Continuação do estudo da resposta à questão: De Onde Viemos?

 

Assim Nascem os Universos...

Berçário de Estrelas – Como Nascem os Universos

A LEI NÚMERO UM

A primeira Lei Cósmica Inviolável é aquela que impõe, rege e supervisiona a EVOLUÇÃO. Eu a considero como a primeira porque ela está presente desde o princípio. E como foi este princípio? Eis uma pergunta que todos fazem, mas cuja resposta chega somente a alguns persistentes inquiridores, pois, apesar de Jesus ter dito: “Batei e se vos abrirá; pedi e vos será dado”, a coisa não é tão fácil quanto Ele deixou parecer.

Os ensinamentos ocultos nos dizem que no início do início do nascimento dos Universos, o Espaço Infinito se apresentava “vazio e trevoso”. Como iniciava o Gênesis antigamente:”No princípio era a treva e o Espírito repousava sobre as águas”. Nesta sentença mística o termo “águas” é símbolo para o fenômeno da Criação, logo, da Gestação da Vida; e o termo “Trevas” é símbolo para indicar Aquele Que Não Tem Nome – o Criador Incriado: Deus ou Parabrahman, onde o sufixo “para” significa “além de”, empregado para indicar Aquele que está Além de Brahmâ, ou seja: O Espírito Criador Incognoscível e inapreensível ao Espírito humano, que se encontra oculto além da Criação.


E, continuando a ver o antigo Gênesis bíblico, ele prosseguia dizendo: “Então, Deus disse: Fiat Lux! E a Luz se fez”. Aqui, também, o termo Luz é um símbolo oculto que representa a Ilusão, conhecido entre os hebreus como Vaidade e entre os indianos como Mâyâ. Esta parte inicial do Gênesis foi suprimida das bíblias atuais e os novos cristãos estão cada vez mais jogados para o mundo da confusão e da ignorância.

Após a ordem mítica, um Dragão de Fogo lançou-se ao Espaço e circundou uma grande porção dele, curvando-se sobre si mesmo até abocanhar a própria cauda. Este Dragão de Fogo é um símbolo para indicar a Misteriosa, Todo-Poderosa, Onipresente, Onisciente e Onipotente Energia Divina denominada Fôhat. A que está no princípio de tudo e no fim de tudo e que, sem ela, a Ilusão (a Luz) jamais poderia existir.

Estamos no fim de um Pralaya (período de tempo igual a 308.448.000 anos mortais ou lunares) para aquela parte do Espaço onde “Nascem” e “Morrem” os Univesos em que se encontram a Mônada Humana e as demais Mônadas que a acompanham no longo processo da Evolução Cósmica (Mônada Vegetal, Mônada Mineral e Mônada Animal). Quantos Manvantaras e Pralayas já aconteceram nesta área específica do Espaço? Apenas Parabrhaman pode saber. Ninguém mais.

Na área circunscrita pelo Dragão de Fogo surge, a princípio, uma levíssima mudança nas Trevas reinantes; depois, um brilho mais intenso que se vai tornando mais brilhante até formar um berçário de estrelas – mais conhecido por todos como Uma Nebulosa.

Toda Nebulosa é composta de gases. Uma mistura de inúmera qualidade de gases, cada qual específico para a formação de um determinado sistema estelar. A partir do momento em que há a mudança de luminosidade no Éter Espacial, começa a longa caminhada Evolutiva do que está em essência, em possibilidade; do que ainda é somente uma idéia divina que irá tomar forma concreta na Dimensão dos Mundos Materiais, Densos, Inferiores ou “infernais”. Os mundos da Ilusão…

Nosso sistema solar é mais um, dentre o inumerável número de “sistemas de ilusão”, dentro do qual se encontra o planetinha insignificante em tamanho e ao qual chamamos TERRA. E os corpos de todos os seres que surgem e desaparecem periodicamente sobre sua superfície, como é o caso dos corpos dos seres humanos, são corpos de ilusão, porque, como já ficou provado pela ciência humana, a realidade é que a densidade de tais corpos é uma ficção. Eles não existem como algo sólido e concreto, pois seus átomos estão constantemente materializando-se e se desmaterializando incessantemente. A aparência de solidez de todas as coisas que nos cerca, inclusive do próprio planeta Terra, é somente isto: aparência. Por isto, tudo é Mayâ; tudo é Vaidade; tudo é Ilusão.

Não há como questionar a absoluta verdade da existência da Lei da Evolução. Tudo o que foi criado na dimensão da Ilusão – a dimensão da Matéria chamada Densa – tem um propósito, tem um objetivo e tem uma finalidade, mas tudo isto é absolutamente desconhecido de qualquer ser vivente. São segredos do Eterno.

Em nossa espécie mesma, em sua história através do tempo, a Antropologia nos mostra com clareza como evoluímos de uma forma rude, grotesca, primitiva, para esta que ora apresentamos, mais refinada, mais aprimorada, mais bela. A mesma coisa se pode observar na Ictiologia, onde as formas dos peixes também evoluíram de formas pritivas e grotescas para formas bem mais sutis e mais belas. Nossas emoções também evoluíram. De explosões emocionais brutais e animais, para manifestações emocionais mais sutis, mais belas e mais humanas. Nossa Mente, assim como nosso cérebro, também evoluíu e temos capacidades superiores que no início nem era possível sonhar. E isto, considerando apenas dois exemplos de entidades que nitidamente avançaram de formas rudes e grotescas; feias e desarmoniosas, para formas harmoniosas e equilibradas.

A Lei da Evolução, pelo que expliquei acima, parece-me realmente a primeira das quatro que vamos ver aqui nesta página.