"Falou em Deputado? Eu quero minha cadeira de volta, já! Esse negócio de ter sido Presidente não presta. Perdi mina segurança, minha imunidade. Agora, tenho que me virar feito minhoca em areia quente! Quero uma cadeira de Parlamentar para ontem!"

“Falou em Deputado? Eu quero minha cadeira de volta, já! Esse negócio de ter sido Presidente não presta. Perdi minha segurança, minha imunidade. Agora, tenho que me virar feito minhoca em areia quente! Quero uma cadeira de Parlamentar para ontem!”

Quando você vai votar para DEPUTADO, cargo exclusivo do Poder Legislativo, seja ele Estadual ou Federal, você os autoriza, a eles, candidatos a Deputados, a abandonarem os deveres e os trabalhos para os quais são eleitos e irem de mala e cuia tomar posse em um Ministério no Poder Executivo? Sei… Você não faz idéia, não é? Mas devia. Devia saber o que está colocando nas mãos de um estranho… Não sabe? Pois eu lhe digo: você coloca nas mãos de um estranho o Poder de determinar como você e sua família irão viver. Veja o que aconteceu porque você optou por escolher uma ideologia que desconhece profundamente, a Ideologia da Social-democracia-Comunista, e colocou nas mãos de pessoas totalmente desconhecidas suas (Lula e Dilma) o Poder de, juntamente com a trupe por eles escolhidas, definir seu futuro, o futuro de sua família e, pior, o futuro de todos nós.

"Gente, eu sou tão conhecido que até no exterior as pessoas me conhecem!"

“Gente, eu sou tão conhecido que até no exterior as pessoas me conhecem!”

O quê?! Lula não é um estranho para você? Por que? Você viveu junto com ele? Conheceu-o pessoalmente? Comungou de suas idéias? Conversou com ele longamente sobre seus planos para o Governo? Sabe até onde ele pode ser venal? Sabe o que ele é capaz de fazer diante de uma montanha de dinheiro? Sabe dizer se ele age desta ou daquela forma porque foi doutrinado intensamente em uma determinada ideologia política? Sabe dizer se ele realmente tem estofo para dirigir uma Nação de 200 milhões de pessoas que precisam desesperadamente de verdadeiros políticos em seus destinos? Não. Nem mesmo os mais íntimos o sabem. No entanto, no “Oba! Oba!” você foi às urnas e deu seu voto de irresponsável mau cidadão a um total desconhecido seu. Que lástima!

"Protesto! Ninguém é mais conhecido que eu! O Malufão das candongas paulistanas!"

“Protesto! Ninguém é mais conhecido que eu! O Malufão das candongas paulistanas!”

Ninguém pode dizer que realmente conhece um Político ou um Candidato a Político. No máximo, as pessoas se informam ou através do noticiário geral, ou através de folhetins de determinados partidos políticos que os emitem com regularidade, como é o caso do PT, do PMDB etc…

Como cidadão, se você é responsável, devia não somente se informar ao máximo sobre os candidatos que se apresentam para decidir seu futuro e o de milhões de brasileiros como você. Isto não quer dizer que você consiga conhecê-los bem. Mas informar-se sobre os candidatos que lhe parecem bons dá-lhe alguma parcela de acerto na hora do voto. No entanto, meu amigo (e as amigas estão implícitas), quanto quer apostar como no próximo pleito para Deputado, muitos dos salafrários que pululam no Planalto, hoje procurando as sombras para passar despercebidos, voltarão para aquelas cadeiras levados por pessoas “indiferentes”? Brasileiros (as brasileiras estão implícitas) que “detestam política” querendo ou não, darão seu voto aos cretinos (não no sentido da deficiência mental) que, hoje, estão às voltas com o Moro e o Supremo.

"Sai do meu pé, Diabo do PMDB! Me deixa em paz! Vai impitichar tua mãe!" "Não vou cair sozinho, vaca! Vou te derrubar primeiro!"

“Sai do meu pé, Diabo do PMDB! Me deixa em paz! Vai impitichar tua mãe!”
“Não vou cair sozinho, vaca! Vou te derrubar primeiro!”

Você sabe quais são os deveres de um Deputado Federal? Certamente que não. Mas se você se interessar algum dia a olhar “um pouquinho assim”, para a Sua Constituição, verá que ela, já no Artigo 5º, diz que:

“Todos São Iguais Perante a Lei, sem distinção de qualquer natureza”. Mas será mesmo? A meu ver, não. Na Seção V – DOS DEPUTADOS E SENADORES, na Constituição Federal de 1988, diz-se, no Artigo 53, que: “Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”. Embora eu seja Psicólogo e não Advogado, creio que aqui há uma contradição flagrante na Constituição. O Artigo 5º supracitado, para que o artigo 53 tenha validade, terá de ser redefinido e escrito mais ou menos assim:

“Artigo 5º – Com exceção dos senhores Deputados e Senadores, todos são iguais perante a Lei, sem distinção de qualquer natureza.”.

"Ai que vontade danada de meter bala nos tais eleitores! Só não faço isto por que resta a pergunta: quem vai-me eleger?"

“Ai que vontade danada de meter bala nos tais eleitores! Só não faço isto por que resta a pergunta: quem vai-me eleger?”

Se você é advogado e discorda de minha conclusão leiga, por favor, diga-o aqui e me esclareça e aos demais brasileiros que me lêem. A mim, isto parece claríssimo: foi aberta uma exceção na Lei Geral que se implicita corretamente no Artigo 5º supracitado.

Quando olhamos os deveres de um Deputado Federal, verificamos que somente dentro dos limites da Casa Legislativa a carga de trabalho que lhe é atribuída é respeitável. Então, quando nós votamos neles para o Cargo de Deputado, seja Estadual, seja Federal, eles têm uma carga de trabalho a executar que não lhe dá tempo para outras atividades “extra-curriculares”.

Por outro lado, a Constituição, em sendo REPUBLICANA, determina a Independência dos Três Poderes. Assim, não veremos jamais um Ministro do Supremo Tribunal Federal abdicando de sua função para ir ocupar a chefia de um Ministério e ser empregado do Chefe do Executivo. Devia ser assim com os políticos, também. Mas não é.

O Artigo 56 da Constituição de 1988, diz que:

“Não perderá o mandato o Deputado ou Senador investido no Cargo de Ministro de Estado“.

"Eu não sei se meu diploma é de advogado. Mas não importa. O que importa é enrolar, não é?"

“Eu não sei se meu diploma é de advogado… Mas não importa. O que importa é enrolar, não é?

Ora, os trabalhos de Ministro de Estado são específicos e, inclusive, dependem absolutamente dos trabalhos dos Deputados Federais. São as Leis por estes elaboradas que darão o norteamento das linhas de atuação dos Ministérios no Executivo (veja-se o que diz o item II do § único a respeito dos trabalhos que competem ao Ministro de Estado: “II – expedir instruções para a execução das leis, decretos e regulamentos;”). A meu ver, não é legal um Deputado ser investido em cargo de Ministro de Estado. Até porque na Seção IV – DOS MINISTROS DE ESTADO, é dito: Art. 87. Os Ministros de Estado serão escolhidos dentre brasileiros maiores de vinte e um anos e no exercício dos direitos políticos“. Aqui não se faz referência ao que ficou expressado no Art. 56,quanto a brasileiros eleitos pelo voto popular para as Casas Legislativas. Não é estranho?

Pernões da global. Mas estas pernonas já estão passando do tempo... E os polititicas, não.

Pernões da global. Mas estas pernonas já estão passando do tempo… E os polititicas, não.

Sei, sei. Eu não estou falando das lindas pernas de tal ou qual atriz global. Sei que muita gente (os “home”) preferia que eu estivesse fazendo isto. Ou, então, falando daquela barriga de tanquinho (as “muié”). Mas as lindas pernas da atriz fulana de tal e a barriga de tanquinho de fulano de tal são passageiras e, pior, também são dependentes do que fazem os Senhores Deputados (não com elas ou eles, mas com todos nós). Além disto, há milhares de pernas femininas (e barrigas de tanquinho) bem mais belas que as da tal atriz global ou do atleta X e eu estaria desrespeitando a todos se me cerceasse a somente fazer referência às ditas cujas globais ou não. Então, vamos deixar de pensar pelo entre-coxas e pensar seriamente em Política, com o cérebro dentro do crânio, pois disto depende nosso futuro imediato, mediato e a longo prazo. 

Não mais seguirei aporrinhando vocês com as entrelinhas de nossa Constituição…. Aliás, será que ela é mesmo nossa? Responda quem puder. E a pergunta tem valor, visto que estamos sendo “Desgovernados” por uma ideologia totalmente alienígena de nosso Ideal principal. Um ideal que está inserido já na descrição de nosso Estado, que diz que somos um Estado Republicano. E se somos Republicanos até nos artigos da Constituição, então, como diabo é que gente que abraça uma tal Social-Democracia-Comunista está no nosso Poder Maior?

Eu, hein!