Desta gangue só uma pode ser a esperança para o brasileiro. Uma fraca esperança.

Desta gangue só uma pode ser a esperança para o brasileiro. Uma fraca esperança.

Fala sério. Ouvi, um dia destes as teses malucas de alguns candidatos a Aloprados do Planalto. Era um dia em que, cansado, refestelava-me na “cadeira do papai” (último presente de meu filho, antes de atolar o pé na jaca), diante da TV de 50 polegadas em 3D e da aparelhagem de som sofisticado, home theater, que transforma instantaneamente minha sala de estar em uma sala de cinema, sem o incômodo dos mal-educados que colocam os tênis sujos ao lado de nossas cabeças, visto que ou seus “sacos” são enooooorrrrrmmmmmeeeesssss, ou suas pererecas estão dando saltos doidas pra encontrar um perereco para se juntar a elas num rala-e-rola tocado a drogas. Um dos candidatos, doidão, quer dar o calote nos bancos; outro, totalmente desnorteado, que privatizar tudo; outro, retrógrado até não mais poder, quer estatizar tudo. Ninguém quer propor nada viável, sério, objetivo. E aí pensei: “A gente compra um equipamento deste, tão sofisticado que é preciso fazer um curso especial para aprender como lidar com a coisa, para ouvir tamanhos disparates em nome da Liberdade Constitucional. Que merda!”

Quando mais jovem ia ao cinema, eu criava um caso danado com os “sacudos” e algumas vezes até coloquei grupos de mal-educados para fora da sala de projeção. Além de esquentado, eu era muito bom de porrada. Mas agora, vésperas dos 74, já não tenho mais ânimo para me rebelar, além do que é esta a nova educação social que a juventude leva para os espaços comuns e eu não aceito isto nem a pau.

Eu sonhava poder montar uma sala de cinema dentro de  casa e ver os filmes em 3D sem ter de me aporrinhar com a nova educação desta juventude transviada e tresmalhada, mas os preços eram proibitivos e os juros imorais. Vai daí que uma certa noite em que o sono tinha tirado folga e eu me vi pelas quebradas da noite vagando ao léu no mundo cibernético, dei de cara com uma oferta que me espantou. Uma TV de 50 polegas, 3D, PHILIPS, ao inacreditável preço de R$ 1.230,00 em 12 prestações sem juros. Li e reli o anúncio do Wall Mart. Antes de ir confirmar o que eu já sabia — os preços estavam acima dos dois mil em qualquer outra loja, em algumas até passavam dos três mil —, comprei a dita cuja. Cinco minutos depois, o preço subiu para R$ 2.650,00. E não encontrei nada por menos, mas em muitas por mais. Foi assim que descobri que algumas lojas, entre elas a WALL MART, fazem liquidações relâmpagos ou ofertas relâmpagos, não sei bem, mas sempre pelas quebradas da noite. E foi assim que também comprei meu home theater por R$ 1.350,00, também na WALL MART, em 9 prestações sem juros. Agora, eu dou noites de licença ao sono e fico perambulando pelo Mundo Virtual atrás de outras ofertas do mesmo quilate.  

"Eu não vou deixar que a porrada de direita deixe de ser dada nas fuças dos Zé Nings. Eu prometo!"

“Eu não vou deixar que a porrada de direita deixe de ser dada, como sempre, nas fuças dos Zé Nings brasileiros. Eu prometo!”

Mas voltando aos candidatos a Aloprados do Planalto. Eles não se pejam de dizer as maiores asneiras como bandeiras de suas candidaturas e os coitados Zé Nings se vêem diante de um quadro político absolutamente desastroso, sem nada, literalmente nada que preste a se lhes oferecer como alternativa ao que aí está, podre, fedorento, mas sem-vergonhamente tentando se vender como um caquético pensar que se diz mudar em nova prorrogação de seu tempo de des-governo. Quando vejo a Aloprada do Planalto deitando falação desconexa, sem coerência, até porque não tem nada a dizer, fico-me perguntando até quando essa gente maravilhosa chamada BRASILEIROS vai agüentar tanta desfaçatez.

Não é possível que os polititicas não se toquem para o fato de que até nosso povo, sempre lerdo em tudo o que é sério e válido, já passou há muito do tempo em que os zé pelebreus curvavam a coluna vertebral diante dos arrogantes “coronés” brasileiros. Ainda há alguns deles de pé à força da pouca vergonha e da incapacidade de se tocar, como é o caso do José Sarney. Mas estas múmias perigosas estão perdendo a força que tinham. Não é sem tempo, visto que a Natureza parece que decidiu apressar a transição planetária, único meio de que dispõe para jogar merda no ventilador humano brasileiro e deixar tudo doidão de desespero.

Sobre seus frágeis ombros pesa a monstruosa esperança de uma Política melhor. Mas ela dará conta desta missão?

Sobre seus frágeis ombros pesa a monstruosa esperança de uma Política melhor. Mas ela dará conta desta missão?

O jeito, pelo visto, é marinar. Marina pode não vir a ser o que todos esperamos, mas ao menos é o cacete que vai descer a porrada na bunda caída da atual Aloprada do Planalto. A doidona já deve andar tomando dalmadorm para conseguir conciliar o sono. Claro que não vai perder nenhuma das mordomias que seu padrinho tratou de se dar e a todos os ex-Presidentes e Presidentas, como Plano de Saúde pleno e pago pelo tesouro nacional, para os ex e para toda a sua família até a terceira e quarta gerações, bem como guarda-costas parrudos e devidamente integrados aos partidões dos ex, de modo a lhes dar um mínimo de garantia de vida extra, após terem feito merda adoidado no Poder do Brasil.

Marina chegará lá em cima montada em um jumento danado de arisco, o PSB, onde militam os que nadam em dinheiro, ou seja, a elite que não entende nada de Zé Ning (nem está aí para entender de tostão, quando sempre olha para o milhão). Eu estou curioso para ver como é que a amazonense sem tradição política na família vai lidar com esta elite de tubarões. Eu não sou partidário dela, mas entre a gangue que aí se apresenta, se eu votasse, votaria nela só de raiva.

Eu queria ver um Candidato que, apoiado por seu partido, apresentasse um plano de Governo que realmente desse caganeira não somente nos pervertidos tradicionais da Polititica Nacional Brasileira, mas também nos abutres estrangeiros que aqui se cevam porque lá fora a comida está acabando para eles, como é o caso das malfadadas montadoras que entopem nossas cidades, vilas e corrutelas de automóveis quase sofisticados e, assim, nos envenenam o ar, mas lucram adoidado com automóveis que não valem nem a metade do preço pelo qual são vendidos aos pobres Zé Nings do Brasil.

Um programa que:

a) Contivesse um planejamento claro de criação de Escolas Técnicas e Universidades Federais em todas as grandes e médias cidades brasileiras, com professores justamente pagos e dispondo de laboratórios de pesquisa equipados com o que de mais sofisticado há no mundo universitário de qualquer outra Universidade de qualquer país dito de Primeiro Mundo. Universidades com alojamento para os estudantes que viessem de outros estados, com estada subvencionada pelo Governo Federal e cujos trabalhos de pesquisa recebessem todo apoio deste Governo, o qual disporia em primeira mão dos inventos e das descobertas feitas pelos nosso gênios quando estudantes, hoje abandonados à própria sorte e a seus próprios esforços;

b) Contivesse um planejamento de criação de escolas de Primeiro e Segundo Graus não subordinadas às políticas estaduais, mas totalmente integradas ao Planejamento Educacional Federal. Escolas onde a obediência e o respeito aos Mestres fossem exigidas com rigor militar e onde houvesse ponto de corte mínimo de 7 pontos, como era antigamente, para que o aluno pudesse almejar aprovação. Escolas equipadas com laboratórios e equipamentos de última geração na área computacional, através dos quais os alunos pudessem ter aulas à distância, quando impedidos de comparecer à escola, mas não dispensasse o estudo presencial, com orientação direta de professores qualificados e bem pagos;

c) Um programa de incentivo às empresas genuinamente brasileiras para que implantassem e desenvolvessem seus próprios laboratórios de pesquisa, empregando aqui, no Brasil, a mão-de-obra excelentemente qualificada que, infelizmente, vai sempre para o exterior. Incentivo às empresas para investir não somente na pesquisa, mas na viabilização das invenções dos cientistas brasileiros (que temos às carradas), de modo a termos entre nós uma verdadeira indústria nacional, capaz de exportar equipamentos de ponta, como material médico cirúrgico; equipamentos eletro-eletrônicos, de computação e de telecomunicação, tudo, absolutamente tudo fabricado aqui, no Brasil. E não me venham dizer que não dispomos de material específico, como o silício, pois o Brasil tem a maior jazida deste mineral raro, do mundo;

d) Um programa de incentivo às empresas genuinamente brasileiras (nada de concorrentes estrangeiras que só visam levar lucro daqui) para a pesquisa e a fabricação de equipamento pesado, como fabricação de trens balas, de carros elétricos, de bicicletas elétricas (a Dilma vetou um navio que veio da China carregado de bicicletas elétricas com baterias solares porque elas colocariam em cheque os motores a combustão, os automóveis, o que afetaria a Petrobras e as montadoras), de automóveis movidos a eletricidade, como aquele modelo da OPEL alemã, que apresenta autonomia de 1.200 km com uma carga única; 

e) Um programa de Governo voltado para a implantação de estaleiros capazes de fabricar não somente veleiros leves, como iates de luxo, mas também belonaves de última geração, como submarinos atômicos e porta-aviões hiper-equipado, capaz de fazer frente às mais poderosas frotas bélicas do mundo;

f) Um programa de Governo voltado para o desmantelamento do Sistema Imundo que é esta política que nos sufoca, mesmo que através de um Golpe de Estado, com decretação de prisão perpétua, sem apelos e escapes legais, para os criminosos de colarinho branco e para traficantes de pessoas, armas e drogas. Para estes, inclusive, a pena de morte no caso de estrangeiros;

g) Um programa de reeducação dos cidadãos formados após as eleições malditas a partir do maldito “Diretas Já”, ainda que fosse aprisionando-os e os colocando a fazer trabalhos comunitários duros, cansativos, como os de gari, limpando as ruas, os prédios pichados e consertando bancos de praça e outros bens públicos com seus próprios esforços, além de pagarem pesadas multas pelos danos que infligiram à municipalidade; desentupindo bueiros e outros trabalhos duros afins, pois a juventude que se veio degradando desde aquele tempo gera novas gerações de brasileiros totalmente sem rumos e sem freios, sem educação cívica e sem ética, moral e dignidade;

h) Um programa de Governo que tivesse como meta prioritária levar a efeito uma revisão de nossa Carta Magna, desta vez não somente idealizada por POLITITICAS, mas com a participação direta do povo brasileiro, o qual teria o direito de sugerir o que nela deveria conter ou impugnar o que nela a tornaria totalmente imoral e indigna, como é o caso das benesses aos políticos brasileiros;

i) Um programa de vigilância total de nossas fronteiras por ar, terra e água, de modo a tornar um verdadeiro inferno a vida de traficantes de quaisquer naturezas e terminar infundindo horror a todos eles, viessem de onde viessem;

j) Um pr0grama que levasse à proibição da mistura imoral entre RELIGIÃO E POLÍTICA, proibindo pastores e líderes de quaisquer comunidades religiosas de concorrer a Cargo Eletivo, a menos que assinando termo de desistência de sua militância religiosa e admitindo documentalmente sua prisão e arresto de bens pessoal e familiar, quando pegado em flagrante delito.

Eu voltaria a votar com esperança renovada se houvesse algum candidato que nos apresentasse um programa como o acima sugerido.

Mas isto é utopia, neste país de coitadinhos…