Isto ainda é o holocausto. Não de judeus, mas de outros irmãos humanos, o que não faz diferença.

Isto ainda é o holocausto. Não de judeus, mas de outros irmãos humanos, o que não faz diferença.

Quando os hebreus se viram atacados violentamente pelos nazistas alemães, que ameaçavam a se espalhar pelo mundo através de sua ideologia terrífica, o mundo todo se uniu contra eles e defendeu com unhas e dentes um povo que estava na iminência de ser extinto. O tempo passou, os judeus se espalharam pelo mundo, assenhorearam-se dos bancos em todos os países, assim como da maioria de seus órgãos de imprensa, e fizeram fortunas, como os Rothschilds e os Rockefellers, os trilionários do mundo capitalista. A história dos Rockefellers na América do Sul é de pasmar, tamanho foram os crimes de genocídio praticados contra tribos indígenas nesta região, inclusive no Brasil, como é exemplo a tribo dos cintas largas, que tiveram uma totalmente extinta.

Agora, a Síria precisa desesperadamente de ajuda humanitária. Trilionários judeus, como os dois acima, não se movimentam e não há uma única referência a qualquer deles se movimentando para ajudar os novos perseguidos da modernidade feroz em que vivemos. Milhares morrem afogados tentando escapar dos tresloucados em nome de um Deus totalmente aberrante. Milhares morrem de fome perambulando pelas terras européias e centenas vêm dar com os costados aqui, no Brasil, país em que o próprio povo está chegando ao fundo do poço, graças a uma perversa governança do Mal que, por total responsabilidade dos governantes anteriores, foram perdendo o que tinham de melhor em sua formação: a Educação Escolar.

Sim, são errantes e desesperados. Mas como os judeus, eles também não abandonam suas crenças arcaicas, o que os faz, agora, detestados pelos que inicialmente lhes estenderam as mãos.

Sim, são errantes e desesperados. Mas como os judeus, eles também não abandonam suas crenças arcaicas, o que os faz, agora, detestados pelos que inicialmente lhes estenderam as mãos. No entanto, não vão abandonar as crenças  arcaicas milenares que os emburrece.

Provavelmente será assacado contra os sírios transformados em “judeus errantes modernos” o fato de que levam consigo, para onde forem, o condicionamento feroz de sua religião caquética, ultrapassada e arcaica. Por isto, é “perigoso” dar a mão a tal gente. E certamente assacarão contra os migrantes o ocorrido na Alemanha, onde, depois de se sentirem seguros, os homens passaram a atacar as mulheres, a estuprá-las e a cometer atos de violência contra elas, já que na religião pela qual foram hipnotizados, mulher não tem qualquer valor. Mas será que os hebreus eram diferentes deles? Ou foi a guerra e extermínio de milhões de hebreus em fornos crematórios que os levou a rever parte (pequena, é verdade) de seu treinamento religioso?

Judeu não ataca mulheres goins porque elas “são inferiores” e eles nunca, em tempo algum, se sujariam tocando em alguma. Bom, do ponto de vista da sociedade acolhedora isto é um alívio. Mas será que é bom que um povo de costumes estranhos se abrigue dentro de outra sociedade e ali crie um Estado dentro do Estado? Não creio que seja. Mas o que fizeram os que lutaram a favor deles? Tão logo cessaram os ecos da segunda grande guerra, os países trataram de lhes dar um pedaço de terra do deserto árabe e os mandaram para lá, obrigando os naturais do lugar a engolir a pílula amarga. E a guerra sangrenta, agora perpetrada pelos antigos perseguidos dos nazistas, foi deflagrada contra os palestinos que, até hoje, morrem aos milhares sob a mão de ferro hebraica, sem que nenhum de seus dirigentes sejam levados a julgamento por crime contra a humanidade. Por que? Talvez os trilionários que vivem fora do pequeno território tomado aos árabes pressionem os governos dos antigos salvadores a se curvarem, senão…

Eles não mudaram após três séculos. E o por isto suas dores e sofrimentos seguem sem fim.

Eles não mudaram após três séculos. E o por isto suas dores e sofrimentos seguem sem fim.

Muçulmanos não têm os escrúpulos hebraicos quanto a mulheres de outras etnias. Tem aquilo? Então, tá de bom tamanho. Mas se os judeus compreendessem a KABALAH não agiriam como agem. Também eles estão cegos pela religião arcaica dos velhos rabis contra os quais Yehoshua se bateu. Não é através da ganância e do apego ao que nada vale, embora contenha em si a magia da fascinação, que conquistarão a Terra Prometida, pois ela não é este planeta. Eles nunca compreenderam isto. A humanidade, incluindo aqui judeus e sírios, árabes e europeus, sul-americanos, africanos, asiáticos e todos os povos da Terra, a humanidade, repito, somente alcançará a felicidade aqui e após isto aqui, quando capitularem diante da Lei Verdadeira, a Lei da Fraternidade. Ou nós nos temos como irmãos, ou não seremos “salvos” de nós mesmos. E esta salvação não virá de Jeovah, nem de Alá, nem de Deus nem de ninguém além de nós mesmos. Judeus e Árabes, adoradores de Jeovah ou de Allah, tomem juízo. Nenhum de vocês levará absolutamente NADA quando chegar a hora da partida. Trilhões de dólares ou de qualquer moeda; toneladas de ouro ou prata ou qualquer jóia que se pense de valor, ficarão para trás independente da agonia daquele que está de partida. Usura só leva a sofrimento. Fraternidade leva ao compartilhamento e este, à alegria e à felicidade. Somos todos UM com o Grande Arquiteto. Temos o livre arbítrio espiritual, mas também temos a responsabilidade, que será cobrada de nós mesmos por nós mesmos e por ninguém mais, pelo que fizermos de prejudicial ao nosso irmão ou à comunidade humana, como acontece com os Rothschilds e os Rockefellers. A morte física não põe fim a nada, meus caros egoístas. Apenas leva à Consciência Espiritual e esta não deixa um centil para trás.

Reflitam. Ajudem os Sírios a permanecerem em suas terras. Combatam a cegueira dos muçulmanos radicais. Cooperem com alimento, comida, roupa, remédio… com ajuda de qualquer espécie que seja possível para mantê-los em seus territórios. Fora de lá, são párias que não vão compreender o modo de vida mais avançado que o que ainda levam, mas nem por isto os condenam ao desprezo de seus iguais. E se necessário for empregar a força bruta com total violência contra os já perdidos para tudo e para todos, então, ajudem neste esforço global. Assim, sim, o Jeovah que deve velar pela nação de vocês pode, quem sabe? aliviar suas dores e sofrimentos que se prolongam século após século, sem tréguas e sem descanso.

Que tal refletir sobre isto?