HOME, IXPRICA PRO MEU NETIN O QUI É ESSE NEGÓÇO QUI A FESSORA DELE PEDIU PROS ALUNO DELA.

Deixe um comentário

Fungo

Um bonito fungo roxo.

Arthurzinho subiu as escadas de minha varanda e se atirou em meus braços, com aquele seu sorriso de alegria e de quem está de bem com a vida, como se não tivesse dilemas em seu dia-a-dia. Estava bem crescido para seus dez anos, quase onze. Atrás dele vinha seu avô com aquele gingado próprio dos capoeiristas velhos que nunca deixaram de jogar a Capoeira. Era muito raro o moleque de meu amigo vir aqui em casa, de modo que eu me senti muito alegre em vê-lo. Retribuí o abraço caloroso com outro de igual carinho.

Um belíssimo fungo amarelo.

Um belíssimo fungo amarelo.

Depois do café amargo e de um papo descontraído sobre a vida alegre e cheia de agitação do netinho de meu velho amigo, o garoto me estendeu seu caderno de deveres de casa. O último, o que os tinha trazido até mim, pedia que Arthur desse as diferenças entre os tipos de governos possíveis de serem adotados num país e indicasse qual era o regime do povo brasileiro. Estranhei que se pedisse aquilo a um menino que cursava apenas o ensino básico e, curioso, perguntei a ele se o pessoal do PT andava de doutrinação em sua escola. Ele me respondeu que, agora, não mais. Mas que andara, sim, tentando convencer a criançada a adotar o pensamento comunista-socialista como aquele ideal para o Brasil. Também me disse que, porque lia tudo o que eu escrevia sobre o tema, ele e sua turma haviam sido discriminados pelos doutrinadores pagos pelo PT para cooptar mentes jovens. Motivo? Nenhuma das crianças da turma de Arthur se interessou pela doutrinação petista. Respirei aliviado. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXXII): E YEHOSHUA CONTINUOU A PREGAR.

2 Comentários

Em Cafarnaum O Rei dos Reis fez seus maiores libelos contra os vícios e a corrupção do Templo de Jerusalém.

Em Cafarnaum O Rei dos Reis fez seus maiores libelos contra os vícios e a corrupção do Templo de Jerusalém.

Eu os ouço pedir em desespero que vossos males físicos sejam curados. Mas pensais tão-só nos males da carne, justos os que um dia porão fim às vossas existências terrenas. Não podeis continuar para sempre correndo atrás de alguém que vos possa salvar dos males físicos, pois estes são inerentes ao mundo da carne e a carne não pode ser perene. Devíeis, antes, procurar a cura para vossos males espirituais, pois estes sim vos atormentarão por muitos e muitos e muitos séculos. Vossos rabis vos ensinam a temer o Deus de Moisés e vos citam seu Cântico, em Pentateuco, quando ele atribui ao Criador coisas aparentemente absurdas. Não podeis tomar as palavras de Moisés ao pé da letra ou cometereis erros monumentais e sem retorno. Seu Cântico, tão citado pelos rabis nos templos de pedra onde gostam de orar e fazer orar, interpretado-o ao pé da letra, como estas passagens que escolhi para vos comentar e que constam do Livro Pentateuco, são pérolas de sabedoria, mas que só a alguns é permitido alcançar, pois em mãos erradas, como nas dos rabis mentirosos e gananciosos de poder venal, tais pérolas se tornam venenosas para eles mesmos e para os que cegamente os seguem.

Depois de afirmar que as obras do Senhor são perfeitas e seus caminhos são cheios de equidade, que é o mesmo que afiançar que as obras do Pai Celestial são justas e que Ele reconhece imparcialmente o direito de cada um de escolher para si o que a si mesmo deseja, diz Moisés de modo velado:  “Assim é que tu, povo louco e insensato, mostras o teu agradecimento ao Senhor? Não é Ele teu pai, que te possui, que te fez e te criou?” Mais

CORPO, ALMA E ESPÍRITO. HÁ DIFERENÇA?

2 Comentários

A ciência pragmática, profana, dá demasiada atenção a esta estrutura física do corpo humano. É o sinal do quanto estamos atrasados no conhecimento esfíngico.

A ciência pragmática, profana, dá demasiada atenção a esta estrutura física do corpo humano. É o sinal do quanto estamos atrasados no conhecimento esfíngico.

Muito se tem escrito sobre estes três componentes nossos. Mas faz-se grande confusão sobre eles. Então, um pouco de luz neste novelo.

CORPO – envoltório carnal totalmente constituído com os elementos químicos da Tabela Periódica. Nada há no corpo humano que não se contenha dentro dessa tabela. Então, é mais que lícito se dizer que “és pó e ao pó voltarás”, quando o assunto se refere ao corpo orgânico que cada um de nós possui.

ALMA – A estrutura resultante dos vários processos de Aprendizagem e que constitui a essência mesma de nosso ser mortal. Geralmente é conhecida como Personalidade, embora eu discorde desta denominação e prefira Identidade. O termo Personalidade é um nome composto de per+sonus+dade, ou seja, traduzindo, esta palavra é igual a o que possui a qualidade do som. E tudo o que nos rodeia possui a qualidade do som. Os animais possuem esta qualidade e dela se servem para se comunicar, como a Ciência Pragmática Humana prova a sobejo. Identidade, por outro lado, significa o que é idêntico a si mesmo; aquele que tem a qualidade de ser idêntico a si. Uma identidade jamais tem similar perfeito entre os 7 bilhões de humanos que somos neste momento da existência da Humanidade.

ESPÍRITO – A essência imortal, totalmente desconhecida e jamais apreendida pela Identidade humana. O Espírito seria o “sopro da Vida” doada pelo Incriado à sua criatura, que os ignorantes chamam Adão. Adão não foi um homem, mas uma raça humana, a primeira a existir sobre a Terra. Não era perfeita e a partir dela o Homem vem progredindo evolutivamente, seja no desenvolvimento senso-perceptivo, seja no desenvolvimento, na ampliação e no aprimoramento da Alma. Mais

AS DEMOCRACIAS ATUAIS NÃO SÃO TOTALMENTE DO POVO, COMO DEVIA.

Deixe um comentário

Eu e minha netinha

“Vovô deixa para você um legado ruim. Lutou, sim, com toda alma e toda a fé na Verdade e na Honestidade, mas o Mal foi mais forte. Quando crescer, peço que não seja muito dura em seu julgamento sobre minha geração….”

O que significava originalmente o termo Democracia? Qualquer um responde na ponta da língua: O Governo pelo e do Povo. Ou seja, o povo diz aos senhores políticos como deseja ser governado; diz o que aprova e o que não aprova naquilo que eles pretendem transformar em Leis para toda a comunidade. Mas é isto o que acontece, atualmente? NÃO, não é. E não é porque nenhum país conseguiu se livrar do ranço da Oligarquia do passado. Gente com mais dinheiro, mais terras, mais indústrias etc… domina o quadro político e se mantém com o pé sobre o pescoço do populacho que serve apenas para trabalhar em seus bancos, em suas terras, em suas indústrias e em seus comércios. Neste sistema pseudo-democrático, o povo não tem voz e quando lhe é dado o direito de falar, há limites para sua Vontade. Vejam o que aconteceu nos E.U.A e acontece aqui, no Legislativo, e na Venezuela, na Colômbia, no Reino Unido e em muitos e muitos outros países pelo mundo. Quem manda é quem tem o domínio de nosso Poder Político e, ainda, quem tem poder dentro do jogo do Mercado. Os que são somente operários, de terno ou macacão, são serviçais aos quais os de colarinho branco, políticos ou não, dão direitos controlados. A tentação de adentrar este olimpo mercadológico estimula muito além do limite a ganância dos pobretões que, no Brasil principalmente, conseguem adentrar o Olimpo Político criado e mantido por seus ancestrais. 

E se é o Dinheiro que dá e sustenta o Poder, então é ao dinheiro que os sonhadores materialistas se atiram com toda a gana e com toda a falta de Ética e de Moral. É o caso de “nossos” políticos. E é “nossos” entre aspas porque na verdade os políticos brasileiros são deles mesmos e jamais do povo que os elegeu. Mais

OROZIMBO E O PRESIDENTE ELEITO DOS ESTADOS UNIDOS

Deixe um comentário

Orozimbo me meteu numa camisa de onze varas...

Orozimbo me meteu numa camisa de onze varas…

Chegou com uma garrafa de garapa gelada nas mãos. Estendeu a garrafa para mim e foi sentar-se em seu toco. Encheu o cachimbo de fumo e pitou em silêncio durante um longo tempo. Chovia uma chuvinha fina, daquelas que realmente molham a terra. O ar estava muito úmido, ao contrário do que vinha acontecendo por estas bandas nos últimos nove meses, quando era seco e o calor sufocava. Então, quando já havia bebido seu café preto e sem açúcar, bateu a mão na cadeira que colocara ao lado de seu toco preferido, chamando-me para sentar. Obedeci, curioso. Era raro ele não entrar já conversando pelos cotovelos. Geralmente alegre, agora estava com ar preocupado. Sentei-me e o olhei, curioso.

— Home, cuma é o nome do negão qui manda nos tar de americanu?

— Obama — respondi. — Por que?

— É verdade qui ele vai intregá o manto de chefe daquele povo pr’este peste louro cum cara de bode dos inferno? Mais

NEOLIBERALISMO EM CHEQUE.

Deixe um comentário

"Ainda não sabe, mané? É mesmo de um paiseco de banana!"

“Ainda não sabe, mané? É mesmo de um paiseco de banana!”

Pra falar a verdade, ainda não sei bem a razão mesma da grita dos norte-americanos contra Donald Trump. Dizem que é a revolta dos que saíram perdendo com o advento do Neoliberalismo. Perderam empregos, desceram no patamar social da classe média para a média baixa ou a baixa, mesmo. Certo. Tudo isto é provável. Mas será a razão mesma da rebeldia dos que vivem (ou vegetam) no outrora mais desenvolvido país do mundo?.

Eu não sei. Não sei mesmo. O certo é que a bandeira da deportação de ilegais que Trump agitou durante sua campanha levou muita gente às urnas. Medo a ele, não ufanismo estadunidense. E este medo também inundou os americanos legítimos que viram, ao que se diz, nas bandeiras desfraldadas pelo homem dos cassinos, um retrocesso sem tamanho. Ele pregou abertamente o “apartheid” nos EUA, num discurso retrógrado, onde os fiéis da klu-klux-khan vibraram até o orgasmo. Agora, matar negros e sul-americanos, entre outros, vai ser liberado. Armas? À vontade! Donaldinho ou Trumpinho, como queiram (para mim ele já ingressou na gangue brasileira dos “inhos”), é amante do sangue derramado, não do sangue correndo nas veias que é o lugar dele. Mais

O BATIZADO

Deixe um comentário

Ele me aprontou uma daquelas...

Orozimbo me aprontou uma daquelas…

Igreja cheia. Tudo gente de cor. Tudo negro mesmo. Cabelo de tuim, nariz tendente a chaboque, olhos negros e roupas mais ou menos conservadas, engomadas ainda com a goma de antigamente. E todos de terço nas mãos. Solenidade? Um batizado. Eu foi convencido a ir pelo meu amigo Orozimbo. Ele me disse que se tratava do batizado do primeiro filho de um professor da escola de seu netinho e que ele gostaria muito de me ter como convidado de honra. Eu nem conheço o sujeito, mas fui. Contrariado, mas fui.

Era de manhãzinha. A igreja tinha poucos fiéis e todos eram negros. Nem mesmo um mulato. Tudo negróide da silva.

Nós nos pusemos ao redor da pia batismal e a criança, negra retinta como seus pais, foi colocada nas mãos do padre. Este, após rezar em voz baixa e conjurar sei lá o quê, perguntou ao pai:

— Que nome pretende dar ao seu filho?

Houve um momento de silêncio que eu achei que era proposital. E era mesmo. Mais

Older Entries