"O que passou, passou. Eu era recém-chegado à política e fui engando pelos cobra-criadas da época. Hoje, sou bem pior que eles, mas isto não vem ao caso."

“O que passou, passou. Eu era recém-chegado à política e fui engando pelos cobra-criadas da época. Hoje, sou bem pior que eles, mas isto não vem ao caso.”

O “mui amado” EDUARDO CUNHA, Presidente da Câmara Federal, aplaudido vergonhosamente, com seu saco lustrado descaradamente dentro da Casa do Povo, mas não pelo povo mesmo e sim pelos seus pares, seguidores e bajuladores, coisa que desmoralizou de vez a pantomima montada para encher lingüiça na CÂMARA FEDERAL, tem uma fichinha sujinha, sujinha. E isto bem antes do PETROLÃO. Segundo se lê na WIKIPÉDIA, ele “Como radialista, tem atuado em sete rádios FM (Rádio Melodia desde meados da década de 1990) nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Piauí e Paraná (violando o artigo 54 da Constituição Federal).” Como se pode ver, desde 1990 que Eduardinho (cabe direitinho na quadrilha vergonhosa dos “inhos”) anda mandando às favas o que quer que seja contrário aos seus interesses pessoais. O que vale é o que ele quer. A Lei, se é contra isto, está errada e ele não respeita.

"Embarca nos aplausos da turma da CPI de mentirinha que você vai ver no que dá!"

“Embarque nos aplausos da turma da CPI de mentirinha que você vai ver no que dá!”

Pois bem,  é este amigo (da onça) que está armando a maior briga contra a Aloprada do Planalto, embora, é preciso frisar, ela tenha jogado a toalha e corrido atrás das medidas que, no tempo da lengalenga paga na TV na briga pela CADEIRA QUENTE, tenha explorado à exaustão como sendo a desgraça que seu opositor faria cair sobre a Nação. Pois é. Agora, ela, encurralada pela enxurrada de “tudinho” que jogou às toneladas nas pás do ventilador da Administração Púbica, zonza com a fedentina que paira sobre tudo o que fez de “bonzinho” na sua desadministração do primeiro mandado, está tomando a bênção a São Bernado e orando rozários infindáveis para São Soubesse

A Aloprada não sabe que esse Santo só chega depois do milagre feito, tadinha…

O herói do PSDB/PMDB. Embarca nessa, embarca. Tu vais ver o que é zorra total, se o PMDB/PSDB voltar ao Poder. Eduardinho tá no "cá te espero"

O herói do PSDB/PMDB. Embarca nessa, embarca. Tu vais ver o que é zorra total, se o PMDB/PSDB voltar ao Poder. Eduardinho tá no “cá te espero”

Cunha entrou na sala da CPI como um cavaleiro salvador, Medieval, montado em seu Colarinho Branco, olhar de águia, desafiador. Um estilo e tanto. E, pasmem, foi quase ovacionado de pé. Teve seu nobilérrimo saco puxado, penteado e alisado por todos ou quase todos os presentes naquela peça bufa que, mal começou, já dá sinais de que terminará em uma enorme pizza. Mas será, se Deus quiser, uma pizza que não vai ser esquecida nem a Justiça deixará que cumpra seu destino: safar os ladrões de colarinho branco do castigo merecido. Mesmo que este venha atenuado pelo Zavaschi, será, ainda assim, um castigo. E para polititica, castigo de qualquer espécie é um tsunami…

As companhias políticas de Eduardo Cunha, desde seu princípio, nunca prestaram. Diz a Wikipédia: “Em 1989, o economista o empresário Paulo César Farias convidou Eduardo Cunha a se filiar ao PRN e a integrar o núcleo da campanha presidencial do candidato Fernando Collor de Mello. (…)” “Depois de eleito, Collor convidou Eduardo Cunha para integrar a nova equipe econômica do governo, chefiada por Zélia Cardoso de Mello, mas ele declinou.4 Em 1991, atendendo à sugestão de Paulo César Farias, o presidente da república nomeou Cunha para o comando da Telerj, a então empresa fluminense de telecomunicações.6 9 10 Como presidente da companhia, Cunha reduziu os investimentos da empresa, conforme o projeto de privatizar as estatais do governo Collor, e criou uma comissão de licitação vinculada diretamente a seu gabinete.3 O Tribunal de Contas da União constatou irregularidades na contratação de servidores sem concurso, tratamento privilegiado a determinados fornecedores e falhas na licitação para a edição de catálogos telefônicos.10 Responsável pela implementação da telefonia celular no Rio de Janeiro, Cunha envolveu-se em um escândalo de superfaturamento, quando foi descoberto que ele havia assinado um aditivo de US$ 92 milhões a um contrato da Telerj com a fornecedora de equipamentos telefônicos NEC do Brasil (então controlada pelo empresário Roberto Marinho), em vez de abrir nova licitação”.

"É verdade! É verdade! Por onde ele passa fica uma inhaca que dá dó!"

“É verdade! É verdade! Por onde ele passa fica uma inhaca que dá dó!”

Chega. Se formos mais adiante, vamos atolar o pé naquilo. Meu leitor poderá estar-se perguntando por que razão eu trasladei um excerto da Wikipédia para cá. Primeiro, porque creio que nem todos vão lá buscar informações; segundo, porque lá já está escrito o que eu pretendia escrever aqui. Ficou mais fácil. Terceiro, porque comprovo que não estou inventando nada em função de meu asco por polititica. O acima é verdade, ainda que o “fantoche herói”, adulado vergonhosamente pelos PMDBistas puxa-sacos, numa CPI que, só por isto, já perdeu credibilidade, ainda ande de lança em riste com a ponta voltada para o peito da Aloprada, esquecendo-se de que não mais está com a armadura da impunidade. Em sua memória mais profunda, com certeza, há de se lembrar do asqueroso esquema de ladroagem em que esteve envolvido com outras 41 pessoas e foram “autuados em um dos processos que investigava o Esquema PC, chegando a ser réu em um dos maiores processos do caso, acusado de envolvimento com Jorge Luiz Conceição, o operador das contas fantasmas do chamado esquema de corrupção”. A Lança do Procurador Geral da República está com sua acerada ponta apontada diretamente para Cunhinha, tadinho…

Ao menos comigo a CPI do PETROLÃO perdeu qualquer crédito que pudesse ter.

Em defesa da ZORRACRACIA é melhor ficar com ela do que com o PSDB/PMDB. Eles defendem a afundocracia definitiva.

Em defesa da ZORRACRACIA é melhor ficar com ela do que com o PSDB/PMDB. Eles defendem a “afundocracia” definitiva.

E os camisa-vermelhas do Stédile foram às ruas. Não no número sonhado pelo Barbudão Sem-Vegonha, mas foi assim mesmo. E para vergonha deste, os teleguiados só não pediram a cabeça da apadrinhada perdidona no Planalto. Acho que Eduardinho não gostou muito disto, mas com certeza tirará algum proveito da grita dos “camisa vermelha”, visto que defenderam o que os Zé Nings não teleguiados pretendem gritar em protesto.

Mas nenhum protesto, assim como nenhum IMPEDIMENTO nem QUALQUER quebra-quebra vai solucionar nosso dilema amargo. Dilema que a Aloprada nos criou. Vamos ter de mergulhar de cabeça nas dores e nos apertos que foram adredemente preparados por ela (será que de propósito?). Vamos, os antigos, recordar dos dias amargos e escuros dos anos 60 a 90. E os mais novos vão se destrambelhar como os novos daquele tempo se destrambelharam.

Contudo, fiquem avisados: não será qualquer partido do grupo dos bandalhas que recolocará este país nos trilhos. FHC teve, antes dele, alguém que pensou direito, quando todos nós estávamos-nos afogando. Ele apenas manteve o decisão tomada por seu antecessor: criou o real e implantou o câmbio livre. Deu certo.

Mas veio a turma de larápios do PETRALHISMO  e a nossa vaca foi pro brejo…