Defendendo um ideal falsamente utópico, ela defende a esterilização do povo através das drogas. A longo prazo, defende o fim da raça humana. Por que?

Defendendo um ideal falsamente utópico, gente como esta senhora defende a esterilização do povo através da drogadicção. A longo prazo, defendem o fim da raça humana. Por que?

Os defensores da falsa e falaciosa legalização com controle do consumo de drogas sabem muito bem que isto é mentira. Principalmente no Brasil, onde lei é para inglês ver. O Papa está certíssimo em condenar qualquer movimento de liberação de drogas. Lamento apenas que não tenha condenado também a liberação do álcool “social”. Droga é uma droga. E pronto. Leio na Folha de São Paulo que a Socióloga Julita Lemgruber, da Universidade Cândido Mendes, declarou que: “As pessoas que defendem a legalização a querem com regulação, com ação do Estado. Hoje, as drogas são proibidas e, mesmo assim, o consumo cresce no mundo”. Venda de drogas, legalizada e com controle estatal, é a maior falácia de todos os tempos. Os viciados tentam por todos os meios chegar ao paraíso da liberação geral. Veja-se o que acontece na Holanda, onde o consumo de drogas foi liberado, mostrando que o poder do Crime é mais perigoso do que se pode imaginar. Lá, a taxa de nascimento decresceu e, agora, as mulheres tiram os fetos livremente, porque não desejam ter filhos. A taxa de nascimento decresceu tanto que a médio ou longo prazo, a Holanda terá de importar mulheres de outros países, pagando-as bem, para que venham parir na Holanda (ainda que as crianças não venham mais a serem geradas por espermatozóides de holandeses, visto que os homens de lá estarão com taxa de espermatozóides muito abaixo da desejável para a fertilização, graças às drogas), a fim de que o país possa continuar existindo. O Crime Organizado Internacional, na Holanda, dobrou o Estado, a Polícia, a Lei e a Religião. Você acha isto certo? Eu, não.

"É isto aí, meu caro eleitor. Mas você não vai mudar seus hábitos e vai continuar sendo uma ovelha no meu redil, não é mesmo?"

“É isto aí, meu caro eleitor. Mas você não vai mudar seus hábitos e vai continuar sendo uma ovelha no meu redil, não é mesmo?”

E por que o Crime é poderoso? A resposta é simples: no nosso Brasil isto acontece devido a dois fatores crônicos. 1º) A Corrupção. Os polititicas não se incomodam com nada que não seja encher suas contas de cifrões. Não interessa de onde venha. O que interessa é que venha. Por isto, vendem-se aos cartéis e flexibilizam a mais não poder as Leis brasileiras, a ponto de tornar o crime algo que compensa tanto os “tubarões” quanto a arraia miúda. Uma criança pré-adolescente cooptada pelo Crime, em menos de dois meses compreende que é ali que ganhará o suficiente para comprar o que o salário mínimo nunca lhe dará oportunidade de ter, como a ilusão do tênis de marca, da camisa da moda, da calça badalada etc… E é ali que se sentirá seguro pelo trintoitão e pelas Leis de mentirinha para gozar da moto caríssima roubada, do carrão assaltado numa esquina, do computador e do “Ipod” último modelo tomado de uma casa onde assassinou friamente os moradores etc, etc, etc… 2º) O total despreparo do político brasileiro em matéria de Patriotismo. Não é possível a um país “ir pra frente” quando coloca um palhaço semi-analfabeto ou totalmente analfabeto (quem sabe?) para LEGISLAR. Que diabo de Leis uma pessoa nestas condições fará? NENHUMAS! Será tão-só uma rede de captar VOTOS para que o Partido que o lançou candidato consiga suporte para os “de colarinho branco de carteirinha” e nada mais. 

Esta jovem que se deixou viciar em drogas (maconha, cocaína, crack) com certeza ao chegar no "outro lado" levará um Ovo Áurico em petição de miséria e terá, por isto, traçado uma reencarnação sofrida e cheio de desafios tremendos.

Perguntem a ela se não gostaria de voltar no tempo e mudar o rumo de sua história de vida. Vontade fraca, desinformação, liberdade demais e uma porção de motivos a fizeram chegar a este fim lamentável.

Leio ainda que “A jurista Maria Lúcia Karam, membro da ONG internacional Leap (Law Enforcement Against Prohibition = Lei Contra a Coação da Proibição), disse que o papa “irá compreender, mais cedo ou mais tarde”, que os sofrimentos causados pela proibição são maiores do que os do vício.” SOFRIMENTOS? Ela “se esquece” do sofrimento dos que vivem miseravelmente abandonados sob os viadutos e morrem sob dores físicas e morais devido mesmo à ação perniciosa das drogas? Ou será que esta digna madame vai, agora, lutar para que o Estado oferte hospitais de luxo para internação dos dependentes, não para os tratar, mas para conseguir que aguentem mais um pouco o desespero da escravização às drogas antes de partirem desta para pior? E tudo isto à conta de quem? De nós, que não nos drogamos? ISTO É QUE É UTOPIA PERIGOSA.

"Eu, quando Presidente do Brasil, me drogava. E não cheguei ao fim como a moça aí de cima. Você está dizendo asneira."

“Eu, quando Presidente do Brasil, me drogava. E não cheguei ao fim como a moça aí de cima. Você está dizendo asneira.”

Eu me pergunto por que estas pessoas não lutam também para que os países em que as drogas são fabricadas às toneladas FORCEM OS DONOS DOS CARTÉIS DAS DROGAS a construir tais hospitais e paguem por todo o luxo possível para os miseráveis mortos-vivos que criaram mundo a fora? Eles, os cartelistas, são intocáveis? Por que? E por que o cidadão “limpo” é que tem a obrigação de pagar para que os “sujos” continuem se sujando até o suspiro final?

Não precisamos de falsas ideologias, que mal servem para que alguém consiga um título de Doutor numa tese mesquinha como a defesa da “liberação controlada” do consumo de drogas. O de que precisamos é ALIJAR O MAIS RAPIDAMENTE POSSÍVEL A CORJA DE SAFADOS QUE PULULA E EMPESTA O LEGISLATIVO BRASILEIRO. Enquanto deixarmos que safados continuem tripudiando de nossa Nação, não sairemos do atoleiro em que nos encontramos e, pior, teremos falsos “doutores” entrando burramente na defesa de uma liberdade que é no mínimo absurda.

A expressão de raiva mostra bem a animalidade impulsiva que temos em nossa Identidade Individual.

A Birra pode continuar pela vida toda, se não for combatida com firmeza na meninice. E ela virá a ser base para o vício descontrolado.

Não se educa uma criança aceitando satisfazer todas as suas vontades — como querem os defensores dos “direitos da criança”. Coibir é necessário e indispensável para a formação do cidadão. Não se aprende SEM DOR, por menor que ela seja. A Liberdade Total e Absoluta é uma utopia que só serve para esconder interesses escusos e criminosos. E quando o indivíduo já é adulto, não mais pode ser educado. Tem de ser coibido, nem que seja à força, senão ele se tornará um mal perigoso à Sociedade, como é o que acontece com os viciados brasileiros. O aumento sistemático ano após ano da criminalidade no Brasil tem suas raízes solidamente fincadas nas drogas. Não somente no crack. Quando falo de drogas, falo de todas, inclusive do “álcool social”.

É por estas e outras que fico de pé atrás com a tal Democracia à América do Norte, no Brasil. Liberdade absoluta e total é absurdo e perigoso. Liberdade sob Vigilância é o de que o Brasil precisa neste seu momento político-evolutivo. Mas para que haja a Vigilância do Poder Público de modo responsável e educativo é, antes, urgente que o povo expulse do Poder os patifes de colarinho branco que não mais têm um pingo de Vergonha nas fuças (eles não têm nem face nem cara. Têm é fuças, mesmo).

"Vade retro, Satanás", dirá o Papa Francisco às drogas, hoje e sempre. E está certíssimo.

“Vade retro, Satanás”, dirá o Papa Francisco às drogas, hoje e sempre. E está certíssimo.

Vira-me as tripas quando leio, ainda na Folha, o que disse uma “autoridade” do cenário des-político brasileiro. Eis o trecho: ““Ele (o papa) tem uma postura que é extremamente inspiradora e positiva e, por tudo isso, eu tinha uma esperança muito grande de que ele pudesse vir a se tornar uma liderança positiva nas áreas mais importantes da experiência coletiva global“, disse o antropólogo Luiz Eduardo Soares, ex-secretário nacional de Segurança Pública”. Ressaltei a fraseologia vazia para colocar em destaque como o eufemismo lingüístico pode ser usado, e o é, de modo a vender um ideal perigoso e desconectado da realidade objetiva. Nenhuma FAMÍLIA, das que ainda restam no mundo, aceitará qualquer movimento em prol da liberdade do consumo de drogas “sob o controle do Estado”. Esta mentira é por demais falaciosa para ser aceita até mesmo por um debilóide não dependente.

Ah, quem dera que os EUA tivesse tido ao menos uma vez um herói de guerra como o Rambo. Talvez isto possa acontecer na guerra livre contra as drogas.

Ah, quem dera que os EUA tivesse tido ao menos uma vez um herói de guerra como o Rambo. Talvez isto possa acontecer na guerra livre contra as drogas.

O Mundo precisa urgentemente é de mover guerra de verdade, com canhões, fuzis, granadas, bazucas, fuzileiros, forças especiais, Rambos, bombardeiros etc… contra os criminosos cartelistas ou simples distribuidores de drogas pelo mundo. Já que os Americanos gostam tanto de MATAR, que lhes seja outorgado o direito de invadir os covis de fabricantes de drogas em qualquer parte do mundo e se fartar mandando para o inferno bem mais rapidamente os abutres das drogas e seus defensores, como os acima citados. Aposto que os americanos iam delirar de alegria porque, ao menos uma única vez na História Moderna, ganhariam uma guerra (será?). O Terror, creio nisto firmemente, deve ser combatido com um Terror ainda maior. E a comercialização das drogas pelo mundo é o Terror dos Terrores praticado pelo ser des-humano. Não há meio-termo. Os fabricantes e distribuidores de drogas são como o câncer. Este mal tem de ser extirpado até a última célula, ou retorna com força letal. Assim são eles e os utópicos defensores da liberalização do consumo de drogas, com ou sem “controle”  estatal.

Pense nisto.