2014 - Rio Negro transborda e invade cidades no Amazonas.

2014 – Rio Negro transborda e invade cidades no Amazonas. Vinte metros acima de sua quota normal.

E vamos que vamos. Dei de cara com alguns tolos que me questionaram dizendo que torno fácil o que é muito complexo etc, etc, etc… Fiquei fulo e lhe perguntei o que conhecia de “Ocultismo”. Aí o cara despejou uma enxurrada de “Conhecimentos Ocultos Esotéricos” que daria para escrever uma biblioteca inteira. Triste. Ele se apegou à declamação de termos complicados, inventados, quiçá, para tornar dantesco o que não passa de uma simples vala e não um grande vale. Então, eu perguntei ao estulto incauto se ele já escrevera algum artigo que fosse digno de se ler. Não por emproados como ele, mas gente simples, advogados, psicólogos, médicos, professores, pedagogos etc… (gente com instrução de apenas segundo grau – ou que é adepta dos PETRALHAS – jamais vai alcançar o que se tenta dar-lhes de graça. A estes, o Evangelismo e seus pastores espertalhões bastam). E o otário me disse que o Conhecimento que detinha não era para ser colocado ao alcance de leigos; que era preciso esperar a chegada do tempo previsto etc, etc, etc… Que espere, o tolo. A Terra está-se revoltando e mudando rapidamente todo o sistema que, nela, permite a vida tal como a conhecemos. A água escasseia às pressas. A temperatura sobe a ponto de fazer camelo deitar desanimado no deserto com calor de 70º C. As neves do Kilimanjaro e afins derretem. Os polos estão quase sem gelo (curioso: os oceanos ainda não subiram como era previsto). As florestas estão sumindo para dar lugar a pastagens – no Brasil, pois no resto do mundo os americanos e europeus já consumiram tudo. Tsunamis, vulcões, geadas inesperadas, verões sufocantes, tufões dantescos e sei mais lá o que desabam sem dó nem piedade sobre a humanidade idiotizada pelo MERCADO e sua louca busca gananciosa por LUCRO. E o tolo espera… O quê?

Rio negro quase morto, em 2010.

Rio negro quase morto, em 2010. O Alerta foi dado. Veja quem tem olhos de ver…

A água vem rareando há muito tempo e os que ainda a têm não se tocam para o desastre mortal que a Natureza está fazendo descer sobre a cabeça dos idiotas que só pensam no Deus LUCRO. No Brasil, São Paulo, que sempre esbanjou água, está de terrina nas mãos mendigando gotas do precioso líquido. O Governador, sempre chupando sua dentadura, vai empurrando com a barriga e não encontra solução para o gigantesco dilema que a Natureza lhe jogou nas mãos. Como os paulistas não são lá muito religiosos, o bicho vai começar a pegar justamente por ali. E o emproado, cego para o que está acontecendo, ainda acha que guarda um tesouro para só entregá-lo à humanidade “quando o tempo for chegado.” Imbecil! O tempo já está é passando e ninguém ainda notou. E se ele me lê, agora, dê graças a Deus que declinei de lhe citar o nome. Não por cuidados que tais, mas para não lhe dar publicidade aqui. Este blog é meu e nenhuma pêga vai por ovos no meu ninho, ô xente!

Eu disse ao fútil que gênio não é o que decora livros e mais livros com linguagem emproada em latim, grego, xiita, mesopotâmico, árabe, páli, aramaico, hebraico, mandarim etc, etc, etc… Gênio é o que põe em linguagem simples, com palavras simples, o que foi escrito por alguém de Identidade complicada e cheio de fantasias tolas. E neste aspecto, eu sou gênio e pronto. Inté mais vê, otário!

Socorro! Alguém me ajude! Quero meu Pólo de volta!

Socorro! Alguém me ajude! Quero meu Pólo de volta!

Meus leitores que me perdoem, mas às vezes não dá para agüentar tanta burrice institucionalizada em nome do Conhecimento.

Mas vamos deixar pra lá o emproado e voltar ao nosso feijãozinho com arroz, né? Afiná, semo brasilêro e aqui manda um pratim de fêjão. Tem ele? Entonce, tá bom, seo moço.

Você, que vem lendo minhas “tolices”, já aprendeu que este planetinha miudinho está inteiramente inserido na terceira dimensão. Ele é bruto, violento e anda muito, muito aborrecido mesmo com esta praga chamada humanidade. Vai daí que, sendo totalmente feito pelos três primeiros sub-níveis do Plano de Matéria Densa, só abriga em sua crosta coisas e bichos, inclusive os tolos humanos, que também são feitos da matéria destes três subplanos. Não adianta o tolo pensar que “caga cheiroso”. Ele não passa de pó e ao pó vai voltar. E eu estou começando a acreditar que esta volta vai-se dar mais depressa do que os “caga-cheirosos” pensam…

Bom, deixando a ironia acre de lado (é que ainda estou aborrecido, perdoem-me), já se conhece, agora, que:

1) O Planeta só abriga coisas, bichos e gente, construídos com matéria densa (e o Etérico, o Superetérico, o Subatômico, o Astral inferior e o Mental Inferior são considerados de matéria densa em comparação com outros planos de matéria sutilíssima).

2) O Duplo Etérico é o centro verdadeiro da Vida manifestada na Forma Densa (aqui, falo apenas da raça humana).

O bem nutrido e comodista "Sir" Aleister Crowley. Foi ele um mago? Não creio.

O bem nutrido e comodista “Sir” Aleister Crowley. Foi ele um mago? Não creio. Mas foi um luminar do saber magista.

3) O Duplo Etérico domina totalmente o Espírito, impondo-lhe uma construção social a que chamamos PERSONALIDADE ou IDENTIDADE. (NOTA: Sendo uma construção dentro do DUPLO ETÉRICO, a Identidade se volta totalmente para o que é material e se confunde toda quando se trata de assunto transcendental. Tanto que tudo o que lhe chama a atenção ela tenta traduzir em termos materiais pura e simplesmente. Deus, não sendo [mas sendo] redutível aos cinco sentidos humanos, não é apreendido pelo intelecto e, por isto, é pintado com as formas mais bizarras. E quando estudado por emproados de vetusto saber, aí é que Ele fica complicado).

4) O Duplo Etérico sobrevive à morte física e continua atuando no “outro lado” com todos os vícios e todas as virtudes que desenvolveu e aprendeu no mundo dos encarnados orgânicos;

5) O Duplo Etérico, sendo regido, depois do desencarne, pela IDENTIDADE, funciona em função desta. E é por causa dele que a Identidade ou ALMA MORTAL passa para o além sentindo todas as agruras e necessidades que sentia quando foi criada no corpo físico denso. Daí, que, considerando a maleabilidade e adaptabilidade da matéria sutil dos subníveis etéricos, super-etéricos e sub-atômicos, com somente a força do pensamento constrói réplicas de coisas e objetos com que se acostumara “cá em baixo” e sem o quê não sabe viver.

5) E é por isto, também, que a 15 mil metros de distância da superfície da terra surgiu a famosa cidade conhecida entre os espíritas como NOSSO LAR.

A propósito, ontem recebi a primeira apostila do curso de médiuns do CEGAL. Em um trecho que aqui transcrevo vocês podem verificar que eles afirmam como verdade o que acima eu digo:

Sendo o Espírito desencarnado a mesma pessoa que foi em vida, mantendo praticamente os mesmos pensamentos, conceitos e sentimentos, é natural que se lembre dos que ficaram. Através do pensamento pode se comunicar com eles, de forma sutil, traduzindo inspirações, ou de uma forma mais ostensiva, através da mediunidade” (CURSO – A ESPIRITUALIZAÇÃO DO SER – MÓDULO I – NOÇÕES DA DOUTRINA ESPÍRITA (pg. 8).

Eis a Cadeia Setenária Planetária. Teoricamente, segundo a Teosofia, viemos do Glóbulo Mental, descendo até o Astral, daí ao Etérico e finalmente ao Globo Planetário Denso.

Eis a Cadeia Setenária Planetária. Teoricamente, segundo a Teosofia, viemos do Glóbulo Mental, descendo até o Astral, daí ao Etérico e finalmente ao Globo Planetário Denso (para ver melhor mande abrir o link em uma nova guia).

Ora, considerando a imensa população espiritualista que habita no Brasil — 3,8 milhões, segundo o censo de 2010 —, é preciso que se produza material que ajude estas pessoas a se esclarecer para avançar no conhecimento quanto ao que acontece com o ser humano quando desencarna. Eles já sabem uma parte, mas esta parte não diz respeito ao Espírito Verdadeiro, a Chama Crística ou a Centelha Divina que repousa dentro do Corpo Egóico, no Ovo Áurico que a cada um protege de ataques os mais tétricos e sombrios. 

O porquê de estarmos aqui é mais complexo do que qualquer emproado de qualquer seita possa imaginar. Viemos de algum lugar; segundo a Teosofia, viemos descendo de Glóbulo em Glóbulo de matéria sutil dentro da Cadeia Setenária Terrestre e estamos na parte mais densa, mais profunda desta Cadeia. Aqui devemos experienciar o Mundo das Trevas para Aprender Espiritualmente e, só então, ascender novamente de Glóbulo em Glóbulo de matéria sutil até que passemos a outra Cadeia Setenária Planetária, que surgirá em substituição à da Terra (nosso planeta irá morrer e se desfazer no Cosmos, como está acontecendo com a Lua, que já foi uma Cadeia Setenária Lunar) ainda sob a influência desta estrela de quinta grandeza e meia-vida a que chamamos Sol. “Caímos” pela esquerda e devemos ascender pela direita da Cadeia. Ah, se você é novo por aqui procure os artigos que publiquei sobre este tema.

Já os espíritas acreditam piamente que somos um bando de espíritos que viajam pelo espaço atrás de mundos cada vez mais e mais evoluídos, até quando não mais necessitemos desta migração evolucionária. No caso da Terra, afirmam que o planeta está num momento de transição, deixando de ser um Mundo de Expiação para se tornar um Mundo de Regeneração. Quando a transição terminar, aqui ficarão apenas os que foram aprovados na dura seleção que se inicia. Os reprovados serão transmigrados para planetas mais atrasados, onde terão de recomeçar a caminhada em condições de dureza até piores do que as que tiveram aqui.

Nenhuma destas hipóteses pode ser descartada, pois até agora nada há que confirme uma hipótese e refute a outra. No entanto, que há vida depois da “morte” do físico, lá isto eu não duvido, pois experiências me mostraram cabalmente que há. Ponto final.

QUEM É MESTRE DA PORRADA E SE SENTE O TAL, VAI QUERER ABDICAR DISTO, LÁ EM CIMA? Vai nada, inocente!

QUEM É MESTRE DA PORRADA E SE SENTE O TAL, VAI QUERER ABDICAR DISTO, LÁ EM CIMA? Vai nada, inocente!

O diabo é que pouca coisa se escreveu sobre o tema da terrível cadeia que é, para o Espirito, a Identidade Individual, formada dentro de um mundo artificial, onde tudo depende de significados lingüísticos. Sem a palavra escrita ou falada, nós não seríamos capazes de compreender a Natureza Bruta ao nosso redor. Mas o Mundo Representativo que criamos para podermos compreender “ilusoriamente” o que nos cerca, é uma tênue camada de NADA. Nenhuma palavra expressa fidedignamente a essência da coisa que simboliza na língua falada pela pessoa. Por exemplo: a palavra ÁRVORE tem significado para os que falam o idioma português, mas não tem qualquer significado para quem fala o árabe, por exemplo. E mesmo no idioma português, o vocábulo ÁRVORE é impreciso, pois abarca uma infinidade de seres semelhantes e muito diferentes entre si ao mesmo tempo. Acontece assim com tudo o que é representado pelos signos lingüísticos. Nós vivemos e nos comunicamos e nos relacionamos e fazemos maravilhas no mundo denso servindo-nos tão-só de signos que nada representam quanto à essência das coisas mesmas. Não é uma maravilha?

Quem é lindona assim, vai querer perder "tudo isto" só porque está do outro lado? Vai nada, inocente!

Quem é lindona assim, vai querer perder “tudo isto” só porque está do outro lado? Vai nada, inocente!

Maravilha é sim. Mas nos complica sobremodo quando se trata do viver além-túmulo, pois nossa IDENTIDADE sobrevive ao desencarne e leva consigo todo o complexo sistema de signos, de crenças, de conceitos e preconceitos, de teorias e teoremas que desenvolveu aqui em baixo. E ela se assenhoreia do CORPO DO DUPLO ETÉRICO e nele passa a viver toda serelepe, pintando o sete e acreditando que está realmente vivendo em um mundo espiritual. Isto porque, junto com o que leva para o outro lado, vai também o tremendo medo da MORTE. E é este medo que faz que ela busque todos os meios de se perpetuar na vida além túmulo, pois o desfazimento lhe arrepia toda. Perder a consciência MORTAL não é fácil para quem pensa que já é Espirito. Principalmente se os comportamentos manifestados pela pessoa enquanto IDENTIDADE SOCIAL foram de molde a seguir parâmetros mais ou menos DIVINOS, como PERDOAR AS OFENSAS – DE CORAÇÃO; FAZER O BEM SEM ESCOLHER A QUEM E SEM DESEJAR RECONHECIMENTO PÚBLICO; EXECUTAR TRABALHO ÁRDUO PARA SALVAR VIDAS HUMANAS SEM DESEJAR NADA COMO RECOMPENSA (MADRE TERESA DE CALCUTÁ É O MELHOR EXEMPLO) etc, etc, etc…

A crença em que vive num mundo celestial é uma ilusão à qual se apega a Identidade desencarnada com unhas e dentes e isto é um tropeço e tanto para a LIBERTAÇÃO DO ESPÍRITO, DA DIMENSÃO TRIDIMENSIONAL.

Vive, a coitada, ainda numa baita ilusão. E enquanto isto dura, o Espírito não desperta verdadeiramente. Ele continua encerrado em seu casulo, tomando pouquíssima ou nenhuma consciência do que a Identidade fez, disse, aprendeu e construiu ou destruiu tanto aqui em baixo quanto lá do outro lado.

Compliquei? Pois é. Tudo que nos cerca é complexo. Se você era do grupo que acreditava na SIMPLICIDADE danou-se, meu caro. Mas vamos devagar que vem é coisa pela frente.

NAMASTÊ!