"Eu já disse ao Lula: relaxa e goza. Você não irá pra cadeia. Eu não fui! E olha que roubei bem mais que toda a sua quadrilha."

“Eu já disse ao Lula: relaxa e goza. Você não irá pra cadeia. Eu não fui! E olha que roubei bem mais que toda a sua quadrilha.”

Estou sendo repetitivo, mas é que quando a gente se volta para escutar o que dizem os silêncios das publicações na Internet e nas revistas dedicadas a fuçar o lamaçal da polititica brasileira, fica-se com um elefante, não uma pulga, atrás da orelha. Fui deitar pensando em um milhão de publicações e reportagens que ouvi na TV e, por causa disto, meu sono foi para as cucuias. Não faz mal. Sou mesmo aposentado. Posso dormitar durante o dia (não sou de dormir de dia). Amanhã, à noite, recupero estas horas perdidas.

Vamos aos silêncios barulhentos das notícias publicadas. Não é de hoje que o Cachaça está na mira da Polícia Federal e do grupo de “Bat-Men” que trabalham incansavelmente para arrancar até a mínima radícula da gigantesca “aranha do mal” gestada nos governos passados e parida, alimentada e encravada no Poder Público Brasileiro pelos Petralhas lulistas.

"Porca miséria! Sai do meu pé com este maldito triplex! Eu já disse e repito: ele não é meu, diabo!"

“Porca miséria! Sai do meu pé com este maldito triplex! Eu já disse e repito: ele não é meu, diabo!”

Não é questão de mel. É questão de total falta de vergonha na cara e total ausência de um pingo sequer de nacionalidade, de patriotismo. Para dizer numa palavra tudo, é traição mesmo. Da mais vil. Da mais covarde. Da mais assassina de que se tem notícia na História da Humanidade.

Confesso que estou absolutamente fascinado com esta pesca ao tubarão de nove dedos. O bicho já mostrou que não cai na rede assim, com facilidade. E também já mostrou que tem uma rede de “amigos” fiéis até o absurdo. Por que será? Entre nós, fidelidade só ao time de futebol e esta, já está meio esgarçada. Será que o defunto Celso Daniel tem alguma coisa a nos contar? Será que sua partida súbita fez que os “amigos” do Cachaça se tornassem tremendamente fiéis a ele? Tem muita coisa ainda para ser esclarecida nesta muvuca em que nos metemos porque, e vou repetir isto até cair todos os meus dentes, somos irresponsáveis com nossos votos.

"Socorro! Querem me esganar! Tirem as mãos desse japonês dos diabos de meu pescoço!"

“Socorro! Querem me esganar! Tirem as mãos desse japonês dos diabos de meu pescoço!”

O certo é que o Poderoso Chefão da Máfia ficou no chinelo diante de nosso Poderoso Barbudão do ABC paulista. O bichão está tão convencido de que vai sair ileso deste imbróglio que humilha a e escarnece de toda a nação dizendo-se o homem mais honesto deste país e, quiçá, do planeta. Êta capeta, como diria velho Orozimbo. O descaramento deste “peixe graúdo” vai ao escárnio de não ligar para a inequação que sua repentina fortuna de bilhões nos coloca, ao surgir da noite para o dia de um mandato presidencial. E foi tanto dinheiro que seu filhote arrogante também foi para os píncaros da glória do Everest de ladrões brasileiros. E sobrou para a filha, para o outro filho e para netos e bisnetos do tubarão de nove dedos.

Mas diz o ditado que a mentira tem pernas curtas. Talvez o nosso Poderoso Barbudão prove o contrário. E se o fizer; se sair ileso e ainda por cima voltar a sentar sua bunda caquética na cadeira quente de nosso Poder, provará sem sombra de dúvida de que no Brasil, a Mentira Petralha tem pernas longuíssimas. Impossíveis de se acompanhar. Afinal isto é Brasil, o país que não faz por menos: a cada década assombra o Mundo com acontecimentos dos quais até o Diabo duvida.

"Não falem deste maldito triplex perto de mim! Não falem esta maldita palavra! Ela me tira o sono!"

“Não falem deste maldito triplex perto de mim! Não falem esta maldita palavra! Ela me tira o sono!”

A batalha, agora, se desenrola dentro (ou fora, não sei) de um triplex de luxo, construído sobre o calote dado em centenas de famílias do Bancoop em São Paulo. Nosso Poderoso Barbudão, que sonhava despertar manhãzinha olhando para o azul do mar de Guarujá ainda deitado em sua belíssima e confortabilíssima cama importada, não pode, agora, nem mesmo sonhar com o prédio porque tem pesadelos. Aliás, dizem as más línguas, que ele nem mesmo pode sonhar com a avenida onde se situa o prédio de seus maus sonhos. E é mau sonho porque quando o Diabo coloca o prédio diante de sua mente maquiavélica, ele logo se transforma num cubículo retangular de três por quatro, com uma caminha miserável, um “boi” com um estranho cano sobre ele e, pior, grades na janela, a qual dá para um feio muro do lado de fora daquilo. Segundo o mordomo que ainda paparica o Tubarão de Nove Dedos, quando sonha com este estranho cubículo, que tem na porta um esquisito japonês rindo demoniacamente para ele, desperta aos berros e suando em bicas. Mas já estão contratados cem psicólogos e 200 psiquiatras para combater estas estranhíssimas crises de pânico. É devido a elas que o Tubarão de Nove Dedos não mais aparece pelas ruas do Brasil, flanando livre, leve e solto, como nos velhos tempos em que ainda não tinha provado do melado, coitado.

"Eu não quero mais ouvir falar no Guarujá, diabos! Vão tomar no...!"

“Eu não quero mais ouvir falar no Guarujá, diabos! Vão tomar no…!”

Outro dia, fiquei sabendo – e não posso dizer se são invencionices das más línguas dos que indevidamente odeiam o PT, como eu -, que o nosso Barbudão está com reações de pânico toda vez que ouve ou lê o nome TRIPLEX. E para piorar, a Polícia Federal (deve ter sido idéia do diabólico japonês) deu um nome estranho a esta nova fase da Lava-a-Jato: Operação Triplo X. Toda vez que ouve ou lê isto, nosso Barbudão do ABC fica com os fios da barba eletrificados de medo. Abuticaba os olhos, estica os dedos das mãos e gagueja que dá dó. Evita os noticiários e proíbe terminantemente que se ouçam noticiários nos jatinhos emprestados em que ainda voa pelo Brasil a fora, sonhando estar voando para Marte. E não bastasse a agonia da perseguição imoral que lhe vota o peste do Moro e o japonês da Federal, ele sonha ir para Marte na companhia de Matt Damon, o qual lhe serviria de cozinheiro, copeiro, lavador de roupa, plantador de batata e informante.

Que maldade, gente. Nosso Barbudão já até emagreceu uns quilinhos e os seus amigaços lhe garantem que isto foi bom, muito bom. Suas calças não estão “despencando”, como ele diz, nervoso. Estão mostrando que sua silhueta ficou belíssima,  atualíssima. Mas todos os esforços dos puxa-sacos não convence nosso homem maravilha.

Se você aceitar o triplex do Lulaça, receberá com ele uma academia particular com belíssima vista aérea do mar. Que tal? Quer tentar?

Se você aceitar o triplex do Lulaça, receberá com ele uma academia particular com belíssima vista aérea do mar. Que tal? Quer tentar?

Ele e sua família abdicaram terminantemente do tal triplex. Estão dispostos a dá-lo de papel passado e com um depósito bem gordo na conta-corrente daquele que o aceitar como seu. E, sendo o homem mais honesto do planeta, nosso Barbudão Acossadão promete que, tão logo se livre do maldito triplex, irá viver eremitamente numa ilha paradisíaca comprada com o dinheiro da Petrobrás a que fez jus, depois de tanta perseguição injustificada, meditando em quantas maravilhas deixou de adquirir por causa da perseguição que lhe moveu o PSDB aliado ao PMDB.

Como se os êmulos e os cabeças destes dois antros também não estivessem saltitando miudinho e acendendo velas para todos os santos de todas as religiões, pedindo que Moro e o japonês da Federal fiquem satisfeitos em pescar nosso peixão petralhista.

Não ficarão. Eu já soube, a boca pequena, que ambos adoram pescar em alto mar…