"Cunhão! Você se danou, meu! E eu tô mais é me lixando pra sua queda. Já vai tarde, porcona!"

“Cunhão! Você se danou, meu! E eu tô mais é me lixando pra sua queda. Já vai tarde, porcona!”

“Eu vou, amor, vou-me mandar, mas não vou por meu querer!/Vocês todos hão de ver que vou fazer a Dilmona sofrer!/ Que se dane o STF e o desgraçado do PT!”

O som da melodia triste de despedida do Porca Gorda Cabeça de Melancia Nariz de Anu Preto e andar de Shrek já quase não tem mais audição. A turma de puxa-saco de safadões está saindo de fininho, pela porta dos fundos. Cada qual preocupado com as línguas afiadas e traiçoeiras dos que não estão agüentando o caldeirão da PF. Para quem viveu de caviar e vinhos caros, enfrentar uma cadeia, por mais bem trabalhada e consertada que seja, aqui no Brasil é uma verdadeira desgraça. Não é à-toa que o Pizzolato está pulando miudinho lá na Itália. Só de pensar na cela que reservaram para sua estada forçada no Hotel sem estrelas para ele, fica o dia inteiro de caganeira. Mas quem mandou fazer besteira? A Roda da Justiça, aqui, leva meio-século para rodar, mas roda. E quando roda é aquele chuááááá…

"Vai sonhando, vai! Se eu sentir que vou levar a breca, você vai comigo, pode pôr fé!"

“Vai sonhando, vai! Se eu sentir que vou levar a breca, você vai comigo, pode pôr fé!”

Deixando de lado a gozação macabra, o certo é que a boataria pelas redes sociais está no auge. Creio, mesmo, que uma bancada governista está empenhada a embaralhar qualquer notícia verdadeira, de modo a desacreditar alguma coisa que possa ter algo de verdade na informação instantânea pela internet. Ao mesmo tempo, uma outra bancada liderada por PMDBISTAS/PSDEBISTAS também deve estar furiosamente espalhando boataria, como “a Lava-a-Jato está afundando” ou coisa semelhante.

Embora sejamos, nós, brasileiros, um povo lerdo por questão genética (dizia um professor de português que eu tive ainda no meu tempo de “ginasial”, que “o brasileiro herdou a tendência ao mando, do português; a tendência à obediência servil, do negro africano; e a tendência à preguiça e ao procrastinamento das tarefas urgentes, do índio. Assim, a Nação não vai para a frente porque quando domina o gene português, o brasileiro quer mandar e ser obedecido, mas não quer fazer; se domina o gene do negro africano, o brasileiro quer servir e obedecer, mas não quer pensar; e se domina o gene do silvícola brasileiro, o cidadão quer sombra e água fresca e detesta pensar ou fazer), quando se trata da Lei de Gerson (Levar Vantagem em Tudo) o que predomina mesmo é a tendência à Ganância e à Corrupção. Nascemos corruptos, somos educados de modo corrupto, crescemos corruptos, somos estudantes corruptos e, quando entramos no mercado de trabalho, aqui imoralmente incluída a “carreira política”, abusamos do direito de ser corrupto.

O resultado desta cultura de corrupção é o que está aí. Podemos, nós, Zé Nings, atirar pedras nos Polititicas? De sã consciência, NÃO. Eles somos nós lá em cima. É triste constatar isto, mas é verdade. A nossa verdade. Esperneamos como desesperados quando um Partido Político e seus cabeções exageram na dose, como fizeram os petralhas, mas quem de nós, ocupando postos onde o dinheiro brilha diante de nossos olhos, não faríamos o que eles fizeram e continuam fazendo? Posso afirmar sem medo de errar: muito poucos. Mas muito poucos mesmo!

Ninguém escapa. Nem eu. Somos todos corrupto. Às vezes nem temos consciência disto.

Ninguém escapa. Nem eu. Somos todos corrupto. Às vezes nem temos consciência disto.

Ouvi, de um amigo, um comentário cheio de revolta: “Você já viu isto? As provas contra o Presidente da Câmara estão derramando pelas beiradas da latrina da política, mas o STF ainda hesita em aceitar a denúncia contra o ladrão!” Eu ouvi tudo, olhando escrutinadoramente e analisadoramente a expressão facial, a mímica corporal e o timbre de revolta e raiva, muita raiva, daquele cidadão. Ele era a figura do “cavaleiro justiceiro montado em seu cavalo branco defendendo a honestidade impoluta dos brasileiros”.

Mas era tudo falso.

Por detrás do cidadão revoltado havia uma “Personalidade” cheia de vícios, que talvez fizesse pior que aqueles que condena com fúria, se pudesse estar no lugar deles. Este cidadão fura fila nas casas lotéricas e olha ameaçadoramente para todo mundo, já buscando intimidar qualquer um que pense em lhe reprovar o comportamento. Ele também estaciona sua potente Ford 4X4 em locais destinados a deficientes e idosos. E ai de quem tenha a ousadia de recriminá-lo por isto. Ele avança sinal de trânsito alegando que tem pressa. Se vê oportunidade, faz conversão em local proibido e se justifica dizendo que os órgãos encarregados do trânsito só trabalham para complicar a vida do motorista… E vai por aí a fora. Mas, naquele momento, seu patriotismo capenga estava no auge da revolta. E eu me lembrei de um amigo a quem admiro irrestritamente: “Atire a primeira pedra aquele que nunca pecou”. 

Quantos cidadãos brasileiros se encontram na mesma condição que este “meu” amigo? Sou pessimista quanto a isto e creio que podemos assegurar que toda a Nação. E não me excluo, pois, vez por outra, também abuso do direito de abusar, em função da total desorganização administrativa dos polititicas empossados por nossa culpa, nossa culpa, nossa máxima culpa”. Só que, ao contrário da oração católica, não temos nenhum santo a quem pedir e rogar…

Como se vê, estamos enrolados em uma manta de pelo de carneiro e expostos ao Sol causticante em um verão enlouquecido. É um estrebuche quem puder, pois salvar-se… Nem pensar!