Dar uma moeda é pagar a si mesmo o entorpecimento da consciência.

Dar uma moeda é pagar a si mesmo o entorpecimento da consciência.

Amor não é dar o prato de comida ao Elemental Físico faminto. Isto é obrigação dos eleitos pelos Elementais para dirigir os grupos de semelhantes. Amor é ensinar a fazer o prato de comida para comer. Amor não é dar uma moeda à mão que mendiga. Isto é obrigação dos eleitos pelos Elementais para dirigir os grupos de semelhantes. Amor é ensinar como trabalhar para ganhar as moedas de que se necessita para sobreviver numa sociedade eminentemente falsa e cruel. Amor não é disponibilizar de graça um teto com lençóis quentinhos, alimento bom e gostoso e remédios caros com gente que levou anos estudando arduamente para se formar em Medicina ou Enfermagem à disposição para paparicar o viciado em drogas. Amor é educar a criança com firmeza e clareza, para que no futuro não venha a se tornar um escravo sem vontade nem coragem para combater seu tirânico senhor – a droga.

Opções erradas o levaram a isto. Mas Amá-lo não é levá-lo para um abrigo, tão-só.

Opções erradas o levaram a isto. Mas Amá-lo não é levá-lo para um abrigo, tão-só.

Amor não é agasalhar e alimentar os que só fizeram opções erradas durante a vida. Amor é ser cobrador enérgico de tais pessoas, ensinando-lhes e lhes impondo o esforço indispensável para vencer seu espírito treinado no derrotismo e na preguiça do comodismo ao status quo. Amor não é recolher o menor abandonado a instituições onde eles continuam solitários e abandonados. Amor é recolher estes infelizes seres humanos e lhes dar treinamento duro, enérgico, cobrado, para que respondam positivamente aos esforços no sentido de lhes desenvolver coragem, assertividade e enquadramento na Sociedade onde nasceram e vivem. Amor não é dar com uma mão e retirar com a outra, como fazem os maus políticos. Amor é doar de si o máximo possível, mas ensinando àquele que recebe o sacrifício a honrar quem se sacrifica e compreender sua própria pusilanimidade em ser contumaz discípulo da preguiça e da covardia.

Amor não é sair pelo mundo minimizando as dores físicas de Elementais humanos, como fazem os Médicos Sem Fronteiras. Amor é cobrar intransigentemente dos Políticos, em quaisquer partes do Mundo, que cumpram com o que há em grandes manuais sobre o ideal político, seja ele comunista, seja socialista, seja capitalista, pois as doutrinas são ótimas, o que não presta são os que delas se apossam para agir com ganância e mentira.

Amor não é conformar-se covardemente com a tirania e a ganância de grandes empresas, onde a crueldade se oculta atrás do anonimato dos “investidores”. Amor é vigiar tenazmente, intransigentemente e inabalavelmente a usura e a ganância que gerem tais empreendimentos voltados acima de tudo para o lucro à custa de milhares de vidas humanas.

Amor não é ser comodista e acomodado.

Amor é lutar sempre pelo próprio bem e pelo bem da Comunidade Humana.

Em silêncio, quando for a hora da prece e do Agradecimento ao Divino.


Em grande barulho quando for a hora de dar combate aos vícios maus da Alma Mortal.

Pois a Alma Mortal ou Personalidade é sempre corruptível e corruptora.

 A ela se deve dar toda a vigilância possível.

Pense nisto e

AME.