VOCÊ SABE QUAL É A IDEOLOGIA COMUNISTA? A VERDADEIRA?

Deixe um comentário

Este é o símbolo que os zumbis brasileiros estão adorando atualmente no Brasil de desmiolados robotizados à custa de bolsas-esmola.

Este é o símbolo que os zumbis brasileiros estão adorando atualmente no Brasil de desmiolados robotizados à custa de bolsas-esmola.

Poucas são as pessoas que realmente possuem informação sobre o que é o ideal comunista. Mesmo que o “Papai Google” traga uma verdadeira biblioteca sobre este assunto. Então, vamos colocar mais simplesmente o que é o ideal comunista. Você já deve ter ouvido falar de Platão, não? Um sujeito muito pensador e esperto, que sonhava com um mundo mais feliz para todos. Há uma querela sobre seu nome, que alguns acreditam que tenha sido Arístocles, mas isto para nós é o de menos. Assevera-se que ele foi um racionalista, um realista, um idealista e um dualista e suas idéias ainda são a base de muitas de nossas Ciências “Modernas”. 

Platão entrou em choque com um tirano em seu tempo e por ele foi, diz-se, vendido como escravo. Mas ele foi salvo por um admirador e montou uma “Academia” para ensinar o que de melhor havia no pensamento de sua época, além, claro, de suas próprias idéias. Estas, pugnavam contra os modelos de governos de sua época, geralmente tirânicos, imperialistas, dominadores e gananciosos. Ele se batia contra os Governos que faziam Leis visando seus próprios interesses, em lugar de visar ao bem-estar da comunidade (alguma coisa lhe lembra os nossos desgovernos modernos, piorados, claro?). Platão defendia a idéia de que o verdadeiro líder não governa para si nem pensando em si, mas para o povo e pensando em seu bem-estar. E era visceralmente contra a Corrupção (coitado dele se conseguisse renascer naquele seu corpo nos dias atuais e no Brasil. Ia ter uma síncope, com toda a certeza).

Platão era fisicamente um gigante. Sua juventude foi entre guerras. Viveu a época do “quebra-pau” do Peloponeso. Viveu a época da tomada de Atenas pela Oligarquia dos Quatrocentos e foi submetida ao Governo dos Trinta Tiranos. Então, ele foi “premiado” com o que de pior, em matéria de Governo, podia haver em sua época. E os Governos Oligarcas ainda vigem com um vigor assombroso neste Brasil do Século XXI. É para que vejamos que as doenças psicossociais humanas, entre nós, custam a desaparecer que é uma calamidade. Mais

TEMPERANÇA – O QUE FALTA ÀS PESSOAS ATUALMENTE

Deixe um comentário

Este é o contra-soco do Tai-Chi. Quando o adversário dispara o soco, simultaneamente o praticante dispara seu soco também, deslizando seu braço pelo brçaço agressor e com isto desviando seu soco para o lado de dentro do corpo do agredido. A partir daqui dezenas de golpes podem ser disferidos velozmente, finalizando o agressor.

Este é o contra-soco do Tai-Chi. Quando o adversário dispara o soco, simultaneamente o praticante dispara seu soco também, deslizando seu braço pelo braço agressor e com isto desviando o soco para o lado de dentro do corpo do agredido. A partir daqui dezenas de golpes podem ser disferidos velozmente, finalizando o agressor, se o vômer não tiver sido transformado em agulhas que penetrem o cérebro do agressor já no contra-ataque.

Televisão, jornais, revistas e todas as mídias de comunicação audiovisual e de leitura estão bombando com o desespero dos que pensavam que o castelo da Mentira, da Corrupção e da Polititica era indestrutível. De repente tudo começa a ruir por todos os lados e os que se pensavam donos do Poder que Emana do Povo se viram de calças curtas, à luz da Verdade, que lhes queima olhos e pele como deveria fazer o Sol com os vampiros se vampiros existissem.

Por que eles enveredaram por caminhos tão ínvios e traiçoeiros? Por que abandonaram todas as metas e objetivos de justiça que tinham, quando deram seus primeiros passos na Arte da Política e enveredaram pelos crimes da Polititica? Os motivos são vários e tentarei abordar superficialmente alguns deles, aqui.

A vida é um combate sem tréguas. Se a pessoa não está atenta, será atingida por seus golpes e estes nunca são leves. Maltratam, humilham e até matam a alma. É o que vemos acontecer tristemente com os que se pensavam inatingíveis no Castelo de Pesadelos chamado Câmara dos Deputados e Senado Federal do povo brasileiro.

O Tai-Chi-Tchuen ensina que o contra-ataque deve ser fulminante e finalizador. Não se deve dar azo a que o agressor tenha uma segunda chance. O combate na vida contra o Mal que pode nos derrubar, no ringue que não possui intervalo para descanso, deve seguir esta filosofia. Já no primeiro contra-ataque o adversário deve ser finalizado definitivamente, caso contrário ele pode voltar e até vencer a luta. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – XCVIII: PULVIUS QUINTUS, O TRIBUNO.

Deixe um comentário

Vestiam-se assim os Tribunos Romanos. E eram muito arrogantes.

Vestiam-se assim os Tribunos Romanos. E eram muito arrogantes.

Pulvius Quintus não conseguira solucionar a contento a querela entre Egito e Roma. Esta, não cedia nada a Roma na cessão que tinha recebido de Marco Antônio através de Cleópatra. Resolveu, então, dar um prazo maior ao governador do Egito. A Celessíria compreendia a Síria e a Palestina, o que envolvia na querela o protetorado de Pôncio Pilatos. Por isto, Pulvius Quintus dirigiu-se até Jerusalém para conversar com o Prefeito. Chegava à cidade justo quando Yehoshua chegava à casa de Lázaro, em visita. Como tribuno, Pulvius Quintus se fazia acompanhar de um contingente de soldados que impressionava e era justamente esta a idéia. Ele entrou em Jerusalém com toda a pompa e de surpresa. Não havia mandado avisar o Prefeito Pôncio Pilatos que, pegado de surpresa, se viu às voltas com a preparação do seu palácio para colocá-lo à altura de uma recepção a tão distinto visitante. Sua chegada obnubilou todas as atenções sobre o pregador revoltoso. Até o Templo tremeu de medo. Afinal, quem era a autoridade que se apresentava com um verdadeiro exército na cidade? A que vinha? Os hebreus tremeram de medo. A imponência da coorte romana, com cerca de trezentos legionários fortes e muito bem armados colocava angustiosa dúvida nos corações dos hebreus. Os rabis do Templo se reuniram às pressas para chegar a uma conclusão sobre como agir no caso de uma presença mais acintosa romana na cidade. Como proteger o Templo? Mais

“NA CASA DE SEU TOMAZ, QUEM GRITA É QUEM LEVA MAIS”

1 Comentário

E eu que estava firme no propósito de não mais falar de polititica...

E eu que estava firme no propósito de não mais falar de polititica…

Tomaz de Aquino Pedreira era o nome de meu avô materno. Um negão milico, oficial músico da PM de Teresina. Muito bem. Sua prole era bem grande e o bate-boca ali começava desde as seis da manhã e ia até as 22 horas ou mais. Por causa disto, a vizinhança, de gozação, criou uma musiquinha que tinha a seguinte letra: “Na casa de seu Tomás/ Quem grita é quem leva mais/ A garotada quando é hora do almoço/Não tem um osso e ainda quer comer demais”. Isto deu muita muvuca e muita encrenca na rua da Estrela, em Teresina. Meu avô virava onça furiosa quando pegava alguém cantando a tal musiquinha. Pois bem, o Governo Michel Temer me lembra muito a casa de seu Tomás. Nele, quem grita leva mais. Foi o caso com o tal Ministério da Cultura. Os almofadinhas puseram a boca no trombone e Michel, que vergonha para um Presidente da República, deu marcha-a-ré  em sua primeira decisão – acertada, por sinal. A continuar assim, ele não vai conseguir nem dar um passo para fora do atoleiro em que a Peste do PT nos jogou. E olha que este partidaço jurou de pés juntos que vai danar a vida de Temer. E pelo que aconteceu com o tal ministério, os petralhas podem estar certos de que se gritarem alto, Temer se abaixa… E com ele, o Brasil. Que lástima! Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – XCVII: YEHOSHUA ESCLARECE SOBRE A REENCARNAÇÃO

Deixe um comentário

Quando sabia que tinha semeado a dúvida e provocado confrontos entre seus ouvintes, Ele se distanciava dos grupamentos e ia meditar e alhear-se do mundo humano de dores, e dúvidas, e sofrimentos.

Quando sabia que tinha semeado a dúvida e provocado confrontos entre seus ouvintes, Ele se distanciava dos grupamentos e ia meditar e alhear-se do mundo humano de dores, e dúvidas, e sofrimentos.

Yehoshua juntou seus discípulos e antes que soassem as 6 horas da manhã (1ª hora do dia, no horário de seu tempo), anunciada pelo sophar, arrumaram-se para partir a caminho de Betânia, nos arredores de Jerusalém, a uns 15 estádios de distância da capital (nota: 1 estádio romano = 185 m; então, 185 X 15 = 2.775 metros). Depois de se despedirem dos amigos, deixando-os desorientados pela pressa de Yehoshua, puseram-se a caminho. Os discípulos também estavam desorientados com aquela pressa, mas o Mestre lhes disse que pretendia visitar Lázaro e suas irmãs, Marta e Míriam, das quais ele gostava muito. Sempre o recebiam com alegria e sinceridade. Mas havia outra razão para aquela visita, a qual Yehoshua não mencionou aos discípulos. É que o Mestre precisava estudar mais uma vez a aura de Lázaro, pois sabia que ele seria o marco final de sua caminhada rumo ao Calvário. Quando decidisse obrar um milagre seu, totalmente seu, naquele grande amigo, este fato inusitado poria o Templo em ação e, então, nada mais poderia fazer retroceder o desfecho trágico que o esperava.

A viagem foi relativamente rápida.  Os quase sete quilômetros que separavam Belém de Betânia foram percorridos em menos de uma hora, pois o passo elástico e acelerado de Yehoshua encurtava o tempo de caminhada. Betânia ficava muito perto de Jerusalém, coisa de três quilômetros, e Yehoshua sabia que seu atrevimento lá no Templo havia dado início a uma ação de caça perigosa, na qual ele era o alvo. Também sabia que  Gabriel e alguns arcanjos os tinham salvados dos sicários a soldo do rabi Ananias. Isto ele não desejava que acontecesse, embora tivesse agido de caso pensado buscando despertar os mais perigosos rabis justamente porque eram os que mais pregavam as fábulas do Tanakh ao pé da letra. Eram os que mais pugnavam por manter na ignorância e no Medo todo Israel. Em pensamento, pediu ao seu amigo e protetor que tornasse Betânia esquecida de todos os que se aprestavam para matá-lo e a seus discípulos. Deste modo, não seriam incomodados, mesmo estando tão próximos do centro do furacão que ele mesmo provocara. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – XCVI: OS SINEDRITAS SE AGITAM.

Deixe um comentário

Caifás em seu traje cerimonial presidia a primeira reunião de membros do Sinédrio sobre as pregações de Yehoshua.

Caifás em seu traje cerimonial presidia a primeira reunião de membros do Sinédrio sobre as pregações de Yehoshua.

Era noite. Tarde da noite. Um grupo de quase trinta homens, todos paramentados, estavam reunidos num grande salão, na casa de Anás. Era estranho que estivessem paramentados, mas a reunião fôra conclamada com aquela exigência. Caifás, então, tomando a palavra, falou.

— Chamamos a todos aqui para evitar a curiosidade de alguém, sobre uma reunião nossa no Templo tão tarde da noite. Exigimos os paramentos a fim de emprestarmos a esta nossa reunião o selo da oficialidade. O que aqui se decidir, far-se-á cumprir. Agora, vamos ao que nos perturba e a toda a comunidade hebraica. Um homem, um nascido entre nós, que todos conhecemos bem e que foi criado e educado longe de nós, retornou ao nosso convívio, mas veio como um perigo para nossa estrutura sacerdotal e para nosso Templo. Não preciso declinar seu nome, mas vou dizê-lo para que fique bem registrado que não estamos promovendo uma traição a quem quer que seja e, sim, defendendo nosso Templo, o Templo onde adoramos o Santo dos Santos. Falo de Yehoshua, o filho do construtor Yoseph, morto há algum tempo a serviço de Herodes.

— Yehoshua está disseminado a dúvida e levando nosso povo a questionar nossa Lei, a Lei que nos foi transmitida por nossos antepassados e que nos foi legada pelo próprio Deus de Israel. Ele tem pregado coisas perigosas e disseminado ensinamentos baseados na filosofia de Budha, que não deve ser dada a conhecer ao nosso povo. Não podemos permitir que admitam outro Deus que não o nosso Deus, o Deus de Abrão e Moisés. Este é o Verdadeiro e não há outro igual.

Todas as cabeças assentiram, respeitosamente, menos uma — a de José de Arimatéia. Sisudo, atento, ele sentava-se o mais distante possível do local onde, de pé, Caifás falava. Estava muito atento a tudo o que ele dizia e sua testa, franzida, mostrava bem sua preocupação. Era amigo e admirador de Yehoshua e temia por sua vida. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – XCV: YEHOSHUA CURA EM BELÉM

Deixe um comentário

Decidido a incendiar o mundo hebraico, Yehoshua aproveitava qualquer oportunidade para mostrar sua nova doutrina e incentivar a Fé no Deus íntimo de cada pessoa.

Decidido a incendiar o mundo hebraico, Yehoshua aproveitava qualquer oportunidade para mostrar sua nova doutrina e incentivar a Fé no Deus íntimo de cada pessoa.

Belém era uma vilazinha sem muito destaque àquela época. Muito boa para quem desejava permanecer na Palestina sem ser incomodado pelos guardas do Templo ou, pior, pela guarda pretoriana de Pilatos. Yehoshua dirigiu-se à casa de Manassés, um amigo de seu pai, quando este vivia. Manassés estava entrado em idade e já não andava. Não mais tinha dentes e, por isto, sofria muito na hora da alimentação. Também sofria de excesso de gordura no fígado e isto lhe trazia grandes dissabores digestivos. Tinha prisão de ventre e passava várias noites acordados, gritando, cheio de dores devido aos gases intestinais e estomacais. O Mestre se condoeu do amigo de seu pai.

Esperou que o ritual do lava-pés terminasse e todos pudessem finalmente se sentar para descansar. A tarde findava. O céu já escurecia e milhares de estrelas piscavam com alegria na abóbada celeste. Os discípulos, já acostumados a isto, puseram-se a ajudar as mulheres na faina de preparar a alimentação para eles. Isto causou estranheza nos homens da casa e nos que tinham vindo para conhecer, curiosos, aquele que, dizia-se, fazia milagres por onde quer que passasse. Mas agradou em cheio as mulheres, já sobrecarregadas com suas tarefas diárias. Mais

Older Entries

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 224 outros seguidores