"Tem certeza de que este negócio não está grampeado?"

“Tem certeza de que este negócio não está grampeado?”

Quem é Aldo Rebelo? A maioria esmagadora não se lembra mais das falcatruas em que o figuraça andou metido. Agora, sua popularidade cresceu alguns poucos percentuais, pois está mergulhado na palhaçada da Copa do Mundo de Futebol. Mas vamos-nos lembrar da problemática das ONG’s, para a qual ele não encontrou uma “solucionática” satisfatória?

A coisa foi assim: houve um período (no Brasil de tantas trapalhadas tem de haver períodos para tudo) em que as ONG’s andavam assanhadinhas, metendo a mão no fubá público. Isto acontecia na administração de Orlando Silva. Aldo tomou conta da pasta ministerial e correu com as ONG’s. E sem procurar ir a fundo nas maracutaias, passou a valorizar os negócios com Prefeituras, Universidades e outros órgãos públicos. É algo assim como varrer a sujeira para debaixo do tapete, em vez de retirá-la criteriosamente de dentro de casa, pois é sabido nos quatro cantos do mundo que é nas Prefeituras onde acontecem os maiores desvios de verbas públicas no Brasil, “Aldinho” preferiu apenas escoimá-las para o canto e deixou tudo pra lá. E foi serelepe negociar através das Prefeituras. O mecanismo, neste primeiro degrau da Faculdade de Polititicagem, está às escâncaras: as licitações públicas. Qualquer municipiozinho fulera Brasil a fora, se tem Prefeitura, tem desvio de verbas públicas. Feche os olhos, meta o dedo no mapa do Brasil. Abra o olhos e veja: você está mirando um centro de roubalheira institucionalizada. Não há o que duvidar. Mas o “Aldinho” não se deu ao trabalho de ir fundo no negócio das ONG’s. Botou-as de lado e foi em frente.

"Pode parar! Me deixa fora de sua língua maldita!"

“Pode parar! Me deixa fora de sua língua maldita!”

Aldo é comunista de carteirinha e até já foi protagonista de cenas no mínimo constrangedoras, como aquela em que levou para o seu gabinete, no sétimo andar do primeiro prédio da Esplanada dos Ministérios, estatuetas do líder comunista Mao Tsé-tung, seu herói internacional. Logo de quem, gente! De um ditador sanguinário como o diabo. É assim o pensamento comunista. Vá entender!

Desde que o PT assumiu o governo que Aldo Rebelo se tornou uma espécie de salvador da Pátria no que tange à Administração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta Dilma Rousseff. quando vieram as crises nestes governos esquisitos, foi convocado para assumir o cargo de líder em ambos, na Casa Parlamentar; depois, foi a Ministro das Relações Institucionais, quando o ex-ministro José Dirceu se deu mal e seu barco começou a fazer água. Daí passou a Presidente da Câmara durante as suspeitas de envolvimento em irregularidades do então titular Severino Cavalcanti (PP-PE). Agora, o salvador da Pátria Petista é o Ministro do Esporte. Notem bem: ele é comunista de carteirinha, logo, pensa como todo Comunista: dominar a nação e criar castas sociais onde os comunistas são sempre privilegiados e os Zé Ning’s podem ser até condenados à morte por qualquer dá-cá-o-pau. 

Carnaval, o império dos sentidos. Depois é só arrependimento para muitos e dívidas para outro tanto.

É disto que o brasileiro gosta: liberdade do prazer, quer dos olhos, quer… Deixa pra lá”

O Diabo é que a índole do brasileiro não se coaduna com o “passo certo” dos que marcham sob o tacão comunista. Vai daí que os apegados àquela filosofia retrógrada estão-se dando mal em verde e amarelo. E a prova é o que está acontecendo país a fora. Como botar o tacão das botas sobre o cangote de uma população rebelde, livre e que adora o prazer sob todas as formas? Como curvar um país riquíssimo em tudo o que a Natureza tem a oferecer ao homem? É ruim, né, cambada?

Eu me pergunto: o que diabo tem na filosofia comunista-socialista que entorta sempre para a burrice os que nela mergulham de cabeça? Confesso que nunca fui interessado em ler qualquer coisa que tenha vinculação a Marx, Lênin e essa cambada de mente torta que brotou algures, longe de meu país.

Até pode ser que o pensar deles, nas suas respectivas épocas, tenha sido proveitoso para o povo e a época em que nasceram. Algo assim como o pensar de Freud foi um “estouro” na época e para o povo dele. Mas importar aquele pensar para um país tropicalíssimo como é o nosso é uma das maiores burradas que um político pode cometer.

"Eu sugiro um meio-termo, mas que não mexa com nosso status quo, que está pra lá de bom"

“Eu sugiro um meio-termo, mas que não mexa com nosso status quo, que está pra lá de bom”

Os políticos brasileiros têm que desenvolver um pesar brasileiro e este não pode seguir nem aquele do Capitalismo Selvagem, onde pululam a corrupção e a trampolinagem (v.g. norte-americanos), nem pode ser aquele sisudo, assassino, frio, tirânico, centrado em uns poucos mandando em uns muitos. Até agora não houve um único brasileiro político que fosse capaz de parar para pensar: “qual é a filosofia política nacional brasileira?” Com certeza não é a capitalista nem é a comunista. Então, tem de haver um terceiro polo, mas qual é ele?

Eu não li e vou morrer sem qualquer interesse em ler o tal “Manifesto Comunista”, criação de Karl Marx, o fundador do pensar comunista. Pelo que tomei conhecimento através da História Social-Política do mundo humano, deu para perceber que esse negócio devia ter sido, há muito, cremado nos fornos onde se afirma que milhões de judeus foram parar sob o ódio de Hitler. Tais fornos teriam sido mais bem aproveitados. Eu acho.

E eis senão quando temos dois períodos de governos nos quais seus líderes são geridos dia e noite pelo pensar comunista.

E estão-se dando mal.

Isto é disciplina, cidadania, educação cívica? Duvido! E sem isto não é possível domar o brasileiro...

Isto é disciplina, cidadania, educação cívica? Duvido! E sem estes atributos cívicos não é possível domar o brasileiro…

Por que? Ora, pelo que eu já disse acima: nós não temos disciplina suficiente para curvar o cangote e aceitar a canga sem espernear. Os políticos brasileiros embarcaram alegremente na canoa do pensar comunista do Lulão e da Dilmona. Perceberam que eles queriam trazer para cá a boa vida dos comunas chefões do exterior (v.g. Fidel Castro) e relegar à mais escura e abjeta condição humana o resto do país. Mas os desgraçados também se esqueceram de que somos um país continente e de condições geográficas especialíssimas. A Rússia é bem maior que o Brasil, em território, mas a maior parte de suas terras são áridas e inóspitas. Diga-se a mesma coisa com relação à China. Já aqui, em que pese todo o esforço dos polítiticas para desmatar nossas florestas e secar nosssos rios, nosso país continua abençoado por Deus (pelo menos, ainda). Vai daí que nossa índole não foi alterada. Por isto, Lulão e Vovozona estão rebolando como podem, mas em vão. Não conseguirão impor-nos o tacão comunista nem, muito menos, impor-nos o controlismo terrível do Comunismo. Mesmo com tantos olhos eletrônicos vigiando-nos até as camas de motéis, o brasileiro continua xucro  isto é, selvagem, livre, rebelde e… feliz. Pode um negócio destes?

É, pode sim. Pelo menos enquanto Deus for brasileiro…