguém sabia dizer que tipo de diferença ele deveria ter, mas todos esperavam um ser amedrontador, fisicamente poderoso como o mitológico Sansão. Mais

NOSSA LÍNGUA AGONIZA (VII)

Deixe um comentário

A TÍTULO DE INTRODUÇÃO

Eis alguém de quem eu não queria ser vizinho nem pago.

Eis alguém de quem eu não queria ser vizinho nem pago.

Um vizinho com quem raramente falo – sou avesso a interação muito íntima com vizinhos – aproximou-se de mim e ficou quieto, observando eu aguar um tamarindeiro que teimei em fazer crescer e dar frutos, apesar do ataque impiedoso de gafanhotos. Os pestes comem até os galhos das folhinhas e matam a árvore. Como este é o período mais terrível do Centro-Oeste, quando o ar seco chega a espantosos 9% de umidade no ar e o frio só é sinal de que nossa pele vai ressecar e rachar de tanto coçar, as árvores se desfolham e a paisagem fica muito feia no cerrado. A matinha do morro que há perto de minha casa fica marrom, feia, dando a impressão de um cemitério de árvores.

Meu vizinho esperou um tempão e como viu que eu nem ao menos me dignava a lhe dirigir um olhar, falou.

— Ela é um contraste vivo com a paisagem desta pracinha… Aliás, todas as árvores que o senhor plantou, as jaqueiras, os abacateiros e a mangueira, sempre estão vivas e com folhas verdinhas, apesar deste tempo de morte para a maioria das plantas. Parece que sua atenção e seu carinho fazem bem a essas plantas… O senhor acredita que elas sentem o amor que alguém lhes dedique?

Olhei para sua face. Eu estava de cócoras e ele de pé. É um homem alto, ao menos comparativamente a mim, que meço 1,69 m. Ele tem uma cabeça a mais que eu em altura. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CVIII ): YEHOSHUA TRABALHA PARA SER CONHECIDO EM TODA A PALESTINA.

Deixe um comentário

Era chegado o tempo das maravilhas. E ele sabia bem a quê isto iria levá-lo.

Era chegado o tempo das maravilhas. E ele sabia bem a quê isto iria levá-lo.

Yehoshua caminhava sem pressa pelo meio das gentes que transitavam afanosamente pelas ruas de Cafarnaum. Ninguém parecia notá-lo e os que o notavam não pareciam reconhecer nele algo especial. Então, o Mestre dos Mestres encaminhou-se para o poço central da cidade, onde muitas mulheres vinham encher suas bilhas e conversar um pouco sobre os acontecimentos de que tinham sabido. Ele se aproximou e com um sorriso pediu a uma das presentes que lhe desse um pouco de água. A mulher olhou-o com olhar cansado. Era uma das poucas que não falavam. Apenas prestavam atenção ao papaguear das outras. Yehoshua insistiu no seu pedido, já que a mulher não se movia. Ela, sem dizer nada, estendeu-lhe uma concha de madeira para que ele apanhasse a água de que necessitava. Yehoshua mergulhou a concha na água do poço e levou-a aos lábios. Bebeu toda ela e devolveu à mulher a concha, com um agradecimento murmurado. Então, pediu licença para se sentar entre elas, o que causou de imediato um silêncio de curiosidade. Não era comum homens se sentarem com as mulheres em praça pública. Mais

Older Entries

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 303 outros seguidores