"Olhaí, eu tô fora. Sou Insolência, não se esqueçam!!!"

“Olhaí, eu tô fora. Sou Insolência, não se esqueçam!!!”

Uma comunidade de quase 100 mil usuários numa rede social, que se declaram profissionais da classe médica brasileira, se tornou palco de uma guerra de classes no entorno da corrida presidencial, entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB).

Com o título de “Dignidade Médica”, as postagens do grupo pregam “castrações químicas” contra nordestinos, profissionais com menor nível hierárquico, como recepcionistas de consultório e enfermeiras, e propõe um “holocausto” entre os eleitores da petista.

Médicos, professores e estudantes de medicina estão entre os 97.901 membros da comunidade na rede social Facebook. Entre postagens de revolta com a situação econômica do País e xingamentos a nordestinos, os participantes confessam que fazem campanha pró-Aécio até dentro do próprio consultório – público ou privado – convencendo os seus pacientes. Eles dizem que colocam “a recepcionista no lugar dela” com ameaças de que perderia o emprego com a reeleição de Dilma.

O discurso de ódio conta com frases de “nível de conversa que pobre entende” e ameaças de expulsão do grupo caso o usuário se manifeste contra os ideais da página. Um usuário protesta: “70% de votos para Dilma no Nordeste! Médicos do Nordeste causem um holocausto por aí! Temos que mudar essa realidade!” (Excerto retirado do JUS BRASIL, hoje, 08/10/2014).

Eles também dizem com enlevo: "Eu te amo". Mas com certeza não sabem o significado do que é Amor.

“Ai, mano, vamo nos dá bem. Os lá de cima tão do nosso lado. Agora mermo é qui vamo mandá vê!”

Enquanto isto, eis que me surpreendo mais ainda com esta notícia bombástica que li no endereço tudosobresegurança.com.br e que decidi repetir aqui, já que não há proibição para isto, ao contrário, é pedido que se divulgue ao máximo este absurdo. LEIAM:

Recentemente, descobri que na Câmara dos Deputados está tramitando Projeto de Lei que propõe a criação do Estatuto Penitenciário Nacional. A proposta prevê uma série de benefícios a presidiários; verdadeiras regalias que boa parte da população brasileira ordeira e honesta não possue. Se o chamado “Pacotão” for aprovado, detentos terão direito a sabonete, creme dental, barbeador de plástico, creme hidratante, condicionador de cabelos, escova para cabelos e chuveiro quente. Todo presídio deverá conter biblioteca, pois a leitura de livros gera abatimento da pena. Estabelecimentos prisionais com capacidade para 400 detentos deverão possuir pelo menos doze professores, três enfermeiros e cinco médicos; entre eles um psiquiatra e um oftalmologista. Estatísticas apontam que no Brasil temos em média 0,2 médicos para grupo de cem habitantes. Já os presídios teriam 1,25 médicos para grupo de 100 detentos. Partindo do princípio que a população carcerária no Brasil gira em torno de 550 mil pessoas, teríamos que deslocar 1375 médicos para cuidar somente de presos. E os hospitais que já sofrem com a falta de médicos, como ficariam? Outro ponto que chama a atenção, é a proposta de crianção do “Dia do Encarcerado”, a ser comemorado todo 25 de junho. Não entendi! Comemorar o quê? De acordo com o projeto, cada preso terá direito, ainda, a 3 uniformes,1 agasalho, 6 cuecas, 3 pares de meias,1 par de sapatos,1 par de tênis,1 par de sandálias, roupa de cama e banho. Amigo leitor, quantos cidadãos brasileiros têm direito a tantas benesses? Outra regra que chamou atenção, é a punição com prisão aos diretores de presídios que permitirem a permanência de mais detentos que a capacidade máxima da unidade. O problema é que temos no país, atualmente, déficit carcerário de em torno 240.000 vagas, problema esse que não será resolvido a médio prazo. No início de 2013, uma mulher grávida de 8 meses, ao chegar no condomínio onde morava em São Paulo, foi abordada por marginais que objetivavam assaltá-la. Durante a ação, efetuaram disparo de arma de fogo que a atingiu na região da cabeça. Os médicos do hospital onde foi socorrida realizaram cesariana e salvaram a vida do bebê, mas a mãe não resistiu e faleceu. Será que esses bandidos merecem esse “pacotão de regalias”?.

É a isto que chamo Efeito Mensalão. De agora em diante, Deputado ou Senador preso pela Federal, terá tudo isto e mais algumas coisinhas (TV de Led em terceira dimensão e acesso a Banda-larga, por exemplo).

E Aí, Zé Nings, estão satisfeitos?

Eu, não.

Isto é a maior patifaria que já se terá implementado neste país do Caos. E ainda se diz que houve renovação no Legislativo.

AFE MARIA!

Você, que me lê, pode entrar no site do Legislativo e reclamar contra esta patifaria (http://www2.camara.leg.br/). Basta só ter coragem. Vai encarar?

Eu enviei meu protesto. Vejam abaixo:

Comunicamos o recebimento de sua mensagem, protocolada sob o número xxxxxxxxxxxxxxxx.

Com esse código, é possível acompanhar o andamento de sua demanda, que passará por vários procedimentos, desde o cadastramento até a resposta final.

Tenha a certeza de que sua manifestação receberá um tratamento individualizado e o tempo de resposta não excederá a 20 dias, podendo ser prorrogado por mais 10, mediante justificativa expressa.

Para acompanhar o andamento de sua mensagem, clique aqui ou acesse o endereço eletrônico:

http://www2.camara.leg.br/participe/fale-com-a-ouvidoria/fale_conosco_acompanhar_mensagem

Assunto: Ouvidoria Parlamentar
Ação: Solicitação
Data de Cadastramento: 08/10/2014 15h35
Mensagem:
Li, estarrecido, a seguinte notícia no site
tudosobresegurança.com.br:
Recentemente, descobri que
na Câmara dos Deputados
está tramitando Projeto de Lei
que propõe a criação do
Estatuto Penitenciário Nacional.
A proposta prevê uma série de
benefícios a presidiários;
verdadeiras regalias que boa
parte da população brasileira
ordeira e honesta não possue.
EU SOU CONTRA. E SE MEU
VOTO DE CIDADÃO PODE
CONTAR ALGUMA COISA
NESSA CASA QUE DEVIA
SER DO POVO, PARA O
POVO E TRABALHAR PELO
POVO, QUE ELE FIQUE
REGISTRADO. ORISVAL BRITO.

A Ouvidoria da Câmara dos Deputados esclarece que o acesso

ao acompanhamento desta mensagem

somente é possível com a utilização do

número de protocolo acima, particular

e instransferível. Sua divulgação é de

inteira responsabilidade de seu detentor.

Atenciosamente,

Ouvidoria Parlamentar
Câmara dos Deputados – Anexo II – Sala T-40
70160-900 – Brasília – DF
Tel.: (61) 3215-8502/03 – Fax: (61) 3215-8505
http://www.camara.leg.br

 

 

.