"Libera geral. Deixa cair de boca, de nariz, de bunda, de qualquer coisa. Deixa cair como quiser".

“Libera geral. Deixa cair de boca, de nariz, de bunda, como fazia o Collor. Deixa cair de qualquer coisa. Deixa cair como quiser”.

A afirmação de José Mariano Beltrame é título de uma entrevista concedida por ele à revista Época (Ed. 890, de 29/06/2015). Ele diz ter ficado “encantado com a descriminalização das drogas em Portugal. “De todas as drogas, inclusive heroína, cocaína“. Segundo sua visão (para mim lastimável) “a guerra à droga é perdida, irracional“. Ele aconselha a que se comece descriminalizando a maconha. E informa que em Portugal o assunto “drogas” não está inserido na polícia, mas no Ministério da Saúde. A polícia pega o viciado e ele é convidado a participar de encontros com juízes, procuradores, psicólogos, médicos e integrantes da sociedade civil. Eco! Ma come? Liberar geral? No Brasil de aloprados como somos nós? Ou está doido, ou está lelé da cuca, o que dá no mesmo.

Mas será que o Senhor Secretário não sabe que aqui também se fala aos quatro ventos que o assunto DROGA é caso de Saúde Pública e, não, de Polícia? Pois é. Mas daí a se liberar geral é o fim da picada.

"Ih, tá difícil de entender... Como é que eu vou-me explicar com o FHC?"

“Ih, tá difícil de explicar… Como é que eu vou-me entender com o FHC?”

Primeiro: nenhuma polícia no mundo prende droga. As polícias prendem os traficantes, sejam eles aviõezinhos (aqui no “brasil” eles podem voar à vontade. Afinal, pobrezinhos, são “de menor”); mulas, ou chefões dos cartéis. Toda droga apreendida (apreender: termo que, segundo o dicionário, quer dizer tomar posse de) é DESTINADA à cremação. É lógico que com a ordem da Justiça e sem o consentimento do seu “legítimo dono”, o traficante. Então, falar em “prender droga” é dizer bobagem. E tomar esta bobagem como base para se defender a liberação geral é irresponsabilidade com a saúde pública, no mínimo. E desrespeito acintoso à inteligência dos brasileiros (daqueles que ainda a têm, ressalve-se). 

"Dilma, por favor, silencia de vez o pessoal do contra, pois os cartéis daqui andam danado com eles."

“Dilma, por favor, silencia de vez o pessoal do contra, pois os cartéis daqui andam danados com eles. E ameaçam o meu governo, como seu eu pudesse silenciar os brasileiros.”

Segundo: A quem interessa, de verdade, sem firulas, tal liberação geral? Só idiotas com Q.I. menor que 50 (e polititicas também) acreditam que o povo em geral se interessa por isto e aplaude esta medida absurda. O que aconteceu em Portugal é que as autoridades de lá ou foram compradas ou jogaram a toalha, pois, tal como aqui, trabalhavam apenas “enxugando gelo”, isto é, combatendo os efeitos da droga e, não, combatendo duramente os membros das quadrilhas que introduzem estes venenos no país.

Quem se interessa profundamente porque em todos os países do mundo isto aconteça e o envenenamento das populações pelas drogas seja totalmente liberado são os Cartéis (Colombianos, Venezuelanos, Paraguaios, Asiáticos, Árabes etc, etc, etc…). A par com eles poderia, claro, estar a Máfia de Branco, os Médicos nem tão afeitos ao juramento Hipocrático. Afinal, os filhinhos de papai iriam dar grandes lucros às suas clínicas de desintoxicação. Os Classes C, D E…Z iriam amargar as “clínicas públicas”, no nosso país uma bosta rala. Como, aliás, é o que acontece. Beltrame “esquece” que só temos polititicas no comando da nação e estes NUNCA irão voltar atenção para as “ralés da escória humana”.

Este é o Lulu da Pomerânia. Ele sabe. Pena que não possa falar.

Este é o Lulu da Pomerânia. Ele sabe. Pena que não possa falar.

Diz Beltrame, com toda razão, carradas de razão, que “Nosso objetivo nunca foi acabar com as drogas”. Acredite, Beltrame, este não é o objetivo nem mesmo do Criador, pois o que nós transformamos em drogas para nossa saúde vem das árvores. E sem elas a gente ia-se danar, ora se ia. Veja, por exemplo: estão acabando com a Floresta Amazônica Brasileira e o mundo todo está sentindo os efeitos disto. Mas quais as medidas efetivas que a Aloprada do Planalto e seus antecessores tomaram para fazer cessar este crime contra o Mundo? Nadinha de nada, Beltrame. Nadinha de nada. E por que? Ora, não me pergunte isto, pelo Amor de Deus… Até um Lulu da Pomerânia sabe a resposta.

É isto o que as drogas fazem com as pessoas. Qual família brasileira que isto para seus filhos? Acorda, Beltrame!

É isto o que as drogas fazem com as pessoas. Qual família brasileira quer isto para seus filhos? Acorda, Beltrame!

E ele continua a desandar e diz: “Parece que os brasileiros não acordam para o desperdício dessa guerra”. Descriminalizando o uso, um dos efeitos é o alívio na Polícia e no Poder Judiciário, que podem se dedicar aos homicídios, aos crimes verdadeiros.”

Arre égua, cara! Como é que pode? Se criminalizadas as drogas botam doidões nas ruas brasileiras que matam com facas, canivetes, tiros e sei lá mais o quê, até porque estão “doidões”, imagine liberando geral!

"No mundo moderno o conceito de família mudou. Liberdade é o que a juventude deseja. O direito de fazer o que quiser com suas vidas".

“No mundo moderno o conceito de família mudou. Liberdade é o que a juventude deseja. O direito de fazer o que quiser com suas vidas”.

Beltrame, acorda! Precisamos é que crianças e adolescentes TENHAM FAMÍLIAS DE VERDADE. Pais e Mães que assumam a duríssima responsabilidade de EDUCAR, pois esta é função exclusiva deles. A Escola NÃO EDUCA NINGUÉM. A ESCOLA INSTRUI, diabo.

Precisamos que todas as autoridades ponham olho nos programas da Globo, onde descaradamente, abertamente, em nome da “Liberação Geral por Força da Liberdade de Imprensa”, programas AMORAIS e IMORAIS vão ao ar a qualquer hora. Eles destroem o que ainda resta da antiga moralidade familiar. E sem isto o Crime Organizado deita e rola.

Isto é liberdade de Imprensa. Será? E a liberdade ao direito de não querer tais cenas dentro de casa?

Isto é liberdade de Imprensa. Será? E a liberdade ao direito de não querer tais cenas dentro de casa?

Evangélicos não assistem à TV Globo. Lamentavelmente isto não acontece entre as famílias espíritas nem as católicas. Estas, abdicam do direito de se impor e deixam por conta de um Estado Aloprado e Irresponsável até às raias da loucura o Educar suas proles – das famílias, claro.

Beltrame, diz aqui, ao pé do ouvido: qual dos cartéis está prometendo a você e aos Polititicas Nacionais uma aposentadoria nababesca se vocês conseguirem levantar uma onda de liberação das drogas do tamanho daquela da liberação da homossexualidade? Diz que a gente não conta pra ninguém. Eu e o Brasil todo sabemos que FHC também engrossa a grita: liberem geral! Só que quem vai-se desesperar são os brasileiros classes B, C, D, E… Z. Vocês, apadrinhados dos Cartéis, nunca!

Que tal darmos de cara com estas "coisas monstruosas" da Mala Noche" mexicana mandando e desmandando aqui dentro? Já não nos bastam os bandidos brasileiros?

Que tal darmos de cara com estas “coisas monstruosas” da “Mala Noche” mexicana mandando e desmandando aqui dentro? Já não nos bastam os bandidos brasileiros?

Portugal é uma titica de pombo se comparado, territorialmente, ao Brasil. Lá, a Cosa Nostra (ou outra qualquer) domina tudo em matéria de drogas e pronto. Nenhuma outra facção é besta de tentar adentrar o território deles. Exceto, talvez, os aloprados mexicanos, que são mais doidos que os bandidos das favelas brasileiras. Mas isto é problema dos portugueses.

Imagina a zorra que isto aqui vai virar com cartéis colombianos, venezuelanos, panamenhos, mexicanos, asiáticos, tudo doido para abocanhar o mercado!  Esse mercado que igual não há!

Tenta, Beltrame. Não vale a pena o dinheiro que prometem pagar, acredita em mim.

Vou dizer o que todo brasileiro, até os das misérrimas classes X, Y e Z sabem de cor: o de que precisamos é de FAMÍLIAS defendidas por LEIS DURAS contra TRAFICANTES DE QUALQUER PARTE DO MUNDO. Precisamos de Escolas boas, que mantenham seus alunos estudando e em atividade as oito horas produtivas do dia deles. Mente ocupada é mente sadia. Necessitamos que nossa Constituição tenha artigo DURÍSSIMO contra os contrabandistas, principalmente os estrangeiros. Prisão perpétua com trabalho forçado sob chicote 12 horas por dia. E para os brasileiros também, com chicotadas em dias alternados, para aliviar um pouco as dores das surras dos dias anteriores.

NOTA: Este post é dedicado ao meu compadre Zé Andrade, já que ele é (ou era) meu admirador.