A paisagem era fria e tranqüila. Tudo contribuía para a calma interior.

A paisagem era fria e tranqüila. Tudo contribuía para a calma interior.

O dia clareou com o céu muito nublado e fazendo frio, muito frio. Os irmãos de Yehoshua, depois de virem a cena assombrosa de seus familiares flutuando dentro de uma nuvem cor de rosa à altura da face da grande estátua do Budha Maytreia, tinham adormecido, cada qual com um pensamento desnorteado na mente. Thiago, musculoso, atarracado e peludo foi o primeiro a despertar com uma dor de dente lancinante. Gemendo muito saiu e correu até um pequeno riacho de onde apanhou água e colocou na boca bocejando forte. A dor deu a impressão de melhorar, mas era porque o frio da água havia diminuído a sensorialidade de sua boca. Lembrou-se do que tinha visto e se voltou rápido em direção à grande estátua, mas a neblina cobria totalmente a grande cabeça de pedra e ele não vislumbrou nada. Com a mão no lado esquerdo da face caminhou até a barraca de seu irmão mais velho e lhe entreabriu a entrada. Yehoshua dormia profundamente enrolado em uma grossa manta de lã. Ele foi à barraca de sua mãe e lá a encontrou também em profundo sono ao lado de Ruth. Retornou à própria barraca, onde dormiam seus dois irmãos e se sentou apertando a bochecha do lado do dente cariado e infeccionado.

Judas despertou com os gemidos de Thiago e cutucou Yoseph que despertou meio atarantado. Os dois se puseram sentados e olharam para Thiago, que, desesperado de dor, andava de um lado para outro gemendo alto.

— Temos de encontrar mel e aquecê-lo para que ele coloque sobre o dente. Isto aliviará a dor — Disse Judas, mas Yoseph o contradisse.

Eis a Sálvia, a planta que ajuda a combater a dor-de-dente.

Eis a Sálvia, a planta que ajuda a combater a dor-de-dente.

— Não, mel, não. O bom é chá de sálvia com arnica e camomila bem quente. Vamos ver se encontramos as ervas. Os bochechos com este chá quente alivia imediatamente a dor.

Eles correram até a tenda de Jeroboão e sem qualquer pudor despertaram o Yogue e lhe explicaram a urgência. Jeroboão se pôs de pé ainda bocejando e esfregando os olhos. Saiu da barraca sem dizer nada, foi ao riacho, lavou a boca e a face e só então chamou os dois irmãos de Yehoshua.

— Vão ao caravaneiro. Com certeza ele tem as ervas que procuram.

Os dois correram à barraca do árabe e ele lhes deu as ervas. Eles foram despertar Maria, a mãe, para que ela providenciasse o chá quente. Ela não se fez de rogada e rapidamente aprontou o chá que levou pressurosa até seu filho. Encontrou-o quase em lágrimas e com metade do rosto bastante inflamada, o que lhe deformava as feições. Thiago tomou do chá quente e fez o bochecho por quase quinze minutos. Míriam, quando sentia que o chá tinha esfriado, colocava-lhe mais água quente para que se mantivesse numa temperatura correta.

A Arnica, diz-se, é originária dos EUA, mas ela também está na Ásia e no Brasil, onde é conhecida por Maria-sem-Vergonha.

A Arnica, diz-se, é originária dos EUA, mas ela também está na Ásia e no Brasil, onde é conhecida por Maria-sem-Vergonha.

— Vão chamar Yehoshua — ordenou a Senhora. — Ele faz milagres e bem pode curar seu irmão.

Os dois correram à barraca onde Yehoshua dormia e o sacudiram com força. O irmão mais velho despertou e fitou os dois com olhar interrogativo. Eles lhe explicaram o que acontecia e a ordem que tinham recebido para vir buscá-lo.

— E o que nossa mãe espera de mim? — Perguntou Yehoshua pondo-se de pé e saindo da barraca direto para o riozinho gelado. Ali também bochechou a água e lavou o rosto, enquanto ouvia de seus irmãos o que deseja a mãe dos três.

— Eu não faço milagres e todos sabem disto. Quem faz milagre é meu Pai. Thiago deve pedir a Ele a graça que nossa mãe lhe deseja. Se ele merecer, recebê-la-á.

Mas judas e Yoseph não desistiram de levar o irmão mais velho até a barraca onde Thiago gemia de dor. Yehoshua foi ter com seu irmão e lhe viu a face deformada pela infecção.

— Que chá é esse que lhe dás, mãe? — Perguntou.

A Camomila tem inúmeras propriedades curativas e é muito usada na Medicina tradicional.

A Camomila tem inúmeras propriedades curativas e é muito usada na Medicina tradicional.

— Chá de sálvia, arnica e camomila. É bom para aliviar a dor.

— Então, ele está medicado. Não precisam de mim aqui — e Yehoshua se voltou para retornar à sua barraca, mas a mão firme de sua mãe lhe prendeu o braço.

— Como podes agir assim? Teu irmão sofre e não te apiadas dele? Eu te vi curar gente com doenças bem piores…

— Erras, mãe. Tu viste as curas, mas não fui quem as prodigalizou. Meu pai, a quem conheceste esta noite, é quem faz as curas. E ele só premia aos que merecem. Se Thiago orar a Ele e lhe fizer o pedido e se for merecedor, será curado. Que ele ore ao Senhor Maitreya. Se for merecedor, repito, ficará curado.

Míriam não permitiu que seu filho mais velho se retirasse e continuou a lhe prender o braço.

— Tu podes curá-lo. Pede por ele ao teu pai…

— Nosso pai, mãe. Nosso pai. Tu também és filha d’Ele, não te esqueças.

— Sim, e sou mãe de Thiago. Seu sofrimento é meu sofrimento.

 Yehoshua olhou nos olhos de sua mãe com tristeza.

Ela é imaginada assim: etérea, inumana, irreal. No entanto, foi uma mulher de mãos calejadas, pés de sola grossa como toda mulher de sua época.

Mesmo sendo quem era, submetida ao grilhão da CARNE ela não tinha consciência de sua Divindade.

— Não devias ser tão apegada a nós, mãe. Isto só te trará dores. Ninguém é filho ou filha e ninguém é pai ou mãe. Pai e Mãe simultaneamente é o Senhor do Mundo, o Budha Maitreya. Mas até que Thiago sossegue mais, a fim de poder se concentrar na oração, vou buscar algo para ele mascar. Com certeza se sentirá muito aliviado.

Yehoshua saiu e se embrenhou na mata. Demorou quase uma hora antes de retornar, tempo em que Thiago se desesperou com a dor que pouco diminuíra. Seu irmão mais velho lhe estendeu uma porção de raízes bem lavadas.

— Toma, mastiga bem uma destas raízes e guarda as outras para mais tarde. Elas te aliviarão a dor mais depressa que o chá com que fazes bochechos. Depois, veremos onde encontrar alguém especialista em arrancar dente infeccionado. 

— O que é isso? — Perguntou Yoseph apontando para as ervas que Yehoshua tinha em mãos.

O cálamo é uma espécie de capim aquático. Eis sua foto.

O cálamo é uma espécie de capim aquático. Eis sua foto.

— Raiz de cálamo. Ela contém substâncias analgésicas que vão reduzir muito a dor que nosso irmão está sentindo. E aproveito para lhes dizer que a doença só ataca os que não são puros de mente e coração. Eu já disse isto aos de nossa terra  e repito agora: o que mata não é o que entra pela boca, mas o que dela sai. E o que sai pela boca é fruto do Pensamento. Se pensais mau, tereis o mal em vosso corpo físico, pois esta é a Lei do Mundo.

— E como podes saber que teu irmão pensou mau a ponto de merecer este castigo? — Perguntou Míriam, a mãe, olhos fuzilando de ira contra o filho que, para ela, estava sendo cruel com seu irmão.

— Podes ler os pensamentos dele, mãe. Então, por que me perguntas isto? E por que me olhas com raiva? Mesmo que eu quisesse, não conseguiria sanar o sofrimento de Thiago. Ele o quer para si. Ele pensa mau, ele age mau, ele se apega a ilusões e se curva a cegos que dirigem cegos. Ele é medroso e não quer apartar-se de ensinamentos tolos e perigosos, que fogem totalmente à diretiva do Senhor do Mundo. A dor, mãe, é o Mestre que traz a pessoa perdida do bom caminho de volta a ele. Um dia meu irmão compreenderá isto. A ninguém é permitido entregar sua capacidade de pensar por si a terceiros e se deixar, preguiçosamente, ser guiado por eles. Agindo assim, tanto o falso guia quanto o medroso indolente pecam contra si mesmos e contra o Senhor do Mundo e isto terminará por lhes trazer dores intensas. No futuro, mãe, o número de preguiçosos indolentes e de falsos guias se multiplicará tanto que fatalmente eles atrairão uma grande desgraça sobre toda a humanidade. É por isto, por este perigo futuro, que o Senhor do Mundo nos enviou até eles para que, agindo agora, não adentrem um tempo em que o número seja grande demais para ser controlado. Então, se os que se seguirem a nós não sustarem suas indolências e suas arrogâncias, seus Medos e seus Egoísmos,  não haverá como salvá-los das grandes catástrofes que lhes sobrevirão por culpa exclusivamente deles mesmos.

E Yehoshua se retirou sem mais dizer, deixando a todos confusos com aquele sermão. Yoseph olhou de esguelha para Míriam e perguntou com voz titubeante:

— É verdade que podes ler nossos pensamentos… mãe?

— Não que eu saiba — respondeu a Senhora.

— Então, por que ele disse aquilo?

— Pegunta a ele, Yoseph — respondeu a Senhora com irritação.

— Terá sido pelo que vos aconteceu ontem?

Míriam voltou-se para o filho e o encarou com olhar intenso.

— Como sabes do que nos aconteceu? Por acaso, saíste, tu e teus irmãos, da barraca?

— Não, não saímos, não. Apenas entreabrimos a lona e olhamos lá fora…

— E o que vistes?

— Vós flutuáveis diante da face de pedra da estátua e estáveis envoltos numa nuvem cor-de-rosa muito brilhante. Parece que faláveis com alguém, mas não vimos ninguém além de vós.

Míriam aproximou-se de Yoseph e o segurou pelos ombros, olhando-o intensamente e respirando com dificuldade por causa do medo que lhe assomou ao coração.

— Por que vós tínheis de ser tão curiosos? O que vistes não deve ser comentado com absolutamente ninguém, compreendes? Principalmente quando retornarmos à Palestina. Seríamos odiados mais do que já o somos por causa das ações de teu irmão mais velho. 

— Não pretendemos falar com ninguém, mãe. Ninguém nos acreditaria. É impossível que alguém flutue no ar e, pior, sente-se numa nuvem cor-de-rosa diante da face de uma estátua de pedra. Seríamos tidos por loucos e condenados a viver em companhia de outros iguais. Nenhum de nós quer isto. No entanto, estamos desorientados e sem compreender porque razão fomos alijados do grupo por nosso irmão.

Mitologia Bíblica: Moisés diante da sarsa ardente. Isto jamais aconteceu...

Mitologia Bíblica: Moisés diante da sarsa ardente. Isto jamais aconteceu…

— Vós estais por demais apegados aos ensinamentos rabínicos e estes se prendem àquele de Moisés. Não sei ainda a razão pela qual acreditar no Legislador é motivo de censura por parte do Senhor Maitreya, mas sei que Ele mesmo não liga para isto. De algum modo, contudo, quem segue a Lei de Moisés se condena a si mesmo ao ostracismo diante do Trono do Senhor do Mundo.

— Mãe… Tu estás dizendo que abdicas de nossa crença? Abjuras Moisés e seus ensinamentos? — Os olhos de Yoseph estavam esbugalhados de espanto. Não podia crer que sua mãe estivesse declarando exatamente aquilo.

— Neste momento, filho, tomo a posição de passividade. Não resisto ao que me vem e deixo que flua como flui o orvalho sobre nós, pela manhã. Abro meu coração para os novos ensinamentos e posso garantir-te que, ainda que não consiga falar sobre o que vi e ouvi, estes ensinamentos contêm toda a Verdade que nossos rabis desconhecem. E como desconhecem…

O olhar de Míriam ficou subitamente vazio e brilhante, com um brilho que desconcertou Yoseph. Agastado, ele se retirou de manso, deixando Míriam, sua mãe, com o olhar perdido diante de si e com um misterioso ar de felicidade na face.

Yoseph foi sentar-se numa pedra diante do lago, onde uma fina camada branca de orvalho flutuava preguiçosamente sobre as águas muito claras e transparentes. À direita, o riacho marulhante cantava sua eterna canção de alegria só compreendida pelos entes da Natureza…

Silenciosamente Jeroboão sentou-se a seu lado e, também, manteve-se calado, mirando as águas serenas e gozando da paz que inundava aquela paragem e lhe invadia o ser. Então, voltando-se para ele, Yoseph falou.

— Ontem, meus irmãos e eu, vimos coisas que nos assombraram. Não foi sonho… Ou foi?

— Não, não foi sonho — respondeu Jeroboão sem se voltar para olhar Yoseph.

— O que foi aquilo?

— Algo que teria sido melhor que não tivésseis visto — foi a resposta serena e dita com voz calma, sem qualquer censura. — Mas já que vistes, o melhor é silenciar e esperar.

— Esperar por quê?

— Pelo desenrolar dos acontecimentos. Agora, vem. Temos de arrumar tudo para partirmos. Hoje, partimos para o Mosteiro Hemis, onde teu irmão aprendeu tudo o que era necessário para o despertar de seu Verdadeiro Ser.

Jeroboão se pôs de pé rapidamente e se retirou, deixando o pobre Yoseph com mais aquele mistério a lhe perturbar a mente. De que Verdadeiro Ser ele falava quanto a seu misterioso irmão Yehoshua? Também se levantou e correu até alcançar o lépido Yogue. Segurando-lhe o braço forçou-o a sustar a caminhada e a olhá-lo de frente.

— Meu irmão Thiago sofre com intensa dor de dente. Ele não tem condição de viajar. O lombo do elefante sacode muito e isto vai aumentar suas dores…

— Ele não morrerá por causa de um dente, meu jovem. E nestas terras em que estás, muitos são os que sofrem de dores de dente e, ainda assim, viajam dias até onde há os que são capazes de os extrair sem colocar a vida dos sofredores em perigo. Tem fé, homem. E vai aprontar tuas coisas e a de teu irmão que sofre para não atrasares nossa partida.

Enquanto o Yogue se ia apressadamente, Yoseph ficou parado, pensando: “Estamos sós, Thiago, Judas e eu. Todos nos viram as costas. Melhor seria que voltássemos à nossa terra e abandonássemos esta viagem sem razão e destruidora de nossos mais sagrados valores”.

Seu olhar subiu até a cabeça da grande estátua do Budha e lhe pareceu que aqueles olhos de pedra o miravam…