"Dilma, vamos juntar forças para continuar mandando matar os aposentados. Pode deixar que nisto nós nos unimos, PMDB e PT"

“Dilma, vamos juntar forças para continuar mandando matar os aposentados. Pode deixar que nisto nós nos unimos, PMDB e PT”

Na briga entre Dilma e Eduardo Cunha, por um momento, apenas por um momento, a Câmara se movimentou para sanar de vez uma das maiores injustiças cometidas pelos Governos de FHC, Lula e Dilma contra nós, os aposentados, que demos nossos melhores dias num esforço titânico para fazer avançar o “titanic” chamado Brasil. Fomos nós, do pedreiro ao executivo mais destacado, que fizemos o “titanic” chamado Brasil avançar. Fomos seus motores na indústria, no comércio, nas empresas de economia mista, nos escritórios e no serviço público. Suamos nossas camisas; perdemos noites insones; durante anos viajamos em ônibus cheios, sempre atrasados e nos obrigando a apresentar justificativas de ausência, quase sempre mal aceitas pelos nossos “chefes” (hoje, gerentes).

Foi tremenda nossa luta nos anos em que os militares estiveram no Poder. E continuou sendo mais dura ainda nos anos assim chamados de “pós-ditadura militar”, quando a inflação disparou até as nuvens, com o pãozinho francês custando um valor pela manhã e outro, às vezes 50% maior, à tarde.

Fui e sou fã dele, Castello Branco. Apenas discordei de sua bondade. Eu teria feito o que recomendava Costa e Silva. Mas Castello pegou leve com os polititicas e ei-los de volta ao Congresso...

Nos anos em que eles mandaram no Poder a inflação dos tempos de Sarney não diminuiu. Ao contrário, piorou.

Foi um período muito duro que todos tivemos de enfrentar batalhando para criar nossos filhos o mais minimamente aceitável numa sociedade sempre desorganizada, sempre corrupta e sempre sem rumo. Era assim a Sociedade do Titanic Chamado Brasil. Era muito difícil comprar um apartamento, pois os salários eram pagos em cruzeiros ou cruzeiros novos ou cruzados, mas a Caixa Econômica Federal nos cobrava os reajustes em UFIR, que, no final das contas, multiplicava por dez ou 15 o valor que tínhamos de quitar a cada final de mês. Uma loucura.

Mas enfrentamos as amarguras daqueles idos com os dentes trincados e, graças ao jeitinho brasileiro, vencemos aos trancos e barrancos as agruras daqueles anos tétricos, negros, horrorizantes. Muitas famílias afundaram; muitas fracassaram e viram seus filhos enveredarem pela senda do crime porque os pais foram obrigadas a entregar seus apartamentos, perder seus empregos e se transformarem em párias da Sociedade. Mas os que conseguiram vencer a tempestade, como eu, formaram seus filhos e lhes deram um mínimo de tranqüilidade para que sobrevivessem ao caos social.

Operários e Executivos, somos nós quem verdadeiramente sustentamos o Titanic Chamado Brasil.

Operários e Executivos, somos nós quem verdadeiramente sustentamos o Titanic Chamado Brasil.

E sobrevivemos porque fomos heróis nos escritórios, nas fábricas, no comércio, enfim. Fomos nós que agüentamos o tranco. Fomos nós que, de joelhos ou de rastro, levamos o Titanic Chamado Brasil para  frente e o mantivemos flutuando. No desespero. Na dor. No medo diário. Na angústia de encontrar meios de trazer alimento para a família e de manter o teto sobre nossas cabeças.

Enfim, fomos nós.

E veio FHC e nos chamou de parasitas da nação e nos impôs uma fórmula matemática que atendia às diretrizes do Neoliberalismo: idosos devem morrer depressa, pois são peso morto. INSS deve ser levado à falência para que os bancos tomem para si esta fatia fabulosa que é o dinheiro recolhido pelas empresas e empregados para a aposentadoria.

E eles, ganhando milhões e sempre querendo mais, nos desprezaram e rapidamente concordaram com FHC.

E eles, ganhando milhões e sempre querendo mais, nos desprezaram e rapidamente concordaram com FHC, no passado; e agora, com Dilma, neste presente em que as negociatas entre partidos valem mais do que os interesses dos Brasileiros. O Congresso Nacional continua imprestável.

E os políticos passaram a atacar sem dó nem piedade o dinheiro que recolhem, empresas e trabalhadores, ao INSS. E dele se apossam e o empregam para pagar tudo o que as roubalheiras levam dos cofres da Nação, menos para pagar a justa aposentadoria dos que, agora, não mais têm nem saúde nem forças para continuar empurrando o Titanic Chamado Brasil. 

E ao FHC amaldiçoado por toda a Eternidade, por todos nós, suas vítimas, seguiu-se o patife chamado LULA. E este, em que pese se dizer representante dos trabalhadores, manteve a fórmula maldita criada por FHC. E a ele seguiu-se a Aloprada do Planalto e aquele instrumento de tortura nunca foi mexido. Não, não pode. O Titanic Chamado Brasil vai  afundar se o INSS, cujo dinheiro vem da poupança dos empregados e empregadores ativos, e não do ESTADO, tiver reajuste digno. É preciso continuar reduzindo as aposentadorias na medida em que o aposentado vá envelhecendo. Assim, o Governo dá um ajudazinha à “Magra”, empurrando para sua foice, sob doenças e atendimento hospitalar e ambulatorial depauperado e miserável, os velhos “parasitas da Nação”.

Em 10 de março de 2015, a Folha noticiava que os Deputados, em briga com a Dilma, ameaçavam estender o mecanismo de reajuste do Salário Mínimo a aposentados e pensionistas que ganham acima do teto mínimo de aposentadoria. Esta é uma briga que dura desde quando FHC criou o maldito FATOR PREVIDENCIÁRIO, imoralidade que só existe no nosso país. A briga dizia respeito ao  projeto que mantém a política de valorização do salário mínimo até 2019. Se os Deputados fizessem isto, nós nos livraríamos da condenação à morte lenta, decretada por FHC, o carrasco. Mas a ameça ficou apenas nisto. Agora, curvada a corcunda da Dilma, os Senhores Insolências, voltaram atrás e decidiram manter a foice sobre nossos pescoços. Ou seja, fomos usados como trunfo de ameaça contra a Aloprada do Planalto. Nenhum DEPUTADO pensou mesmo em nos ajudar. Para eles, os velhos da Sociedade do Titanic Chamado Brasil são apenas isto: restolho, lixo que deve ser descartado rapidamente. Eles não envelhecem. Eles apenas criam cabelos brancos, pois são Insolências, pois roubam e ficam ricos da noite para o dia, todos eles, e ricos jamais serão chamados de “parasitas da nação”. O Brasil foi dividido em duas facções, não pelo PT, mas pelo PMDB: Eles contra Nós. E Nós, que trabalhamos de verdade, que empurramos pra frente o Titanic Chamado Brasil, estamos perdendo a luta porque não somos unidos com nossos filhos e netos. Estes, por sua vez, como nós os ensinamos desgraçadamente, enxergam apenas seus dias futuros. Nunca, jamais, a História que escrevemos e o país que construímos para eles. Nunca para os velhos pais e avós. Para estes, conforme lhes ensinaram a pensar os partidos políticos, a morte que devem morrer esquecidos e sem reclamar. Para os velhos, basta-lhes o prato de comida que ainda conseguem pagar…

Ainda somos o restolho daqueles que outrora fizeram o Titanic Chamado Brasil sair do atoleiro em que as polititicas dos anos 60-90 o tinham atolado.

Será que, na passeata programada para o dia 12 do mês que vem, alguém segurará a bandeira em defesa dos de nós que ainda restamos vivos?

Eu torço para que sim, embora minhas esperanças sejam mínimas…