Para onde vamos sendo conduzidos?

Comissão da Verdade? Que Verdade?

Pode haver quem me julgue um monstro porque continuo defendendo os Militares. E sou radical: não confio no tal relatório da tendenciosa “Comissão da Verdade”. E continuo perguntando: que verdade? Verdade de quem? Há crimes e CRIMES. De meu ponto de vista, os crimes cometidos pelos apaniguados do PT, do PMDB e do PP na PETROBRÁS (e no próprio Legislativo atual) superam, em muito, aqueles cometidos pelos Militares nos idos de 1964, quando as injunções políticas, totalmente diversas e singulares das que hoje vigem no mundo, engendraram condições inevitáveis para desfechos trágicos no embate entre os adeptos do Comunismo (e a Dilma era uma destas pessoas) e os que defendiam a não submissão do nosso país à URSS. Havia, neste embate, os que eram frontalmente favorável à servilidade do Brasil ao Capitalismo norte-americano selvagem e escravagista, que na época era mais canibal de nações do que são hoje.

Não há “verdade” nenhuma que se possa desenterrar após decorrido um longo tempo entre um momento da História Mundial e o momento da História de determinada nação dentro daquele processo mutante e violento mundial.

Isto aí em cima são líderes ou lixo? Para mim, lixo da pior espécie.

Isto aí em cima são líderes ou lixo? Para mim, lixo da pior espécie. A “verdade” deles, no futuro, vai feder muito e serão condenados se houver outra Comissão para fuçar o nosso presente.

Os que atualmente se dizem ferozes defensores de um “Socialismo” altamente suspeitoso, foram os que escaparam da caçada que se lhes moveu naquela década agitada, tanto no Brasil quanto no Mundo. Não se pode buscar “uma verdade” daquela época circundando-a e segregando-a do contexto histórico em que todas as “verdades” aconteceram simultaneamente. É, no mínimo, faccionismo tendencioso.

A Presidenta do Brasil atual foi uma assassina. Naqueles idos, impregnada por uma doutrinação absolutamente contrária à natureza livre deste povo, pegou em armas e matou. Por que, então, não está ela incluída no rol dos criminosos listados pela tal “Comissão da Verdade”? Afinal, aqueles a quem matou, ainda que sendo inimigos de sua “doutrina”, também tinham família que os choraram e choram até hoje. E sua facção não foi santinha. Ela também fez desaparecer muita gente, até mesmo gente de suas próprias fileiras; gente que, em dado momento, ousou discordar do pensamento arrevesado que era conhecido como Comunismo Russo. E me baila uma pergunta no íntimo: “quem pode afirmar que os assassinados pelos revoltosos de 1964 não foram jogados em valas comuns abertas pelos criminosos torturadores a fim de, assim, livrarem-se de futuras acusações?”  Esta era e é uma tática muito utilizada por facções políticas e militares em guerra. É sempre bom jogar nossa sujeira no buraco dos outros. Assim, ao menos no futuro, se vivermos, calaremos em nossas consciências a culpa pelos crimes cometidos. Afinal, uma mentira repetida milhares de vezes transforma-se numa verdade para todos.

Não é uma tática de guerra de guerrilha desconhecida pelo Crime Organizado, hoje. E sabemos muito bem que naqueles idos estávamos, o Brasil, prenhe de agentes agitadores. guerrilheiros cubanos, americanos e russos, fora os mercenários da América do Norte e da URSS, TODOS ensinando aos imberbes inocentes e esquentados brasileiros da época, como fazer para sempre aparecerem como “vítimas dos militares”.

Dilma chora. Por que? Uma análise psicológica, psicanalítica e sociológica explicaria isto. Mas daria um romance.

Dilma chora. Por que? Uma análise psicológica, psicanalítica e sociológica explicaria isto. Mas daria um romance.

Essa Comissão não traz a Verdade nem mesmo em uma de suas facetas. Apenas tenta inculpar totalmente os militares daquela época, listando nomes de vítimas e de vitimadores (somente daqueles que até hoje odeiam como a “inimigos”). Não se pode desenterrar os meandros esconsos da História. Nem da história de um país, nem, muito menos, da História Universal. Os que aprovaram a Lei da Anistia, relegando para o esquecimento nacional tanto os criminosos nacionalistas quanto os socialistas, agiram com bom-senso. Para que vindimas inúteis? Vejam  o que acontece com os judeus. Vivem de eternas vinganças, eternas vindimas. Por qualquer besteira, partem para o assassinato pura e simples. Mas em contrapartida não têm paz há séculos. Vale a pena? Eu não creio. Despertar o ódio e o rancor no coração dos outros, nossos irmãos gostemos ou não, é criar um Carma pesado que se deve pagar inapelavelmente. E parece que os judeus não aprendem, como, entre nós, os “socialistas” também não aprendem. Ainda que sendo brasileiros, os tolos se mantêm psicologicamente atrelados ao pensar animalizado de uma filosofia política que só deixa dores e sofrimentos, quando os dirigentes dele oriundos não são verdadeiramente patrióticos. Vejam o contrário no exemplo da China Comunista. O comunismo de lá é puramente chinês. Eles não brigaram para entregar seu território à vassalagem russa nem àquela norte-americana. Brigaram para implantar seu próprio Comunismo, adaptando-o de conformidade com as transformações sócio-industriais e comerciais do Mundo. Isto jamais acontecerá no Brasil porque ainda não nos livramos todos da índole do cativo negro de antanho. Buscamo, sempre, um senhor que nos guie e este senhor está lá fora, na Rússia ou nos EUA. Os daqui ainda estão longe de poder dirigir até mesmo seus próprios narizes. Que o digam os partidos ladrões que estão na crista da onda.