ANOMIA OU DEPRESSÃO?

Deixe um comentário

Goiânia tem belos parques e, às vezes, eu vou até eles e fico zanzando por lá.

Goiânia tem belos parques e, às vezes, eu vou até eles e fico zanzando por lá.

Eu acabara de distribuir as cartas-convite pela rua MA-3, do Bairro onde Moro. Ontem, por duas horas, ficamos, minha filha e eu fazendo este trabalho cansativo. Ela está reativando a Associação de Moradores e eu fui escalado para ser seu pau-pra-toda-obra. E aqui estou, sob o sol quente das 10:30 horas, colocando a última carta na última casa da rua. Está danado de quente e mesmo tendo passado um protetor solar 60, ainda sinto as pinicadas do Sol furioso.

Estou regressando a casa, quando vejo, longe, na rua, um homem alto que caminha em minha direção. Ele é forte e tem passadas largas e decididas. Penso: “O sujeito está apressado” e continuo meu caminho. Quando estamos próximos um do outro, reconheço o estranho: é Jesus de Deus. Abro aquele sorriso de satisfação. É sempre bom encontrá-lo, principalmente quando ele aparece nos momentos em que menos é esperado. Mais

NOSSA SOBREVIVÊNCIA DEPENDE DE INSETOS. QUEM DIRIA…

Deixe um comentário

E elas também estão-se indo...

E elas também estão-se indo…

Há alguns meses eu li uma notícia que me prendeu a atenção. Nunca, antes, tinha atentado para o fato e creio que a maioria esmagadora dos brasileiros também não. A notícia dizia: O que aconteceria com o mundo se as abelhas e as formigas desaparecessem da Terra? A pergunta começou a preocupar cientistas quando apicultores da América do Norte e da Europa notaram uma queda acentuada dos enxames. O receio tem justificativa. Esses insetos garantem a diversidade e o equilíbrio do ecossistema. São tão importantes que, se fossem extintos, a humanidade certamente seguiria o mesmo caminho em um prazo bastante curto, algo em torno de cinco anos”. Mais

E A QUEDA DE BRAÇO CONTINUA…

Deixe um comentário

"Meu Deus, ajuda a este povo inocente e de bom coração..."

“Meu Deus, ajuda a este povo inocente e de bom coração…”

Francisco veio, causou admiração e deixou a juventude brasileira em estado de êxtase. Os políticos apostam nisto para ver arrefecer a fúria da revolta popular que, por algumas semanas, lhes tirara o sono. Eles, políticos e POLITITICAS, são mestres na queda de braço. São altamente treinados na arte da paciência e da esquiva, haja vista a rapidez com que Dilmona lançou a isca da dispersão à qual chamou de Plebiscito. Até agora a “polititicagem” toda está girando em torno desta falácia e deixando o tempo escorrer. Enquanto isto, as delegacias pelo Brasil a fora continuam caindo aos pedaços. As ambulâncias estão sucateadas e muitas chegaram a tal estado sem nem mesmo terem sido usadas UMA ÚNICA VEZ. Os hospitais continuam sem macas, no Nordeste. Na região Leste e Sudeste do Brasil a saúde continua agonizando. E nova isca está no ar: mais médicos importados ou não mais médicos importados? Eis a delusão criada pela esperta VOVOZONA e sua trupe de canalhas do PT. Mais

UM DIÁLOGO SOBRE IGREJA E PAPAS

1 Comentário

Ficar sob a sombra de uma árvore como esta é muito prazeroso.

Ficar sob a sombra de uma árvore como esta, é muito prazeroso.

Estava sentado em um banco do passeio, bem diante da feirinha de todo domingo, em Caldas Novas, quando alguém sentou-se a meu lado. Não prestei atenção em quem tinha chegado e continuei lendo a reportagem especial da Época, intitulada “Entre a Humildade e o Esplendor”. Faz frio há mais de cinco dias e, agora, isto no Centro-Oeste é espantoso. Desde 2000 que o tempo tinha virado e o frio se mandara para qualquer lugar bem longe daqui. Mas acho que sentiu saudade e veio dar uma passadinha, fazendo que todos os moradores destas regiões se encapuzassem e tremessem feito vara verde. Hoje, domingo, o frio está manso. Suave, apenas arrefece o infra-vermelho do Sol que parece sorrir lá no alto, dizendo: Me aguardem que já estou voltando”. Então, é bom usufruir deste tempo enquanto ele ainda está por aqui. Não é comum eu sentar num banco de praça, embora goste muito de fazer isto. Não sei a razão de ser tão raro que o faça. Então, mergulhado na leitura do artigo, bastante interessante, não me virei para ver quem tinha chegado. Mais

FANTASIAS E “VIAGENS” SOBRE A VIDA DE MARIA DE NAZARÉ (4)

Deixe um comentário

Ele me foi simpático. Nenhum outro conquistou minha simpatia. Mas há um senão...

Ele me foi simpático. Nenhum outro conquistou minha simpatia. Mas há um senão…

Para finalizar, o Papa pediu que os fiéis vivam na alegria e ressaltou a importância de Maria, a quem fez questão de visitar em Aparecida, para pedir pelo sucesso da Jornada Mundial da Juventude que começou ontem no Rio. “O cristão não pode ser pessimista! Não pode ter uma cara de quem parece em constante estado de luto”,”

Pedir a proteção de Maria, a mãe terrena de Jesus. Quem foi ela? Eis uma pergunta mais difícil que a que se faz a respeito de seu excelso filho.

Em 9/07/12  e 13/07/12 escrevi sobre estas fantasias. É tempo de dar mais um empurrãozinho naquela história. Perdoem-me os meus leitores, mas é que no blog não posso deixar exposto para consulta todos os temas que escrevo. Assim, se estou abordando um assunto e vejo que é tempo de dar mais um “empurrão” em outro, o tema que eu estava abordando “desaparece” no “arquivo” mensal do blog. Neste momento, deixo a política e o pontífice de lado para mergulhar no tempo-espaço e retornar às conjecturas sobre a Mãe Celeste.

A fim de refrescar a memória dos interessados, eu estava dissertando sobre o tremendo condicionamento milenar levado a cabo pelos Profetas e pelos Rabis do Templo de Jerusalém sobre as Mentes dos hebreus. Tentava mostrar como este condicionamento se tornou crônico e como é dificílimo alguém quebrar esta corrente psicológica, de modo a levar o leitor a compreender a luta do Cristo feito homem, quando aqui “desceu” para dar seu recado… Mais

EDUCANDO OS JOVENS PARA OS VALORES CONSTRUTIVOS

Deixe um comentário

"Ele me entendeu perfeitamente".

“Ele me entendeu perfeitamente”.

Alguém me enviou um editorial da Folha, a respeito de meu último artigo sobre o Papa e sua posição quanto à liberação “estatalmente controlada” das drogas. Do artigo, pesquei este parágrafo que achei interessante: “Se o sumo pontífice acerta parcialmente no diagnóstico, a terapêutica que propõe padece de ingenuidade. É pouco crível imaginar que as dificuldades impostas pelo vício em drogas sejam resolvidas “educando os jovens para os valores que constroem a vida comum”, como afirmou Francisco. A verdade é um pouco mais trágica. Pelo menos no atual estado da arte, o problema não tem resposta no que diz respeito à dependência. Ela é uma decorrência da arquitetura neuroquímica humana, sujeita a experimentar prazer, aprender e lembrar. Campanhas de esclarecimento são desejáveis, mas elas não encerram a questão.” Mais

NA ÍNTEGRA E SEM COMENTÁRIOS. É LINDO E MUITO VÁLIDO

Deixe um comentário

Com coragem e clareza, ele acerta o calo dos polititicas brasileiros. Parabéns, Papa Francisco!

Com coragem e clareza, ele acerta o calo dos polititicas brasileiros. Parabéns, Papa Francisco!

Queridos irmãos e irmãs,

Que bom poder estar com vocês aqui! Desde o início, quando planejava a minha visita ao Brasil, o meu desejo era poder visitar todos os bairros deste País. Queria bater em cada porta, dizer “bom dia”, pedir um copo de água fresca, beber um “cafezinho”, não cachaça, falar como a amigos de casa, ouvir o coração de cada um, dos pais, dos filhos, dos avós… Mas o Brasil é tão grande! Não é possível bater em todas as portas! Então escolhi vir aqui, visitar a Comunidade de vocês que hoje representa todos os bairros do Brasil. Como é bom ser bem acolhido, com amor, generosidade, alegria! Basta ver como vocês decoraram as ruas da Comunidade; isso é também um sinal do carinho que nasce do coração de vocês, do coração dos brasileiros, que está em festa! Muito obrigado a cada um de vocês pela linda acolhida! Agradeço a Dom Orani Tempesta e ao casal Rangler e Joana pelas suas belas palavras.

Desde o primeiro instante em que toquei as terras brasileiras e também aqui junto de vocês, me sinto acolhido. E é importante saber acolher; é algo mais bonito que qualquer enfeite ou decoração. Isso é assim porque quando somos generosos acolhendo uma pessoa e partilhamos algo com ela –um pouco de comida, um lugar na nossa casa, o nosso tempo– não ficamos mais pobres, mas enriquecemos. Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida: como diz o ditado, sempre se pode “colocar mais água no feijão”! Se pode colocar mais aguá no feijão? Sempre! E vocês fazem isto com amor, mostrando que a verdadeira riqueza não está nas coisas, mas no coração!

E povo brasileiro, sobretudo as pessoas mais simples, pode dar para o mundo uma grande lição de solidariedade, que é uma palavra frequentemente esquecida ou silenciada, porque é incômoda. Quase parece um palavrão: solidariedade. Queria lançar um apelo a todos os que possuem mais recursos, às autoridades públicas e a todas as pessoas de boa vontade comprometidas com a justiça social: Não se cansem de trabalhar por um mundo mais justo e mais solidário! Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades que ainda existem no mundo! Cada um, na medida das próprias possibilidades e responsabilidades, saiba dar a sua contribuição para acabar com tantas injustiças sociais! Não é a cultura do egoísmo, do individualismo, que frequentemente regula a nossa sociedade, aquela que constrói e conduz a um mundo mais habitável, mas sim a cultura da solidariedade; ver no outro não um concorrente ou um número, mas um irmão. E todos nós somos irmãos.

Quero encorajar os esforços que a sociedade brasileira tem feito para integrar todas as partes do seu corpo, incluindo as mais sofridas e necessitadas, através do combate à fome e à miséria. Nenhum esforço de “pacificação” será duradouro, não haverá harmonia e felicidade para uma sociedade que ignora, que deixa à margem, que abandona na periferia parte de si mesma. Uma sociedade assim simplesmente empobrece a si mesma; antes, perde algo de essencial para si mesma. Não deixei entrar no nosso coração a cultura do descartável. Lembremo-nos sempre: somente quando se é capaz de compartilhar é que se enriquece de verdade; tudo aquilo que se compartilha se multiplica! A medida da grandeza de uma sociedade é dada pelo modo como esta trata os mais necessitados, quem não tem outra coisa senão a sua pobreza!

Queria dizer-lhes também que a Igreja, «advogada da justiça e defensora dos pobres diante das intoleráveis desigualdades sociais e econômicas, que clamam ao céu» (Documento de Aparecida, 395), deseja oferecer a sua colaboração em todas as iniciativas que signifiquem um autêntico desenvolvimento do homem todo e de todo o homem. Queridos amigos, certamente é necessário dar o pão a quem tem fome; é um ato de justiça. Mas existe também uma fome mais profunda, a fome de uma felicidade que só Deus pode saciar. Não existe verdadeira promoção do bem-comum, nem verdadeiro desenvolvimento do homem, quando se ignoram os pilares fundamentais que sustentam uma nação, os seus bens imateriais: a vida, que é dom de Deus, um valor que deve ser sempre tutelado e promovido; a família, fundamento da convivência e remédio contra a desagregação social; a educação integral, que não se reduz a uma simples transmissão de informações com o fim de gerar lucro; a saúde, que deve buscar o bem-estar integral da pessoa, incluindo a dimensão espiritual, que é essencial para o equilíbrio humano e uma convivência saudável; a segurança, na convicção de que a violência só pode ser vencida a partir da mudança do coração humano.

Queria dizer uma última coisa. Aqui, como em todo o Brasil, há muitos jovens. Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício. Também para vocês e para todas as pessoas repito: nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar. Procurem ser vocês os primeiros a praticar o bem, a não se acostumarem ao mal, mas a vencê-lo. A Igreja está ao lado de vocês, trazendo-lhes o bem precioso da fé, de Jesus Cristo, que veio «para que todos tenham vida, e vida em abundância» (Jo 10,10).

Hoje a todos vocês, especialmente aos moradores dessa Comunidade de Varginha, quero dizer: Vocês não estão sozinhos, a Igreja está com vocês, o Papa está com vocês. Levo a cada um no meu coração e faço minhas as intenções que vocês carregam no seu íntimo: os agradecimentos pelas alegrias, os pedidos de ajuda nas dificuldades, o desejo de consolação nos momentos de tristeza e sofrimento. Tudo isso confio à intercessão de Nossa Senhora Aparecida, Mãe de todos os pobres do Brasil, e com grande carinho lhes concedo a minha Bênção.

Older Entries