Ela teve de se esforçar muito para finalmente despertar sua Natureza Búdica adormecida na Matéria.

Ela teve de se esforçar muito para finalmente despertar sua Natureza Búdica adormecida na Matéria.

O dia, para elas, arrastou-se como lesma. Estavam ansiosas para retornar e retomar a audiência da história fantástica que lhes contava Míriam, a mãe de quase todas. Míriam de Magdala rememorava cada palavra ouvida, principalmente as de Jeroboão, e tentava se ver enquadrada naquela história que lhe parecia além da compreensão e por demais fantasiosa. No entanto, só ela sabia o quão especial era o homem com quem se casara. Ao lado dele sentia-se protegida como se estivesse no meio de uma legião romana. No entanto, ele era pacífico, brincalhão e totalmente avesso à violência. Tratava a todos como iguais, embora, às vezes e até com muita freqüência, falasse duro com alguns. Principalmente com os arrogantes e egoístas. Embora não fosse adepto da espada, nem por isto condenava os guerreiros, fossem eles romanos ou de outra nacionalidade. Dizia que todos tinham um destino específico a cumprir e as guerras eram todas idealizadas pelo Criador, pois este sabia do que a raça dos homens precisava em dose de dor e sofrimento para quebrar a casa da prisão material em que se encontravam.

E quando estavam ao redor da fogueira, alimentadas e descansadas, todas esperavam que Míriam, a mãe, retomasse sua narrativa. Foi o que ela fez, ao ser incentivada por um gesto de cabeça de Jeroboão.

a Velha Srinaggar ainda vive tal e qual era quando a "Sagrada Família" estudou lá.

A Velha Srinaggar ainda vive tal e qual era quando a “Sagrada Família” estudou lá.

— Meu pai Joaquim — continuou Míriam, a mãe de Yehoshua — levantou-se cedo no dia seguinte. Sem dizer nada, mas com expressão de grande preocupação na face, tomou o desjejum, após orar uma bereka agradecendo pelos acontecimentos que ainda não entendia e pedindo forças para o que ia fazer, levantou-se, deu um beijo na face de minha mãe Ana e se foi em silêncio. Nós duas desconfiávamos de seu destino e não estávamos erradas. Ele foi direto à casa de Yoseph, a quem eu tinha sido prometida, e lá, sem rodeios, puxou o homem pelo braço e lhe contou detalhadamente toda a história estranha, desde quando eu fôra visitada por Gabriel até quando ele próprio se vira diante do Arcanjo.

De  Yoseph, marido de Míriam, mãe de Yehoshua, só se tem imagens como esta. Possivelmente totalmente diferente do que ele foi.

De Yoseph, marido de Míriam, mãe de Yehoshua, só se tem imagens como esta. Possivelmente totalmente diferente do que ele foi.

Yoseph ouviu tudo calado, mas, segundo nos contou mais tarde meu pai, sua fisionomia ia ficando carregada a cada palavra que ouvia. Quando meu pai Joaquim terminou o que tinha a dizer, Yoseph cruzou o braço esquerdo sobre o tórax poderoso e, apoiando nele o cotovelo de seu braço direito, permaneceu um tempo em silêncio, cofiando a barba com a mão direita e com um olhar perdido no vazio diante de si. Parecia ter esquecido que meu pai Joaquim estava ali, diante dele. Depois de um tempo em silêncio e durante o qual pareceu absorto em profundos pensamentos, Yoseph voltou-se para meu pai e lhe falou. Ele disse: “Joaquim, sei quem és tu e sei que não costumas mentir. Sei que és honesto em teus propósitos e também sei que amas tua família, como eu também amo à minha. Por isto compreendo que estejas inventando tal história para defender a honra de tua filha pecadora. Ainda assim, tu me ofendes ao tentar me engabelar com uma história tão absurda. Não posso crer que um Arcanjo desça dos céus e venha conversar com tua filha e contigo, inventando uma história inacreditável a fim de proteger um filho bastardo que ela gerou sei lá com quem. Mas fica sossegado. Não será por minha boca que tua filha será condenada à lapidação. No entanto, aconselho-te a que a leves para bem longe daqui, pois quando seu ventre crescer e ela não tiver um homem ao lado na condição de marido, com certeza será julgada e condenada. Agora, vai-te de minha casa e aqui não voltes mais”.

Agastado, meu pai Joaquim retornou ao nosso lar e nos contou o que tinha ouvido de Yoseph. Eu me senti… Eu me senti… Nem sei como definir como me senti. Mas estava sufocada e corri para longe de casa, para a mata ali perto e sobre uma pedra chorei até que minhas lágrimas secaram e adormeci de cansaço e tristeza.

Tristeza e depressão sempre andam juntas. Míriam, a mãe,  sabe bem o que é isto.

Tristeza e depressão sempre andam juntas. Míriam, a mãe, sabe bem o que é isto.

Despertei já era quase a décima oitava hora e a escuridão da noite se anunciava. Triste e arrasada eu me sentei na pedra e permaneci ali, cabeça curvada sobre o peito, perdida, desorientada, sentindo-me a pior pessoa da face da Terra. Era horrível. A noite se fez e só dei por mim quando ouvi a voz de meu pai Joaquim gritando meu nome. Saltei da pedra assustada e corri para casa. Papai me recebeu com uma tremenda reprimenda. Dizia que era a maior imprudência a minha ficar assim, fora de casa tanto tempo, sem informar aonde tinha ido. Nas condições em que eu me encontrava era muito fácil as más línguas maldarem. Eu não devia dar motivos para tanto. Já era bem difícil lidar com aquela situação terrível.

Ruth chorava baixinho. Marta tinha os olhos cheios de lágrimas, mas se controlava a custo. Míriam, irmã das duas, tinha a cabeça abaixada e seus cabelos lhe ocultavam a face e Míriam, a esposa, chorava abertamente. Jeroboão observava a todas elas, em silêncio.

— Não conciliei o sono até altas horas da noite. E foi naquelas horas de tristeza e desespero que decidi orar a Javé e lhe pedir socorro. Eu me sentia totalmente desamparada e abandonada por todos. Só minha mãe se preocupava com meu estado e comigo enquanto sua filha. Meu pai estava às voltas com o terrível dilema de salvar a honra e a dignidade de nossa família, que, a seus olhos, tinha sido castigada com uma pena pesada demais. Em meio às suas considerações, falando consigo mesmo ou murmurando ao léu e dando voltas pela sala, ele dizia que não conseguia descobrir qual pecado tinha cometido para que Javé o tivesse castigado com tão pesado fardo. Embora magoado com Yoseph, não o condenava porque se recusava a me tomar como esposa, ele não guardava mágoa do amigo. Afinal, no lugar dele talvez tivesse feito pior. Outras horas ficava murmurando que todos estávamos ficando doidos. Não havia nenhuma explicação que justificasse um Arcanjo vir a sua casa anunciar-lhe o nascimento de uma criança sem pai. Isto não podia ser coisa de Javé.

A incompreensão de nosso próximo pode jogar-nos num angustioso estado de depressão.

A incompreensão de nosso próximo pode jogar-nos num angustioso estado de depressão.

Ajoelhei-me no escuro, fechei meus olhos e me deixei orar sem mesmo pensar nas palavras que murmurava. Era meu próprio espírito quem fazia a oração. Eu me sentia como se não estivesse neste mundo. A solidão era esmagadora e eu não via a quem recorrer que me pudesse socorrer. Exceto Yevé. O chão duro não mais me machucava os joelhos e sem perceber quando aquilo começara, passei a me sentir sobre um colchão de nuvens…

E então o quarto se iluminou com uma diáfana luz levemente dourada e azulada. Eu a senti mais do que vi. Abri os olhos e lá estava o Arcanjo parado de pé, diante de mim. Estava sério e me olhava com um olhar fixo, penetrante.

— Levantai-vos, Maria, pois não sou digno de que fiqueis ajoelhada diante de mim — disse ele estendendo-me sua mão macia e quente. Levantei-me quase em transe. Ele era maravilhoso e não tenho palavras para o descrever. Mas estava sério e me olhava com muita tristeza.

— Por que tendes vós tão pequena fé no Criador? Vêde, se Ele criou do menor grão de pó na Terra até o firmamento, num milagre que ninguém pode igualar; se Ele soprou a vida em  tudo o que criou e não há outro que possa fazer igual, pois a ninguém mais o dom da vida pertence; se Ele gerencia todos os astros do céu e todas as vidas da terra e para tudo determina a hora de nascer e a hora de morrer; e se gerencia a própria Terra em seus fenômenos, por que não poderia criar mais um corpo que atenda a seus desígnios naquela que decidiu escolher porque a seus olhos é a mais merecedora de receber o Maior dos Maiores seres que já se dignaram vir a este mundo? Não é a primeira vez que desço até vossa raça, Míriam. Não é a primeira vez que sou mandado transmitir Sua Vontade e Sua Orientação a vós, humanos infantis. E no entanto, com tristeza eu o reconheço, não aprendeis jamais. Sois uma raça mesquinha de coração e desprezível na Fé. Sois míopes. Não enxergais nem mesmo o que existe entre vossos olhos e vossos sexos. E eu vos digo que enquanto não puderdes compreender este caminho que há entre vossos olhos e vossos sexos, não conseguireis avançar um passo na longa caminhada que tendes de andar. E vos digo mais, Míriam. Digo-vos que só conseguireis dores e mais dores; sofrimentos e mais sofrimentos; angústias e mais angústias se persistirdes olhando para longe, para a ilusão. A Vida, a Verdadeira, esta no caminho que citei. O Poder, o Verdadeiro Poder, também; assim como o Verdadeiro Amor e a Verdadeira Caridade. Contentai-vos com percorrer este caminho e sereis salvos. Agora, ouvi-me, senhora. Dizei a vossos pais que Izabel, vossa parenta, já velha e incapaz para isto, está grávida pela vontade de nosso Pai Supremo. Faz seis meses que a vida já lhe pulsa em seu ventre. O idoso Zacarias terá a alegria de ser pai. A criança que de Izabel nascerá tem como missão ser aquele que vem preceder e anunciar vosso filho. Que vosso pai vos leve até Izabel e Zacarias; e convosco também levai Yoseph para que veja com seus próprios olhos e ouça com seus próprios ouvidos. E se ele ainda assim não se convencer da Verdade que vos digo, perderá a voz, perderá a audição e perderá seus movimentos, ficando reduzido a uma condição miserável até o final de seus dias sobre a terra. Assim falei  e assim se fará. Agora, Virgem Santa, vai dormir em paz, pois o Criador é teu protetor e ninguém pode mais que Ele. Neste mesmo instante vou até Yoseph para que me ouça e aceite a Verdade enquanto é tempo.

Eu me ajoelhei sentindo uma paz indizível apoderar-se de mim, de meu ser. Agora, não sei explicar como, tudo me pareceu em paz e dentro de um equilíbrio divino. Então, tocada por um enlevo que não sei descrever, eu disse: “Eis aqui a serva do Senhor. Que se faça em mim segundo Sua Santa Vontade e conforme tuas palavras”. Gabriel sorriu um sorriso luminoso e se desfez numa luz diáfana e tão bela que enquanto vida eu tiver jamais vou esquecê-la.

— Mãe — disse Marta —, mesmo que sabendo o quanto nos contaste, ainda assim tu te indispuseste sempre com meu irmão Yehoshua. Sempre tu e ele discutiram acremente porque ele nunca aceitou ser o Rei Salvador tão esperado por nosso povo. Por que?

— Porque, como todos vós, também eu acreditei que ele era o profetizado para cingir a coroa do Rei David, já que é legítimo descendente daquela casa. E considerando o desespero em que vive nosso povo, Marta, também eu ansiava e ainda anseio pelo Salvador de nossa gente. Se meu filho veio para isto, então, por que se recusa a aceitar o que dele é por direito?

Yehoshua tinha alegria em atender àqueles que o procuravam, embora visse muito além em suas vidas.

Yehoshua tinha alegria em atender àqueles que o procuravam, embora visse muito além em suas vidas.

— Entendestes errado toda a mensagem que vos foi dada, cara senhora — intrometeu-se Jeroboão. — Yehoshua, vosso filho, não veio para se restringir a uma simples coroa de metal e ao jogo ilusório do poder terreno. Ele não dá o mínimo valor a isto. Seu reino está em outra dimensão, em outra realidade, em outro mundo, senhora. Ele não pertence a isto aqui. No entanto, sendo o Senhor da Caridade Cósmica, um dia olhou para cá e se condoeu da condição miserável em que vivem todos os habitantes da terra. E decidiu trazer a estes Sua Mensagem, que é a mesma que o Senhor Brahman desejava fazer chegar até os homens de todas as partes do mundo. Então, ambos, juntos, engendraram os meios de fazer descer ao seio da humanidade Aquele que está muito além da compreensão humana.

Todas as faces se voltaram para Jeroboão e todos os olhos estavam arregalados. Foi Ruth quem externou o que os corações de todas elas perguntava: “Então, Yehoshua é um Deus?” 

Jeroboão riu uma boa gargalhada e quando cessou o riso, respondeu sério:

— Não somente ele, mas todas vós… Todos nós.

— Sou uma Deusa? — Espantou-se Ruth.

— Vós todas, minhas caras. Todos os humanos são deuses. Todos tudo podem, desde que o desejem com toda a força de seu Pensamento e todo o Amor de seu Ser. Mas os humanos ainda não descobriram isto e pelo que vejo vai levar muito tempo até que o façam. E durante este tempo imenso, hão de sofrer as agruras mais desesperantes. No entanto, bem que podiam evitar tais dores…

As mulheres se entreolharam, confusas.

— Poderia ser mais claro, Jeroboão? — Pediu Míriam, a esposa.

— Pois não. Lembram-se do Bel-Beu?

— O nó em que tudo se encontra preso — disse Ruth com um sorriso misterioso no belo rosto rosado.

— Exato. O que entendestes por isto?

— Isto o quê? — Perguntou Marta, olhando para os outros com ar de incompreensão.

Todos vivemos sob um fortíssimo campo magnético do planeta. Qual é sua influência em nossa vida?

Todos vivemos sob um fortíssimo campo magnético do planeta, onde um oceano de outras forças circulam. Qual é a influência disto em nossa vida?

— Pela afirmativa de que tudo está aprisionado ou ligado pelas teias de Bel-Beu — respondeu Jeroboão. — Conforme ensina Krishna, e resumindo ao máximo seus ensinamentos, o mundo que vemos e no qual vivemos é dual. Vivemos encarnados em uma parte desta dualidade, mas a outra, ainda que de difícil acesso, está ao nosso alcance. Só que através de nossas mentes. O primeiro mundo é concreto. Podemos ver e sentir seus objetos. Mas é só. Não temos alcance à Energia que impregna a tudo a partir desta dualidade. Vós, por exemplo, não tendes acesso à energia que circula ininterruptamente ao vosso redor e dentro de vossos corpos. São energias que existem concreta e objetivamente na outra metade da dualidade de que nos fala Krishna em seus ensinamentos. Em tudo há uma dupla polaridade. Uma é de Natureza masculina e a outra é de Natureza Feminina. As duas se complementam e nada existe em ambos os mundos sem estas duas qualidades energéticas. Vêde, não haveria a multiplicação dos seres se Brahman não houvesse criado no mundo físico a mulher e o homem. E é assim para quase tudo na Natureza…

— Quase tudo? — Estranhou Míriam, a esposa.

Cavalo Marinho prenhe. O macho se transforma em fêmea para parir.

Cavalo Marinho prenhe. O macho se transforma em fêmea para parir.

— Sim. Há seres que se multiplicam sem necessidade da cooperação de seu oposto. Há seres que se multiplicam com a colaboração de seu complemento, mas sem que haja acasalamento. No primeiro caso, posso citar os Cavalos Marinhos. No segundo, algumas espécies de peixes. Conhecereis muito sobre estas duas realidades tão próximas e tão distantes quando estudardes os Upanishads. Os dois mundos de que falo são constituídos de dez dimensões, que os hebreus resumem no esquema da Árvore Sephirotal, ou Árvore do Bem e do Mal, da qual, suponho, não tivestes nenhum conhecimento, pois os ensinamentos que ela contém são restritos aos mais altos dignitários dentre vossos rabinos. Tais ensinamentos estão no livro denominado Zohar no conhecimento oculto de vossos rabinos. Um livro que não é acessível a qualquer um, nem mesmo aos rabinos mais destacados, mas sem condições espirituais para aprender, absorver e utilizar o que ali está contido. O Zohar é tão poderoso que em seus ensinamentos mágicos há aqueles que mostra como fazer retornar ao corpo já abandonado, o espírito que era seu dono durante a vida terrena. No mosteiro de Lhasa, onde vive nosso Dalai Lama, há tais ensinamentos, mas só monges voltados para o lado inverso da Verdade se servem disto, pois é contra a Lei de Brahman fazer que o Espírito retorne à sua habitação temporária, quando esta não mais lhe serve para o cumprimento de sua tarefa entre os encarnados.

— Espera, Jeroboão — Pediu Míriam, a irmã de Yehoshua. — É possível a ressurreição após a morte? É possível fazer retornar o Espírito ao corpo já morto?

— É. Mas isto só deve ser levado a efeito em casos raríssimos, com o aval de Brahman. Se assim não for, aquele que se serve de tal poder condena-se a um lugar terrível.

— Entre nosso povo — continuou Míriam — desfilam há muito tempo magos e profetas que são capazes de ressuscitar pessoas que já haviam falecido. Até mesmo no dia seguinte, antes do sepultamento, eles trazem o morto à vida. Então, tais profetas e magos são criminosos diante de… de Brahman?

— Profetas, nem sempre. Mas os magos, com certeza. Eles usam o conhecimento em benefício próprio, visando lucro material e isto é imperdoável, pois suas ações perturbam ao menos duas das dez dimensões de que vos falei há pouco,

— Isto tudo é muito complexo para mim — disse Ruth com desânimo.

— Podemos simplificar — disse, sorrindo, Jeroboão. — Vede aquela folha. Está seca. Pela lógica, está morta. Que tal nós a trazermos à vida novamente?

Todas elas se voltaram para olhar a folha indicada pelo ancião. Sim, estava seca e quase preta, sinal de que já iniciava sua decomposição. Voltaram os olhos incrédulos para o Yogue. Algumas meneavam negativamente a cabeça, com pessimismo.

— Tende mais confiança em vós, ó irmãs. Tudo está entrelaçado indissoluvelmente. Aquela folha seca está em vós como vós estais nela. Se vossa Vontade for ativada com força, então, pela força de Bel-Beu que nos une a ela, podemos dar-lhe uma nova existência.

— E como faremos isto? — Perguntou excitada, Ruth.

Folha seca. Vêmo-la como morta. Mas o que é a morte?

Folha seca. Vêmo-la como morta. Mas o que é a morte?

— Estendei vossos dedos indicadores sobre a folha. Vamos até lá e façamos isto. Ninguém deve tocá-la. Apenas estender seu dedo indicador da mão direita sobre a folha, fechar os olhos e a visualizar, com o máximo de clareza, verde como já foi. E ao fazer isto deveis esforçar-vos por amar a folha verde. O Amor é imprescindível para o milagre que vamos fazer. Ao mesmo tempo, deveis limpar vossas mentes de quaisquer pensamentos que não aquele de ver a folha viva novamente. O Amor sempre acompanhando o intenso Desejo de devolver a Vida à folha fará o milagre que desejamos aconteça.

Entusiasmadas todas as mulheres apressaram-se a se colocar em círculo ao redor da folha seca. A um sinal de Jeroboão fecharam os olhos e mantiveram os dedos estendidos a menos de um palmo de altura, sobre a folha. O tempo correu lentamente e elas continuavam ali, paradas como estátuas, mãos firmes estendidas para a frente e respiração suave, relaxada.

Mas nada aconteceu. Quase uma hora depois, quando Jeroboão bateu palmas três vezes, elas abriram os olhos ansiosas e viram, decepcionadas, que a folha continuava seca e feia. Todos os olhos se voltaram para a face do Yogue, que sem dizer nada se pôs de pé. Novamente ele bateu palmas e deu as costas às mulheres. Era o sinal para que se recolhessem e elas o seguiram atordoadas. Não havia acontecido nada. Por que? Onde haviam falhado? Queriam muito interrogar o ancião sobre o fracasso, mas ele já havia desaparecido dentro da casa.

Nenhuma delas conciliou o sono àquela noite…