Isto não é brincadeira. É sério, muito sério. Seriíssimo!!!

Isto não é brincadeira. É sério, muito sério. Seriíssimo!!!

Tudo leva a crer que os brasileiros estão dispostos a ir até às últimas conseqüências no que diz respeito à varrição da banda podre da polititica nacional brasileira. No Rio de Janeiro, apesar das praias e das mulatas; do samba e do futebol, a turma não desiste de gritar contra os maus políticos que teimam em, contra tudo e todos, permanecer agindo como se ainda fossem os donos da cocada preta. Não são mais. Já deviam ter-se dado conta disto. Mas, como todo prepotente que se preza, eles não acreditam que os Zé Nings vão continuar na luta pela defenestração definitiva de todos eles.

Diz-se que a prova está em 2014. Acredita-se que os Maracanãs espalhados pelo país vão desarmar os Zé Nings e até se acredita que os “cartolas” brasileiros e os polititicas pagaram uma baba (ou ainda vão pagar) pela vitória final do Brasil. É crucial para eles, para os polititicas, que o Brasil saia vencedor desta Copa de Futebol.

As "Arenas" custaram uma fábula e ainda vão deixar vazar outra para os bolsos dos bandidos internacionais da Copa. Mas o que se quer é uma Saúde Pública equivalente a isso aí.

As “Arenas” custaram uma fábula e ainda vão deixar vazar outra para os bolsos dos bandidos internacionais da Copa. Mas o que se quer é uma Saúde Pública equivalente a isso aí.

Sim, sabemos que somos fissurados em futebol. Sabemos que, à falta de verdadeiros heróis nacionais, o povão apela para a adoração dos astros meteóricos que os campos criam. Mas tudo o que é repetido demais cansa, e esses heróis, cuja duração é pouca e quase sempre só brilham para o estrangeiro — principalmente para os espanhóis — já não estão com aquela corda toda. Eles dão o melhor de si nos campos estrangeiros e, quando já estão no bagaço ou quase, como aconteceu com Ronaldo, Ronaldinho, Pato etc… são trazidos de volta para um triste ocaso, ainda que remunerado a peso de ouro (que já não merecem) nos nossos maracanãs Brasil a fora.

Nossa “Bagunçocracia” está sob um tremor de terra muito forte. Os cariocas estão mostrando que não estão dispostos a largar o osso assim, facilmente. Já os “polititicas” daquela Terra Maravilhosa continuam acreditando que ainda podem construir algum engodo milagroso, capaz de enganar e desarmar as mãos revoltadas dos Zé Nings que lá vivem, lutam, sofrem, são espoliados, enganados, roubados e ainda assim, cantam, dançam, riem, vão à praia e ao motel.

Eles não querem mais continuar alimentando patifes. FORA SAFADOS! CAI FORA, DIABO!

Eles não querem mais continuar alimentando patifes. FORA SAFADOS! CAI FORA, DIABO!

A tal C.P.I. (para quem não sabe, C.P.I. é sigla para Caterva de Patifes Insolentes) dos ônibus é uma palhaçada e um insulto que o carioca não aceita engolir. No entanto, com as bundas firmemente aferrolhadas nas cadeiras da “comissão”, Chiquinho Brazão e Professor Uóston não querem arredar o pé de modo algum, mesmo que a Cidade Maravilhosa esteja em pé-de-guerra contra eles.

Pudera! O que poderá vir a ser descoberto a respeito de ambos e do padrinho dos dois, o Prefeito Eduardo Paes? E se se mexer muito neste pinico de merda, com toda a certeza os antecessores até à décima geração passada serão chamados a prestar contas da montanha de dinheiro que junto com os donos das empresas, embolsaram às custas de muito suor e muita canseira dos cariocas dentro dos ônibus mal-equipados, mal-dirigidos e mal-conservados que a eles são disponibilizados com total descaso tanto das “otoridades” constituídas quanto dos corruptores de tais peças bufas do drama do cidadão brasileiro carioca.

Garotinho, que de garotinho só tem o nome. Perpétua nele!

Ele ainda acredita que vai emplacar. Se der esse diabo na cabeça, então, os cariocas merecem…

Só para ver o quanto os Polititicas não acreditam que os Zé Nings cariocas consigam nada com sua grita, leio em muitos jornais e em algumas revistas que o Garotinho e sua “consorte” correm por fora do páreo que se aproxima (eleições de 2014), certos de que vão conseguir novamente meter a boca na teta gorda do erário carioca. Quem não se lembra do que eles dois fizeram ao Rio de Janeiro? Acho que todos os Zé Nings do Rio de Janeiro se lembram muito bem. Mas não são seus votos que contam e, sim, as famosas e malditas COLIGAÇÕES PARTIDÁRIAS. Elas é que trarão os fundilhos da dupla infernal para peidar fedorento novamente nas cabeças dos cariocas e de suas famílias. 

Eia! Avante Rio! Mostrem que na queda de braço o cidadão carioca é mais forte, senão…  

.