"Não... Não conheço. Não sou eu. Não sei quem é..."

“Não… Não conheço. Não sou eu. Não sei quem é…”

O Abantesma Alienígena… O quê? Não sabe o que é isto? Bom, vou-lhe dar uma pista: tem cabeça de melancia; tem olhar de desvairado; tem nariz de anu preto; anda como uma porca grávida; balança o corpo como o Shrek e pisa como um elefante gordo. Quem é? Pelos Deuses, homem, ainda não adivinhou? Então, vou dar mais uma “dicona”: eu o chamo de Cunhão. Não, não é culhão, mas Cunhão, o aumentativo de… Isto mesmo. Até que enfim, ô! Você tá parecendo a Dilma com os discursos redigidos pelo Tiririca.

"Nós é o Rui Brabosa da Chefona, gente. Eu tô mandando..."

“Óia nóis aí na foto! Demorou, né? Nós é o Rui Brabosa da Chefona, gente. Nóis é qui manda…”

Em uma jogada de mestra desesperada e descabelada, a Desnorteada do Planalto jogou a toalha e mandou para o Legislativo o resultado da guerrinha de egos Dilma X Cunhão. Este, sem pensar no País, mas somente em um meio de se safar da PF e do “maldito” Moro que não lhe larga do pé, fez a maior bagunça numa pátria que já não está assim tão amada como pensa. Criou uma tal de pauta bomba onde mandou ver com vontade. Até um “puxadinho” imoral e insultuoso fez aprovar por seus pares imbecilizados e gananciosos, onde conteria supermercado e super-comércio só para Deputados e Senadores; cinema só para os eleitos da Fortuna e seus familiares; bares e bebidas importadas e pode-se imaginar o que mais de extravagância iria parar lá dentro. Uma despesinha de nada mais nada menos que, para início de conversa, algo em torno de um bilhãozinho. Claro que, depois de iniciada a construção desta pouca-vergonha, aditivos e mais aditivos, com enormes nacos de propinas imorais, elevariam a construção para uns… digamos, por baixo, uns dez bilhões de reais.

"Viu, Helinho? Até o aposentado ranzinza reconheceu minha tacada. Eu sei pensar, bem!"

“Viu, Helinho? Até o aposentado ranzinza reconheceu minha tacada. Eu sei pensar, bem!”

Hélio Gaspari diz que “mandar ao Congresso um orçamento com um deficit de R$ 30,5 bilhões sem dizer mais nada é uma cenografia irresponsável”. Discordo em verde e amarelo. O Mal do Gaspari é que ele é babaovo doente do FHC e de sua trupe de sem-vergonhas. Uma lástima…

Foi a primeira jogada de Mestra que a Desnorteada do Planalto pôde fazer num momentinho de lucidez, ante o fogo cerrado que Cunhão vinha disparando a torto e a direito sobre ela (e sobre todo o Brasil). É claro que o “Zorro” Moro tem mérito nisto, pois se não é ele e seu esquadrão de incógnitos da P.F., a Desnorteada do Planalto não teria tido este momentinho de lucidez e continuaria a deitar aquela falação imbecilizada que só o Tiririca poderia escrever para ela ler em público (ah, você sabia que ela, agora, tem meta? Pois é… Quem diria!).

"Cara, a Doidona do PT atacou em profundidade. Tu já soube do presente de grego que ela enviou para nós? Vai sobrar pra ti também. Te segura!"

“Cara, a Doidona do PT atacou em profundidade. Tu já soube do presente de grego que ela enviou para nós? Vai sobrar pra ti também. Te segura!”

Cunhão quase caiu da cadeira quando recebeu o calhamaço e tratou de ligar em pânico para seu cupincha na embrulhada da Lava-a-Jato. A Desnorteada do Planalto, de saco cheio com os impedimentos que o sicário do PMDB lhe pôs no caminho, embrulhou e mandou a “criança sem pai” para ele. Agora, pensou ela, o desgraçado vai ter de encontrar meio de equilibrar a balança econômica que minhas doideiras do primeiro mandado desequilibraram e emperraram. Só quero ver!

Cunhão, dizem as más línguas, chegou a se engasgar e tossiu feito um condenado, cuspindo café com baba pra todo lado, assim que leu sobre o modesto rombo que a Desnorteada do Planalto acusava na “peça” (engraçado chamar de peça um trabalho sério, do qual depende o sono de milhões de brasileiros. Mas não é de se estranhar, visto que o Legislativo Brasileiro é um teatro de horror). Do outro lado, suando frio, Renanzinho preguntou, sufocado: “De quanto é o rombo?” E quando Cunhão tartamudeou o tamanho do buraco, Renanzinho, também dizem as más línguas, quase caiu da cadeirona quente em que teima em se manter sentado, ainda que não mereça nem ficar de pé ao lado da dita cuja. E foi gaguejando que ele respondeu: “É mentira! Ela minimizou o prejuízo para evitar que nós sofrêssemos um infarto conjunto. A coisa é muito pior.  O valor é o dobro do que aí está!”. 

"São Fudêncio, pelo Amor do seu repugnante PT, nos socorre! O que vamos fazer? Isto foi golpe baixo!"

“São Fudêncio, pelo Amor do seu repugnante PT, nos socorre! O que vamos fazer? Isto foi golpe baixo!”

Cunhão empalideceu e, dizem as más línguas, amarelou, escorregou na cadeira, e, pela primeira vez, orou fervorosamente a um santo nada confiável. Bom, ele não pode mais orar ao “Senhor Jisus”, pois este anda fulo da vida com o que ele aprontou num certo templo no Rio de Janeiro.

Uma correria danada na madrugada daquele dia. Renanzinho e Cunhão ficaram reunidos a portas fechadas (dizem as donas Mariquinhas do Palácio) tentando encontrar uma saída para a enrascada. Como é que eles iam poder “salvar a pátria amada, salve, salve”, se tinham sido os dois que haviam feito o buraco em seu casco? Só havia uma tomada de decisão. Primeiro, fazer uma declaração à Nação, para que esta não estranhasse o movimento arriscado no tabuleiro cruel do xadrez político. Depois, devolver a “peça” ao Planalto com a exigência de que a Desnorteada corrigisse o valor ali constante. Enquanto isto, ganhariam tempo para encontrar um modo de sair fora dos holofotes da Imprensa, esta imprestável serviçal de Zé Ninguéns.

"Cumpãeros, chorem não. Eu vou voltar a voar e chamar a atenção desses beócios pra mim. Enrolem! Enrolem que vai dar certo! Eu garanto!"

“Cumpãeiros, chorem não. Eu vou voltar a voar e chamar a atenção desses beócios pra mim. Enrolem! Enrolem que vai dar certo! Eu garanto!”

Há, ainda, a esperança de trombetear aos quatro cantos do Brasil que a Desnorteada mentiu de novo e que ela é uma mentirosa contumaz. Por este caminho, poderão encontrar um meio de embolar e embromar e enrolar até que o orçamento seja finalmente aprovado, mas com o ônus do crime de lesa-pátria todinho sobre os ombros da velhota. Bem feito! Quem mandou uma guerrilheira de quinta categoria se meter a Governar um país do tamanho do Titanic Brasil, com mais de cem mil quilômetros de extorsões polititicas?

E vamos que vamos. Juntos, de mãos dadas e corações unidos, ponhamo-nos todos ao lado do Juiz Moro, pois eu ainda não sei qual a razão de ele não ter sido assassinado. Por muito menos, mas muito menos mesmo, um Prefeito desafeto do PT foi pras cucuias. Que Deus guarde nosso Zorro. Se ele morre, vai custar mais de dez séculos encontrar um substituto à altura e a turma da farra do boi vai lavar a égua. Deus nos livre!

Todos juntos, vamos, pra frente Brasil, Brasil,

Salve o Morão!