"É MENTIRA! É MENTIRA! MIL VEZES EU GRITAREI: É MENTIRA!"

“É MENTIRA! É MENTIRA! MIL VEZES EU GRITAREI: É MENTIRA!”

A pergunta pode parecer esdrúxula, mas não é. É sabido por todos nós, Zé Nings, que se pensa, no nosso país, que para ser qualquer um dos dois seres abstrato-concretíssimos do nosso panteão confuso do Poder Nacional Brasileiro não se necessita nem mesmo ter mínima instrução. Basta que aprenda a escrever “mamãe”, “papai”, “quero”, “riqueza”, “poder”, “ganhar” e o nome completo. Quem duvidar que pergunte ao Tiririca. Se o sujeito sabe escrever as duas palavras teste (mamãe e papai) e as quatro palavras fundamentais para qualquer Partido Político (quero-ganhar-riqueza-poder), pronto: ele está habilitado até para ser Presidente do Brasil.

Mas atenção: estar habilitado não significa que vá sentar-se na Cadeira Quente. Antes disto, meu amigo, o candidato tem de aprender a baixar a cabeça, beijar sapatos bem polidos e importados de artífices do exterior que trabalharam a matéria prima levada daqui (como couro de jacaré, couro de cobra, couro de boi tratado a azeite doce, couro de peixe e por aí vai). Tem de aprender a ter uma cara de pau muito, mas muito mais dura que maçaranduba ou pau ferro. E tem de introjetar e internalizar profundamente em sua Identidade a Mentira como sua guia em tudo o que faça. Até quando na cama, tem de saber mentir. O coito não foi verdadeiro; a penetração foi ilusória e hipotética; o ventre desenvolvido da mulher não foi obra de seu “careca” incompetente, a “coisa” que começa a dar chutes lá dentro não é criança, mas um verme desconhecido pelo acusado… etc, etc, etc… MENTIR E MENTIR SEMPRE. Se ousar dizer uma verdade que não tenha atrás de si uma mentira escondida, então, será fatalmente defenestrado (para os que ainda não sabem o que é isto: jogado pela janela, de preferência do qüinquagésimo andar e sem paraquedas).

Eu jamais suportaria tamanhos disparates. Comigo era Paredón, ora se era companheira Dilma!"

Eu jamais suportaria tamanhos disparates. Comigo era Paredón, ora se era companheira Dilma!”

No brasil atual, o Partido Político que melhor prepara um candidato a PhD em Polititica — a classe que mais manda neste brasilzinho de miseráveis mendigos de cabides de emprego — é O PTzão. Imbatível, o PTzão deixou na poeira o requebrante PSDB e seu irmão gêmeo, PMDB. Não cito o PP porque este é apenas um aprendiz dedicado. Mas ainda está longe de ter a honra de receber o sufixo ZÃO que distingue os maiorais da imoralidade patriótica nacional brasileira (bunitim, né mermo?)

Goebbels, aquele bixim brabo do Terceiro Reich, disse uma verdade que ressoa tonitruante em nossas plagas e vagas: é mais fácil fazer as pessoas acreditarem numa GRANDE MENTIRA repetida muitas vezes, que numa pequena verdade dita somente uma vez. Eta filhote de Satanás sabido, sô!

Diante de nosso futuro imediato há uma fogueira maior que esta à nossa espera...

Diante de nosso futuro imediato há uma fogueira maior que esta à nossa espera…

Mas à parte o escracho, nosso brasil vive uma enorme, gigantesca, “himalaiante” (neologismo criado por mim a partir de Himalaia, designativo da montanha mais alta da Terra) mentira: a de que a Aloprada do Planalto vai manter a inflação sob controle; os pé-rapados vão poder continuar se dependurando em empréstimos a juros baixos e abusando a torto e a direito do cheque especial; a “petrobrás” vai retomar sua dignidade porque os ladrões que a sugavam feito carrapatos famélicos foram presos (mesmo???); e o novo Ministro da Economia vai contar com um Banco Central livre de ingerência política a fim de poder recolocar este trem desembestado chamado “braziltralha” nos trilhos (ah! ah! ah! ah! Me engana que eu gosto que me babo!).

Não sei se você já sabia, mas o antigo “Brasil”, rebaixado pelos desgovernos petralhas a “brazil” mudou seu designativo, a partir de 2015, o ano do Princípio do Fim, para “braziltralha” (com letra minúscula mesmo. Afinal, não há nada de grande no que quer que o PT faça em qualquer área onde haja um petralha em ação).

Estamos pisando o fundo do poço, diante da porta do Inferno Nacional Braziltralha. A porta diante de nós é de aço maciço e está vermelha, sinal de que do outro lado há uma fornalha à espera de toda a nação, tão logo ela seja empurrada para dentro.

Nordestino safa-se da seca e encontra água abrindo cacimba até onde Deus duvida.

Nordestino safa-se da seca e encontra água abrindo cacimba até onde Deus duvida.

A sorte do “braziltralha” é que os Nordestinos são cabras da peste acostumados com o calor do Inferno. O verão nordestino, não é de hoje, principalmente no Piauí, assa bode inteirinho se o desgraçado ousar ficar ao léu sob o sol causticante do Verão que por lá torra e que, agora, dura os 365 dias do ano. E os nordestinos são cabras que optaram pelo petralhismo devido às bolsas-dá-cá-pr’eu-não-trabalhar que o PTzão distribui à granel e às custas do Erário Público que, agora, dá sinais de já estar como vítima de vampiro: suando frio e de pernas bambas.

A Aloprada do Planalto está às voltas com o gigantesco dilema que a Vovozona do mandato passado lhe jogou no colo. Como lidar com os mendigos das bolsas? Ela sabe que a fartura de esmolas não vai ter fôlego para mais quatro anos de desgoverno. A coisa vai estourar em seu colo, o que não era a previsão dos titubeantes economistas “braziltralheiros”. Eles calculavam deixar o petardo para explodir no colo do próximo presidente, prevendo que este não seria seu idolatrado “herói” Lulaça Cachaça. Os Zé Nings, infiéis como sempre, deverão se bandalhar para os lados do PMDB ou PSDB (tanto faz. Um pelo outro sem troco de volta) assim que as bolsas secarem que nem os açudes do Nordeste e as Represas de São Paulo. E a vingança, “docemente preparada”, explodiria no mandato de seus êmulos (do PMDB/PSDB, claro), trazendo os preguiçosos todos de volta ao colo da mamãe Aloprada. Mas…

A música que toca é outra. A sinfonia é macabra. Até mesmo os luzidios pelos da Aloprada do Planalto, para quem jamais faltarão camarão, lagosta, lagostim, vermelho e dourado na mesa do almoço e do jantar (para ela mesma e para toda sua família até a terceira e quarta gerações), se arrepiam de susto.

Não adianta colchão cheio de imãs sobre molas elásticas para tornar a noite mais repousante. É que nada prende o diabo chamado SONO no corpo de quem está às voltas com um dilema para o qual não encontra saída.

Quem não for nordestino ou nortista, vai-se chamuscar feio nos anos que vêm. Vai ter fome; vai ter falta de saúde pública (com sempre, aliás), vai ter falta de infra-estrutura, vai ter falta de Educação (Moral, Cívica Instrucional e Familiar) e vai ter falta de Segurança (Municipal, Estadual e Federal) e os diabos de duas pernas vão-se soltar mais ainda. Pombos-sem-asa vão voar a torto e a direito, matando a quantos acertarem. Vai ter mais corrupção, mais gritaria, mais prisões inócuas, mais berraria inútil no Congresso e mais polititica aferrado às cadeiras do Poder ganhando babas de dinheiro sem fazer absolutamente nada pelo país condenado ao fim. O braziltralha, gente, vai-se danar (e nós, com ele).

Mas se diz que “Na Natureza nada se cria nada se perde. Tudo se transforma”, não é não? Então, no outro lado, quando os nordestinos e nortistas encontrarem a mais oculta porta que há nas profundas, aquela pela qual se sai do Inferno, com certeza um novo país nascerá das cinzas que sobrarão do petralhismo aloprado.

E aí, quem estiver vivo viverá um novo ciclo.

Só não sei dizer é que de que tipo…