Só os  bons vão ler e compreender estes artigos.

Só os bons vão ler e compreender estes artigos.

Vamos começar esta aula recordando os dados mais pregnantes para nossa Teoria, citados na aula anterior:

a) Somos formados mais por Espaço do que por Matéria, o que, no mínimo, significa que somos Um com o Todo;

b) Vivemos em uma realidade energética e a energia nos envolve e nos penetra na forma de fótons;

c) Nosso Cérebro Pré-frontal é um tremendo gerador de energia na forma pensamento, imaginação ou fantasia.

d) Podemos influir nos fótons energéticos polarizando-os ou magnetizando-os negativamente ou positivamente, mudando, deste modo, seu fluir natural no Espaço;

e) Trazemos em nosso Cerebelo todo o registro arquetípico de nossa Evolução desde quando ainda evoluíamos na Cadeia Planetária Setenária Lunar.

Se o leitor pensou atentamente nos itens acima, com toda certeza algo mudou em sua Cognição a respeito de si mesmo e de seu “estar na vida” ou “estar no mundo”.

Euforia e ilusão grupal geram verdadeira histeria  nos freqüentadores de igrejas de quaisquer título.

Euforia e ilusão grupal geram verdadeira histeria nos freqüentadores de igrejas de quaisquer título.

Os avanços da Ciência Ocidental, dando ênfase à Saúde, à Longevidade, ao Bem-estar econômico, à Mobilidade, à Educação, à Tecnologia etc… deram imenso impulso ao viver social. No entanto, curiosamente, os Mitos e Símbolos com os quais viveu durante Séculos e Séculos perderam sua dinâmica, perderam seus valores místicos. A Pessoa Social perdeu o sentido da Vida e passou a ser escrava do Mercado e de seus dois feitores: a Propaganda e o Marketing. Deus foi “morto” nas Pessoas Sociais e, com ele, valores indispensáveis ao Ser Humano. Não mais é possível o retorno ao misticismo do passado. Paradoxalmente cresceram as Religiões Exotéricas Desesperadas. Pessoas se reúnem em templos, Igrejas, Mesquitas e outros locais de culto para, em franco desespero ou histeria, “louvar ao Senhor” através de cânticos que revelam mais histeria grupal que religiosidade verdadeira.

Uma pessoa é decapitada por fanáticos do Islamismo aloprado. E isto em nome de Deus...

Uma pessoa é decapitada por fanáticos do Islamismo aloprado. E isto em nome de Deus…

Ressuscita-se, nestes “novos tempos”, religião eivada de ódio, como acontece com o famigerado Estado Islâmico, cujos membros em desespero pior, matam friamente em nome de um Deus aloucado, que só existe em suas Mentes doentes e para sempre perdidas. As Pessoas Sociais não mais conseguem amar verdadeiramente, embora anseiem por encontrar isto no outro, antes que em si mesmas. A mulher se vulgarizou, virou objeto de comércio, e o coito com ela. Vende-se sua imagem erótica em todas as propagandas sobre os mais diversos temas, tudo para incentivar o consumismo. Subliminarmente o que se vende é seu triângulo púbico e a tal ponto esta exploração é cruel para as mulheres que elas, desde mesmo ainda criancinhas, são vistas como “um púbis que anda” e “uma vagina que deve ser possuída“. Mulher deixou de ser um Ser Humano. É somente um objeto de desejo e esta condição é tão baixa que não tenho denominação para ela. Pior que isto, as mulheres parecem não se dar conta de sua queda perigosa. No entanto, sofrem desesperadamente a falta de “homem” verdadeiramente Homem com quem criar uma família e estruturar um lar para seus filhos. A “morte” dos valores coletivos tradicionais e a destruição do espírito da família nuclear impunha a busca de um substituto. Um substituto que todos sabem qual é, mas ninguém mais acerta com o caminho para trazê-lo de volta ao seio da humanidade. Deus foi morto na Pessoa Social e em toda parte do planeta. Não mais se sabe como estar com Ele. Em grupos histéricos e ridículos, juntam-se Pessoas Sociais a gritar “coisas mortas, palavras vazias”, como se, através disto, algo as preenchesse de verdade… Ainda não se deram conta de que o Antigo Evangelho virou apenas História e nada mais. A Nova Mensagem ainda não foi realmente compreendida e, por isto, o vazio continua intenso em cada Pessoa Social. E é com este vazio que, atualmente reforçado pelo retorno político a tempos amargos no Brasil, os Psicólogos Clínicos estão às voltas. Cada Pessoa que os procura leva em seu íntimo um vazio amargo que deve ser preenchido, não com um esforço de ambos, Psicólogo e Paciente, no sentido de adequar o sofredor ao seu ambiente prenhe de desilusão e sofrimento. Este não é o Caminho. O Caminho também não é a Religião mal-compreendida. O Caminho é a Cognição da Nova Realidade em que todos nos encontramos e que transcende em muito o velho “estar no mundo”…

Neste nosso encontro vamos abordar o tremendo perigo que é nos deixar avassalar por emoções descontroladas. Aprendemos que nosso pensamento, nossa imaginação e nossa fantasia interferem com a “nuvem” quântica atômica onde estão os átomos que estruturam nossa realidade dita “objetiva”. Pensamentos disfóricos, isto é, maus, ruins, pessimistas, reestruturam a corrente fotônica de tal modo que sua polaridade energética muda. A energia daí resultante é ruim para a pessoa que alimenta tais pensamentos.

E o que resulta de nossos pensamentos em uma realidade tão real e próxima de nós, mas que ignoramos totalmente? A resposta é: formas-pensamento. Formas-pensamento que adquirem uma vida artificial e temporária quando são energizadas por nossas cargas emocionais. “Somos deuses” e como tal temos o Poder de Criar até em ambientes em que nosso materialismo ridículo não alcança. Nossa ignorância e nossa estúpida descrença materialista não invalida a Criação. E em estando sofrendo do terrífico “vazio existencial”, a Pessoa Social não tem como se defender do ataque de tais seres artificialmente criados pelos cérebros de bilhões de outras Pessoas Sociais mundo a fora.

Forma-pensamento devocional.

Forma-pensamento devocional.

Ensina-nos a Teosofia e o Ocultismo, que as formas-pensamento tendem a não durar muito, se seu gerador não mantiver o pensamento fixado nelas. Mas quando alguém pensa, imagina ou fantasia sempre coloca uma carga energética emocional nestas forma-pensamentos que suas psiques geram. O leitor, principalmente se tiver formação acadêmica rígida, certamente estará estranhando o que escrevo e pensando que não entendo nada e misturo alhos com bugalhos. Disseram-me isto alguns de meus ex-professores, mas quando viram os resultados de minha atuação na Clínica Psicológica ficaram aturdidos e cheios de dúvidas. Nos idos de 60/80 o ceticismo científico era muito forte. Espiritismo, Teosofia e Ocultismo eram vergonhosos para os que por eles se interessavam e as conversas a respeito do assunto aconteciam somente entre os “iniciados”. Atualmente já não há tanta barreira para a pesquisa científica em campos que outrora eram tabus. Sendo eu bastante eclético, curioso e introjetivo – o que me dá uma “teimosia” à revelia das opiniões de terceiros ou de grupos – quando descobri esta realidade “oculta” não hesitei em nela entrar de cabeça, na condição de pesquisador e com uma pergunta que era e ainda é meu principal objetivo: “Como me servir destes conhecimentos fantásticos no meu consultório de Psicologia Clínica?”

Uma egrégora positiva formada pela reunião de mentes concentradas em um objetivo positivo.

Uma egrégora positiva formada pela reunião de mentes concentradas em um objetivo positivo (universalismocrístico.com.br).

Pensemos juntos: somos uma unidade com tudo o que nos cerca e a Física Quântica está a cada ano comprovando mais e mais o que aqui é dito. Somos Espaço muito mais que Matéria. Então, concordemos ou não com isto, estamos sempre abertos para uma invasão da “nuvem quântica”. E ao transitarmos através desta nuvem e sermos por ela inundados, não há como evitar que nossa usina chamada Psique não interfira diretamente na estruturação de realidades únicas, somente nossas, que se organizam em função de nossos pensamentos energizados poderosamente por nossas reações emocionais.

O leitor já parou para observar que passa seu dia mais em fantasias oniróides (que têm forma de sonhos) do que centrado na dura realidade de sua vida quotidiana? Se está dentro do ônibus pode perfeitamente observar seus pensamentos, tornando-se seu próprio objeto de estudo, e verificar que sua psique não cessa de pensar e engendrar fantasias, cujas motivações podem estar baseadas numa emoção de raiva contra alguém, contra o Governo, contra o trânsito, contra a parceira ou o parceiro, contra seu chefe no trabalho etc… ou podem estar baseadas numa emoção de frustração pelo fracasso de satisfazer algum desejo, que o impulsiona para a geração de fantasias de fuga, como, por exemplo,  sonhar acordado em como seria sua vida se ganhasse a mega sena, ou se tivesse nascido rico ou… 

Forma-pensamento de ódio. Similar a esta são as formas-pensamento de raiva, ira, rancor, mágoa etc... Mudam no formato e nas cores, mas são sempre cores "sujas".

Forma-pensamento de ódio. Similar a esta são as formas-pensamento de raiva, ira, rancor, mágoa etc… Mudam no formato e nas cores, mas são sempre cores “sujas”.

Toda Pessoa em algum momento na vida já se observou cheia de pensamentos fantasiosos, que não resultam em nada, mas que servem para suprir um sem número de “derrotas” ou “fracassos” ou “perdas” com o que não se conforma. O que esta Pessoa não percebe é que as Pessoas que passam por ela na rua, nas lojas, dentro dos ônibus, nas escadas rolantes, enfim, onde quer que seja, também estão mergulhadas em fantasias oniróides de fuga, frustração, ódio, rancor, mágoa ou compensação. Agora, leitor, pense: como deve estar a nuvem atômica em uma rua lotada de “sonhadores oniróides”? Certamente caótica, em constante e violenta mutação, tanto em forma quanto em quantidade de energia. A média destas cargas energéticas dão a tônica do ambiente. Se esta média tende para a euforia, o ambiente será sentido e percebido como agradável, mas se tende para a disforia, será sentido e percebido como desagradável e irritante ou, até mesmo, perigoso – e no nosso Brasil atual é o Medo a emoção que mais energiza as formas-pensamento nas nossas ruas e em qualquer cidade. A Pessoa, então, sai daquele ambiente carregada, sentindo-se “pesada” e irritadiça. Pior: muitas vezes vai acompanhada de formas-pensamento que não são suas, mas que, sendo formada por átomos na “nuvem” quântica que permeava o ambiente depressivo, foram atraídas por pensamentos similares que a pessoa trazia consigo ao adentrar o ambiente denso. 

Pessoas desesperadas, ansiosas, que não aceitam perder, geram um turbilhão atômico ao redor de si e pode contaminar outros.

Pessoas desesperadas, ansiosas, que não aceitam perder – geralmente o “amor” de alguém – geram um turbilhão atômico ao redor de si e pode contaminar outros se deles se aproximar em interação social.

Todo pensamento estimula uma reação emocional e toda reação emocional deflagra neuropeptídios, que são as resultantes químicas de nossas emoções (serotonina, dopamina, noradrenalina, adrenalina, acetil-colina, tiamina, octopamina, feniletilamina, glicina, ácido gama-aminobutírico – GABA, glutamato, aspartato e outros peptídeos que respondem às nossas reações emocionais). Uma vez que ninguém “normal” anda pela vida sem pensar e sem se emocionar, seja positivamente, seja negativamente, ao seu redor há sempre uma nuvem em redemoinho formada por átomos da “nuvem atômica” em que está permanentemente mergulhado e pela qual é permanentemente interpenetrado. Não uma nem duas vezes ouvi de muitos de meus pacientes reclamações similares a esta: “Tenho dificuldade em controlar meus pensamentos e sempre me pego pensando bobagens, tendo pensamentos de violência, vingança, fantasias de maldades contra alguém, devaneios estúpidos, persecutórios, dos quais não consigo me livrar; medos desarrazoados etc…”. Qualquer psicólogo clínico que pratique a psicoterapia terá ouvido algo semelhante de seus clientes. E a queixa destas Pessoas são a de todos, absolutamente todos, nesta Sociedade destrambelhada, violenta, desumana e consumista em que vivemos. E não pode ser diferente, pois ao redor da maioria esmagadora das pessoas “normais” há sempre uma nuvem atômica sendo magnetizada a todo momento por pensamentos e emoções que variam muito no decorrer das horas. Como a maioria das pessoas têm dilemas muito similares em suas vidas, as nuvens de pensamento-emoção tendem a se agrupar e formar “larvas” ou até “astrossomas etérico-astrais” com duração longa, que pode varia de horas a meses ou anos.

Escravo do Astrossoma do Legislativo. Tendo uma tendência Pessoal para o crime, ele foi facilmente engolfado pela força da Entidade Artificial. Agora, esperneia furioso contra o "retorno".

Escravo do Astrossoma do Legislativo. Tendo uma tendência Pessoal para o crime, ele foi facilmente engolfado pela força da Entidade Artificial. Agora, esperneia furioso contra o “retorno”.

Para os leigos esclareço que “astrossomas” são corpos artificiais, formas moldadas por átomos magnetizados pelos pensamentos das pessoas reunidas com um objetivo psíquico, seja este religioso ou não. Há, por exemplo, um Astrossoma terrível que paira sobre a Casa Legislativa brasileira. Há outro, do mesmo naipe, sobre o Senado de nosso país. As Pessoas Políticas que ali estão encontram-se sob o domínio psíquico de tais entidades artificiais mas que, nem por isto, deixam de ser terrivelmente poderosas.

Quando um astrossoma se forma pela concentração volitiva de várias pessoas reunidas em busca de Paz, Amor, Fraternidade etc… ou mesmo para orar sem histeria, em silêncio, cada qual centrado em si, a forma-pensamento grupal (astrossoma) é denominada em Teosofia e Ocultismo de Egrégora. Nos centros espíritas geridos por Ramatis ou André Luís, onde se prima pelo trabalho em silêncio e concentração boa, formam-se egrégoras positivas. A só penetração naqueles ambientes já alivia muito os perseguidos por “larvas” astrais-etéricas ou por desencarnados obsessores. Larvas são formas existentes na Natureza mesma, ou geradas pelas psiques. No entanto, é necessário que se diga, a Egrégora só tem “poder” de aliviar a Pessoa se ela tem um mínimo de vontade de buscar este alívio. Se ali está indiferente ao ambiente, é como se estivesse na rua.

Não há como praticar uma boa psicoterapia sem se levar em conta estes conhecimentos que, outrora, eram tidos como “coisa de gente ignorante e inculta” pelos pobres letrados de antanho.

I-phone, o novo Senhor das Pessoas Sociais.

I-phone, o novo Senhor das Pessoas Sociais.

As Pessoas vivem, atualmente, voltadas para o exterior e seus apelos ansiogênicos e impositivos. Há que se comprar o novo I-phone recém lançado, ainda que o anterior, adquirido há menos de seis meses, esteja funcionando perfeitamente. Há que enfeitar a sala de estar com a televisão de 60 polegadas, ultra hi-fi, ultra fina, ultra sei lá o quê mais, com som estereofônico e subwoofer de fazer tremer as fundações do prédio vizinho; há que comprar o novo computador windows 12-ultra veloz etc.. Há que trocar de carro no final do ano e adquirir um de motor mais potente – mesmo que as estradas brasileiras sejam um convite constante à morte. Mas “aparecer”, “ser notado” e admirado pelas posses são imperiosos na Pessoa. Isto diz a todo mundo que o dono destas parafernálias é “poderoso”, tem condições financeiras folgadas e se sobressai pelo modernismo e coisas similares. Na verdade, quando buscamos fundo na Pessoa, o que encontramos é uma auto-estima profundamente reduzida, uma insatisfação consigo mesma, um intenso complexo de inferioridade, um horrível vazio existencial que ela preenche desesperadamente com bugigangas eletrônicas porque já não mais saber apenas viver. E a par com isto, muitas misérias mais, a maioria estimulada e mantida pelo Mercado, que precisa desesperadamente de “escravos” de sua base de sustentação – o Consumismo.

O leitor tem muito em que pensar, se me leu com atenção. A gente se encontra na próxima aula.