NOSSA LÍNGUA AGONIZA (VI)

1 Comentário

UM POUCO DA POLÍTICA TERRORISTA DE NOSSO DIA-A-DIA.

Impunemente o assaltante aponta uma arma para a cabeça de uma pessoa desprevenida.

Impunemente o assaltante aponta uma arma para a cabeça de uma pessoa desprevenida.

A televisão mostra jovens vestidos simplesmente como um plebeu de classe C entrando em bancos e correios portando um trintoitão. Sem qualquer temor e sem qualquer precaução, apontam a arma engatilhada para a face de qualquer funcionário que esteja diante de si e exigem dinheiro. E não dê, pra ver o que acontece. Depois, sem ligar para qualquer precaução, saem levando o produto de suas violências como se tivessem praticado algo “natural”, algo normal”. E é.

Você se espantou que eu tenha afirmado que ser assaltado é normal? No BRASIL dos corruptos terroristas políticos, É SIM. Eles continuam distanciados de nós, os eleitores. Continuam acreditando que estão acima da Lei e da Constituição. E continuam batalhando para sustar qualquer movimento da Justiça no sentido de lhes tolher a liberdade imoral que se concederam à sombra da ignorância política dos brasileiros. Por isto, ser assaltado no Brasil é natural. E ser morto, também. É… Você não gostou. Mas pense em como andamos em matéria de Polititica e você concordará comigo. Pergunta crucial: Por que o Congresso Nacional não revê a Lei da Audiência de Custódia? Seu fundamento básico pode ser encontrado no artigo 7.5 da Convenção Americana de Direitos Humanos (CADH), que diz: “Toda pessoa presa detida ou retida deve ser conduzida, sem demora à presença de um juiz ou outra autoridade autorizada por lei a exercer funções judiciais e tem o direito de ser julgada em um prazo razoável ou de ser posta em liberdade, sem prejuízo de que prossiga o processo. Sua liberdade pode ser condicionada a garantias que assegurem o seu comparecimento em juízo”. Mais

TERRORISMO É UM BUMERANGUE – SEMPRE RETORNA

Deixe um comentário

O espiritismo é fechado para o Brasil Político. Seus praticantes vivem "no mundo da lua" neste quesito. Como os evangélicos fanáticos, acreditam que sua doutrina os salvará dos efeitos da Má Política.

O espiritismo é fechado para o Brasil Político. Seus praticantes vivem “no mundo da lua” neste quesito. Como os evangélicos fanáticos, acreditam que sua doutrina os salvará dos efeitos da Má Política.

Dizem os adeptos do Espiritismo que o que se faz de bom ou o que se faz de mal sempre retorna de alguma forma para nós. A mesma coisa diz a Bíblia, na sentença: “Porque eu sou um deus zeloso, que pune os pais nos filhos até a terceira e quarta gerações”. Esta oração, que causa grandes discussões sobre a Bíblia ratificar a idéia da transmigração do Espírito (comumente chamada de reencarnação), também confirma a idéia do retorno da ação boa ou má sobre aquele que a executou. Seja como seja, no tangente ao Terrorismo, vê-se claramente que uma ação má sempre traz de retorno ao que a pratica uma ação contrária que tende a ser igual em sentido e força e oposta em direção.

Particularmente creio, por meus estudos em Teosofia e afins, que na Natureza nada se cria, nada se perde; tudo se transforma. Se praticamos uma má ação, que traz prejuízo moral, ético, financeiro, emocional ou psicológico a alguém ou a uma comunidade (parente, vizinho, rua, bairro, Município, Estado da Federação ou à Federação mesma) os resultados de nossa ação nos volta de algum modo e nos faz experimentar o mal que criamos, ainda que transformado de tal modo que dificilmente podemos perceber seu retorno. A mesma coisa acontece em se tratando de uma ação meritória. Um dia seus efeitos retornarão a nós que lhe demos início.

Mas no Terrorismo Político Brasileiro é que encontramos o exemplo mais gritante do ditado que afirma que “quem planta ventos colhe tempestade” ou a comprovação da sentença do Rei dos Reis: “os maus por si se destroem”. O retorno aqui, nos últimos anos, tem sido do tipo vapt-vupt. Ou seja: fez, recebeu. E não é para daqui a perder de vista, como já foi nos séculos passados. É imediato. Mais

NÓS NÃO TEMOS ATAQUES TERRORISTAS? ME ENGANA QUE EU GOSTO!

Deixe um comentário

Sou um homem que viveu intensamente a vida. Não tenho mais sonho algum. Os que vejo e neles sou inserido por injunções de vida, pertencem aos meus filhos. Não são meus. Ajudo-os no que posso, mas sem qualquer vibração minha. Estou no arquivo morto da vida...

Sou um homem que viveu intensamente a vida. Não tenho mais sonho algum. Os que vejo e neles sou inserido por injunções de vida, pertencem aos meus filhos. Não são meus. Ajudo-os no que posso, mas sem qualquer vibração minha. Estou no arquivo morto da vida… E se quer saber, sinto-me ótimo!

As nossas Mídias televisivas e escritas nos dão a ilusão de que no Brasil não há terrorismo. Fazem que acreditemos que terrorismo tem um padrão e segue uma cartilha. Mas eles sabem que não é assim. Dentro de muitas casas de brasileiros, um pai que bebe, tem pouca instrução e tendência de Identidade à violência, pratica terrorismo tanto no que diz respeito à sua mulher, batendo nela e ameaçando matá-la, quanto no que diz respeito às filhas e filhos que com ela tenha. Às filhas, abusa e estupra, obrigando a que fiquem caladas sob ameaças várias; aos filhos, agride-os sem qualquer motivo, talvez até porque existem e ele odeia a presença daqueles olhos inocentes, já apavorados com o mundo dos adultos, do qual o miserável é o representante vivo na família. Isto é TERRORISMO. E isto acontece às centenas, diariamente, em nosso país.

Esse terrorismo, contudo, é considerado somente “violência familiar” e só levado mais a sério quando acontece a morte de um dos membros impotentes e escravo do assassino tresloucado ou transtornado. Aí, a Mídia televisiva vem sobre a família como abutre famélico. Precisam dar a notícia. Eles vivem disto: notícia. Bem colocada e bem comentada consegue o prêmio mais desejado pelas redes de TV: AUDIÊNCIA. Se a desgraça da família aumenta o IBOPE da emissora, ótimo. Dada a notícia daquela desgraceira é passar correndo para outra. E outra. E outra mais… Nossas emissoras de TV’s parecem abutres famintos. A cada boa notícia que dê, mil más notícias são necessárias. Afinal, nós nos tornamos abutres de nós mesmos, graças ao condicionamento desumano que sofremos de parte das televisões. Os repórteres precisam falar algo a respeito de qualquer desgraceira, mas nunca dizer que aquilo é terrorismo. Não pegaria. “Violência familiar” é melhor e mais “palatável”. A dor daquelas pessoas, explorada, exposta no ar não interessa. Seus rostos em lágrimas ainda acendem uma pequena chama de piedade no expectador? Ótimo! É o que se deseja. E como em um mundo da velocidade estonteante, onde as notícias mórbidas chovem do céu como tempestade, é preciso voar depressa para outra e outra e outra… Interessa apenas a notícia e o que seja possível falar sobre ela de modo a excitar, ainda que momentaneamente, o expectador. Afinal, vivemos em um mundo antenado, onde a notícia mal chega e já é passado. A dor humana só tem valor enquanto pode dar lucro. ponto final. Mais

TERRORISMO: POR QUE? EM NOME DE QUÊ?

Deixe um comentário

Terrorista estúpido

“Eu me imolei, mas consegui mais adeptos do que o tal Jesus de vocês. E viva a Violência gratuita”.

Tenho escrito muito sobre a maravilhosa vida de Yehoshua. Ele não cativa muito. Embora se diga que o Brasil é um país de cristãos, começo a pensar que tipo de cristianismo vige entre nós. Vin Diesel, um dos mais furiosos propagadores da violência inútil, tem mais fãs que Ele. O terrífico produto de uma mente doente e conhecido como 007, então, nem se fala. É um Deus fabricado pela Violência estúpida cinematográfica? Então adquire imediatamente milhões de seguidores. Talvez os tresloucados suicidas-assassinos que se dizem praticantes do Islã consigam mais adeptos que o Salvador. Irônico… Será que o cinema norte-americano, onde os atores se esmeram em viver pelo pênis de aço com orgasmos de chumbo, tem a responsabilidade por isto?

Divagando um tiquinho, particularmente eu creio que quanto mais o ser humano banaliza o ato mais sagrado que Deus nos deu, a cópula, mais desesperado fica em seu íntimo por esta prostituição estúpida. Sem a sacralização do coito amoroso a família se desagrega. As mulheres se tornam mais promíscuas que os machos de nossa espécie. Com a “liberdade de ter orgasmos” sem a preocupação com gravidez indesejada, elas se atiraram numa competição totalmente imbecilizada: saber quem tem mais camas de motel nas costas, enquanto os homens pelejam para se medir pelo tamanho do pênis e pela suposta e totalmente errada ilusão de saber quem mais fez mulheres gozarem dominadas por eles. Quanta estupidez! Maior que esta, só os suicídios dos tresloucados. E eu me pergunto: os que analisam o terrorismo mundial estão levando em consideração esta frustração global no ato mais delicado da vida humana? Pois que há um componente sexual (frustrado) nos suicidas assassinos, há sim. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CVII): YEHOSHUA OBRA MAIS UM MILAGRE PÚBLICO NA PALESTINA.

Deixe um comentário

Judas observava sempre muito atento tudo o que seu Mestre fazia. Havia nele algo que o intrigava.

Judas observava sempre muito atento tudo o que seu Mestre fazia. Havia nele algo que o intrigava.

Judas caminhava calado e assim chegaram à casa do construtor Jeremias. Ele era idoso, cabelos brancos e tinha sido companheiro do pai de Yehoshua em trabalhos de construção, quando aquele era vivo. Os dois, discípulo e mestre, foram recebidos com alegria pelo homem e sua esposa. Agora, eram somente eles em casa. Seus oito filhos haviam casado e alguns até haviam ido morar em Jerusalém. Os dois tiveram os pés lavados, de conformidade com os costumes hebraicos, e logo estavam sentados conversando alegremente sobre as viagens de Yehoshua, motivo pelo qual não mais estivera por ali. O Mestre explicou que, agora, pretendia ficar mais tempo na agitada cidade de Cafarnaum. Iscariotes mantinha-se monossilábico e buscando sempre não ser notado pelas alegres filhas de Jeremias. Sua fama também era conhecida por aquelas paragens. Tinha certeza de que aquelas pessoas o tinham reconhecido, embora, educadamente, nenhuma tivesse dito nada a respeito.

Era a quarta hora daquele dia quando Jeremias convidou Yehoshua e Iscariotes para irem à feira. Precisava comprar mantimentos e teria a maior alegria de ser acompanhado pelo seu amigo e o companheiro deste. Com alegria os dois, Jeremias e Yehoshua, se puseram a caminho. Judas ia com eles, mas em silêncio. Parecia até que não era notado pelos dois tagarelas que conversavam e riam desinibidamente. Mais

CONHECE-TE A TI MESMO E, SÓ DEPOIS, PODERÁS COMPREENDER TEU PRÓXIMO (VII)

Deixe um comentário

Falei sobre ser a Identidade como uma corda. Não sei se você foi capaz de compreender esta comparação. O que eu quero dizer é que durante nosso crescimento como pessoa social, individualizada, vamos desenvolvendo a capacidade de APRENDIZAGEM de um modo tão profundo que até hoje a Psicologia não chegou a abordar o assunto totalmente. Aliás, como tudo nesta Ciência. Ela puxa uma ponta e… Lá se vem um Everest.

Como se faz uma corda? Vários fios finos são enovelados sobre si mesmos e formam um cordão que, juntados a outros cordões igualmente assim formados, dão o cabo ou a corda. Pois bem, nós temos vários fios que deverão ser enovelados sobre si mesmos para, depois, na maturidade, dar o que nós compreendemos por Identidade. Um fio é a Educação Familiar, onde a futura pessoa social aprende os fundamentos educacionais que a inserirão correta ou erradamente no meio social em que se encontra inserido. Outro fio é o da Educação Escolar, que informará o futuro cidadão sobre o Conhecimento científico adquirido pela humanidade nas mais variadas áreas de interesse, observando o desenvolvimento maturacional da futura pessoa social. Outro fio é o do Companheirismo, que desenvolverá o gosto pela participatividade ativa, direcionada para tais ou quais objetivos sociais, como esportes, conhecimento cultural (música, pintura etc…), exploração do ambiente (espeleologia, montanhismo, paraquedismo etc…). E assim sucessivamente.

Cada um destes fios enovelados, isto é, prenhe de experiências específicas, algumas gratificantes e outras decepcionantes, se junta aos outros e, juntos, formam o que eu denomino de Identidade. E é identidade porque não há ninguém que tenha tais fios igualmente desenvolvidos e vivenciados por dois ou mais cidadãos.

É justamente em função destes “fios” que uma Pessoa tem várias maneiras de enfocar um mesmo tema, uma mesma vivência, tornando sua visão do assunto algo singular, único. Mais

NOSSA LÍNGUA AGONIZA (V)

Deixe um comentário

EU, A PSICOLOGIA E A TRANSCENDENTALIDADE DO SER HUMANO

Eu sorrindo

“Decifra-me ou te devoro”. No que me diz respeito estou às voltas com este enigma até hoje.

Vou introduzir aqui, um pouquinho sobre o que faço relativamente à Psicologia. Andei dando uma parada neste tema para tocar outros. Lidar com vários temas é como jogar em dois, três, quatro ou cinco campos de futebol simultaneamente. A gente termina por deixar fios soltos. Exemplo disto é a Saga de Campo Maior, a Guerra dos Jenipapos, e, de certa forma, a história de minha árvore genealógica no Piauí. Ficou arquivada por um longo tempo, mas pretendo retomá-la dentro em pouco. Neste momento, vamos retornar à Psicologia. Vez que outra, em posts passados, escrevi sobre a Ciência que me fascinou quando eu andava entrando e saindo de faculdades sem encontrar uma que fizesse vibrar meu Eu interior. Mas fui deixando de lado o fio da meada para tomar outros e com isto a Psicologia ficou no arquivo. Mas ela sempre foi a base de minha vida, nesta Vida. Tentei várias outras Ciências, mas não me enquadrei em nenhuma. As Matemáticas, então, foi um desastre. Depois de um trauma no segundo ano do antigo Científico, fiquei atravessado com esta Ciência. E fui tentando e tentando até quando dei de cara, mesmo que acidentalmente, com a Psicologia e foi paixão à primeira vista. Eu nunca mais abandonei este ramo da Ciência Pragmática humana. Claro que, como sempre aconteceu comigo, nunca me ajeitei totalmente com esta Ciência, visto que ela tem uma vertente muito forte do materialismo estéril – e o behaviorismo é o exemplo mais intenso disto. Como sou espiritualista e tenho vivido experiências além do corpo físico, bato de frente com esta tendência da Psicologia de se prender ao estreitismo” do Materialismo estúpido da Ciência dos Homens ou como certamente diria Yehoshua, a Ciência da Alma, visto que Ele entendia a Alma como o que nós chamamos, hoje, de Personalidade. Esta, finda com a cessação da vida na carne. Já o Espírito, não. Ele simplesmente se transmigra de um envoltório carnal para outro. E se todos vivessem as incríveis experiências extra-corpóreas que eu vivenciei e ainda vivencio, veria que a Vida depois da Vida é tão real como o automóvel em nossa garagem. Mesmo assim, todas as Teorias Psicológicas ou Comportamentalistas são fascinantes (os comportamentalistas a rigor não são psicólogos, visto que não estudam a Psiquê, mas sim a manifestação desta, que é o comportamento manifesto). Erram quando seguem os passos da Medicina do Corpo e tentam reduzir o Espírito à Alma ou, pior, esta ao corpo orgânico. De qualquer forma, é a Única Ciência das ditas Humanas que mais se aproxima do que há de maravilhoso nas sombras de nossas existências.

Agora, vamos para o que é chato. Mais

Older Entries