"Eu agüento! Eu vou-me levantar! Eu posso com todo o Brasil contra mim! Eu sou o Eduardo Cunha, o Pescoçudo!"

“Eu agüento! Eu vou-me levantar! Eu posso com todo o Brasil contra mim! Eu sou o Eduardo Cunha, o Pescoçudo Hercole Brasileiro!”

Vale a pena? Cinco milhões de dólares! Vale a pena? Eu não gosto do Porca Gorda com Cabeça de Melancia Nariz de Anum Preto e Andar de Schreck, mas estou penalizado com a infeliz situação em que ele se meteu. Não porque tenha feito algo de útil ao nosso país, muito pelo contrário, mas porque, sendo Espírita e Teosofista, fico-me perguntando: sacrificar nome, honra, dignidade, família, o respeito dos outros por miseráveis US$ 5.000.000,00 VALE A PENA?

Não é possível que alguém se venda por tão pouco. Principalmente alguém que trapaceou e foi trapaceado o quanto pôde, numa luta árdua e cruel, para chegar a um dos mais altos e distintos postos dentro da Política Brasileira. Não há político brasileiro que não tenha trilhado este maldito caminho: o da trapaça, da traição aos valores nacionais, dos conchavos de lesa-pátria, tudo para colocar os fundilhos em uma cadeira altamente desconfortável como são as do Legislativo (eu já sentei em uma, quando visitei aquela casa, e comprovei que não são nada agradáveis) .

Deputada Mara Gabrilli, cadeirante, que se esforça muito para comparecer às sessões da Câmara. Eu me pergunto como será que seu coração de mulher brasileira se sente diante do insulto lançado em seu rosto por um crápula sem ética nem moral.

Deputada Mara Gabrilli, cadeirante, que se esforça muito para comparecer às sessões da Câmara. Eu me pergunto como será que seu coração de mulher brasileira se sente diante do insulto lançado em seu rosto por um crápula sem ética nem moral.

Fico pensando se eu teria coragem de trair minha família e lançá-la na angústia de viver num país onde seus compatriotas os olharão como párias criminosos e os evitarão, tudo porque eu traí a pátria de todos nós de modo vil e covarde. E por miseráveis cinco milhões de dólares. Até o dinheiro pelo qual vendi minha alma ao diabo não é do país que eu traí, mas de outro. Que lástima!

Vale tão pouco um Deputado Federal do Brasil?

Não. Com toda a certeza, jamais eu me venderia por tão pouco. Talvez se me dessem todo o PIB Norte-Americano, somado ao PIB de toda a Europa, somado ao PIB Brasileiro, quem sabe? Ao menos eu poderia distribuir bolsas-miséria até o final da vida e ainda me sobraria muito dinheiro para minha próxima encarnação.

Mas ainda assim, creio que não valeria a pena.

É repulsivo ver como o Eduzinho (ele merece o diminutivo, já que entrou no fechadíssimo clube dos criminosos famosos para ocupar o ápice dos quadrilheiros queridinhos da Globo, desbancando até o notório Maluf) vendeu a alma ao Diabo com tanta incúria e tanto desprendimento. Mas seu crime maior foi vender as almas de seus familiares – mulher e filha (não sei se tem mais filhos). Como será que em seus corações elas se sentem em ralação àquele que devia dignificá-las? Creio que esmagadas, magoadas, envergonhadas, arrependidas, enfim, de terem sido enredadas com alguém tão imundo. Por algo infinitamente menor; por um crime que não cometeu, Tiradentes foi enforcado e esquartejado. O que deveria ser feito com este salafrário, se ainda vigorasse alguma decência na Justiça Brasileira?

"Bicho! Eu pensei que era cara de pau, mas o Cunha é cara de Pedra, P.Q.P.!"

“Bicho! Eu pensei que era cara de pau, mas o Cunha é Cara de Pedra, P.Q.P.!”

Mas não foi somente ao Brasil e seu povo que Cunha traiu vergonhosamente. E não é somente a este país que ele enxovalha, insulta e mostra, escancaradamente o quanto a blindagem dos políticos contra a Lei é insultuosa no nosso país. Mesmo com todas as provas de seu crime escancaradas ao mundo todo, a Lei Brasileira é impotente para afastá-lo pura e simplesmente do Poder da Casa Legislativa. É vergonhoso ver uma Deputada cadeirante, honesta em sua luta pelo país, Sua Excelência Mara Gabrilli, implorando para que o Cunha deixe a Presidência; abandone a cadeira à qual não mais faz jus. É mais que vergonhoso. Devia ser preso e algemado sem mais aquela. A PF devia ter o direito, em nome da Soberania Nacional, de adentrar o recinto DO POVO e arrastar o ganancioso pelo pescoço, se apresentasse resistência. Mas não. Polititica não pode nem mesmo ser algemado. E tem de continuar sendo chamado de “Excelência”. Um insulto sem tamanho a todos nós, duzentos milhões de pessoas menos uma: ele mesmo. Mas, repito, o Cunha não traiu apenas a uma nação, não. Ele, que se diz evangélico, traiu a todos os afiliados desta religião. E com isto, traiu ao próprio Yehoshua, o Jesus que os evangélicos tomam por Deus. 

É coragem demais.

E a triste e enxovalhante novela da Câmara dos Deputados continua a passar seus capítulos tétricos para todo o mundo assistir.

E nós, que temos todo o Poder nas mãos para consertar aquilo, por não nos interessarmos pela Política; por não nos engajarmos profundamente nos Partidos políticos e forçá-los a mudar seus modos de ganhar o Poder, estaremos sempre à mercê de outros Cunhões que, certamente, logo virão sentar aonde não mercem.

Quosque tandem?