Eu preferia a Escola antiga, com palmatória e tudo.

Eu preferia a Escola antiga, com palmatória e tudo.

Bom, já disse que não sei mais se há a fase da puberdade no desenvolvimento humano. Hoje, meninas com doze anos já surgem grávidas e algumas praticam o coito porque querem; porque lhe foi ensinado ainda antes desta idade e a partir daí agem relativamente ao ato como gente adulta. Teoricamente a puberdade começa aos 13 anos, nos meninos, e entre 12 a 13 anos na menina. No meu tempo – e já se vão 74 anos – crianças com estas idades não faziam a menor idéia do que fosse coito. O elã era brincar de esconde-esconde, bonecas, carrinhos etc… Havia as exceções, pois o abuso de crianças púberes não acontece hoje, mas faz parte da História Humana desde seu começo mesmo. Até a metade do século XX o período da puberdade se iniciava entre 15 e 16 anos.

Mas, dizem os “experts”, excesso de hormônios e de apelos visuais reduziram o início deste período de grandes transformações no corpo humano. Mas vamos deixar de firulas, pois o que está feito está feito e a Natureza não anda de costas nem dá passos atrás, e vamos falar sobre o que interessa.

E o que interessa é o conceito DISCIPLINA NA ESCOLA.

Imagens (censuradas para "proteger os criminosos mirins) exibida na TV.

Imagem (censuradas para “proteger os criminosos mirins) exibida na TV.

Em Val Paraíso de Goiás, cidade satélite de Brasília, os atuais púberes, em torno de mil e trezentos alunos nesta faixa etária, se rebelaram contra a nova Diretora da Escola e depredaram as salas de aula. Quebraram portas a pontapés; quebraram carteiras, vidros de janela e o que viam pela frente. Picharam as paredes e o chão, tudo aos gritos de QUEBRA! QUEBRA! TROQUEM A DIRETORA! Alguns, poucos, gritavam PAREM! PAREM! Mas estes eram a minoria e entre eles predominavam as meninas.

A razão desta revolta-mirim? A “desgraçada” da nova Diretora tentou implantar uma disciplina mais rígida que a anterior. Uma professorA que se demitiu ano passado, deu entrevista na TV e disse que facas e revólveres são comuns entre os alunos.

"A gente pensava que eles podiam se comportar. Erramos. Ma quem não erra,, ué!"

“A gente pensava que eles podiam se comportar. Erramos. Mas quem não erra,, ué!”

Que qui é isso, “cumpãeiros”?! Não era isto que nosso “amado” PT queria quando impôs a liberdade total e absoluta para a petizada, em atenção aos esquizofrênicos defensores dos “direitos da criança”. Os líderes petralhas tinham certeza de que os púberes já têm maturidade suficiente para auto-controlar o ímpeto primitivo e animal que os de outrora sofriam por serem ignorantes e não filhos de cumpãeiros petralhas. O que deu errado?

Ora, o que deu errado todos os que não militam nas fileiras da Petralhocracia sabem. A pergunta deve ser: quem vai pagar os prejuízos? A resposta errada é: nós, os que pagamos impostos. Por que a Lei não obriga a que somente os genitores (não pais, pois crianças assim não tiveram e não têm pais) arquem com os prejuízos da escola? Afinal, o abandono a que relegam suas proles deram nisto aí: um bando de bípedes mirins que certamente não conseguirão jamais se tornarem cidadãos respeitáveis. Serão, em breve, aleijões “respeitados à força das Leis chinfrins” editadas pelos “nossos” polititicas.

Eta paízinho de m… sô!