Estou com uma bruta dor de cabeça, talvez seja de uma gripe que anda a me rondar teimosamente. Tomo vitamina C com Zinco, mais um comprimido com tudo o que o organismo pode querer para se fortificar e vou escutar músicas de que gosto. Estou só, como sempre. Então, começo a me recordar de como era dançar com alguém nos braços. E me deixo levar pela música num imaginário salão de baile.

E a campainha toca. Vou ver quem é. Pregadores. Eles não desistem. Sabem que sou visceralmente contra religião, principalmente quando pertence a qualquer ramo protestante. Respiro fundo e os convido a entrar. Não, não querem. Vieram apenas para ler um trecho da Bíblia. Isto é para que eu reflita na vinda do Cristo, que, segundo eles crêem, está próxima, muito próxima. Terminam a leitura com algumas palavras de exortação ao combate a Satã. Foi a deixa.

— Satã existe? — Pergunto, maldosamente. Eles não me conhecem nem eu a eles. Os que me conheceram nunca mais voltaram aqui. É tempo de espantar estes dois, também.

— Como é Satã?

Os dois se entreolharam e balançaram os corpos sobre as pernas, desconfortáveis.

— Eu pergunto porque Jesus tem centenas de formas. Ora é louro, ora é moreno, ora tem cabelos e barbas escuros… Enfim, ele está por toda a parte. Mas o coitado do Satã, talvez porque deve mesmo feder a enxofre, como se diz por aí, não é muito popular entre o povo incréu. Acho que só os evangélicos e os protestantes tiveram a honra de conhecer o sujeitinho. Afora vocês, talvez os seguidores de Maluf, o Paulo que não é santo.

O casal se entreolhou com expressão de agastamento. Então, o homem decidiu falar Mas naquele justo momento o computador saiu-se com esta música que eu capturei no You Tube:

https://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=XxoBaEQGMPo.

Notei que a mulher fez um movimento de contrariedade e uma expressão de nojo.

— Pela sua expressão a senhora não gostou da música. Por que? — Perguntei.

Fuzilando-me com o olhar, demonstrando que já estava irritada, a mulher exclamou entredentes:

— Essa é uma das muitas músicas de Satã. É por isto, por ouvir tais músicas, que as pessoas estão como estão: perdidas. Nossa missão, senhor, é salvar aquelas que se dispõem a nos ouvir. O que, permita-me acrescentar, não deve ser o seu caso. O senhor está debochando de nós. Mas quando faz isto, debocha de Jesus, pois somos seus enviados.

O homem assentiu com a cabeça, ratificando o que sua mulher tinha dito.

— Ótimo! — Exclamei fingindo grande alegria. — Como Satã é ardiloso, creio que é necessário que vocês provem o que estão dizendo. Quero ver um documento assinado por Jesus, aliás, Yehoshua ou Yoshua, como querem alguns. O documento tem de estar autorizando vocês dois a representá-lo e, é claro, tem de ter firma reconhecida, pois vivemos num país onde Satã domina de Norte a Sul…

— Auto lá! — Protestou o homem. — O Brasil é um país que está salvo, graças a nós, evangélicos e protestantes. Nós trabalhamos em prol da salvação de gente como o senhor. Se aceitar Jesus, agora, senhor, o senhor também estará salvo.

— Acho que aceitar Jesus, no dizer de vocês, deve implicar eu ser também batizado naquela piscininha esquisita, com um sujeitinho arrogante se dizendo o legítimo apóstolo do Mestre. Só que não gosto de piscinas e aqui por perto o rio que existe é o Meia-ponte, que passou a ser mais esgoto que rio. Vai daí que não dá para eu ser batizado, graças a meu Deus.

— O senhor não precisa ser batizado, agora. Basta que nos diga que aceita Jesus e pronto.

— Só isso? Então, fiquem sabendo que já recebo Jesus aqui em casa faz tempo. Ele vem tomar café comigo, às vezes um copo de limonada, e a gente conversa sobre uma porção de coisas interessantes.

— O senhor está blasfemando, senhor! Tenha mais respeito pelo Cristo, o Filho de Deus! — Exasperou-se a mulher. A diaba se vestia com uma roupa do século XIX, o que a tornava mais feia do que já era por natureza.

— Ora, Ele é meu irmão, senhora. A gente se dá muito bem. Acho que é por isto que vem aqui, vez por outra, conversar comigo.

— Cruzes! Ele não tem mesmo respeito, Raul. Vamos embora. Esse homem já é condenado e sem salvação.

Naquele momento mais uma música demoníaca soou no Youtube: https://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=ZKTbhapS6Ak.

A mulher arregalou os olhos e deu um passo atrás.

— Ah, vejo que a senhora conhece a música, pois não?

— Conhecemos. Antes de receber Jesus, nós éramos pecadores como os senhor — Disse o homem, sério.

— Pois bem, gosto mais de Emmanuelle do que dos hinos que vocês berram desesperadamente sacudindo a Bíblia no ar. Meu Deus não é surdo e Seu Filho, meu irmão, nos orientou a orar a Ele em silêncio, pois Ele sabe de nossas necessidades e nos dá conforme nosso merecimento. E como um pai não dá pedra a um filho que tem fome, conforme também disse Jesus, nosso Pai que está no Céu também não o faz. Então, fico com Emmanuelle. Passar bem, senhores.

Fechei o portão e entrei, infernalmente satisfeito com a cara de horror que a mulher fez diante de minha confissão.

Não tem jeito. Não me ajeito nem com Polititicas nem com Evangélicos.

.

.