"Não caiam na besteira de se revoltar contra mim. A porrada vai doer, podem crer. O Brasil é do PT e ninguém tasca."

“Não caiam na besteira de se revoltar contra mim. A porrada vai doer, podem crer. O Brasil é do PT e ninguém tasca.”

Todos nós, letrados ou não, cultos ou incultos, já percebemos que não é só no Brasil que os dirigentes perderam o Norte e estão à deriva. Todos ou já demonstram um apego feroz ao Poder, ou são apegados latentes, como a Vovozona e seu Mentor, o Lulão Beberrão. Quando e se o brasileiro se revoltar contra os des-Governos que se seguem um após outro e “la em cima” ainda estiver um êmulo dos Petralhas, veremos que este êmulo se atirará insanamente contra a vontade do Povo. Aqui, como no mundo, os Dirigentes, ainda que eleitos pela Vontade do Povo (que se afirma utopicamente que é soberana), jamais obedecerão a esta Vontade, quando ela se manifestar contra seus desvarios ou suas roubalheiras

Este é  Viktor Yanukovych, o Presidente da Ucrânia contra o qual o povo se revolta... e morre.

Este é Viktor Yanukovych, o Presidente da Ucrânia contra o qual o povo se revolta… e morre.

Ucrânia está em pé-de-guerra contra seu Governante, Viktor Yanukovich. Síria já tem mais de mil mortos entre os revoltados contra o tirano Bashar Al-Assad. Nicolás Maduro é outro que perdeu o horizonte da Venezuela e, agora, já entra na senda da tirania cantando a fatídica musiquinha “daqui não saio, daqui ninguém me tira!”

É, o mundo está de cabeça para baixo e eu começo a concordar com Zygmund Bauman que diz que “vivemos o fim do futuro”. No nosso país a decadência da Política chegou ao subsolo do fundo do poço. Não temos mais como sair da escuridão em que fomos lançados a partir do retorno dos que não deviam ter voltado.

Se as revoltas acontecessem tão-só nos países “terceiromundistas”, a ralé da raça humana, então, ainda se podia ter esperança. Mas elas estão por todas as nações, tenham elas 500 anos somente ou tenham mais de milhares e milhares de anos de existência. Tudo se quebra. Tudo se esfacela. Deus perdeu sua onipotência e deixou de ser temido e reverenciado. É mais um perdido no meio da multidão. Ainda não sei como é que os americanos não o apresentaram, ainda, como um mendigo que está zanzando pela Terra em busca de seu trono derrubado. Na série que se anuncia no AXN, um súcubo já tem forma humana, anda entre humanos e é totalmente desrespeitado por policiais humanos. Tudo se resolve nas côrtes corruptas ou na bala do fuzil ou da pistola. Fácil. Muito fácil.

Aí, Lulão, os Nings estão do teu lado, cara. E os teus articuladores não vão apanhar tanto da dona Justa, não. Pode ficar alegrinho, pode sim.

Companheiros, eu construí o Partido dos Perdidos. Venham viver conosco. Vejam como estamos bem.

No meio deste desmantelo de tudo, estão nossos filhos e netos. Eles ainda trazem consigo aquela esperança e aquele impulso para a auto-realização que um dia também tivemos em nós. É genético e inarredável. Por isto, talvez, é que Zigmunt Bauman acredita neles. Por isto é que diz que vai depender da imaginação e da determinação da juventude frear a queda em que nos encontramos para o abismo do NADA humanista. Mas Zigmunt Bauman me parece que se esquece de um detalhe macabro: o apego dos jovens desorientados às drogas como o meio mais rápido de obter prazer. A juventude do mundo, devidamente manipulada pela Mídia Globalizada e maldosamente direcionada, nasce, cresce e vive correndo desesperada atrás de PRAZER. O prazer pelo prazer, não o prazer pelo esforço da conquista. Ela vive pelo e para o prazer doentio. 

Além das drogas, o sexo é procurado afanosamente pela juventude como fuga ao Vazio Existencial que os invade venenosamente.

Além das drogas, o sexo é procurado afanosamente pela juventude como fuga ao Vazio Existencial que os invade venenosamente.

A descrença nas autoridades constituídas é patente em todos os nossos jovens brasileiros e, também, naqueles de outros países. Tanto assim é que são eles que estão nas pontas-de-lança das revoltas populares contra os desmandos dos que deviam mandar com responsabilidade. São eles os primeiros a ir para as ruas gritar contra a corrupção e a roubalheira, a tirania e a arrogância de seus governantes. São eles os primeiros a oferecer os lombos ainda em formação para o gáudio dos cassetetes dos policiais a serviço do Mal – os Governantes. São eles os “Vazios” de Existência enquanto esperança de oportunidades.

Nossas juventudes no mundo todo vive dentro de um escuro vazio de Amor e de Alegria. Mas os adultos que gerenciam os Estados e Países não se dão conta disto. Nem mesmo quando seus filhos aparecem apodrecendo com a Krokodil. Que lástima!

A droga Krokodil faz que  os jovens usuário apodreça em vida.  Mesmo sabendo disto, milhares a tomam. Isto é o Vazio Existencial em ação.

A droga Krokodil faz que os jovens usuário apodreça em vida. Mesmo sabendo disto, milhares a tomam. Isto é o Vazio Existencial em ação. 

Mas a reboque de si a juventude do mundo todo traz A DROGA. Não somente a droga química, mas também a droga cibernética. Ela é sua fraqueza, como os cabelos eram a fraqueza do Sansão. No momento atual, quando tudo exige mudanças rápidas à velocidade dos pixels do computador, a juventude do mundo ainda está escravizada à prepotência da Internet. A maioria esmagadora vive alienada dentro das telinhas brilhantes de instrumentos fabricados pelos T.I. e Engenheiros de Informática. Estão literalmente alienados. E os que não se alienam na droga do mundo virtual, alienam-se no prazer efêmero das drogas químicas. E em ambos os casos perdem um tempo precioso que jamais poderá ser retomado. E com o tempo que se esvai nos desvarios e delírios dos sonhos acéfalos, eles também perdem a capacidade de perceber a dimensão do abismo que se abre a seus pés, graças aos des-governos de nossa geração de aloprados Ladrões de Colarinho Branco. Ainda assim, entre esta juventude que se debate entre a loucura e a lucidez, há uma parcela significativa que vai às ruas e se levanta contra o Poder dos Podres. Conseguirá, esta parcela de lúcidos, alguma vitória contra a corrupção e a podridão da Política Mundial? Sei não… Mas é a ela que Bauman dedica sua esperança. 

Todos os debates dos cultos e letrados filósofos sociais desta época de aloprados me surgem vazios de orientação substancial. Fala-se sobre o óbvio; fala-se sobre generalidades, mas não há nada de concreto e objetivo em suas falas e escritos.

Creio que estamos no fim de uma era. Que era, não sei. Talvez a era da inconseqüência e da imoralidade e amoralidade. Seja como seja, o futuro da Terra como Casa da Humanidade está, mais do que nunca, nas mãos dos jovens desta atualidade, pois os antigos já se perderam até de si mesmos.

Que o Criador lhes dê senso de orientação a tempo de se salvarem do abismo para onde nossa geração de desmiolados nos encaminhou.

A todos.