"Hummm... Acho que ele está certíssimo..."

“Hummm… Acho que este sujeito está certíssimo…”

Uma significativa parcela (de corruptos, é bom que se frise) anda desesperada para implantar entre nós um sistema que já foi ventilado há tempos e deu errado, totalmente errado. Mas com a Polícia Federal nos seus calos e o Moro dando “mau exemplo” para a classe de juristas, a saída é pela porta do trambique: Parlamentarismo.

A maioria esmagadora dos brasileiros não faz idéia de quanto este tipo de governo é delicadíssimo e só dá certo quando os políticos têm pelo menos 60% de honestidade, o que nem de longe se configura no nosso meio social. Político, no Brasil, há séculos é sinônimo de Oligarquia, roubalheira, mentira e desrespeito à Nação. É, enfim, crime de lesa-pátria praticado sem qualquer vergonha de quem o comete.

É preciso aplicar um golpe bem aplicado nos Ladrões de Colarinho Branco. Um Golpe definitivo.

É preciso aplicar um golpe bem aplicado nos Ladrões de Colarinho Branco. Um Golpe definitivo.

Eu já disse – e muita gente também o fez – que no Parlamentarismo a figura do Presidente da República é mero adereço sem qualquer poder de decisão ou mando. Quem manda mesmo é o Primeiro Ministro. Mas dentre a safra de salafrários que temos espalhado pelas casas legislativas brasileiras, desde as vereanças até os Deputados Federais, quem tem estofo para ser um Primeiro Ministro de verdade? A resposta é: NINGUÉM. Então, meus conterrâneos, olho aberto com os que berram a todo poder que devemos implantar imediatamente o Parlamentarismo no Brasil. Esta é a porta de escape para todo bandido de colarinho branco que nossa terra, “boa em ares, de águas muitas e infindas; que em tal maneira é graciosa que, em se plantando, nela tudo dá” faz brotar aos borbotões, como antigamente brotavam as águas no agora desértico Centro-Oeste brasileiro.

"Onde é que ele fala de mim? Onde? Falem mal mas falem de mim, diabos!"

“Onde é que ele fala de mim? Onde? Falem mal, mas falem de mim, diabos!”

A primeira praga do Parlamentarismo tupiniquim (e que não é somente seu galardão) é a prática do fisiologismo, hoje tão combatido (sem sucesso) pelos que mais ou menos começam a compreender o enredo da polititica nacional brasileira. E se você não sabe o que diabos é isto, vou-lhe poupar do trabalho de ir consultar o papai Google. Segundo ele, Fisiologismo é um tipo de relação de poder político em que ações políticas e decisões são tomadas em troca de favores, favorecimentos e outros benefícios a interesses privados, em detrimento do bem comum. É um fenômeno que ocorre freqüentemente em Parlamentos, mas também no Executivo, e está estreitamente associado à corrupção política, uma vez que os partidos políticos fisiologistas apoiam qualquer governo – independentemente da coerência entre as ideologias ou planos programáticos – apenas para conseguir concessões deste em negociações delicadas. (…) “. Em resumo resumido, é a prática deletéria que nós cultivamos em nosso meio polititica do “toma-lá-dá-cá”, tão mais cultuado agora, no petralhismo governista, do que antes dele.

"Pelo Amor de São Fudêncio, protegei-me da língua viperina desse aposentado maldito!"

“Pelo Amor de São Fudêncio, protegei-me da língua viperina desse aposentado maldito!”

O fisiologismo praticado sem freios e com máxima ganância dá Eduados Cunha por todo lado. Como se dizia antigamente: vazando pelo ladrão. No caso do Presidente da Câmara dos Deputados Federais, vazar pelo ladrão é mera retórica, já que ele mesmo é o ladrão. Um dos maiores, senão o maior, que esta terra já deu de si. Li, em algum lugar, que o sujeito é judeu descendente de família sionista, assim como o Paulo Maluf. Se é vero, não sei. Mas que seu comportamento está dentro do que reza “Os Protocolos dos Sábios de Sião”, lá isto está mesmo.

- "Renan, vai sobrar pra você!" - "Já sobrou. O que ele diz é fichinha!"

– “Renan, vai sobrar pra você!”
– “Já sobrou. O que ele diz é fichinha!”

Dizer que Eduardo Cunha e sua caterva de seguidores são anarquistas é esculhambar os anarquistas, pois a Anarquia é uma ideologia política que, de certo modo, tem coerência e se volta em busca de um ideal jamais alcançável. Como ideologia libertária e profundamente individualista, o anarquismo defende a ruptura com todas as formas de autoridade política e religiosa, a negação da propriedade privada e de quaisquer outros tipos de normas institucionais que cerceiem a liberdade do indivíduo em sociedade e na esfera da vida privada. Os anarquistas defendem a ideia de que a supressão de todas as formas de dominação e opressão vigentes na sociedade moderna Democrática, Socialista ou Comunista, daria lugar a uma comunidade mais fraterna e igualitária a partir de um árduo trabalho de conscientização.

Como se pode ver, o Ideal Anarquista está longe do ideal da anarquia brasileira polititica. Nesta, prevalece o “quanto pior, melhor” (bordão adotado pela Dilma Adoidada de Mentirinha, mas aloprada de verdade).

"Pai! Meu Pai! Que país é este? Por que me mandaste para cá? Eles são loucos, Pai!"

“Pai! Meu Pai! Que país é este? Por que me mandaste para cá? Eles são loucos, Pai!”

E estamos, eu também já disse isto em outro artigo recente, entre a cruz e a caldeirinha. Podemos ecoar com os  que desejam ardentemente implantar a porta larga da fuga a que chamam de Parlamentarismo, defenestrando a Aloprada do Planalto através de um impeachment gritado nas ruas por quem nada estuda de Política. E se fizermos isto, vamos estar dependurados num abismo sem qualquer saída da situação demoníaca, pois teremos pela frente o perigosíssimo Parlamentarismo Tupiniquim ou sua alternativa, o Presidencialismo PMDbista/PSDbista, o que dá no mesmo.

"Por que tanto ódio contra nós, cidadão? Há gente muito pior. Veja, por exemplo, os doidos do E.I.!"

“Por que tanto ódio contra nós, cidadão? Há gente muito pior. Veja, por exemplo, os doidos do E.I.!”

Nossa saída, segundo minha visão, é deixar que os tubarões do crime organizado polititica se danem, primeiro. Vamos dar total apoio ao MORO e à FEDERAL, pois há forte articulação eduardista para pôr freios nos dois (com o anjo tenebroso chamado Lula dando todo apoio a este esforço, visto que São Fudêncio está nas bicas de ser desmascarado definitivamente e, também ele, ser obrigado a ir conhecer como é o Sol nascendo quadrado).

Depois, vamos às ruas exigir nova eleição para PRESIDENTE DA REPÚBLICA BRASILEIRA (somos uma República Presidencialista até mesmo pela Constituição e não cabe, ao rigor da Lei, nenhum Parlamentarismo entre nós). Mas ao irmos para as ruas, exijamos que:

"Livra minha cara, pô! Eu já deixei o Lulinha levar a breca. Não chega?"

“Livra minha cara, pô! Eu já deixei o Lulinha levar a breca. Não chega?”

a) nenhum candidato possa ser indicado sem que sua ficha corrida na PF seja mostrada claramente à Nação Brasileira. Assim, teremos 50% de chances de ter alguém que realmente seja honesto, pra varia, em nosso Poder Maior;

b) nenhum candidato seja adepto do Comunismo, do Socialismo, da Social-Democracia ou do Neoliberalismo aloprado e sem freios. Vamos exigir que os candidatos, TODOS ELES, sejam REPUBLICANOS, ou seja, defendam os ideais republicanos, já que nosso país é uma REPÚBLICA. E estes ideias são:

1 – Todos são iguais perante a Lei;

2 – Liberdade, Igualdade e Fraternidade em todo o país.

3 – Poder para a Magistratura; Autoridade para o Senado e Liberdade para o povo.

"Ah, falou de mim, Mané!"

“Ah, falou de mim, Mané!”

Nossa saída não é o impedimento da Dilma e seu desgoverno aloprado. Nossa saída também não é colocar a grande porta de escape para os ladrões de colarinho branco no Palácio de nosso Poder.

Nossa saída é eleger, mantendo o sistema Republicano, um Presidente e uma Casa Legislativa renovada, onde todos sejam ao menos,  50% honestos em propósito e patriotismo. Se ao menos houver este último, o Brasil não chegará novamente ao precipício em que foi jogado pelo desgoverno petralha.

PENSE NISTO ao decidir ir bater panelas nas ruas da cidade onde você mora.