Amigos, amigos, venha a nós o vosso reino...

Amigos, amigos, venha a nós o vosso reino…

Às vezes a gente espera demais dos outros. E se decepciona. Principalmente quando a gente sempre deu exemplo de companheirismo e fidelidade. O brasileiro, de modo geral, experimentou esta frustração em algum momento de sua vida. Mas a Roda da Vida gira sem parar. O chicote da vida, como bem o dizia meu finado pai, começa a bater no momento em que se nasce e só pára quando soltamos nosso último suspiro. Este chicote não é simbólico. Ele é bem concreto e geralmente tem seu cabo segurado por mãos de pessoas espertas e ligeiras como coelhos para vislumbrar chances que os demais, a grande maioria, só vislumbra depois que apanha um bocado. E aqui está o exemplo: Polititicas X Povo. Os primeiros seguram o chicote com uma velocidade assombrosa. O segundo só desperta muito tardiamente para a realidade dura: estão apanhando violentamente de gente que não tem nenhum mérito para agir como feitor.

Fizeram caridade com nosso chapéu e nós, os idosos, estamos sendo esmagados. Mas a juventude de hoje já despertou para o perigo de vir a integrar o exército de "jogados fora".

Fizeram mesuras com nosso chapéu e nós, os idosos, estamos sendo esmagados. Mas a juventude de hoje já despertou para o perigo de vir a integrar o exército de “jogados fora”.

O povo brasileiro, finalmente, despertou. Curiosamente foram seus feitores mesmos que os conduziram à abertura dos olhos e dos ouvidos. Deram-lhes o sabor de uma vida um pouco menos agra, um pouco menos amarga. Ainda que os mantendo sob rédeas curtas através de Serviços Públicos de péssima qualidade, fizeram que experimentassem a alegria de subir das Classes Sociais Miseráveis e Pobres para uma mais ou menos aquinhoada, no nosso caso, a Classe C. E tiveram o direito de ter TV última linha; tiveram o direito de ter fogão a gás; luz em suas residências; escola para seus filhos e, o melhor de tudo, casa própria. Embora tudo isto lhes tivesse sido dado como moeda de troca – você ganha isto mas fica encabrestado ao nosso Partido Político – e, pior, com o esfacelamento do Erário Público e da estrutura incipiente que o Brasil tinha começada a vislumbrar.

Os reis da Mentira. Será difícil alguém ultrapassar a marca destes dois pelintras.

Os reis da Mentira. Será difícil alguém ultrapassar a marca destes dois pelintras.

A Mentira foi a arma de cano curto usada pelos Polititicas para engabelar o povo brasileiro. E deu certo. Mas, como toda mentira, só por pouco tempo. No entanto, embalados pelo sonho de se manterem tendo benesses à vontade sem nenhum esforço para merecê-las, (como foi o caso dos “camisas vermelhas” que, aposentad-+-os pelo INSS sem terem contribuído com nenhum centavo para merecer isto, ficaram viciados em ganhar sem fazer força, dependurados na teta do Governo), os preguiçosos seguiram a vida apegados à triste idéia de que o Governo pode dar tudo por eles e para eles. Não precisam trabalhar e lutar honestamente para fazer jus ao que lhes é concedido. Não há necessidade de saber seus limites nem, muito menos, de honestidade e compromisso. A lei do Venha a Nós o Vosso Reino é a que vige entre esta gente. Ganharam este “presente” de Presidentes e Senado irresponsáveis, que, com isto, jogaram o sistema previdenciário brasileiro num atoleiro terrível e colocaram os aposentados honestos em uma situação calamitosa (e tornaram o futuro da juventude de agora muito negro com relação ao amparo à sua velhice, quando o tempo do “Condor” lhes chegar).

Este montão de gente se deixou levar pela manobra da dupla de espertalhões. Agora, a onda se inverte e só os absolutamente vendidos ou burros se colocam em apoio à Mentira e ao PT.

Este montão de gente se deixou levar pela manobra da dupla de espertalhões. Agora, a onda se inverte e só os absolutamente vendidos ou burros se colocam em apoio à Mentira e ao PT.

Poucos são, porém, os brasileiros que compreenderam que é preciso batalhar sempre, sem esmorecimento e com tenacidade e perseverança em defesa de seus direitos e de seu futuro. Poucos os que entenderam que devem-se engajar numa luta honesta, justa, em companhia de outros, para emparedar os que agitam furiosamente o “chicote da vida” sobre seus lombos. Os acomodados de hoje serão os lamuriosos de amanhã. “Amigos” meus, aos quais ajudei em momentos cruciais de suas vidas, me mostram que integram a falange dos que oram apenas o “Venha a nós o Vosso Reino”, mas de modo algum desejam fazer alguma coisa em contrapartida pelo que receberam. Estes, apanharão duramente por muito tempo, antes de despertar para o perigo que paira sobre suas cabeças. Coisas do Povão em que predomina a preguiça como cajado, a covardia como elã vital e a indolência como força. Mas o povão está acordando do grande estado de torpor em que fôra atirado por séculos de desgovernos e corrupção covarde e traiçoeira. O povão está acordando para o fato de que passar a vida dependendo dos favores de algum político é a pior coisa que se pode fazer conosco mesmo. Político não é dono de nada. Ele é somente um empregado do Povo e não lhe cabe fazer favores com o que ao povo já pertence por direito constitucional.

Em contrapartida aos do “Venha a nós o Vosso Reino”, há os que, jovens, acordam cedo para o crime de lesa-pátria que os Polititicas vêm cometendo sem qualquer punição e descaradamente. E esta juventude desperta já não mais quer passar a vida “deitada em berço esplêndido”. Por isto, vai à luta e o que vemos são eles, os jovens corajosos e conscientes de hoje, fazendo tremer as bases anacrônicas de um Sistema Político viciado, decrépito e anacrônico, que não mais tem lugar no presente revolucionário.

A Vida sempre tem um “pé de cá-t’espero” pronto para ser usado nos que preferem a omissão à ação. Se eu pudesse sacudir este grupo de acomodados e lhes mostrar os espinhos do “pé de cá-t’espero” eu o faria com todo meu empenho. Mas despertar deste estado de lerdeza só sob o Chicote da Vida.