Empresários são necessários a qualquer Nação. Mas no Brasil, eles formam um Crime Organizado que dará trabalho combater.

Empresários são necessários a qualquer Nação. Mas no Brasil, eles formam um Crime Organizado que dará trabalho combater.

“Um grupo de 28 empresas e famílias que exploram portos no Brasil injetou pelo menos R$ 121,5 milhões em campanhas eleitorais e na direção de partidos políticos em apenas três anos, de 2010 a 2012” (excerto da Folha de São Paulo, de 21/05/2013). Este excerto vem a propósito do artigo anterior. Os polititicas e os POLÍTICOS VERDADEIROS se tornam prisioneiros dos empresários quando estes ou lhes financiam as campanhas nos anos eleitorais, ou, o que é pior, injetam dinheiro em seus respectivos partidos. Em qualquer dos casos, o POLÍTICO ou o POLITITICA se torna escravo do Mercado, que é, por definição, CORRUPTO.

Porque?

Ora, porque empresário não investe onde não há retorno. Seu investimento tem que trazer lucro, senão sua empresa quebra.

E os Partidos Políticos ou o Político dão lucro? Como?

Simples: o Político é manipulado pelo PARTIDO e deve, a qualquer preço, desviar verbas para os empresários a fim de lhes recompensar a “ajuda” concedida nos tempos de apuros ou vagas magras. Deu pra entender ou quer que eu desenhe?

Você falou a verdade. Os únicos políticos que não são obrigados a agradar empresários somos nós, evangélicos. Mas como a maioria dos empresários são evangélicos...

Você falou a verdade. Os únicos políticos que não são obrigados a agradar empresários somos nós, evangélicos. Mas como a maioria dos empresários são evangélicos…

Esta escravidão os obriga, aos políticos e polititicas indiscriminadamente, a renunciar ao mando que lhes foi outorgado pelo voto e brigar no LEGISLATIVO para ocupar Ministérios, pois é por aqui que o dinheiro público vaza para os cofres dos partidões. Por onde? Não me diga que você ainda é inocente quanto a isto. O esgoto se chama LICITAÇÃO PÚBLICA, cabeça oca. 

Quem acompanha a sangria levada a efeito nos cofres públicos com as construções de elefantes brancos do futebol brasileiro para um uso efêmero, comprova o que digo.

É imoral o poder de interferência que os empresários possuem junto ao Poder Legislativo. Agora mesmo, na tremenda briga entre o Executivo e o Legislativo, os empresários entraram com tudo para moldar a Medida Provisória dos portos brasileiros de modo que os agradasse no quesito LEVAR VANTAGEM EM TUDO. E, é claro, Eike Batista e Odebrecht estão empenhados a todo pano nesta batalha, pois o primeiro anda perdendo dinheiro pelo ladrão e a segunda não se mantém de pé se não tiver lucros astronômicos que só vai conseguir às custas do erário público.

Os jornais, ainda que facciosos, colocam no ar, na eterna luta entre os partidos que os financiam direta ou indiretamente, a podridão que grassa entre aqueles que elegemos para dirigir a Nação da qual fazemos parte.

A podridão anda tão destrambelhada que criminosos envolvidos com a Justiça até o último fio de cabelo, porque têm milhões, flanam livremente no Congresso, como se pode ver por este outro excerto da reportagem da Folha: Duas entidades operaram o lobby no Congresso: a ABTP, dos terminais portuários, e Abratec, dos terminais de contêineres. Os presidentes da ABTP, Wilen Manteli, e da Abratec, Sérgio Salomão, estiveram no Congresso e conversaram com parlamentares ao longo da votação. Outro nome do lobby empresarial foi Richard Klien, sócio do grupo Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas, na Santos Brasil. A empresa administra o maior terminal de contêineres do país e registrou no ano passado uma receita de R$ 1,3 bilhão”.

Daniel Dantas e figurinha carimbada de primeira categoria, no meio das Maracutaias que nos sangram descaradamente. Mas o que fazemos? Nós, os Zé Nings? N A D A! ! ! Nenhum Zé Ning ousa gritar pra valer. Nenhum Zé Ning organiza uma marcha sobre Brasília pela Honra e Moralidade no Legislativo. Por que? Ora, porque somos todos ZÉ NINGS (ou seja, Zé Ninguém).