Eis aí a reedição do que vimos há 53 anos, Brasil a fora. Aqui, é Goiânia.

Eis aí a reedição do que vimos há 53 anos, Brasil a fora. Aqui, é Goiânia.

Hummm… Eu e os velhos nascidos antes de 1960 já vimos este cenário há coisa de 53 anos. Os jovens (que éramos nós) indo às ruas gritar contra os aumentos descarados das passagens de conduções que em nada eram melhoradas em conforto ou cumprimento de horário no transporte coletivo.

Não é somente aqui em Goiânia. Vejo nos noticiários que os movimentos estudantis se alastram pelo país. Começa sempre assim: grita estudantil contra os aumentos das passagens das conduções de massa. E em todos os tempos, tais aumentos não redundam em benefício mínimo sequer, para os usuários do transporte coletivo. Aqui, em Goiânia, os ônibus são sucatas adquiridas em Brasília, repintadas de novo, como se costuma dizer porque aqui, fazem um “serviço meia-boca” nos caixotes barulhentos e os colocam cheirando a tinta para o Zé Povão. Estes, enganados pelo cheiro da tinta nova, não reclamam contra o calor danado dentro deles nem contra a eterna demora entre um e outro.

Um Major da Força de Choque, repentinamente dispara um tremendo soco no nariz de um idiota que tentava tirar das mãos do militar uma bandeira.

Um Major da Força de Choque, repentinamente dispara um tremendo soco no nariz de um idiota que tentava tirar das mãos do militar uma bandeira.

Tem sido sempre assim. A juventude se põe em pé de guerra contra os desmandos dos polititicas que nunca aprendem a lição. Começam desorganizadamente, como está acontecendo aqui em Goiânia. Um punhado mais assanhado sai às ruas para apanhar de trogloditas fardados. Depois a UNE entra em ação e organiza as manifestações e elas passam a ser em dia e hora marcado para todo o território brasileiro. Aí, vira baderna. Os polititicas que não têm coragem de enfrentar a Força Policial por iniciativa própria, mesmo cercados de imunidades imorais, vêm se juntar aos revoltados para simplesmente aparecer na foto. Sabem que contra eles nada se fará, mas vão lucrar na imagem de “bons patriotas”, tal e qual fizeram os da década de 1960.

Olhaí, cara, olhaí o que você tá dizendo. Eu vivi aqueles tempos e garanto que não foi mole...

Olhaí, cara, olhaí o que você tá dizendo. Eu vivi aqueles tempos e garanto que não foi mole…

Mas a História sempre começa pelo lado errado. Não é contra o aumento de passagem que os estudantes deviam se rebelar. É contra a ação dos POLITITICAS na cobrança destrambelhada de impostos embutidos até nas fezes que o povo defeca. Cobram tudo, como Roma fazia com os Hebreus. E o dinheiro nunca chega para qualquer obra pública. No entanto, os magricelas dos tempos eleitorais começam a aparecer gordinhos da mamãe pátria que é uma vergonha. É contra estes que os Estudantes deviam ir às ruas e malhar o judas. Não um judasinho de pano, que não sente nada. Tinham de dependurar nos postes os “gordinhos da mamãe pátria” e descer o cacete nos sem-vergonha. Mas bater com força, toda a força possível, pois a banha serve de amortecedor e os safados, quando descessem do poste, ainda iriam rir dos magricelas estudantes que não tiveram força para os machucar de verdade.

Estudantes ainda desorganizados, apenas um punhado sem liderança.

Estudantes ainda desorganizados, apenas um punhado sem liderança.

A classe estudantil devia voltar a ser realmente politizada. Saber com profundidade a quantas anda a safadeza entre os partidos políticos e ir às ruas protestar, por exemplo, contra o absurdo número de Ministérios criados para dar cadeiras a fundilhos podres de polititicas que deviam estar no Legislativo e, não, no Executivo. Contra isto é que os estudantes de todos os tempos deviam se levantar. Ir apanhar nas ruas porque as empresas de transportes coletivos aumentaram o preço das passagens não é o caminho certo. Elas fazem isto porque o Governo alimenta a inflação através dos aumentos nos combustíveis – e sempre foi assim. Aumenta o combustível, aumenta tudo, do tomate ao remédio mais barato.

Estudantes goianos já acertam o local onde devem protestar: Câmara dos Vereadores.

Estudantes goianos já acertam o local onde devem protestar: Câmara dos Vereadores.

Os estudantes goianos perderam uma chance de ouro quando a única empresa de ônibus daqui, pertencente a um polititica de renome internacional e que é uma raposa velha da Polititica Nacional Brasileira, COMPROU os senhores vereadores, há doze anos, para que eles impedissem que outras empresas entrassem como concorrentes da única que há em Goiânia. Naquela época nada se fez; nenhum estudante foi à rua gritar contra a patifaria sem-vergonha e o resultado é que foi assinado um contrato renovando o Poder Tirânico da única empresa de transporte coletivo goianiense por mais 20 anos, renováveis por outros tantos vinte anos. E o Zé Povão de Goiânia continua cada vez mais apertado em ônibus velhos, calorentos, barulhentos, abandonados no que diz respeito à conservação. E vai amargar isto até que se complete o prazo de vinte anos. Então, por debaixo dos panos, TODOS OS VEREADORES serão novamente comparados e a situação prorrogada por mais 20 anos. Só quem ganha é o único dono da única empresa de transporte coletivo de Goiânia.

Contra esta situação de desrespeito e desídia pública para com a população desta capital é que valeria os estudantes goianienses irem às ruas gritar e apanhar dos trogloditas fardados.

Claro que só escrevi o que me interessa que apareça. A Verdadeira História não conto, que não sou besta.

Claro que só escrevi o que me interessa que apareça. A Verdadeira História não conto, que não sou besta.

Mas a UNE já não é tão organizada como foi nos tempos em que o COMUNISMO RUSSO andava metido por aqui até às orelhas e o FBI estava todo voltado para implementar uma agitação capaz de levar o país a uma revolução nacional. Isto lhes daria o motivo de que precisavam para encher o Brasil com os famosos “marines” e “seals” que, uma vez aqui implantados, nunca mais sairiam. Mas veio o Marechal Castello Branco e o trabalho de ambos os lados, comunista e capitalista desvairado, deu em nada. Pelo menos até o final dos assim chamados “anos de chumbo”. Para nosso azar, Castello Branco não quis mandar fuzilar gente como FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, COLLOR DE MELO e PAULO MALUF e todos voltaram. O resultado é o que se está vendo: o Brasil retomando a História de onde havia parado.

Não sei se viverei para assistir novamente a Ópera Bufa Brasileira voltar a ser levada à cena. Mas se viver, gostaria de assisti-la com nova roupagem, com polititicas sendo presos de verdade e, se possível, sendo mandado às galés, já que o país é bonzinho e não adota a pena de morte para eles…