Nossa vida é tão frágil no Espaço quanto a deste pardal em minha mão...

Nossa vida é tão frágil no Espaço quanto a deste pardal em minha mão…

Manhã cedo de domingo. Céu “metá-metá” (meio claro, meio escuro). Temperatura de forno quando começa a esquentar. Chão encharcado. Campainha. Olho pela TV e vejo Orozimbo e Jesus de Deus de pé diante da porta. Primo o botão no interfone e a porta se abre. Os dois entram, fazem uma festa nos cachorros e vêm sentar nas cadeiras da varanda. Noto que novamente Orozimbo dispensou seu “toco”. Preparo uma garrafa térmica com café, coloco pedaços de bolo num prato e levo para os dois. Orozimbo já havia acendido seu pito e soltava baforadas de fumaça azul e cheirosa no ar.

Há os que batalham por manter uma Justiça de Pé, ainda quando capenga...

Há os que batalham por manter uma Justiça de Pé, ainda quando capenga…

— Bom-dia, gente. O que os traz aqui, tão cedo? Não que seja incômodo, mas é surpresa. Não é costume de vocês chegarem aqui antes das sete da manhã.

Quem primeiro falou foi Jesus de Deus, que disse que viera até mim porque eu havia colocado coisas absurdas na cabeça de nosso velho amigo e, agora, ele havia destrambelhado de vez. Sentei-me e me voltei para meu velho companheiro de toda a vida.

— E aí? O que você andou aprontando, meu amigo?

— Véio?! Ora, nada! Esse sujeitinho aí é qui num aceitô a idéia de vancê.

Senti um calafrio na espinha. Lá vinha encrenca.

— E que idéia é essa? A de que Deus não existe?

Há os que são treinados para "matar limpo" e o fazem sem qualquer envolvimento com a Morte de seu semelhante...

Há os que são treinados para “matar limpo” e o fazem sem qualquer envolvimento com a Morte de seu semelhante…

— Essa e otras.

— Que outras?

— As que ele criou a partir das tolices que o senhor lhe disse. Fala, Orozimbo, deixa de rodeios e conta logo tudo — disse, irritado, Jesus de Deus. Pelo visto, eu ia enfrentar chumbo grosso.

Orozimbo pigarreou, sorriu debochado e começou.

— Bão, deixem véio ajeitá as idéia, num sabe? A coisa é compricada. Premero, tenho aprendido cum meu netim, qui anda danado de sabido, cuma é qui a muié e o home formam otro sê. Há uns tais de cromossomas…

— Como é que é? — Perguntei, sem acreditar que Orozimbo falara o nome corretamente.

Há os que são treinados para matar frente a frente, com total envolvimento com sua vítima...

Há os que são treinados para matar corpo a corpo, com total envolvimento com sua vítima…

— Cromossomas… Vancê sabe o qui é, portanto, num se faça de besta. Meu netim me botô pra arrepeti o nomão inté véi falá ele dereito.

— Ah! — Exclamei, entendendo tudo.

— E apois. Os tá de cromossoma tem uns pedacim qui são chamado de gene. Os gene é qui forma as pessoa. A muié tem 22 gene compretos, qué dizê, eles são par de XX perfeito. Mas os gene dos home são alejado. Um deles teve uma perninha robada e o negóço ficô ansim: um completo e um alejado, qui a tar de Ciênça diz que se trata de X e Y. O tar de Y é o perneta e é a acusação permanente do roubo que o Deus hebreu feiz no início da criação do home.

Eles estudaram duramente, sacrificaram finais de semana e muitas "baladas" para se tornarem anjos da guarda dos que sofrem. Têm grande mérito no Astral, por isto.

Há os que lutam para salvar a vida na Forma…

— Viu só? O senhor viu só? Ele acaba de dizer uma heresia! Está afirmando que Deus roubou! — Exclamou Jesus de Deus irritado.

— Calma, Jesus, calma. Você não é padre, portanto, não tem que se inflamar tanto pelo que Orozimbo pensa.

— Não sou padre, mas não aceito que se insulte o Pai de todos nós.

— Isso aí é bestera! — Exclamou Orozimbo lançando uma cusparada amarela sobre a grama lá em baixo. — Véi num aceita mais esse negóço de Pai, ora essa!

Ih!” — Pensei eu. — “Agora o caldo entorna de vez!” 

Há os que lutam para manter a Ordem e a Lei.

Há os que lutam para manter a Ordem e a Lei e não se importam se têm de tirar a Vida da Forma.

— Quer continuar, Orozimbo, por favor? — Pedi, tentando acalmar Jesus que estava furioso e olhava com olhar de raiva para Orozimbo, que tinha, em contra-partida, um olhar de gozação e divertimento na face.

— E apois. No livrim preto qui os troxa dos cristão adora, diz qui lá no tar Jardim do Éden, o tar Deus ladrão (e frizou o nome, olhando expectante para a face de Jesus de Deus, que se limitou a olhar para longe) se aproveitô qui o pobre home qui ele mermo tinha criado drumia e robô dele uma costela. Da tar costela ele feiz a muié. Apois bem, véi descubriu, a trôco de tanto pensá, qui num foi costela coisa ninhuma. O Deusim safado dos Hebreus robô mermo foi a perninha do cromossoma “X” e deixô o coitadinho virado em “Y”. Entonce, logo no início, o tar Deus, Pai da safadeza tombém (ele lançou um olhar expectante para Jesus de Deus, que se manteve teimosamente olhando para longe, como se não prestasse atenção à conversa), já no cumeço instituiu o rôbo, foi ou num foi?

E se acredita que tudo o que o homem faz é pela Vontade d'Ele, o Deus antropomórfico do qual ninguém se livra...

E se acredita que tudo o que o homem faz é pela Vontade d’Ele, o Deus antropomórfico do qual ninguém se livra…

— Eu creio que não, Orozimbo — Disse eu, com cautela. Aquela conversa estava começando a me arrepiar os pelos do corpo.

— Foi sim, home! Óia, só. Se Ele era Deus, pru que qui tinha de vir à noite, às escondidas, pegá o pobre do Adão drumindo, pra lhe robá uma perninha do cromossoma? Pru qui é qui Ele, sendo poderoso, num criô logo a muié e deu o serviço pur acabado?

— Mas não foi uma perna do cromossoma coisa nenhuma! — Explodiu Jesus de Deus. — Deus tirou uma costela de Adão para criar a mulher e com isto queria indicar que ela devia se subordinar ao homem, sua primeira criação e o senhor da Terra!

— Uma ova! — rugiu Orozimbo olhando sério e irritado para Jesus de Deus. — Ele agiu cuma ladrão, sim sinhô! E robô foi a perninha do cromossoma, ora se foi! Ninguém nasce de uma costela, seu burro! O tar Deus hebreu pegô uma perninha do cromossoma de Adão e cuma ele é Deus, dali feiz nascê a muié, esse traste qui só serve pra isquentá os miolo da gente. E tem mais! — Urrou Orozimbo, para se impor a Jesus de Deus que ia começando a falar — Ao instituir o rôbo ele desequilibrava a harmonia qui tinha criado no tar paraíso. O home aqui tá certo! Deus num gosta de nada arrumadinho, nhor não! Ele qué experimentá. Ele criô a gente foi pra gente metê os pé pelas mão e fazê o montão de besteirada que a gente vem fazendo pelos século sem fim. E cum nossa besteirada, o tar Deus safado tá aprendendo. E munto! E já no cumeço — cala a boca qui véi num acabô ainda! — já nu cumeço ele tombém instituiu a mentira e a corrupção.

Ele faz sua opção - ficar enlouquecido pela droga. Então, que ganhe o prêmio que merece.

Há os que se matam sem precisar de auxílio de ninguém…

— Como?! — Exclamei, espantado com o raciocínio que meu velho amigo desenvolvia.

— E num foi? E num foi? Iscuita bem, home. Ele criô a tar de Eva e colocô nela o secho sujo… Qué dizê, Ele mermo colocô somente o secho, sem sujeira nem limpeza. Quem fez a coisa ficá suja forum os seguidor dos apóstolo, aqueles desmiolado! 

— Meu Deus do céu, quanta asneira de uma só vez! — Gritou Jesus de Deus pondo-se de pé. — Esse velho ficou aloprado totalmente e o senhor é o responsável por isto!

— Calma, gente, calma. Gritos nunca resolveram nada! Vamos escutar nosso amigo Orozimbo. O raciocínio dele, devo confessar, está muito interessante. Eu estou gostando muito!

— O quê?! O senhor… O senhor está aceitando esse monte de besteiras? — Jesus de Deus não queria acreditar no que me ouvira dizer.

— Estou. E seu Xará de antigamente, que eu saiba, não censurava a palavra a pessoa nenhuma. Por que você quer fazer isto com Orozimbo?

Eu imaginei algo assim...

Há os que são mortos por imprudência de alguém…

— E entonce! Véio tem dereito de falá, ora essa. Se num tá gostando, vai imbora qui num faiz farta!

Tive um trabalhão para acalmar Jesus de Deus e fazer que voltássemos a conversar. Na verdade, eu estava fascinado pelo que Orozimbo andara pensando. Que eu soubesse, ninguém, desde quando se escreveu a tal Bíblia, tinha pensado no que ele dizia.

— Ah pois bem —, continuou ele, todo “ancha”, para usar um de seus termos favoritos. “Ancha” significa cheio de si; convencido— O deusinho judeu colocô a tar serpente e cum ela introduziu a farsidade e a mentira. A Eva tratô de criá a corrupção…

— Eva?! — Exclamou Jesus de Deus. — Como assim?

Há os que traem olho no olho...

Há os que traem olho no olho…

— Ora, a danada cumeu a tar de maçã, enganada qui foi pela serpente  e aí está mais uma safadeza do tar Deus judeu. A safadeza está em qui o Deusinho safado feiz introduzí a farsidade atravéis do comportamento da muié qui ele tinha acabado de criá. A peste já cumeçô errada. Ansim cuma num qué nada, mas querendo, feiz qui o bobão do Adão enfiasse o dente no tar de fruto proibido. E ele cumeu qui se babô! Eva falseô a verdade e corrompeu a inocença do Adão. Entonce, através dela, o Deusinho bandido tombém fez nascê, já no começo, o roubo, a mentira, a traição, o secho e o engôdo, a corrupção…

— E onde é que tem sexo nesta fábula, velho pornográfico? — Perguntou, com voz soturna, Jesus de Deus.

Há os que maquinam a traição friamente.

Há os que maquinam a traição friamente.

— Ora essa! Vancê num vai querê me dizê qui aquerdita na históra da tar maçã! O qui Adão cumeu, no duro, no duro mermo, foi a xereca da Eva. E aquela cópula fez qui a danada passasse a gostá munto de sê… de sê… vancê sabe, ora.

— Eu não sei de nada, velho pornográfico! — Explodiu Jesus de Deus.

— Apois eu digo! — bradou furioso e quase fora de si, Orozimbo.  Eva gostou munto foi de sê fudida pelo Adão! Gostô tanto qui passô esse gosto pru resto da humanidade, visto qui só ela é qui gera a gente. Nóis herdamo dela o gosto pela foda, num foi não? E tem mais! — Gritou Orozimbo se pondo de pé, já que Jesus de Deus o fizera. — Num teve cobra ninhuma lá no tar de paraíso! A cobra que Eva adiscubriu foi o bilau do Adão. Na certa a safada, curiosa cuma toda muié, cumeçô a buli cum negóço do Adão. Ele ficô duro, ela se moiô toda e a vaca foi bru brejo bem cedo na históra da humanidade! 

Há as que se exaltam e se descobrem no coito...

Há as que se exaltam e se descobrem no coito…

Eu explodi numa gargalhada. Aquilo tinha sido mesmo hilário, embora dito de modo tão rude.

— Pelos cornos de Belzebu! — Gritou Jesus de Deus esmurrando o tampo da mesa e me fazendo correr um frio na espinha, pois o tampo é de vidro temperado — Eu não vou continuar aqui, escutando esses insultos ao nosso Pai Celestial! Não vou mesmo!

— Vai sim! — Gritei eu, também me levantando. — Sente-se aí e escute! Nós temos de ter os ouvidos abertos para tudo. Todos temos algo a ensinar aos demais. Orozimbo fez uma grande descoberta. Pode não ser como você quer que seja, mas é uma hipótese bem plausível, a se raciocinar segundo o Mito Bíblico da Criação. Então, vamos sentar como gente civilizada, que suponho que somos, e vamos continuar ouvindo a sabedoria de nosso velho amigo. Ele está-me espantando com o que diz e olha que não é fácil conseguir isto comigo.

E há as que se deixam aviltar pelo coito... Mas tudo isto é experimento, tudo isto é para Seu Aprendizado.

E há as que se deixam aviltar pelo coito… Mas tudo isto é experimento, tudo isto é para Seu Aprendizado.

Todos nos sentamos e pesou um grande silêncio no ambiente. Um silêncio cheio de tensão, pois tanto Orozimbo quanto Jesus de Deus são cabeçudos e teimosos. Além de teimosos, esquentados e eu estava tendo um trabalhão para evitar que os dois se engalfinhassem em minha varanda.

— Orozimbo, meu velho, eu lhe disse que O Espaço cria tudo porque deseja aprender e também lhe disse que Hunabi-Ku é seu coração. O Espaço é, para que se entenda, o Cérebro Criador. Hunabi-Ku é o centro Sentimental daquele Cérebro. Um cria as coisas e os seres; o outro lhes infunde a Vida através do Sentimento. Não foi?

— e apois num foi? Entonce, véio saiu daqui cuns miolo isquentado. Foi pra arucaia, mas num foi prantá nada. Deitô numa rede e se pôs a matutá. E foi matutando qui véi adiscubriu esta verdade qui teve a burrice de ir contá pro cabra burro aí!

Ele se excede. Eis o "feto Cósmico".

Ele se excede. Eis o “feto Cósmico”.

— Calma! Não quero mais insultos entre meus amigos. Gente que se insulta é gente burra e grosseira. Gente do morro, das favelas e dos guetos. Nós estamos fora daquela classe social, não é?

Orozimbo pigarreou e acenou um “sim” com a cabeça. Contrariado, Jesus de Deus fez um muxoxo (estalou a língua no palato, para indicar seu desdém. Eu o ignorei).

— Agora, por favor, me fale do que você pensou a respeito do que eu lhe falei.

E todo drama humano ou não, acontece nestes fervedouros de Vida que Ele, o Espaço,   cria.

E todo drama, humano ou não, acontece nestes fervedouros de Vida que Ele, o Espaço, cria.

Orozimbo concentrou-se, antes de falar. Então, com um pigarro e sorvendo o café da xícara, já frio, começou.

— No cumeço, véio pensô ansim. O ispaço é o Adão. Hunabacu…

— Não, não. Repita comigo: Hu-nabi-ku.

Eu o fiz repetir o nome até que ele conseguiu falar corretamente.

— Entonce, Hunabi-Ku é Eva. Ela gesta e pare. O home insemina e gera. Eva educa. O home sustenta… Eva ensina cum amô; Adão insina cum a dô…

— O Espaço é o homem?! É o Adão?! — Perguntei, sem entender bem o raciocínio de Orozimbo.

Num infinito de galáxias Ele cria um infinito de dramas para aumentar seu Conhecimento...

Num infinito de galáxias Ele cria um infinito de dramas para aumentar seu Conhecimento…

— Já qui num há um Deus de verdade, mas sim um ser qui aprende — disse ele, com vagar  e já qui quem aprende é o home, entonce, o Espaço é o Primero Home, é o tar de Adão. Véi num tá certo?

Pensei um pouco. Sim, o raciocínio dele parecia muito lógico. Acenei um “sim” com a cabeça, espantado com o raciocínio de meu velho amigo.

— E Deus, o Pai Celestial, onde fica? — Perguntou Jesus de Deus, já todo interessado em ouvir o que nosso velho amigo dizia.

— Ele num exéste, entonce, deve di ficá no isquecimento, ora — respondeu Orozimbo, com simplicidade. — Se véio mete ele na históra, tudo se comprica. O Deus cristão é munto compricado. E é isto pru qui é criação da mente infantil do home, ora. Pra mim tá craro cuma crara de ovo.

Jesus de Deus engoliu em seco e me olhou. Mantive a mesma postura de censura à sua reação provável de irritação e ele se voltou novamente para Orozimbo.

Sendo o Senhor da Forma, o Espaço é caprichoso em suas criações, como se vê nesta Galáxia que semelha um anjo...

Sendo o Senhor da Forma, o Espaço é caprichoso em suas criações, como se vê nesta Galáxia que semelha um anjo…

— Então, quem é Eva, no seu modo de entender as coisas?

— Ora, Eva é a Terra, home. Onde tá a dificulidade? E óia, o home aí — e apontou para mim — otro dia iscreveu uma históra qui véi gostô munto. Na históra dele, Deus faz secho cum a Terra. Num foi, home?

Eu assenti com um vigoroso aceno de cabeça. Jesus de Deus disse que me tinha lido, mas tinha entendido aquilo apenas como um trecho poético escrito em prosa.

— Pode inté sê uma poesia em prosa, mas qui ele dixe uma verdade, lá isso dixe mermo! Adão, o Espaço, copula cum tudo o qui ele criô, pois a criação num é uma muié? Num é fiminino? Entonce! Ela é sua Eva e ele pode fazê quantos fio quisé, nela.

— Não entendi… — disse Jesus de Deus, olhando-me de esguelha.

A forma "anjo" que trazemos em nossa mente transpessoal foi adquirida quando vivemos naquela galáxia, no passado remoto?

A forma “anjo” que trazemos em nossa mente transpessoal e enriquece nossa fantasia foi adquirida quando vivemos naquela galáxia, no passado remoto?

— Ora, não se diz qui nóis, humano, somo tanto terra quanto ispritu? Vê, home, nosso corpo é da terra. Nosso isprito é do Espaço. Quando o corpo morre, o Ispritu vorta pru Ispaço, pois é imortá.

— E Olorum — perguntei eu — Onde você o encaixa na sua nova visão?

— Simpres… Olorum é Adão e Adão é o Ispaço. Entonce, Olorum é o Ispaço. E cuma ele cria tudo, ele tombém cria os otros deus do Candomblé. Entonce, home, nossos santos exéste, sim. Vancê tá errado. 

Não discuti com ele. Vi que estava plenamente convencido do que nos dizia e era melhor não assanhar mais ainda seu pensamento. Orozimbo podia não saber se expressar corretamente, do ponto de vista Gramatical, mas sabia muito pensar e raciocinava rápido, muito rápido. Era melhor deixar a coisa como estava. Eu desconfiava que aquilo ainda ia dar muito pano pra manga. Mas tratei de pôr um fim àquele “papo”, senão meu domingo ficaria todo em função disto.

Nosso Inconsciente Coletivo é bem mais profundo do que jamais o imaginou Jung e se perde entre as estrelas nas Galáxias...

Nosso Inconsciente Coletivo é bem mais profundo do que jamais o imaginou Jung e se perde entre as estrelas nas Galáxias…

— Gente, vamos aceitar o que o velho Orozimbo descobriu. Tem sentido, sim. Não está registrado em lugar nenhum, pois o mérito da descoberta é dele e só dele. Portanto, do ponto de vista Científico, vamos tomar seus pensamentos como uma HIPÓTESE de pesquisa. Que tal?

Jesus de Deus me olhou por um tempo. Então, sorriu e acenou que sim, com a cabeça. Orozimbo nos lançou um olhar brilhante de felicidade. Levantou-se, seguido por Jesus de Deus que me deu uma piscadela, despediu-se de mim e lá se foi levando a reboque nosso revoltado cristão. E eu fiquei pensando: “Tá vendo? Quem mandou mexer com o que estava quieto? Agora, agüenta!”