É difícil explicar esse negócio das maracutaias. A gente nem sempre é o culpado...

É difícil explicar esse negócio das maracutaias. A gente nem sempre é o culpado...

“Favorito para presidir a Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (RN) não é o único parlamentar do PMDB que repassa mensalmente recursos públicos para empresas de fachada ligadas a um ex-assessor do partido. O deputado baiano Lúcio Vieira Lima, irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima, destinou 110 700 reais de sua verba indenizatória para as empresas Global Transportes e Executiva, ambas registradas em nome de laranjas. 

A última edição de VEJA mostrou que Henrique Eduardo Alves paga 8 300 reais por mês de verba indenizatória a uma empresa fantasma que, no papel, aluga carros executivos à serviço do gabinete do deputado” (Excerto da VEJA).

Cuidado, você está mexendo em casa de maribondo...

Cuidado, você está mexendo em casa de maribondo…

Não foi eleito. Mas este fato nos alerta para o Crime Organizado entre os de Colarinho Branco. Talvez fosse necessário criar uma Lei que obrigasse a todo candidato a Deputado Federal ou Estadual cursar uma Faculdade de Política, onde aprendesse o que é Pátria, o que é Patriotismo, o que é Honestidade e como Ser Honesto. Também talvez fosse necessário exigir dos pré-candidatos uma folha corrida da PF atestando que o sujeito não tem antecedentes criminais. Assim, quando e se viesse a se envolver em crimes contra o país, ter-se-ia bem claro que a raiz deste mal está dentro da Casa Legislativa e ficaria bem mais fácil capturá-lo e eliminá-lo. Mesmo que sua origem fosse de fora, como em empresários corruptores, suas raízes se revelariam entre os legisladores.

Embora eu viva gritando contra os maus políticos, não sei se eles são assim “por que a Natureza Humana é essencialmente corrupta”, ou porque o Sistema Econômico Financeiro Mundial está-se esfacelando e tende a ficar pior com a desregulamentação financeira. E o que diabo é isto? Você, pobre Zé Ning, pode estar-se perguntando. A resposta imediata é simples: “A desregulamentação financeira é o processo de eliminação de restrições e travas legais à atividade financeira, caracterizando o processo de alteração da regulamentação estrutural do sistema bancário. Esta tendência do mercado de capitais apresenta não só vantagens para os intermediários financeiros, mas também inconvenientes”.

CMVM.
São intermediários financeiros:
a) As instituições de crédito (vulgarmente designadas por “bancos”);
b) As empresas de investimento em valores mobiliários (sociedades corretoras, sociedades financeiras de corretagem, sociedades gestoras de patrimônios, e outras sociedades qualificadas pela lei como empresas de investimentos ou autorizadas a prestar algum serviço de investimento);
c) As sociedades gestoras de instituições de investimento coletivo (ou fundos de
investimento).

Mendigo. É só isto o que está restando do mundo humano. Mesmo os que muito têm não passam de mendigos.

Zé Ning só tem que se preocupar com o feijão de agora. O de amanhã está tão longe que ele nem pensa nisto.

Esta linguagem parece um tanto “Mandrake”, mas é porque nós, Zé Nings que sobrevivemos com salário-mínimo ou aposentadoria do INSS, não podemos entrar no furioso jogo das Bolsas de Valores nem, muito menos, no mais furioso ainda jogo dos bancos. Para dar uma idéia do que seja a tal regulamentação-desregulamentação, vamos tomar a Bolsa. Desregulamentada, ela permite que o capital de “jogadores” estrangeiros, que vivem para auferir lucro e nada mais, venham todos empanturrar a Bolsa brasileira de dólares. Lucram absurdos de um dia para outro e levam tudo embora. Nadica de nada fica conosco, pois não há Leis que regulamentem este negócio. Quando o país regula o jogo econômico nas Bolsas, o Capital “voa” como pomba assustada buscando outras paragens mais “livres” de impostos. Então, quando o capital atua desregulamentado, livre, empobrece a nação mais do que a beneficia, mas, em compensação, enriquece mais ainda os ricos e donos do dinheiro. Outro exemplo são os Cartões de Crédito. Por não haver regulamentação para eles, os bancos, as financeiras e as grandes empresas como Carrefour, Wall Mart etc… metem a mão  furiosamente no bolso dos Zé Nings como você e cobram juros exorbitantes. Juros que só existem no Brasil. Pronto, deu pra entender? É bom que sim, pois não há como desenhar isto.

Ele ri. Por que? Talvez porque ficou sabendo que há golpes bem mais miseráveis que os que aplicou nos paulistanos.

Esse é meu campo, seus berdoéguas. Sou mestre neste assunto.

No jogo bruto dos interesses de capitais, muitos políticos, sem conhecimento profundo do assunto, entra de cabeça na conversa esperta dos “jogadores”. Claro que, quando assim fazem, “levam o seu” sem atentar para o grande mal que fazem ao país onde os “jogadores” aterrissam. Países que conseguiram regulamentar o Capital se ergueram, ainda que, antes, este se tenha escafedido dali às pressas. Mas tiveram de retornar porque o país, consolidado e evoluído, passou a oferecer melhor segurança de lucro, ainda que não desembestado como sonha todo jogador de Bolsa. Mas há os polititicas que são velhas raposas matreiras neste assunto, visto que são capitalistas donos de empresas que atuam fortemente no Mercado. Estas raposas não são inocentes e trabalham a favor de seus interesses, dos interesses daqueles com os quais estão irremediavelmente vinculados e totalmente contra os Zé Nings que lhes dão seus votos. E sabendo que Zé Ning jamais vai compreender o inferno que está desabando sobre sua cabeça, não se incomoda com explicar a situação, pois seria o estouro da manada.

O Brasil é a bola da vez. Há uma luta silenciosa, que os Zé Nings desconhecem e que é decisiva para o seu futuro. Se a desregulamentação total do Capital vencer, vamos cair até o fundo do poço, pois isto vai beneficiar totalmente bancos e demais entidades que lidam com o Capital, mas vai “descapitalizar” o poder aquisitivo de você, Zé Ning. E aí, prepare-se para mendigar mais do que já mendiga atualmente. Ou, então, torne-se jogador de futebol e consiga uma vaga na Seleção Brasileira. Garantirá ao menos cem mil de presente e uma aposentadoria pelo teto máximo do INSS, sem o maldito Fator Previdenciário.

Foi isto, o jogo do Capital, que fez o Lulão amolecer a “cintura política” e passar a rebolar segundo a música que toca na Polititica Internacional Capitalista. E Vovozona teve de também aprender a rebolar. Ambos provaram do Mel Capitalista, o Olimpo a que só muitos poucos têm acesso, e ficaram totalmente embriagados. Como todo polititica que prova disto, eles perderam a noção de pátria e se afastaram de seus ideais populares, que, agora, se tornaram “populistas” para manipular espertamente a burrice proposital dos milhões de Zé Nings que constitui nossa população.

ACORDA BRASIL!!!