Enchi o saco. Estourou. Não dá mais.

Enchi o saco. Estourou. Não dá mais.

Tem brasileiro no meio. É vergonhoso e desmoralizante. Em qualquer parte do mundo onde haja uma brecha para a corrupção, não há o que duvidar: tem brasileiro mergulhado nela. Gatunagem no Futebol? Tem brasileiro. Gatunagem no Voleibol? Tem brasileiro. Gatunagem na venda de bilhetes para estádios? Tem brasileiros. Ou seja: há roubalheira? Tem gente brasileira. Eu estou de saco cheio. Já não mais vejo a TV. Nem mesmo – e principalmente – a TV Câmara e a TV Senado, que assistia interessado em saber o que realmente os senhores POLITITICAS fariam de útil diante da grita nacional dos outros trambiqueiros desconhecidos. Aqueles que andam dependurados nos trens da Central do Brasil; os que andam dependurados nas portas dos ônibus em qualquer cidade brasileira e os que se mostram civilizados até quando alguém deixe de olhar para ele. É quando mostram seu lado trambiqueiro e corrupto. Aqui mesmo, no bairro em que vivo. A imundície é crônica. Os vizinhos emporcalham a rua. Eu virei, por uns tempos, gari gratuito. Catava garras pet, sacos plásticos espalhados pelo chão, caixas de papelão jogadas ao léu e o que mais desse. Colocava tudo dentro de um saco de lixo para o lixeiro levar. A pracinha diante de minha casa até que ficava bonitinha… Mas isto durava apenas uma parte do dia. Na outra parte…

Para os brasileiros isto não é corrupção. Vai ser "inocente assim" na merda!

Para os brasileiros isto não é corrupção. Vai ser “inocente assim” na merda!

Bom, meus vizinhos são todos “santos”. Ninguém assume responsabilidade pelos pratos de isopor com restos de comida deixados ao léu. A culpa é sempre dos cachorros (que nem aquela história do peido, sacaram?). Por uns tempos dei uma de gari gratuito. Saía de casa com um saco plástico de lixo, grande, em mãos e danava de catar sacolas plásticas espalhadas pela rua; garrafas pets; garrafas de rum (cheguei a catar 25 só de uma única vez) jogadas na pracinha… Mas terminei desistindo. Nem o Diabo dá conta de tanta desídia.

Já nem mais vejo televisão. Principalmente aquela da Câmara e do Senado, que eu assistia acreditando que os desgraçados POLITITICAS realmente iriam fazer alguma coisa que prestasse pelo povo, depois que este foi para as ruas “comportadinho”. Fizeram nada! Zombaram de todos (e eu no meio, merda!). Mexeram nas Leis das domésticas (e condenaram muitas a ficar na rua da amargura, pois não há patroa nem patrão que aguente pagar tanto dinheiro para os sacanas roubarem depois).

Lutei bravamente contra tudo e todos para fazer que mangueiras, tamarindeiros, abacateiros, cajueiros, jaqueiras e sapotis plantados por mim na “pracinha” tivessem alguma chance. Foram seis anos teimando em plantar e os corruptinhos teimando em destruir. Mas venci. Ao menos em parte. Hoje, duas jaqueiras e dois abacateiros já ultrapassam metro e meio de altura, o que significa que vão vingar. Agora, todo mundo “acha lindo meu esforço” e até dizem que vão colaborar com a limpeza da pracinha, quando as árvores estiverem frutificando. Acredite quem quiser. Eu? jamais!

O Símbolo da Corrupção Premiada.

O Símbolo da Corrupção Premiada.

Somos destrutivos e corruptos de nascença. Ultimamente tenho sentido imensa vergonha de dizer que sou brasileiro. Pior: nasci numa família danada de rica e cheguei a mendigar um prato de comida, ainda criança, porque meus pais e suas famílias, desmiolados e brigões, jogaram fora tudo o que podiam ter-nos legado, a mim e a meus irmãos. Que merda!

E cresci num mundo de mentiras, traições, ameaças e desonestidades à granel. Vivi entre militares (e seus apadrinhados) na EMBRATEL, os quais não tinham o direito nem de calçar os chinelos de militar, tamanha era a falta de patriotismo e vergonha na cara que eles tinham. Era uma coisa endêmica. E me perseguiram. E tentaram por todos os meios me fazer desaparecer nos porões do DOPS no Rio de Janeiro. E me proibiram de selecionar NEGROS e NISSEIS para os cargos em seleção. Mas eu selecionei e enfiei muitos negros e muitos nisseis pela goela deles. Por isto, quase fui “desaparecido” no DOPS no Rio de Janeiro. Prêmio? Conseguiram tramar minha demissão quando eu estava em licença para tratamento de saúde. Baseado em quê? Numa ordem absurda do “Furioso” que, para perseguir brasileiros, inventou a história de que nas Estatais só havia marajás. Irônico! Logo ele, que, quando cassado, foi para os EUA e comprou um apartamento enorme e luxuosíssimo, onde mandou instalar um banheiro com pia e tampa de vaso sanitário de ouro. À custa de dinheiro roubado dos “marajás”. Foi muita merda, meu!

E sempre deu merda...

E sempre deu merda…

E casei. Não uma nem duas, mas cinco vezes (três amasiamentos duradouros). E deu merda em todos eles. Em todos os casamentos os membros da família das dondocas não me queriam entre eles. Mas o diabo queria. E armou de todos os modos para que eu entrasse na fria. E entrei de cabeça, droga! Mas, coração mole e um pendor incurável para ajudar os outros, sempre terminei prestando ajuda inestimável a todos os membros das famílias de que fiz temporariamente parte. Houve famílias de esposas a cujos membros ajudei muito. Salvei do crime. Salvei da droga. Salvei da cadeia. Eu me dei todo a eles. Ajudei em casos de doenças graves. Me coloquei totalmente a serviço de todos. Mesmo já velho e adoentado, não me furtei a ajudar alegremente e me colocar à disposição deles até à exaustão. Recebi-os em minha casa cheio de felicidade por poder ajudar. E o que recebi em troca? Ingratidão. Críticas ferozes. As pessoas querem ajuda, precisam de ajuda, mas se guiam pela Lei dos Brasileiros em Geral: “Venha a nós o vosso reino; ao vosso? Vá à merda!” Aqueles aderentes, agora, me agridem e se viram contra mim, esquecidos do quanto eu os ajudei. Agora, eu quero mais é que eles todos vão à merda!

"Queremos Justiça!" Entenda-se: eles querem linchamento e vingança. Se possível com dinheiro como compensação...

“Queremos Justiça!” Entenda-se: eles querem linchamento e vingança. Se possível com dinheiro como compensação…

Além de ladrões e corruptos, os brasileiros são ingratos e egoístas. Acham que merecem tudo o que se possa dar-lhes e não perdoam nada do que se faça e seja por eles tomado como insulto. JUSTIÇA é o nome sob o qual todos escondem o desejo de VINGANÇA. O que mais se vê pelas cidades do Brasil são cartazes exigindo JUSTIÇA. Mas se as “otoridades” realmente executassem as tarefas que o povão lhes outorgou quando nelas votaram, não haveria necessidade de tanta raiva nas faces frustradas dos que perderam pessoas amadas para bandidinhos protegidinhos pelos Direitos dos Bandidinhos, tadinhos…

Que merda!

Porrada firme.

Porrada firme.

Eu estou furioso com o meu karma, negada. Não sei quem foi o peste que me fez nascer brasileiro. Podiam ter-me enviado lá pros cafundós do Judas, mas para cá? Foi a maior sacanagem que já se fez com um Espírito em evolução. Eles me fizeram nascer brasileiro!!! Foi ou não foi sacanagem da grossa? Eu tenho vergonha e asco em dizer que, cruzes! – sou brasileiro. É, sou esta desgraça chamada brasileiro. Que merda, meu!

Eu até já me havia esquecido deste blog. Mas hoje encontrei um tolo que disse que me lê e que espera a continuação de meus artigos e, principalmente, das aventuras de  YEHOSHUA e a continuação do livro O MISTÉRIO DE PARGOS. Mas que tolo! E vejam vocês: ainda há gente que, não sendo meu parente de pai e mãe, me lê! Não é um otário?

Bom, aí vai o artigo. Não estou certo de que seja segundo sua expectativa. Mas também vai um conselho: vá bundiar pelo FACE. Vá enviar “UUUU!” AHAHAHAH” “ÉÉÉÉÉ!” e outras besteiras que tais como é o que fazem os que vivem dependurados no FACE e no watsap. E vá andar pelas ruas com a cara metida no seu smartfone. Vá fazer a alegria de um assaltantezinho doidinho pra comprar uma pedra de crack com o dinheiro da venda de seu aparelhinho imprestável. Você até pode ganhar de presente alguns “pombos sem asa” na cara, pra deixar de ser burro. Merda!

Olha aqui, quando eu morrer e chegar lá em cima (mesmo depois de ter sido obrigado a passar uma temporada lá em baixo), vou fazer como o Grande Mestre (https://youtu.be/IGKXgNF1xuI): vou distribuir porrada a torto e a direito. Botou a cara na minha frente leva sopapo. Nem que seja o safado de meu Anjo Guardião, esse sacana que deve viver dando gargalhadas às minhas custas. Mas ele que me espere. Não foi à-toa que também aprendi uma porção de artes marciais. Vai apanhar até cair aqui em baixo pra ver como é uma merda ser brasileiro.

E aí quem vai rir por último sou eu.

AH! AH! AH! … Mas que merda, meu!