"Reforma fiscal? Pra que isso? Nosso bolo ainda está pequeno. Nosso amado PT necessita de um bolão maior que o da mega-sena, pois temos de sustentar nossos compãeiros venezuelanos e cubanos"

“Reforma fiscal? Pra que isso? Nosso bolo ainda está pequeno. Nosso amado PT necessita de um bolão maior que cem vezes o valor da mega-sena, pois temos de sustentar nossos compãeiros venezuelanos e cubanos”. Esqueçam esta história que nosso exército não irá permitir jamais.”

Reajuste Fiscal verdadeiro e extremamente necessário em nosso país seria aquele onde os políticos, tomados por uma excepcional crise de Nacionalismo misturado com Vergonha na Cara, muito mais Vergonha na Cara que Nacionalismo, se reuniriam não para discutir a cor do cavalo branco de Napoleão, como vêm fazendo e, com isto, escarnecendo vilmente de todos nós, mas a imoral e esmagadora carga tributária que pagamos para absolutamente nada em nosso benefício. São 10h e 05 minutos e o impostômetro marca a marca absurda de R$ 1.477.551.927.237,96 (um trilhão, quatrocentos e setenta e sete bilhões, quinhentos e cinqüenta e um milhões, novecentos e vinte e sete mil, duzentos e trinta e sete reais e noventa e seis centavos). Isto significa que os cidadãos e as empresas que produzem bens e serviços já pagaram a pesada carga tributária aproximada de R$ 8.928.021.989,88 (oito bilhões, novecentos e vinte e oito milhões, vinte e um mil e novecentos e oitenta e nove reais e oitenta e oito centavos) cada um.

Temer parece estar ensinando aos outros como farão para conduzir a Vovozona para o limbo político e seu governo a um fim melancólico.

“Epa! Me tira dessa aí! Eu só ocupo uma cadeira à espera do melhor momento para me aposentar. Já não fiz o que devia ter feito. Fui um bom polititica. Estou pronto para seguir os passos do Sarney.”

O que resultou de benefício em Saúde Pública, Infra-estrutura, Educação Escolar, Transporte e Segurança Pública decente para nós? N A D A! Mas isto é o de menos. O descontrole social ultrapassou o limite do tolerável.

A Polícia é sistematicamente criminalizada em todos os Estados brasileiros, enquanto os criminosos são ardorosamente defendidos pelos esquisitos “Direitos Humanos”. Seria rizível se não fosse trágico. 

Nós contra eles sem dó nem piedade. Camisas-vermelhas não são brasileiros. São traidores do Brasil.

Nós contra eles sem dó nem piedade. Camisas-vermelhas não são brasileiros. São traidores do Brasil.

No Rio de Janeiro a população desesperou-se e os homens decidiram que vão reagir a paus e pedras contra os meliantes juvenis que, de inocentes e fracos, só têm no mito dos idiotizados “defensores dos direitos dos bandidos”. Eu acho pouco. Os cariocas praticam muitas modalidades de Artes Marciais. Estes “artistas marciais” deviam juntar esforços e formarem uma força pára-militar, como os antigos Rangers norte-americanos, e partissem para PEGAR VIVO os pestes destrambelhados. Jogá-los no chão e lhes cortar o tendão de aquiles da perna esquerda. Quando o tendão de Aquiles é cortado, o indivíduo não mais pode correr e até para andar necessita de amparo. Às vezes, de muletas. Isto quer dizer que os de tendões “castrados” nunca mais poderiam cometer assaltos de qualquer espécie, pois a mobilidade deles estaria irremediavelmente comprometida para as fugas espetaculares. Também deveriam, por medida de maior segurança, cortar os indicadores das duas mãos, assim não poderiam empunhar nem arma de fogo nem arma branca para matar ou ferir inocentes. Marcados deste modo, eles mesmos se restringiriam ao morro onde “vicejam”, pois na cidade, onde quer que entrassem, seriam imediatamente identificados como criminosos e, logicamente, teriam as coisas dificultadas para eles.

Pau neles!

Pau neles!

Assim como os cariocas, paulistas, baianos, cearenses, riograndenses do sul e do norte, capixabas, pernambucanos, paraibanos, maranhenses, cearenses e todos os brasileiros de todos os Estados da Federação deveriam adotar este procedimento. Claro que ia crescer a população de deficientes de locomoção, mas esta deficiência é mínima e não impede que o peste possa trabalhar. Só que lhes imporá buscar trabalho honesto, visto que o Crime Organizado não vai querer aleijados em suas gangues.

Evidentemente os emproados e inúteis defensores dos direitos de bandidos iriam às TV’s chorar lágrimas de crocodilos pelos tendões partidos. Então, já que são tão solidários com a criminalidade e avessos ao Direito do verdadeiro Cidadão, cortemos seus tendões também. Assim estarão, realmente, irmanados àqueles a quem tanto defendem… rsrsrsrs… ah, ah, ah… RAR-RAR-RAR!!! Ia ser bonito, né não?

E vamos aproveitar e estender esta prática dos bons cidadãos aos maus cidadãos. Refiro-me aos camisas vermelhas de bonés de burro. Eles teriam uma opção de escolha, antes de sofrer a castração definitiva: ou perdem os tendões e os dedos-duros, ou se mandam para Cuba, para a Venezuela, para a Argentina, para a Bolívia ou pra puta que os pariu! Esta última, fica nas terras amazônicas que o Cachacinha Neném desmatou para criar bois e vacas.

Ah, seria a glória, né não?