"Ih! Ele vai malhar a gente, de novo!"

“Ih! Ele vai malhar a gente, de novo!”

Chove. E chove muito. O dia todo anteontem, ontem e hoje, vinte e quatro horas por dia. E na semana passada os dias se seguiram com pancadas fortes de chuvas com algumas rajadas também fortes de vento. No entanto, o reservatório da capital está calamitoso. Já falta água em alguns bairros. O que quebra o galho é a chuva. O pessoal junta a água no que pode. Mas o período de chuva termina no final deste mês, e aí…

Não chove nas cabeceiras dos rios que abastecem a represa do João Leite e isto é alarmante. Goiânia sem água acho que será pior que o Rio de Janeiro ou São Paulo. E vejo pela TV que São Paulo está dependurado na falta do líquido da vida. O Nordeste todo anda de boca aberta e garganta seca (os paraibanos que o digam), pois além da seca e da falta de chuva, o calor não dá trégua.

"Psssit! Boca de siri! Esse velho é um esclerosado. Nâo acreditem nele, não. Sem o PMDB o Brasil não seria o que é. Eu sei disto e sou catedrático e imortal. Portanto, creiam em mim"

“Psssit! Boca de siri! Esse velho é um esclerosado. Não acreditem nele, não. Sem o PMDB o Brasil não seria o que é. Eu sei disto e sou catedrático e imortal. Portanto, creiam em mim”

Então, vamos malhar o judas? Como vocês sabem, meu Judas preferido chama-se POLITITICA. De qualquer Partido, pois todo partido no Brasil, sem exceção, é um covil de ladrões de todos os níveis. Do pé-de-chinelo mais burraldo ao colarinho branco mais descarado que possa haver na face da Terra. Li algures que Joaquim Barbosa anda de asas pensas para ingressar na Polititica Nacional Brasileira. Vai deixar de ser o Bat-Man admirado para se tornar mais um atolado na lama do Planalto. Se não mudarmos TOTAL E ABSOLUTAMENTE a Constituição vigente; se não forem revogas as PEC’s que a emporcalharam, não adiante ter fama de nada. Vai afundar como o Titanic. Se eu pudesse dar um conselho a ele, este seria: Joaquim vá embora do Brasil. Isto aqui não tem mais jeito, não 

Desde os tempos em que galinha tinha dente (e isto é verdade. Havia, há muito e muito tempo, quando se acredita o bicho homem não existia ainda, um “galinhão” chamado Archaeopteryx lithographica, que tinha dentes em seu bico), que, no Brasil, pairava sobre o Nordeste uma maldição terrível: “Aqui, neste pedaço de chão do paraíso que eu criei, nascerão os piores “coronés” da Polititica Nacional do lugar. Este torrão será rico em águas, matas e fauna, mas a insanidade e a ignorância do povo que aqui brotará, mantida maldosamente de geração de políticos catedráticos da corrupção a políticos catedráticos da corrupção, todos nordestinos, levarão o povo a arrasar as árvores e as matas até não restar sobre a terra local senão pó. Sem árvores, os rios vão secar. Rios secos, reservatórios secos. Reservatórios secos, cidades esturricadas e povo desesperado. Assim será, mas os políticos locais não darão a mínima atenção ao que irá acontecer e piorará a cada ano, de modo que, após três séculos de sofrimento e esturricamento, aqui só restará um deserto sem recuperação. Mas neste ínterim, muita riqueza brotará entre os coronés que comercializarão a seca nordestina sem qualquer peso na consciência. Mas suas gerações os amaldiçoarão pela dor, pelo desespero e pela desgraça que plantaram e cultivaram estupidamente e impiedosamente na região. Ai deles, quando vierem a se encontrar comigo. Melhor seria que jamais tivessem nascido”. 

Em breve talvez não mais vejamos cenas belíssimas como esta.

Em breve talvez não mais vejamos cenas belíssimas como esta.

Sim, o Nordeste brasileiro era rico em matas e fauna e eu posso dizer isto de cadeira porque sou de lá e vi e vivi a exuberância das matas nordestinas. Cacei muito animal silvestre na companhia de meu pai. Nadamos e vadeamos rios que, hoje, já não mais existem nem mesmo nos mapas do lugar. E a seca, a eterna seca nordestina sempre foi motivo para desvio de bilhões e bilhões de reais (outrora cruzado, mais outrora ainda cruzeiro novo, mais outrora ainda, cruzeiro). Muitos coronés ficaram ricos à custa da má política levada a efeito nas paragens nordestinas. E tornaram a região feudos que foram, são e continuarão sendo passados de safados velhos para safados novos, até quando lá não houver senão pó seco e vento árido, esturricando tudo. Aí, eles se mudarão para outra paragem rica em matas, a Amazônia Brasileira. E a desmatarão furiosamente, ferozmente, criminosamente e… impunemente. Seguirão o exemplo do maldito JOSÉ SARNEY, um desbravador do Mal que já abriu caminho, pioneiramente, para indicar aos que se lhe seguirão, onde deverão ir para escapar à ira da Natureza no Nordeste. E lá, entre aquelas matas exuberantes onde hoje corre o caudaloso e indomável rio Amazonas, restará apenas areia e sol causticante. Nem um lagarto. Nem uma caranguejeira. Tudo estará morto pela sana insana dos “nossos” polititicas emproados que vivem pela mentira, na mentira e para a mentira.

O Galo de Campina, o Cardeal do Nordeste, já quase não é visto por lá. Mas houve uma época que eles enfeitavam as terras nordestinas com suas cores brilhantes.

O Galo de Campina, o Cardeal do Nordeste, já quase não é visto por lá. Mas houve uma época em que eles enfeitavam as terras nordestinas com suas cores brilhantes.

Eles se apresentam nas televisões do Brasil cheios de explicações “científicas” para o desastre que já se abate sobre nosso país. E, como sempre, buscam às pressas remendos rotos para enganar os já desesperados citadinos, como acontece com os paulistanos, onde o polititica-mór do momento, Alkimim, deita falação inútil. De concreto, ele não é capaz de anunciar absolutamente nada. Obras de prevenção? Medidas profundas de conserto do que já quase não tem conserto? De modo algum. Para que gastar dinheiro com isto? Dinheiro é para sumir nas contas escondidas em paraísos fiscais. Afinal, o Brasil ainda tem muita mata a ser desbastada e esta geração de caquéticos polititicas já artríticos e enfisemáticos, não pode desperdiçar tempo com mesquinharia. Quando a seca chegar pra valer e tudo não mais tiver jeito para os Zé Nings eles tomarão, junto com as respectivas famílias e amigos do peito, um jato transoceânico e irão para os países onde julgarão poder desfrutar de uma vida paradisíaca… Será?

Aqui já houve mata verdejante da Amazônia brasileira. Hoje, só gramíneas e... dólares. E a água?

Aqui já houve mata verdejante da Amazônia brasileira. Este é o retrato do Centro-Oeste. Hoje, só gramíneas e… dólares. E a água?

O Centro-Oeste embicou no mesmo caminho do antigo e extinto Nordeste. Desmata tudo, até as matas ciliares, para plantar CAPIM e GRAMÍNEA.

Criar boi, independente do quão prejudicial é para a atmosfera terrestre os peidos dos desgraçados é a coqueluche dos centro-oestinos. Mas com a extinção feroz das grandes matas que aqui outrora havia, os regimes de chuvas vão mudando de lugar. Cada vez chove menos onde chovia antigamente e cada vez chove mais onde não devia chover. Por isto, com tanta água descendo das nuvens sobre nossas cabeças, os reservatórios do Centro-Oeste também andam de pareia com os de São Paulo.

Quando e como será o fogo que nascerá da extinção das nossas matas?

Quando e como será o fogo que nascerá da extinção das nossas matas?

Eu sempre ouvi dizer que o final do mundo humano desta atualidade acontecerá sob fogo e, não, sob as águas, como já foi. Pois é. Parece que a profecia está vindo a galope, graças mesmo aos “nossos” polititicas estúpidos, burros, f.d.p., orelhudos e sei lá que mais, que não são capazes de pensar algo que preste em momento algum de suas existências.

E ainda há quem defenda Partido Político como algo bom.

Pior: ainda há quem vá às urnas votar para manter esta caterva de inúteis no Poder.

Coitado do Brasil Varonil-il-il-il!!!