Sou um homem que viveu intensamente a vida. Não tenho mais sonho algum. Os que vejo e neles sou inserido por injunções de vida, pertencem aos meus filhos. Não são meus. Ajudo-os no que posso, mas sem qualquer vibração minha. Estou no arquivo morto da vida...

Sou um homem que viveu intensamente a vida. Não tenho mais sonho algum. Os que vejo e neles sou inserido por injunções de vida, pertencem aos meus filhos. Não são meus. Ajudo-os no que posso, mas sem qualquer vibração minha. Estou no arquivo morto da vida… E se quer saber, sinto-me ótimo!

As nossas Mídias televisivas e escritas nos dão a ilusão de que no Brasil não há terrorismo. Fazem que acreditemos que terrorismo tem um padrão e segue uma cartilha. Mas eles sabem que não é assim. Dentro de muitas casas de brasileiros, um pai que bebe, tem pouca instrução e tendência de Identidade à violência, pratica terrorismo tanto no que diz respeito à sua mulher, batendo nela e ameaçando matá-la, quanto no que diz respeito às filhas e filhos que com ela tenha. Às filhas, abusa e estupra, obrigando a que fiquem caladas sob ameaças várias; aos filhos, agride-os sem qualquer motivo, talvez até porque existem e ele odeia a presença daqueles olhos inocentes, já apavorados com o mundo dos adultos, do qual o miserável é o representante vivo na família. Isto é TERRORISMO. E isto acontece às centenas, diariamente, em nosso país.

Esse terrorismo, contudo, é considerado somente “violência familiar” e só levado mais a sério quando acontece a morte de um dos membros impotentes e escravo do assassino tresloucado ou transtornado. Aí, a Mídia televisiva vem sobre a família como abutre famélico. Precisam dar a notícia. Eles vivem disto: notícia. Bem colocada e bem comentada consegue o prêmio mais desejado pelas redes de TV: AUDIÊNCIA. Se a desgraça da família aumenta o IBOPE da emissora, ótimo. Dada a notícia daquela desgraceira é passar correndo para outra. E outra. E outra mais… Nossas emissoras de TV’s parecem abutres famintos. A cada boa notícia que dê, mil más notícias são necessárias. Afinal, nós nos tornamos abutres de nós mesmos, graças ao condicionamento desumano que sofremos de parte das televisões. Os repórteres precisam falar algo a respeito de qualquer desgraceira, mas nunca dizer que aquilo é terrorismo. Não pegaria. “Violência familiar” é melhor e mais “palatável”. A dor daquelas pessoas, explorada, exposta no ar não interessa. Seus rostos em lágrimas ainda acendem uma pequena chama de piedade no expectador? Ótimo! É o que se deseja. E como em um mundo da velocidade estonteante, onde as notícias mórbidas chovem do céu como tempestade, é preciso voar depressa para outra e outra e outra… Interessa apenas a notícia e o que seja possível falar sobre ela de modo a excitar, ainda que momentaneamente, o expectador. Afinal, vivemos em um mundo antenado, onde a notícia mal chega e já é passado. A dor humana só tem valor enquanto pode dar lucro. ponto final.

Este animal humano não sabe o que fazer com uma gleba de terra brasileira maior que a França e a Inglaterra juntas. Então, derruba as árvores e planta.... Capim!

Este animal humano não sabe o que fazer com uma gleba de terra brasileira maior que a França e a Inglaterra juntas. Então, derruba as árvores e planta…. Capim!

Nós, no Brasil, vivemos sob um constante e persistente clima de terror. Mas há muitos outros exemplos mais. E muito piores. Por exemplo: um corruptor deseja uma gleba gigantesca de terra brasileira. Algo como a enorme gleba que a corrupção deu ao Lulinha, que cabe dentro dela quase inteirinho todo o território da França. Aquela gleba de terra brasileira era cheia de uma riquíssima floresta. Uma floresta que nos ajudava a ter um clima ameno, temperado, com chuvas ricas e equilíbrio no plantio e na colheita das lavouras. Mas gente como o Lulinha, burrão de pai e mãe; irresponsável até não poder mais; ganancioso e apegado furiosamente aos bens materiais que seu pai, enquanto metalúrgico, nunca lhe pôde dar, não está nem aí para o Brasil nem para os brasileiros. Afinal, ele não mais se considera isto. É alguém de Cuba, da Venezuela ou da Rússia, menos desta “terrinha de merda” e muito menos ainda deste “povinho cretino”. Então, de posse de um território vastíssimo, gente como ele não pensa duas vezes: manda derrubar as árvores; desertifica a terra e manda plantar capim. Muito capim. Quase uma França de capim. Tudo para alimentar vacas e bois, pois o sonho oligárquico de todo fazendeiro burrão é criar gado, comprar um cavalo de raça, um jipe potentíssimo, um avião, um sítio em Atibaia, SP, e um apartamento enorme em algum lugar também em SP, e um iate. Ah, sim: abrir uma conta secreta num banco em algum paraíso fiscal. Pronto. Quando consegue isto o desgraçado está felicíssimo. 

"É mentira! É mentira! É mentira! Vou gritar até cair: é mentira! Sou a alma mais honesta deste país!"

“É mentira! É mentira! É mentira! Eu vou gritar e gritar até cair: é mentira! E de novo é mentira! Sou a alma mais honesta deste país! E meu filho é um gênio das finanças! Nós não temos culpa da França ser merreca!”

Só para você fazer idéia da enormidade de terras que foram doadas pelo paizão, através de trambiques, ao filhinho miraculoso: 70 mil alqueires da fazenda Santa Barbara, em Marabá e Cedro; mais 90 mil alqueires em São Roberto; mais 35 mil alqueires na Vale do Sereno; mais 27 mil alqueires na Matão; mais 15 mil alqueires no Xingu. Como você não faz idéia de quantos é isto tudo em metros, calcule. Um alqueire do Norte do Brasil é igual a 27.255 m2.

Agora, some:

(70.000 X 27.255 m2) + (90.000 X 27.255 m2) + (35.000 X 27.255 m2)+(27.000 X 27.255 m2) + (15.000 X 27.255 m2) =… 

A Área territorial da França é de 643.801 km2. Faça as correspondências e caia de quatro de espanto.

Isto, esta ação corrupta do ex-Presidente do Brasil, é terrorismo! Toda a dinheirama desviada para contas no exterior ou para a lavagem através de compras das mais diversas, solapando a Saúde Pública; impedindo obras viárias de infra-estrutura; sabotando a construção e a compra de equipamentos para hospitais públicos; parando a construção de universidades com bons equipamentos de pesquisa etc… Tudo isto é puro TERRORISMO. E do mais danoso que há. Compare a quantidade de mortos numa explosão suicida de micro-terroristas na França, com a enormidade de mortes DIÁRIAS que acontecem no nosso país pela total desídia dos polititicas como o Lula e a Dilma, só para citar os que estão na moda e no olho do furacão. Isto, sim, é TERRORISMO.

O bom terrorismo não precisa de armas nem de explosões espetaculosas. Isto é coisa de cineminha chinfrim “roliudiano”. O bom terrorismo se pratica aqui, na republiqueta de banana chamada Brasil.

Entendeu ou quer que eu desenhe?