Deixe um comentário

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=444824739615155&id=444597499083584&sfnsn=mo

MULHERES ESTUPRADAS EM TERREIROS E CENTROS ESPÍRITAS. VERDADE?

Deixe um comentário

Exú Tranca Ruas realizando uma consulta em Terreiro de Umbanda.

Vi na TV uma notícia que só veio-me aumentar a desconfiança dessas mulheres que acusam os espíritas, sejam de  terreiro, sejam de centros de cura material diretamente por ação de Espíritos manifestados através de médiuns. Na nova notícia, um Pai de Santo (não sei de onde nem de que terreiro) foi acusado por algumas das mulheres que freqüentaram (ou dizem que o fizeram) o terreiro em busca de ajuda espiritual. Elas garantem perante a Lei que foram estupradas ou abusadas pelo medium quando este estava “manifestado” (ou, como dizem alguns,”incorporado”). Eu conheço o Espiritismo de Terreiro. Tabalhei num deles por 14 anos e freqüentei mais de cem como visitante, logo, não sou nenhum tolo com relação ao que pode ou não, acontecer em tais locais. Mas antes de expor minha opinião sobre tais “vítimas”, preciso informar alguma coisa sobre o que é a “incorporação” mediúnica e o que é o fenômeno da mediunidade. Vejam o esquema Teosófico (também sou Mestre em Teosofia) abaixo sobre a constituição do corpo de uma pessoa, independentemente de sexo carnal. No esquema abaixo você pode ver que o corpo denso, feito de carne, ossos e sistemas fisiológicos, está totalmente contido dentro de um Ovo luminoso. Ninguém, creia no que creia, pode existir se não estiver totalmente integrado num Ovo Áurico como o da figura abaixo. Ele é composto de sete tipos de matérias, incluindo entre elas, a matéria física.

O Ovo Áurico – um ovo luminoso, brilhante nas pessoas espiritualmente altamente desenvolvidas; opaco e pequeno nas pessoas pouco desenvolvidas, quer mental quer espritualmente.

Este Ovo protege o frágil corpo físico-denso ou carnal de toda pessoa contra energias que fluem das estrelas, inclusive de nosso Sol e se espalham pelo Cósmos todo, assim como daquelas que são emitidas como ondas de pensamento-emoção de nossos semelhantes dirigdas a nós mesmos. Ele também registra, sob a forma de luzes que flutuam dentro de si, os pensamentos, as emoções e os desejos da pessoa independentemente de qual país seja ela, bem como de sua cor de pele, de sua Religião Exotérica (= religião de rituais voltados para as multidões e que servem somente para emprestar importância ao homem aparamentado de Pastor, Padre etc… diante de seus fiéis). Não vou retomar o tema da constituição do Ovo Áurico porque já o abordei aqui exaustivamente, em outros artigos e em anos anteriores, além do que as livrarias estão cheias de livros a respeito, bem como a internet também está abarrotada deste assunto.

O Ovo Áurico é o verdeiro céu ou o verdadeiro inferno de cada ser humano. Ele pode se expandir praticamente ao infinito, tudo dependendo do grau de Evolução Intelectual ou Espiritual da pessoa. No entanto, o conhecimento intelectual não influi senão de modo muito pequeno neste processo. O Ovo Áurico se expande na medida em que a Espiritualidade – isto é, a capacidade de a pessoa se distanciar das ilusões do mundo físico das aparências e se aproximar de seu DEUS INTEROR aumenta e se torna um modus vivendi inabalável. Não existe nenhum céu nem nenhum inferno fora do Ovo Áurico de quem quer que seja. Pensamentos, reações emocionais, palavras pensadas ou pronunciadas que possuem energias positivas ou negativas contra outras pessoas, contra parentes ou contra até mesmo o próprio indivíduo são entidades que possuem energias emocionais as quais as mantêm vivas e ativas por quase toda a Eternidade. E estas energias vão atuar diretamente no CORPO EGÓICO, onde o Verdadeiro Deus de cada um de nós repousa. Isto faz que retorne na forma de punições ou gratificações segundo o merecimento do indivíduo. Na figura acima, do Ovo Áurico, o Corpo Egóico está na parte superior do Ovo e se você é uma pessoa comum, sem qualquer iniciação Esotérica, pode saber onde está seu Deus Interior levantando sua mão direita, braço estendido para o alto, estando de pé com as pernas juntas. Bem na ponta de seu dedo médio encontra-se o Corpo Egóico (Corpo do EGO ou EU SUPERIOR). Ali, dentro do Corpo Egóico, num “casulo” feito de Matéria Espiritual, repousa o Espírito de qualquer indivíduo, independentemente do que ele acredite ou não. Ali está o Pai Celestial e, não, num céu imaginado algures, perdido na imensidão do Espaço.

Vamos, agora, passar ao fenômeno Mediúnico. O que é isto? Os mediuns em geral tendem a afirmar que a mediunidade não é uma virtude, mas um castigo do Cosmos ao seu Espírito porque em vidas pretéritas cometeram muitos erros e, nesta existência devem pagar por aqueles erros praticando a caridade através da mediunidade. Eu não concordo com isto. Pelo que já pesquisei e aprendi, a mediunidade deve ser considerada um avanço do Espírito na Senda da Evolução ou da Salvação, como queiram entender isto. Por outro lado, o Esoterismo e o Ocultismo mostram que toda pessoa tem mediunidade. Umas mais, outras menos. Mas todos somos médiuns. Sei que esta afirmativa vai fazer que alguns religiosos exotéricos babem de revolta como se estivessem com a raiva canina. Mas não adianta revoltar-se contra a Lei do Criador, pois ela é absolutamente inviolável e independe da Vontade ou das crenças infantis de religiosos exotéricos.

Agora, olhem o esquema do Ovo Áurico e vejam que a figura humana dentro dele possui sete centros luminosos que se apresentam em linha ascendente, partindo da parte inferior do  tronco e indo até o ápice do crânio. São os Chakras. Não vou discorrer sobre eles porque já o fiz à exaustão aqui, no blog, também, em anos anteriores. Mas para esclarecer mais, vou mostrar um esquema de como cada chakra se organiza para estar presente nos sete corpos que constituem um indivíduo humano, a saber: corpo físico-químico; corpo etérico-astral; corpo mental; corpo intuicional; corpo espiritual e corpo divino.

Vejam o esquema que criei para representar esta condição de cada Chakra nos nossos sete corpos sutis, abordando somente a estrutura do Chakra dentro do Subplano de Materia Etérica.

Um chakra se abre em inúmeros outros e estes outros “nascem” do centro do anterior. Possuímos em nossa constituição física-sutil 78 níveis de matérias e em cada nível possuímos um Corpo Sutil. Na condição de cidadão comum, estes corpos estão, em quase sua totalidade, “adormecidos”. Cada chakra fixado em nosso corpo Etérico emite de seu centro outro chakra de matería mais sutil cuja “boca” abre-se no correspondente do corpo humano em outros tipos de matéria sutil até a septuagésima oitava.

Somos uma entidade muito complexa. Não é simples chegar à Evolução de um Cristo, como o fez Jesus ou Yehoshua. No entanto, esta Evolução não se dá de mistura com o Cosmos da Terceira Dimensão que podemos enxergar com nossos olhos carnais e os intrumentos físicos que inventamos. Este é um assunto complexíssimo que não dá para ser abordade aqui de modo simplista. Digo-o tão-só para que os menos avisados entendam que a Criação Máxima da Entidade a que chamam infantilmente DEUS é um mistério para a pessoa mesma (Decifra-me ou te devoro, estão lembrados?)

O OVO ÁURICO de qualquer pessoa É INVIOLÁVEL POR QUALQUER ENTIDADE NÃO IGUAL OU SUPERIOR A UM DEVA ou Deus Menor (Arcanjo, por exemplo). Assim sendo, nenhum espírito desencarnado de uma pessoa humana pode apossar-se do corpo de alguém, como pensam os ignorantes dos segredos do Espiritismo, seja de Umbanda, seja de outro tipo. Por isto mesmo, o Espirito de uma pessoa que já deixou o envólucro físico-denso material não pode entrar em contato diretamente com o corpo material de alguém, não importa quanto de evolução tenha alcançado, desde que ainda permaneça preso à Roda do Samsara ou à Roda das Encarnações. Ele não pode penetrar no Ovo Áurico da pessoa, pois este Ovo é sua proteção inviolável por conter o Corpo Egóico, a morada de Deus em cada um de nós. Assim sendo, não existe a “incorporação” tal como os desavisados acreditam. Nenhum espírito desencarnado, por mais evoluído que seja, tem permissão de se assenhorear do corpo físico-denso de ninguém. Então, você me pergunta: como acontece o fenômeno da manifestação espírita dentro de um Terreiro de Umbanda?

Volte a examinar o equema do Ovo Áurico. Os pontos luminosos ou Chakras inferiores (básico, sexual, esplênico) se correspondem diretamente com os superiores (coronário – no alto de nosso crânio; frontal e laríngeo). O Chakra do Coração é único e não se corresponde com nenhum outro. Ele é especial e dele não vou falar aqui.

O chakra mais sensível é o chakra esplênico, cuja “boca” se abre um centímetro abaixo do umbigo do ser humano. Este chakra, tal qual os demais, possui uma tela sutil feita de matéria etérica, (a mesma que constrói o corpo etérico que é uma cópia fiel do corpo físico-denso de qualquer pessoa), que cobre sua “boca” e impede que ele seja penetrado por outro ser humano desencarnado. No entanto, nos indivíduos que são mediúnicos esta tela protetora se encontra deslocada para um lado e isto abre um fenda pela qual uma entidade desencarnada pode influir no chakra Laríngeo do médium. O Umbilical é a única porta pela qual uma entidade superior pode penetrar para atingir o chakra Frontal ou Ajna. No entanto, nem todos os espíritos desencarnados conseguem esta façanha. A não ser que a tela protetora tenha-se deslocado com muita violência para o lado, de modo a deixar a “boca” do chakra desprotegida, o que acontece nos viciados em drogas e práticas coitais desregradas e taras imorais e repulsivas. Neste caso acontecem as posessões ditas demoníacas. Também disto não vou falar aqui.

Agora, entenda como acontece o fenômeno conhecido erroneamente como incorporação. Um Espírito já evoluído na senda do Caminho, da Verdade,  e da Vida, tem licença para se manifestar através de um médium. Primeiramente ele procura uma EGRÉGORA (uma forma luminosa que brilha nos níveis sutis da matéria como um balão sobre qualquer local onde pessoas se reúnem para cultos de quaisquer religiões. A Egrégora é composta do somatório das emoções das pessoas dentro do templo). Ele observa atentamente esta egrégora, principalmente as de Umbanda e Espíritas em geral. Precisa estudar a qualidade dos corpos etéricos-astrais dos que ali se reúnem e qual tipo de luz emana dos corações daquelas pessoas, se boa, clara, amorosa, ou se de qualidade má, emanada de corações egoístas, mentirosos, falsos, traidores etc… Neste caso, ele se afasta daquela Egrégora e vai procurar outra. Numa EGRÉGORA POSITIVA ele preocura aquela pessoa mediúnica que tenha afinidade com sua Luz Evolutiva: a Luz do Perdão; a Luz do Conhecimento; a Luz da Magia Branca; a luz da Cura Física; a Luz da Cura Mental; a Luz da Cura Emocional etc… Este espírito procura um Centro Espírita onde possa encontrar um médium que tenha possiblidade afinitiva com sua vibração espiritual. Postura-se do lado direito do médium, fisicamente à altura de uns cinco a dez metros de distância de seu corpo físico. Concentra sua força mental no chakra esplênico ou Umbilical e através da fenda na tampa deste chakra atinge o chakra Frontal, que é aquele que se encarrega da FALA. Através do Frontal domina a glândula pineal e todo o sistema nervoso relativo à fala dentro do cérebro. Então, afinando-se com a média da crença geral dos que freqüentam aquele Centro Espírita ou Terreiro de Umbanda, fala como preto velho, caboclo índio, exu, cabocla índia etc…

Como ESPÍRITO NÃO FALA, ele se serve do aparelho fonador do medium e, através deste, comunica-se com o seu “consulente”. Durante o tempo em que está atuando, o Espírito que se comunica domina e faz entrar em recessão a Vontade do médium, de modo que ele perde o controle de seu aparelho fonador e de seu corpo mesmo. A maioria não perde, contudo, a CONSCIÊNCIA DO QUE ASSISTE. No entanto, não possui nenhuma capacidade de interferir com o que se passar à sua volta ou com o que é levado a fazer pelo Espirito que através dele se manifesta. Está numa espécie de transe de hipnose e, quase sempre, quando o Espírito que se comunicou através dele vai embora, sua consciência do que fez dentro do Terreiro de Umbanda ou de um Centro de Cura Espiritual se esvanece e ele pensa que não ouviu nada nem viu nada. Se hipnotizado, contudo, pode narrar minuciosamente tudo o que viu e fez sob o comando do Espírito que o controlou, assim como pode descrever as pessoas que através dele se consultaram com a entidade espiritual.

Agora, vamos à função do chakra umbilical. Ele domina os chakras que estão abaixo, como o sexual e o básico. Assim, quando o Espírito que se manifesta está em ação, o medium não tem nenhuma reação libidinosa, mesmo que diante de si esteja a Miss Universo em pessoa, nua, excitada e disponível. Isto porque a pineal e a pituitária são glândulas, com prioridade para a segunda, que controlam os hormônios sexuais, logo, controlam a libido. E sob a influência do Espírito que se comunica, suas funções ficam inibidas neste quesito. Se há um espírito agindo verdadeiramente, o corpo nu da mulher diante do medium não lhe desperta qualquer impulso libidinoso, visto que a libido é uma função puramente física, carnal, não tendo correspondência com nada que diga respeito aos corpos sutis superiores. E um espírito evoluído não possui nenhum resquício do que é restrito puramente à carne. Ele não tem órgãos sexuais, assim como não tem órgãos excretores ou qualquer coisa semelhante. E se não tem mais isto, não mais sente os acicates comuns exclusivamente ao corpo carnal da pessoa.

Esclarecido o acima, digo agora que desconfio da enxurrada de mulheres “estupradas” por médiuns. Principalmente os de terreiro, onde as consultas são à vista de toda a assistência e quando há necessidade de um atendimento em particular, o guia espiritual sempre requer um assistente na condição de cambono ( com frequência até mais, uns dois ou três). O cambono é aquele médium que providencia tudo o de que o Espírito consultado necessita para realizar seu trabalho. Não defendo, aqui, o homem que se diz médium e se conhece como João de Deus. Ele não era médium de  “incorporação”, logo, trabalhava plenamente dono de suas faculdades psicofisiológicas. Mas no que  tange à acusação a “pais-de-santo” de Umbanda, duvido muito que, se o terreiro tem realmente um guia espiritual, tenha havido qualquer estupro. Não é possível. Mesmo nos terreiros de Candomblé, que trabalham com elementais conhecidos como “Eguns”, supostos espíritos humanos (que na verdade não o são, mas cascões etéricos sem mais a presença do Espírito que dele se serviu enquanto tinha corpo físico), este “fenômeno” não só é raro como é difícil de acontecer. Os cascões mantêm os vícios dos que morreram e se estes sofriam de algum desvio de caráter, Moral ou fisiológico quanto ao coito e aos prazeres coitais, certamente que o Cascão os mantêm ativos. No entanto, eles, os Cascões, não têm a consciência da artimanha da enganação. São tendenciosamente rudes e grosseiros e logo são detectados pelos presentes. Dificilmente uma mulher se deixaria enganar por eles.

Embora vá desagradar a alguns leitores, creio mais na hipótese de se tratar de beatas de igrejas evangélicas cujos pastores, gananciosos, as  tornam histéricas com suas doutrinações condenatórias a respeito do Espiritismo e as levam a tentarem (e até agora terem sucesso) engendrar uma mentira grosseira para incriminar e desacreditar todo o Espiritismo. Não é de hoje que evangélicos radicais, de baixa inteligência e manipuláveis, atacam de modo grosseiro os terreiros de Umbanda, Candomblé ou Quimbanda. Talvez até aconteça de mulheres que traíram seus maridos e, aproveitando a onda, trataram de lançar sua escapada à conta de um estupro sofrido num terreiro escolhido como a bola a vez. Tudo pode acontecer, menos, e eu friso: menos um médium verdadeiro ter realizado o ato do estupro com ela.

Até acredito que entre as fantásticas centenas de mulheres que se declararam estupradas ou violadas pelo homem chamado de João de Deus ao menos metade está aproveitando a onda para se livrar de alguma falcatrua própria da tentação da carne. João de Deus teria de ser um super-homem para violentar tantas mulheres e só depois de anos elas surgirem para o delatar. Mesmo que se alegue ser ele um homem perigoso, a maioria dessas mulheres nem são da cidade onde ele trabalhava, nem mesmo do Estado de Goiás. Assim, bem podiam ter contado o fato ao seu parceiro e à polícia de seu local de origem, prevenindo-se com um mandado judicial contra o estuprador ou molestador, pois nem todas se declararam estupradas, mas apenas molestadas.

Seja como seja, está muito estranha esta história de, agora, pipocar estupro por médiuns Brasil a fora. Como, no momento, estamos sofrendo de uma epidemia de evangelismo, que tomou conta de nosso Legislativo e fez do parlatório púlpito para as mais estranhas pregações tipicamente histéricas (ou fingidamente histéricas) evangélicas e os mais estranhos ritos de orações e bênçãos, não há que duvidar que muitas evangélicas, ou por tacanhice ou por esperteza, se servirem dos médiuns para se livrarem de alguma traquinagem que levaram a efeito às escondidas do marido, dos pais, do amante ou seja lá de quem seja. Quando esta evangelitite passar, se Deus quiser, então será possível à Polícia realizar investigações sérias, destituídas do poder coercitivo de certos pastores de meia-tijela. Até lá, ainda vão aparecer muitas “donzelas” violentadas por coitados pais-de-santo.

A propósito, mesmo tendo sido um médium ativo durante alguns anos, nunca fui realmente um espírita convicto, encabrestado por estereótipos tolos. Sempre adotei a postura de investigador cientista, hábito que adquiri na Universidade Gama Filho, no tempo em que cursei Psicologia. 

Por isto mesmo, nunca fui obrigado a permanecer num terreiro a vida toda, praticando os mesmos rutuais até o final de meus dias. O Espiritismo foi, para mim, um terreno de estudo e esclarecimento, pois nele encontrei explicação para muitos fenômenos paranormais que me aconteceram às dezenas antes mesmo de eu na Umbanda entrar. Sou grato a inúmeros cabocos de Umbanda, principalmente ao Caboco Itaquarussu, que me mostrou com ações absolutamente espantosas, como, quando um Espírito de Luz quer, nem mesmo os emproados generais e coronéis deste mundo podem alguma coisa contra aquele que ele protege. Eu fui perseguido tenazmente por oito coronéis e um general na empresa em que trabalhava, a Estatal EMBRATEL, a qual ajudei a criar. Eles fizeram de tudo para me jogar no DOPS e não conseguiram. Todas as suas armações, a maioria que eu desconhecia até que me foram reveladas por ITAQUARUSSU, falharam fragorosamente. E quando eu, irritado, raivoso, comprei uma arma para matar o General Presidente da Empresa (General Galvão, e seus acólitos, entre eles os mais ferozes, Paulo Ignácio Domingues, José de Castro Dieguez e mais seis outros), o que aconteceu porque eu tinha sido demitido pelo General que estava irritado com minha intransigência em admitir apadrinhados do Palácio do Governo Federal sem que os obrigasse a se submeterem aos testes de seleção (todos eles reprovados, sempre), o caboco me pediu três dias para realizar a reversão da demissão. Eu não acreditei que ele pudesse tanto. Mas no terceiro dia o Diretor do Departamento de Administração, um Coronel que viera da PETROBRÁS para trabalhar na recém-criada EMBRATEL, chegou do esterior e soube da assinatura minha demissão (que ainda não me havia sido comunicada oficialmente). A briga entre os dois foi feroz e o general teve de rasgar a demissão pressionado pelo Coronel, do qual ele dependia para manter os planos administrativos da empresa. Sem contar que o coronel ameaçou levar toda a intriga para os jornais, um escândalo nada alvissareiro para a empresa e, pior, para o General, reformado por atos impróprios nas forças Armadas (aliás, assim como todos os coronéis que tinham encontrado abrigo na recém criada EMBRATEL). E assim, rindo, o caboco ITAQUARUSSU me disse: “Viu, fio? No terceiro dia. Não te disse que eu anularia aquela besteira?”

Eu não creio em estupro cometido por médiuns em terreiros de Umbanda, afirme o contrário a mulher que quiser. Se tal aconteceu, ela certamente aceitou tacitamente o ato.

AFINAL, QUEM É DEUS? (III)

2 Comentários

Este é nosso lar. Um lar do qual não estamos cuidando bem. Irresponsavelmente só damos valor ao que não tem valor.

No Facebook alguns me chamaram de louco ou fantasioso. Nem uma coisa nem outra. Apenas não me prendo aos líderes de religiões exotéricas, isto é, religiões que dão muito valor ao exterior, aos rituais, às aparências e que através destas, tentam mostar um Deus à semelhança do homem, Sua ínfima criação Cósmica. Mas na verdade é o contrário. Nós é que somos criados à Sua Semelhança. Não na forma física, e é aqui que os líderes de religiões exotéricas se atolam. Nós somos à Sua semelhança porque em nós, naquilo que os exotéricos desconhecem, mas os esotéricos conhecem bem, Ele habita dentro do Ovo Áurico de cada um de nós, numa parte extremamente sutil e na parte superior deste Ovo, num casulo conhecido pelos esotéricos como Corpo Egóico, ou Corpo que tem a forma do Ego (Eu).

O Ovo Áurico é constituído de todas as Matérias que O Inominado colocou em nosso Universo, isto é: matéria etérica (uma matéria sensitiva e que empresta aos corpos densos sua capacidade sensorial); matéria astral (ou matéria emocional porque empresta ao corpo denso sua capacidade de se emocionar); matéria mental (que empresta ao cérebro físico denso sua capacidade de pensar, raciocinar, induzir, deduzir, concluir e criar imaginativamente ou fantasiosamente); matéria intuicional (ou matéria intermediária entre o Espírito e a Alma (Identidade Individual) do ser humano encarnado e que a este empresta a capacidade de intuir e, com ela, descobrir os segredos que o Incriado escondeu em Sua Criação, quer no Espaço, quer no planeta em que vivemos; matéria espiritual (aquela onde têm existência seres superiores aos terrestres (querubins, anjos, arcanjos etc…); e matéria divina (aquela onde os seres mais próximos do Incriado têm existência e que a Igreja Católica chama de Tronos). É lógico que sei que estou deixando totalmente tontos os que nunca tiveram coragem de ousar ir além do que contém o “livrinho preto” dos cristãos. Paciência. Os que “têm olhos de ver e ouvidos de ouvir” poderão encontrar aqui um dedo apontando o Caminho para a Verdade e a Vida. Os que não têm isto… Paciência. A Geena os espera…

Nos dois posts anteriores chamei a atenção para um fenômeno muito intrigante: a existência de Universos Paralelos, dos quais a Ciência pragmática humana já não mais duvida. Nos Universos mais próximos de nós supõe a Ciência Pragmática Humana que há sistemas estelares que são cópias absolutamente iguais aos que estamos habituados a ver no nosso céu. E também há terras totalmente idênticas a esta em que vivemos. Logicamente, com seres viventes também totalmente iguais aos que estamos habituados a ver em nosso planeta. Há, inclusive, a cópia exata de cada um de nós. Agora pensem comigo:

Um Universo é suposto uma dimensão infinita. Ninguém pode sequer imaginar o fim de um Universo. E quando considerado objetivamente o que se intui é que NADA PODE EXISTIR FORA DO UNIVERSO. Tudo o que existe nele, nele está contido. Então, nem eu nem você nem ninguém consegue imaginar qualquer coisa que tenha existência além dos limites do Universo, sendo que tais limites não nos é facultado imaginar objetivamente. É por esta razão que os DRUIDAS afirmavam e seus seguidores ainda afirmam que DEUS É O UNIVERSO. E como o Universo é o ESPAÇO “INFINITO”, então DEUS É O ESPAÇO. Bom, se você parar para pensar, os Druidas foram os que mais perto chegaram da idéia de Deus. O Espaço está em tudo e não é contido por nada. O Espaço está na mais mínima particula subatômica tanto quanto está na imensidão que abarca tudo o que a mente humana possa imaginar. Sem o Espaço nenhum corpo físico denso e, por extensão, nenhuma forma de Vida poderia ter existência. Talvez por isto é que os Papas do Cristianismo afirmam que DEUS É ONIPRESENTE, ONISCIENTE E ONIPOTENTE. Ele está presente em tudo; Ele sabe tudo; Ele tem todo o Poder. E só há uma entidade que preenche todos estes requisitos: O Espaço. Quem discordar que querele com os Druidas. Eu, de minha parte, aceitei muito bem esta idéia deles.

A Bíblia judaico-cristã começa dizendo, em Gênesis: “No princípio era a Escuridão. E o Espírito repousava sobre as águas”. Nas Bíblias reescritas por inúmeros ignorantes desta verdade ou este trecho foi retirado, ou, pior, está escrito de modo totalmente errado. E o Gênesis continua assim: “E Deus disse: Fiat Lux! E a Luz se fez”. Vamos voltar ao meu primeiro post. Nele eu chamei a atenção do leitor para o fato de o Espaço ser negro. Eu escrevi: Quando o primeiro homem foi ao espaço exclamou extasiado: ‘A Terra é azul!’ Hoje, fotos de ‘nosso lar espacial’ no-lo mostram como uma bola belíssima, toda azul manchada de branco, flutuando num espantoso vazio negro, absolutamente negro. Guademos esta informação fotográfica: O espaço sideral é escuro, totalmente negro. Os objetos dentro dele têm sua própria luz, mas o Espaço mesmo é negro.

Por que eu pedi que o leitor guardasse esta informação científica? Por que ela nos dá a cor do Verdadeiro Deus: Ele é negro; Ele é preto. O Espaço é Negro, é Preto e o Espaço é o Verdadeiro Deus. Por isto o Gênesis hebraico começa dizendo que “No Princípio era a Escuridão…” Pronto, eu acabei de atiçar o fogo do racismo em alguns de meus leitores. Como posso ousar afirma que DEUS É NEGRO? Mas esperem: Não fui eu quem disse isto pela primeira vez. Os hebreus já tinham esta idéia registrada há mais de cinco mil anos em seus livros sagrados. E o Catolicismo e seu Cristianismo total aceitou isto quando adotou a Bíblia, uma cópia incompleta dos Livros Sagrados dos Hebreus. As Bíblias escritas até os idos de 1940/1950 tinham o Gênesis começando EXATAMENTE COMO EU REGISTRO AQUI. E sei disto porque estudei em colégio de Padre, na década de 1950, e a Bíblia daquele tempo era obrigatória em colégio religioso. E fui seminarista, o que quer dizer que tive de quase decorar o livrinho negro dos cristãos. E o Gênesis continuava assim: “E o Espírito repousava sobre as águas. Então Deus disse: Fiat Lux! E a Luz se fez”.

Em 1972, a Editora Livros do Brasil S/A editou uma nova Bíblia (em quatro volumes que eu tenho em minha biblioteca) onde o início do Gênesis já se encontra “castrado” em sua forma. Nela se lê, no Capítulo 1 – Criação do Universo: “No princípio criou Deus o céu e a terra”. A parte totalmente esotérica foi eliciada pelo Papa. Por que? Por que a autoridade papal vem, juntamente com os dissidentes do catolicismo, retirando da Bíblia dita Sagrada tudo o que é Esotérico? Na Bíblia que eu era obrigado a ler no colégio de padres, em 1950, em latim havia o estudo da Árvore Sephirotal. Nela se abordava os significados de cada Sephirat e dava a interpretação que se acreditava ser a verdadeira ao conjunto das sephirot. Estudava-se, também os Sete Corpos do Homem assim como seus Sete Chakras Sagrados. Estudava-se o significado profundo da Menorá, o candelabro de sete braços do judaísmo. Hoje, todo aquele Saber profundo foi elidido das Bíblias cristãs e, por extensão, das ditas Protestantes ou Evangélicas. Esta castração da Verdade deu aso a que nascesse essa coisa aleijada chamada de Evangelismo ou, como eu o chamei de gozação: Evanvirose Dizimófilus Gulosus.

Os que me chamaram de louco ou fantasioso, agora vão achar que estou merecendo uma camisa de força. Não importa. Disse o Rei dos Reis: “Deixai que os mortos enterrem seus mortos”. Também disse: “Deixai que os cegos guiem os cegos”. Faço destas Suas sentenças, minha defesa. Escrevo para os que têm sede de saber. Para os que desejam saber o que há por detrás da peregrinação dos hebreus pelas areias do Sin e da Pedra de Horeb.

Bom, paro por aqui, hoje. Pode ser que frustre os que querem Conhecer, mas paciência. Acima há muita informação em que se pensar e meditar…

NAMASTÊ!

AFINAL, QUEM É DEUS? (II)

3 Comentários

Bom, eis-me aqui de volta. Quem me acompanhou?

Não sei se você, leitor, já se fez esta pergunta. Sei que os agnósticos não se incomodam com o que julgam uma grande tolice. Mas não é mesmo. Tolice é não se preocupar com essa Entidade Misteriosa, Desconhecida, Onipresente, Onisciente e Onipotente. Os que se dizem agnóstico não atentaram para um fato espantoso e que passo a citar. Olhem para as fotos abaixo:

Esta foi a morada que esse ser misterioso e desconhecido nos deu para vivermos nossa epopéia durante o tempo em que quisermos vivê-la. E pelo andar da carruagem, este tempo está-se esgotando por nossa própria responsabilidade.

Quando o primeiro homem foi ao espaço exclamou extasiado: “A Terra é azul!” Hoje, fotos de “nosso lar espacial” no-lo mostram como uma bola belíssima, toda azul manchada de branco, flutuando num espantoso vazio negro, absolutamente negro. Guademos esta informação fotográfica: O espaço sideral é escuro, totalmente negro. Os objetos dentro dele têm sua própria luz, mas o Espaço mesmo é negro.

Comece a se espantar. Nosso planeta, nossa “casa” ou nosso “navio espacial” é ridicularmente pequeno diante dos outros planetas no Sistema Solar. Para não ser totalmente humilhada, a Terra só é maior que quatro planetas.

O que a foto acima devia despertar-nos se fôssemos atentos ao mistério do Cósmos? Ela nos informa que somos ínfimos, mesmo dentro do Sistema Solar, onde a Estrela deste Sistema é de quinta grandeza.

Observemos a estrela Mu cephei, acima. Ela sozinha abarca a área correspondente à órbita de Saturno, o que significa que nosso planeta desaparece totalmente diante de seu gigantismo. O que pretendo chamando sua atenção para esta espetacular maravilha? Pretendo que você, leitor, pare e pense um pouco: se a Terra nem aparece diante da gigantesca estrela Mu Cephei, de que tamanho será uma pessoa nesta dimensão? Uma bactéria seria mil vezes maior que uma pessoa. Então, se o Sistema Estelar Solar é ínfimo, tão ínifimo que seria necessário um microscópio gigante para poder detectá-lo, o planeta Terra sozinho é menor que um pixel (um pontinho de luz que pisca no écran da TV). E uma pessoa seria de que tamanho?

Procurei chamar sua atenção para a ínfinitésima dimensão humana diante de uma estrela que é gigantesca, mas nada garante que no Universo não exista outra tão maior que ela a ponto de fazer que se necessite de um microscópio gigantesco, inimaginável, para que se possa enxergá-la. O Universo está aí, sobre nossas cabeças e a olhos vistos a perder de vista. Certamente tem de haver algum ser de inimaginável dimensão e Poder para o criar. Mas a nossa Ciência finitesimal já descobriu que no Espaço há uma infinidade de GALÁXIAS. Isto mesmo, GALÁXIAS! E não somos capazes de determinar quantas. Vejam o quão curiosa é a forma desta galáxia abaixo:

Esta é a Galáxia ANJO. Está a milhões de anos-luz deste micromicroplaneta
em que vivemos.

Cientistas do mundo todo se perguntam, sem conseguir uma resposta satisfatória: “Por que esta Galáxia tem esta forma tão ‘humana'”?

Agora, vamos juntos pensar nos Templos e na quantidade de religiões exotéricas que inventam um Deus ao qual adoram com rituais os mais diversos e variados. O que nos faz acreditar que realmente há um Deus que criou toda esta maravilha e nos colocou dentro dela com uma consciência privilegiada, ao menos no que tange às formas de vida que há sobre este globo a que chamamos Terra? Onde vive este Ser Fantástico? E mais importante: o que nos faz crer que somos os seres privilegiados do misterioso e desconhecido Deus criador de algo tão incomensurável quanto Ele Mesmo o é? Por que, tendo uma infinidade de Sistemas Estelares à Sua disposição onde pode criar quantas formas de humanidade desejar, Deus escolheu a humanidade terrestre para ser a Sua privilegiada?

Veja você: mesmo sendo ínfimo, um centésimo milionésimo de um pixel, nós descobrimos que esta dimensão em que Ele criou esta Maravilha indiscritível não é única. Simultâneamente há uma infinidade de UNIVERSOS PARALELOS. E também se descobriu que pelo menos em um destes Universos todos nós temos uma cópia nossa. Cópia que vive exatamente dentro de um Planeta Terra tal e qual este que habitamos. Mas parece que nossa cópia não é tão igual no que tange ao modo como vivemos. Sou Psicológo e aposentado. Minha cópia, contudo, pode ser engenheiro e estar em total atividade. Ou pode ser um “Pastor” e viver enganando pessoas de sua realidade como fazem muitos dos que se dizem pastores na realidade que conhecemos. Mas a descoberta não para por aí. Já se foi além. Agora se sabe que não há uma única cópia de nosso Sistema Estelar em outro Universo Paralelo. Há uma infinidade de cópias de nosso Sistema e nossas enquanto pessoas em uma infinidade de Universos Paralelos. No entanto, desconfia-se que tais cópais não são absolutamente iguais a nós nem os planetas que são cópias da Terra são exatamente como a nossa Terra. Em alguns Universos, o planeta Terra está anos-luz à frente do nosso no que tange à evolução dos humanos que o habitam, enquanto em outros, tais seres humanos ainda nem chegaram à condição de macacos humanóides… Por que isto? Quem imaginou tamanha maravilha e por qual razão? Será que nossas cópias também têm um céu a que sejam destinadas depois de um Juízo Final, como nós acreditamos (alguns pelo menos) ou um inferno eterno para onde devem ir os maus? Por que isto?

Como a Ciência desta humanidade representa os Universos Paralelos. Não significa que esta seja realmente sua realidade.

A pergunta mais inquietante é: um Universo contém tudo, abarca tudo e nada, absolutamente NADA pode existir fora dele nem maior que ele. Então, os Univeros Paralelos estão contidos dentro do Universo em que nós temos existência e consciência ou nosso Universo é que se encontra dentro de outro onde seus seres é que têm consciência de nós? Mas um Universo CONTÉM TUDO E NÃO É CONTIDO EM NADA. Como se explica este fenômeno real e objetivo? Ou será que TODOS OS UNIVERSOS estão contidos dentro de algo tão grandioso que é impossível para um ser humano sequer imaginá-lo? Este outro gigantesco e incomensurável Universo é a entidade que supomos existir eternamente e à qual chamamos DEUS?

Pense.

AFINAL, QUEM É DEUS?

Deixe um comentário

Do que eu rio? Nem queira saber…

A pior coisa para a humanidade brasileira da atualidade é se fazer esta pergunta, pois a quase totalidade de nosso povo está na UTI do Conhecimento devido a uma doença terrível: a Evanvirose Dizimófilus Gulosus, da qual já falei em post anterior. Quando vivíamos sob a infecção de outra doença terrível, a Papaose Franciscanículum diabólicus, da qual também já falei aqui, ainda tínhamos a liberdade de pensar, pois a infecção desta doença era leve e, diante da atual, inocente. Mas o vírus desta infecção evoluiu na medida em que o desenvolvimento intelectual de meu povo foi piorando a olhos vistos, enquanto no mundo todo a humanidade evoluía para um estado mórbido de adoração tecnológica absurda.

Com o advento de uma epidemia de ignorância jamais vista no mundo, a praga chamada PT, o povo de meu país desceu desembestadamente a ladeira da burrice crônica. Seus cérebros diminuíram de volume e minha gente passou a sofrer de preguicite aguda para pensar por si mesma. Assim como já sofria da terrível praga do “quero tudo de graça e sem trabalho”, agora também sofre da dependência total a espertalhões que, com o “livrinho preto” (para usar uma frase dita entre risos pelo Caboco de Umbanda chamado Itaquarussu) lhes toma o suado dinheirinho em nome de uma coisa absurda: o dízimo. Sei de pessoas pobres que, ainda assim, venderam tudo o que tinham para pagar o dízimo ao seu pastor. Mesmo sendo um homem vivido, meu queixo caiu. Houve coitados que venderam a pobre casa que a muito custo tinham construído para poder continuarem alimentando os aviões luxuosíssimos de seus “pastores”. Esses coitados parece que tinham sido hipnotizados e agiam como robôs. Para eles o dinheiro doado ao “pastor” compraria uma vaga no Paraíso no final dos tempos… Nunca, jamais vi tamanha absurdidade. Mas era o efeito do virus Evanvirose Dizimófilus Gulosus, que quando derruba uma pessoa esta dificilmente dele se livra.

Tais “pastores” já haviam sido previsto pelo verdadeiro Cristo, há três mil anos passados. Mesmo assim, os brasileiros, principalmente os das classes média e média-baixa, ignoraram o aviso e se entregaram de corpo e alma à exploração de suas vidas por estes líderes criminosos. Para mim, eles vendem a carcaça do Cristo Morto em troca do tal dízimo obrigatório… “Muitos virão e farão milagres em meu nome, mas no Dia do Juízo, quando a mim gritarem ‘Senhor, Senhor, eu salvei vidas e almas em Vosso Nome’ eu lhes responderei: Afastai-vos de mim que não vos reconheço”. Nos livrinhos pretos dos que se dizem Cristãos Não Católicos e se denominam Evangélicos, esta passagem foi deturpada e reescrita e reinterpretada para dar mais “poder” aos que haverão de ser repudiados pelo Verdadeiro Senhor. Mas não estou condenando a estas pessoas, é necessário dizê-lo agora, pois elas são Deus em Ação (?). Estou apenas falando sobre um fato que está claríssimo aos que ainda têm “olhos de ver e ouvidos de ouvir”.

E eis-me de volta ao mistério de todos os Tempos: Deus. Ele existe? Onde se encontra? Como Ele é? Realmente, toda as Maravilhas Cósmicas e terrestres são Sua Obra? Ele é Perfeito? Por que? A pergunta é válida visto que do que é Perfeito não pode nascer a Imperfeição… Ou será que pode? No entanto, o que se vê no mundo dos Homens (e dos doentes sexuais) é IMPERFEIÇÃO EM TUDO. E aqui cabe a pergunta: Como o Perfeito deu nascimento à IMPERFEIÇÃO? Como o Gozoso Supremo gerou o Demônio e lhe deu domínio sobre sua Criação na Terra? E o que é este termo: gozoso?

Eu não se se alguém já notou que os líderes católicos são mórbidos. Adoram adorar um cadáver dependurado numa cruz.

Bom, para começar, vamos compreender este tal de gozoso. Vejam o que se pode encontrar no Papai Google e na Wikipédia a respeito do instrumento mais importante para os infectatos pelo Papaose: O Rosário é tradicionalmente dividido em três partes iguais, com cinquenta contas cada parte e que, por corresponderem à terça parte, foram chamadas de Terço. Cada terço compreende um conjunto especial de cinco mistérios: os Mistérios Gozosos, os Mistérios Dolorosos ou os Mistérios Gloriosos. O Papa João Paulo II, por meio da carta apostólica Rosarium Virginis Mariae, de 16 de outubro de 2002, sugeriu uma nova série de mistérios, os chamados Mistérios Luminosos. Essa nova série de mistérios disponíveis para contemplação não alterou o formato do Rosário, que continua sendo de 150 Ave Marias, ou três Terços de 50 Ave Marias com os 3 mistérios: Gozosos, Dolorosos e Gloriosos”.

Na Igreja de São Benedito, em Teresina, havia uma estátua muito semelhante a esta acima. Os fiéis católicos, no dia escolhido para adoração ao Senhor Morto, vinham beijar seus pés.

Bom, nos tempos em que eu fui obrigado a ser católico, sempre detestei aquele cadáver do Cristo Crucificado. Nunca, mesmo sendo um pirralho de 14 anos, nunca aceitei aquilo e no ritual do “beija-pés”, que não sei se ainda é praticado pelos tolos cristãos católicos, uma estátua simbolizando Jesus morto, todo ensanguentado e com expressão de grande dor, era disponibilizada nas igrejas para que os fiéis, em intermináveis filas, viessem beijar-lhe os pés de barro. Nossa, como eu detestava aquilo! Eu não beijava aqueles pés de barro nem a chicote. Em vez disto, colocava minha mão sobre os pés de barro e beijava nela. Repugnava-me beijar onde centenas de bocas já haviam beijado. Era nojento. Ao menos no meu modo de ver aquele ritual ridículo.

Mas voltando ao nosso feijão com arroz, como se pode ver no excerto acima o Rosário nasceu de pessoas infectadas com o vírus Papaose Franciscanículum diabólicus. Agora, notem que na foto do Papa João Paulo II, há o símbolo máximo dos cristãos católicos: um cadáver esquálido dependurado numa cruz. Por que os cristãos católicos não adotaram uma representação d’Ele glorioso, envolto numa luz brilhante, braços erguidos como a chamar o povo para O ouvir? Por que nos templos dos que se dizem cristãos católicos só se exalta a dor e o sofrimento? Simplesmente porque, antigamente, os infectados pelo Papaose Franciscanículum diabólicus se serviam daquele símbolo para acusar os judeus de deicidas. Mórbidos e perversos, aqueles cristãos católicos mantinham a acusação em seus templos, todos sorumbáticos, tumulares e esquisitos. Não é à-toa que o povo hebreu durante muitos anos detestou o cristianismo acusatório dos infectados pelo Papaose Franciscanículum diabólicus. O tempo passou, o Papa pediu perdão aos hebreus por tê-los repudiado e acusado de deicida etc, etc, etc…, mas o símbolo acusatório continuou firme. Por que?

É isso aí! Coloquem tudo no altar dos sacrifícios, seus idiotas! Burros! Jumentos! Continuem assim que eu preciso manter minha vidinha de luxo e… Deixa pra lá!

Quem já se debruçou sobre o cristianismo católico viu, como eu, que esta modalidade de cristianismo se fundamenta no cultivo e na exploração de duas terríveis reações emocionais: Medo e Culpa. Aliás, os líderes dos cristãos não católicos mantiveram esta filosofia demoníaca, pois compreenderam rapidamente que pelo Medo (Temor a Deus) e pela Culpa (faça o que eu fizer, se não alimentar meu pastor com meu dízimo, estou condenado ao terrível Inferno) eles podiam e podem dominar ferreamente as mentes de pessoas fracas, ou preguiçosas ou culposas e isto é um manancial de riquezas captada tostão a tostão ou de milhão em milhão. Já vi, às gargalhadas, um certo pastor famoso entre os evangélicos, ordenando que suas “ovelhas” colocassem sobre o “altar dos sacrifícios”, pasmem, as chaves de seus automóveis, cheques com polpudas quantias, alianças de ouro etc… Tudo para que o Deus que ele finge adorar abençoe o desgraçado idiota. Que safadeza! Quanta esperteza perversa! E tudo em nome do único verdadeiramente Homem Impoluto. Que crime hediondo! Mas o pior foi que muitos imbecilizados obedeceram àquela ordem safada e criminosa!

Se você conseguiu chegar até aqui (se é “cristão” eu duvido), tem um estímulo para começar a questionar a tal Religião Cristã (católica ou não). E se você chegou até aqui babando na gravata de tanto ódio a mim, então você está terrivelmente doente do vírus Evanvirose Dizimófilus Gulosus e para você não há salvação. Vai morrer sem ter chegado nem perto do Verdadeiro Cristo ou “Senhor Jesus”, como morrem todos os doente deste vírus, coitados.

Mas para os que não se deixaram emburrecer e não aceitam os insultos ignominiosos dos católicos ao Cristo Verdadeiro, aviso que vou continuar porque a pergunta que fiz encabeçar este libelo ainda não teve minha resposta, a que julgo ser a mais acertada. Sim, sim, sou mesmo petulante, arrogante, metido a besta, filho do capeta, condenado, desgraçado, amaldiçoado etc, etc, etc… Mas é o que sou. E daí? Ah, e por favor, os “cristãos encabrestados pelo vírus Evanvirose Dizimófilus Gulosus” não babem em cima de seus computadores ou de seus smatfones ou seja qual seja a parafernália de que se utilizam para bisbilhotar o Espaço Cibernético. Afinal o Livre Arbítrio não é propriedade de ninguém e eu posso expressar minha opinião tanto quanto qualquer outro.

Aos que sobraram, a gente se vê no próximo post. Até lá um abraço.

OU FICAR A PÁTRIA LIVRE, OU MATAR PELO BRASIL!

Deixe um comentário

Esse negócio de morrer pelo Brasil nunca foi minha bandeira, nem mesmo quando estava no Serviço Militar. De que serve ao país um patriota morto? https://youtu.be/W-GCpz4I0CM

Não se espantem. Eu sempre fui contra determinados slogans.

Nunca vivi num país livre. Sempre meu Brasil esteve sob as garras dos que se dizem “comunistas” ou “socialistas” ou qualquer coisa desta natureza. No início – aliás um início longo demais, eu não dava a mínima para a Política. E o que eu via entre os homens que elegíamos para nos Governar só me dava vontade de atirar neles. Eu lhes tinha nojo. Um dia prestei concurso público para o Estado e fui aprovado para o Serviço Público Estadual no Rio de Janeiro, lá pelos idos de 1964 e admitido ao serviço público em 1965 (juntamente com a admissão para o Serviço Público Federal no Ministério da Fazenda, pois as duas chefes que eu tinha não queriam de modo algum abrir mão de meus serviços). Afinal, acostumado com o serviço particular, eu não adotava a preguiça secular dos servidores públicos. Entrava no trabalho para valer e em poucos dias pus em dia serviços que estavam atrasados por mais de cinco anos em ambos os locais: no Ministério da Fazenda e no Palácio Guanabara. Minha atividade chamou a atenção de Negrão de Lima, o Governador na ocasião. Ele me chamou ao seu gabinete para me elogiar e me incumbir de fazer um levantamento das compras realizadas pelo Governo do Estado desde os anos de 1960. Não prestou. Descobri que os Deputados tinham roubado uma dinheirama e levado para casa inclusive os móveis novos que haviam sido adquiridos em licitações fraudulentas. No lugar deles, deixaram os que usavam em suas residências, nem tão velhos nem tão gastos, mas inadequados para os padrões que tinham sido licitados. Tratei de entrar em ação e pus a Polícia para agir. Isto levantou o maior cacarejo dos Deputados criminosos, todos em pânico com os escândalos que eu estava prestes a levar para a Imprensa, pois o Chefe de Polícia foi o primeiro a me trair e entregar aos Deputados ladrões a relação que eu tinha levantado dos nomes deles e dos objetos roubados. Negrão de Lima esperava tudo de mim, menos que um rapazola “mal saído do quartel” ousasse tanto. Resultado: fui transferido do Palácio Guanabara para a Secretaria Sem Pasta. Ali não havia quase nada que fazer e, por isto, Dona Alba, minha adorada chefe na Secretaria, entrou em contato com minha chefe no Ministério da Fazenda (seu nome eu não consigo me lembrar, mas ela era tão camarada quanto Dona Alba) e com ela combinou que eu trabalharia no Ministério na parte da manhã e na Secretaria Sem Pasta, estadual, no período da tarde. E eu fiquei cometendo crime, pois não é permitido que se acumule dois empregos públicos. Mas quê fazer? Entregar minhas adoradas chefes é o que eu não faria nem a cacete.

.

Meu segundo contato com político se deu através de dona Alba. Era tempo de eleições e os candidatos a vereadores e deputados estavam como galinha depois de pôr ovos: cacarejando que só. Entre estes estava o Deputado José Bonifácio de Andrada, parente do outro lá do passado, segundo dizia. Este sujeito eu não conhecia. Ele me foi apresentado por Dona Alba que me pediu que eu fosse seu cabo eleitoral. Disse-me que ter um padrinho Deputado seria excelente para minha carreira no Estado e o Deputado José Bonifácio era a indicação perfeita para mim. No início eu me recusei terminantemente a me envolver com aquela muvuca dos diabos. Mas as duas chefes tanto insistiram em que eu aceitasse a incumbência; e o tal Candidato tanto me bajulou que terminei cedendo. Dona Alba tinha dito ao sujeito que eu era o único capaz de viabilizar sua reeleição, pois ele estava mais sujo que pau de galinheiro entre o eleitorado carioca. De cabo eleitoral logo passei a ser o idealizador do planejamento das ações do candidato. Até seus discursos eu escrevi. Tive muito trabalho porque não entendia nada do metié, mas logo fui aprendendo e me tornei um ás. Subi vários morros do Rio e entrei em contato com vários lideres comunitários, vendendo o candidato José Bonifácio como aquele Deputado que lutaria pelos direitos dos menos validos. E fui tão eloqüente nos discursos que escrevi para ele falar nas favelas que os favelados quase em peso votaram no sujeito. Depois da eleição eu fui cobrar do Deputado suas promessas, visto que os morros também me ligavam pedindo ação. E foi quando ouvi, estarrecido, este comentário do patife: “Quê? Cumprir promessa de campanha para favelado? Ficou doido? Pobre só serve para me eleger a fim de que eu encha meu bolso. E quando os bolsos de uma calça estão cheios, eu compro outra calça!” Naquele dia ele não levou a maior surra de sua vida porque um monte de seguranças de seguraram. Mas ouviu o diabo de mim. E Dona Alba cortou um dobrado para me convencer de que não sabia que o safado era safado.

Por estas e outras é que não concordo com esse verso do Hino da Independência. Não concordo e nunca concordei. Matar os safados, sim. Morrer por suas mãos, jamais!

No entanto, lastimavelmente, é o que vem acontecendo. As estatísticas de mortes às portas de hospitais municipais, estaduais e federais são estarrecedoras. As mortes nas estradas mal sinalizadas, esburacadas, com curvas nada bem formadas são de espantar. A Polícia Rodoviária é impotente e, por desídia governamental, é ineficiente. Não por culpa dos brasileiros que prestaram concurso para aquela corporação e deram um duro danado em treinamento para se aprimorarem no exercício de seu dever. Mas sim por culpa de polititicas que só pensam em se dar bem e meter a mão nos dinheiros públicos.Atualmente mesmo podemos ver, boquiabertos, que os que se dizem do Centrão fazem o que podem para atrapalhar a Reforma da Previdência, mesmo sabendo que vão lançar milhares de famílias no desespero, pois os idosos da atualidade são os sustentáculos das famílias de seus filhos, pois para eles não há empregos disponíveis num país falido. E estes patifes engravatados são de que ideologia? Advinhem se forem capazes!

No momento eu sou plenamente a favor da pena de morte para traidores do Brasil. E junto com eles seus advogados, como é o caso do grupo de gananciosos que, por dinheiro, vendem a alma ao diabo em pessoa: o Lula.

Não, positivamente eu não concordo em morrer pelo Brasil. Mas concordo plenamente em MATAR PELO BRASIL. Tem gente pedindo pelo Amor de Deus que alguém o mate. Então, por que não os atender e nos fazer esta caridade?

A QUAL PODER PERTENCE A ADMINISTRAÇÃO DE NOSSO DINHEIRO PÚBLICO?

Deixe um comentário

Gente, escrever sobre este tema é complexo, muito complexo. Como não sou advogado, recorri ao Papai Google e levei um baita susto ao verificar que este terreno é um labirinto quase sem saída. Rasteiramente o leigo se pergunta: quem administra o Dinheiro Público: O Legislativo ou o Executivo?

A pergunta é válida visto que hoje o Legislativo se arroga todo o direito sobre nossa Riqueza Monetária Comunitária Nacional (chique, né?). O Presidente Jair Bolsonaro não dispõe mais do direito de administrar o Erário Público. Este direito foi seqüestrado pelo Poder Legislativo com base em interpretações para mim “cavernosas” do que consta nas letras da Constituição de 1988, vigente até hoje. Então eu me perguntei: A quem cabe a gerência do Erário Público: ao Poder Executivo, que tem o dever de cumprir com a prestação de serviços públicos para todos os brasileiros (Saúde, Transporte, Infra-estrurura, Segurança Pública etc…) ou ao Poder Legislativo cujo dever primordial é Legislar e fiscalizar as decisões do Poder Executivo no que toca à divisão da riqueza nacional de modo eqüânime para todos os Estados?

Aí eu fui consultar nossa Constituição e foi quando me enrolei todo. Nunca li nada absolutamente tão enrolada quanto essa Constituição pela qual nossos destinos são manipulados pelos que se dedicam dia e noite a ela, não para entendê-la, mas para burlá-la em benefício próprio (v.g. STF e sua comilança acintosa à Nação Brasileira). Baixei a Constituição comentada pelos Ministros do S.T.F. Gente, p.q.p.! Aí é quando a coisa se torna um emaranhado de pensamentos deliróides, fundamentados nas mais absurdas decisões tomadas até por alemães dos tempos do pós-guerra. Só para que vocês tenham uma idéia, leiam uma tirada de um dos ministros que ainda pontificam lá no Olimpo da Justiça Brasileira:

Ele sempre fala enrolado e buscando mostrar aos seus congêneris uma sapiência olímpica, o que complica sobremodo a compreensão pelo povo do que quer dizer antes de dar seu voto. Ele é Celso de Melo, Ministro do S.T.F.

[ADI 4.424, voto do rel. min. Marco Aurélio, j. 9-2-2012, P, DJE de 1º-8-2014.] • A cláusula da reserva do possível – que não pode ser invocada, pelo Poder Público, com o propósito de fraudar, de frustrar e de inviabilizar a implementação de políticas públicas definidas na própria Constituição – encontra insuperável limitação na garantia constitucional do mínimo existencial, que representa, no contexto de nosso ordenamento positivo, emanação direta do postulado da essencial dignidade da pessoa humana. (…) A noção de “mínimo existencial”, que resulta, por implicitude, de determinados preceitos constitucionais (CF, art. 1º, III, e art. 3º, III), compreende um complexo de prerrogativas cuja concretização revela-se capaz de garantir condições adequadas de existência digna, em ordem a assegurar, à pessoa, acesso efetivo ao direito geral de liberdade e, também, a prestações positivas originárias do Estado, viabilizadoras da plena fruição de direitos sociais básicos, tais como o direito à educação, o direito à proteção sumário 19 Art. 1º, III integral da criança e do adolescente, o direito à saúde, o direito à assistência social, o direito à moradia, o direito à alimentação e o direito à segurança. Declaração Universal dos Direitos da Pessoa Humana, de 1948 (Artigo XXV).

Bom, aí eu me perguntei o que significa a tal Reserva do Possível? E voltei ao Papai Google. Danou-se!!! Num artigo longuíssimo, do qual tirei o exerto abaixo, eu me perdi todo. Leiam:

No Brasil, portanto [a reserva do possível], passou a ser fática, ou seja, possibilidade de adjudicação de direitos prestacionais se houver disponibilidade financeira, que pode compreender a existência de dinheiro somente na caixa do Tesouro, ainda que destinado a outras dotações orçamentárias! Como o dinheiro público é inesgotável, pois o Estado sempre pode extrair mais recursos da sociedade, segue-se que há permanentemente a possibilidade fática de garantia de direitos, inclusive na via do sequestro da renda pública! Em outras palavras, faticamente é impossível a tal reserva do possível fática![12]

Sensível a este desvirtuamento, Fernando Borges Mânica sustenta que a autêntica teoria da reserva do possível, a qual não se refere direta e unicamente à existência de recursos materiais suficientes para a concretização do direito social, mas à razoabilidade da pretensão deduzida com vistas a sua efetivação, acabou, no Brasil, tornando-se a teoria da reserva do financeiramente possível, na medida em que se considerou como limite absoluto à efetivação de direitos fundamentais sociais (i) a suficiência de recursos públicos e (ii) a previsão orçamentária da respectiva despesa.[13]

Mas o que é este tal de “fático; fática”? Encontrei dois significados para esta palavra. 1) Linguística – diz-se do discurso usado para expressar ou criar uma atmosfera de boa vontade, sociabilidade ou compartilhamento de sentimentos. 2) Direito: o que é relativo a fato jurídico.

Aí eu decidi ir para o Portal do Congresso Nacional e tentei encontrar a resposta para minha pergunta. Danou-se! A lenga-lenga é interminável.

Entretanto, encontrei esta informação: “Sobre a função fiscalizadora, o art. 70 do texto constitucional estabelece a competência pela fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta. Para que possa exercer essa função, é auxiliado pelo Tribunal de Contas da União”

E aí eu me pergunto: será que essa função fiscalizadora dá ao Legislativo o Poder de Controlar o Erário Público a ponto de impedir que o Presidente do Executivo possa atender às demandas urgentes da Nação Brasileira para que possa se manter ao menos com a cabeça fora da lama do naufrágio a que o petralhismo nos jogou?

Se você, leitor, é advogado, me responda isto, pelo Amor de Deus!

Older Entries

%d blogueiros gostam disto: