Ai que salude do tempo em que eu não sabia quem era...

Ai que salude do tempo em que eu não sabia quem era…

Desde quando eu ainda estava nos cueiros (fraldas, atualmente), que já era milenar a questão da ingestão de carne animal pela humanidade. Dizem que os grandes Avatares, como Jesus, Budha e outros, não comiam carne de bicho nenhum. Passaram suas vidas alimentando-se de frutas e grãos, como Jesus, ou até mesmo em jejum, como fez Budha e ainda faz, na sua atual reencarnação como Bahadan Ban-jan). Mas nenhum deles devorava as carnes daquelas criaturas que consideram suas irmãs, ainda que tivessem (e continuem tendo) formas corporais e hábitos comportamentais totalmente diferentes dos humanos.

Muitos salivam à visão deste "cemitério" animal.

Muitos salivam à visão deste “cemitério” animal.

Eu levei muitos anos sem comer carne vermelha nem outra qualquer porque tive uma ameaça de sofrer artrose deformante em função disto. Atualmente, como carne de frango e vez por outra, carne de gado vacum. Mas prefiro muito mais me restringir a saladas de frutas, verduras e raízes (inhame, batatas etc…) do que as carnes do que quer que seja. Hábito, apenas isto. Não se trata de convicção religiosa. Não sou nem um pouco religioso, embora meus escritos talvez deixem esta impressão errônea. Admirar um Avatar e pesquisar sua vida ou escrever sobre ela é uma coisa. Ser fanático adepto seja lá de que religião seja é outra bem diferente. Fanatismo nunca fez parte de meu modo de ser e viver.

A Umbanda, modalidade espírita de manifestação do "Oculto", foi de grande importância em minha vida.

A Umbanda, modalidade espírita de manifestação do “Oculto”, foi de grande importância em minha vida.

É engraçado porque sempre estive de um ou outro modo, envolvido com religião. E a religião sempre me ajudou quando eu estava em um buraco sem escapatória à vista. Não as religiões aceitas como tal, mas aquela que é tida como uma seita religiosa, somente. Falo do Espiritismo de Umbanda. Um dia vou contar como é que terminei mergulhado nesta seita misteriosa e poderosa.

Mas voltando à questão de comer a carne de animais. Há milhares de pessoas que não a comem e defendem fervorosamente que ninguém o faça em defesa dos animais. Sim, quem já viu como é a matança de gado bovino ou suíno nos matadores brasileiros certamente toma um choque enorme e se sente motivado a abandonar o mau hábito de ingerir carne de qualquer espécie. Até os que gostam de pescar, se prestam atenção no desespero do peixe se “afogando” fora d’água sente a consciência pesada. Não falo dos empregados de grandes empresas pesqueiras. Estes, tornaram-se imunes a qualquer sentimento de dó ou piedade pelas vidas que fazem cessar aos milhares.

Cadáveres de peixe não despertam piedade, mas fazem salivar a alguns.

Cadáveres de peixe não despertam piedade, mas fazem salivar a alguns.

A ingestão de carne faz pesar o Carma de quem tem este hábito? Para muitos, sim. Para alguns, não. A favor dos segundos há a sentença do Cristo: “Não é o que entra pela boca que mata, mas o que dela sai”. Bom, Ele falava em sentido figurado, pois o que entra pela boca mata. Não o Espírito, ao qual Ele se referia, mas o corpo mesmo. A alimentação carnívora não faz parte da espiritualidade humana, mas sim de sua parte Elemental, o corpo denso. E tanto é assim que há milhares que são literalmente viciados na ingestão de carne vermelha. Não conseguem se sentir saciados se não comem a carne bovina. Peixe, frango e outros “derivativos” não os satisfazem. Têm de comer aquele churrasco sangrento, pois gostam do gosto do sangue quente na boca. Eu sempre detestei isto, a carne quase crua. No tempo em que fui um carnívoro dos mais aficcionados, não comia a carne sangrenta que a tantos agradam. 

Foto de uma pocilga atual. Os porcos não têm direito a espaço nenhum, senão ao mínimo para sobreviver até serem abatidos.

Foto de uma pocilga atual. Os porcos não têm direito a espaço nenhum, senão ao mínimo para sobreviver até serem abatidos.

Leio na Folha Digital que os grandes industriais da alimentação carnívora estão impondo um modo de vida mais ameno para aqueles animais, aves e gado suíno, antes de serem abatidos para consumo (e lucro). Atualmente eles são tratados como “coisas” pelos seus criadores. Mas forçados pelas ONGS que defendem a vida animal, as grandes empresas estão forçando, por sua vez, os criadores a darem mais conforto àqueles que vão perder a vida para que a vida dos humanos continue sendo mantida tal e qual vem sendo há milhares e milhares de anos.

A Teosofia desaconselha a ingestão de carnes, mas não faz disto uma obrigação nem ameaça com o Limbo aos carnívoros, como fazem algumas seitas, religiosas ou não. Ela defende a tese de que o desapego à carne acontece naturalmente, na medida da evolução espiritual da pessoa. A mesma coisa prega o Budismo, mas este é um tanto mais rigoroso neste aspecto.

AS lágrima de medo do boi que vai ser abatido. Isto toca qualquer coração.

AS lágrima de medo do boi que vai ser abatido. Isto toca qualquer coração.

Ela também ensina que todo animal que vai para o abate sente imenso MEDO e esta emoção impregna sua carne, de modo que ao comê-la a pessoa também ingere aquela energia emocional (CHI) presa no sistema tendinoso do animal, em sua fascia ou tecido conjuntivo. É por este sistema que circula o CHI em todo ser vivo animal. De mistura com o MEDO, nos animais mais evoluídos, como o gado bovino, também vai a REVOLTA, o ÓDIO àquele que lhe tira o direito à vida encarnada.

Estas emoções “negras”, pesadas, involutivas, passam do alimento ingerido para o sistema nádico humano por onde corre o CHI ou Energia Vital. Daí aquela energia pesada se espalha para o Ovo Áurico e lhe empresta um colorido sujo, com cores tendenciosamente amarronzadas e cinzentas. As pessoas carnívoras tendem a ser mais agressivo-destrutivas, briguentas, pessimistas, violentas e vingativas. Dependendo da constituição de sua Identidade, tendem para a traição ou para a vingança, em extremos em quaisquer dos casos.

Agora, voltando à pergunta deste texto, entendendo-se que ÉTICA significa “bom costume”, do ponto de vista religioso não é ético a ingestão de carne, seja ela branca ou vermelha. E pelo que afirmam as seitas religiosas espíritas e a Teosofia, também é perigoso sob todos os pontos de vista o mau hábito de se comer a carne de nossos irmãos bípedes (aves) ou quadrúpedes (gado bovino e suíno, entre outros). Mas de modo algum este mau hábito condena o Espírito ao Limbo, ao sofrimento. Pode até ser que seja um agravante, no caso dos indivíduos moralmente doentes, como os “nossos” corruptores e corruptos que pipocam na Mídia todo dia, mas certamente não é o fator principal para a condenação do Espírito humano às torturas do Hades.

Fica, portanto, à escolha de cada qual ser ou não, comilão de carnes animais e avícolas. Eu prefiro mais a não ingestão deste tipo de alimento totalmente primitivo, embora, algumas vezes, não dispense um bom prato de peixada.