Ao proferir o que ficou conhecido como O Sermão da Montanha, Yehoshua sabia que suas palavras seriam o início de seu epitáfio junto aos rabis do Templo de Jerusalém.

Ao proferir o que ficou conhecido como O Sermão da Montanha, Yehoshua sabia que suas palavras seriam o início de seu epitáfio junto aos rabis do Templo de Jerusalém.

Yehoshua desceu ao vale que levava às margens do Mar da Galiléia. Sentou-se sobre um promontório e dali estendeu o olhar sobre as águas azuis do grande lago salgado e piscoso. Seus discípulos foram chegando um a um. Simão e Thiago vinham com uma carroça puxada por dois imponentes bodes brancos. A carroça estava cheia de ofertas. Chinelas, mantos, bilhas de barro, cintos de couro de cabra e muitas e muitas outras tralhas. Yehoshua mirou aquilo em silêncio. Então, olhou para Simão interrogadoramente.

— Doações — informou seu apóstolo à guisa de resposta à pergunta muda. — E tem muito mais de onde estas vieram. Não sabemos o que fazer com tudo isso…

Yehoshua levantou-se e mexeu nas coisas. Escolheu dois pares de sandálias que experimentou. Deram em seus pés grandes e calejados.

— Fico com estas. O resto e o que dizes ainda haver no local de onde trouxestes tudo isto, manda que teus companheiros repartam irmãmente entre si e levem, cada qual seu quinhão, para suas famílias. Certamente elas saberão bem o que fazer com isso.

Os apóstolos chegaram todos por volta da terceira hora (nove horas) daquele dia frio e nublado. Alguns se dedicaram a juntar lenha para uma fogueira e outros tratavam da alimentação. Yehoshua olhava-os com olhar vago. Parecia cismador, introjetivo, distante e alheado do que acontecia à sua volta. Seu olhar finalmente estendeu-se sobre o mar e permaneceu ali, aparentando não notar as pessoas que começavam a chegar como formigas que brotassem do chão.

Thiago Maior, o mais diligente e o mais atento às palavras de Yehoshua.

Thiago Maior, o mais diligente e o mais atento às palavras de Yehoshua.

— Senhor — disse Thiago, com expressão preocupada na face. — O povo está-se agrupando.

Yehoshua lançou um olhar para a mole humana que se assentava expectante no chão da colina que descia em direção ao mar. Suspirou e voltou a olhar seu discípulo.

— A terra que pisas é deles. Nasceram aqui. Trabalham aqui. É dela que retiram o sustento para si mesmos e para suas famílias. É de seu suor no trabalho duro que o Templo e seus rabis tomam para si o que de melhor conseguem produzir. É do suor deles que Herodes se farta na riqueza material e Roma se enche de riquezas que verdadeiramente não lhe pertencem, pois nada fez para obtê-las, senão tomar do trabalhador desta e de outras terras o que desejam. Então, Thiago, creio que têm direito de chegarem até nós. Ou será que erro?

Thiago coçou a cabeça, sem saber bem o que responder.

— Chama-os para mais perto que pretendo dirigir-lhes a palavra.

Thiago afastou-se e chamou mais dois companheiros para o ajudar. Logo uma multidão esperançosa aproximava-se apressadamente para conseguir um melhor lugar próximo de Yehoshua, “o milagreiro”, como era chamado entre as gentes.

Yehoshua pôs-se de pé e sua figura avantajou-se mais ainda diante do olhar expectante dos que ali estavam. A maioria era composta de doentes, mendigos e prostitutas. Mas havia muitos estrangeiros que vinham atraídos pela fama que o filho do construtor de Nazaré angariara entre eles. Yehoshua pôs-se de pé e os olhou atentamente, em silêncio por um tempo. Então, deu início à sua fala, que o levaria, mais tarde, à mais célebre dentre as suas pregações, dentre as muitas que infelizmente não ficaram registradas.

O Mestre nunca foi condescendente com o povo ignorante. Quase sempre os repreendia por pensarem somente na matéria e no bem-estar material. E os acusava diretamente de serem os responsáveis pelos males de que eram acometidos.

O Mestre nunca foi condescendente com o povo ignorante. Quase sempre os repreendia por pensarem somente na matéria e no bem-estar material. E os acusava diretamente de serem os responsáveis pelos males de que eram acometidos.

— Eis que vos vejo além de vós mesmos e o que vejo são desejos mesquinhos e voltados para o que não importa. Vejo que os da terra hebraica esperam a cura para seus males físicos e mentais. Eu vos disse ontem e vos repito hoje: o que sofreis é resultado do que tendes desejado e levado cabo. Pensais o mau, o ruim e praticais isto em vossos atos e vossas ações. Desejais o prazer imediato sem pensar nas conseqüências de vossas gulas. O resultado é o que vós me apresentais aqui: a miséria humana nascida dos vícios da carne. Não se trata de nenhum castigo de meu Pai, pois que Ele não tem como Lei punir seus filhos. Deixa que eles experimentem o que desejarem e o resultado de vossos desejos surgem nas chagas e nas deformidades de que sofreis. Vossos corpos são ricos de riquezas imundas (Yehoshua sempre ou quase sempre repreendia as pessoas que a ele vinham em busca de cura de seus males físicos. Isto foi retirado dos escritos que passaram à posteridade, mas não sei se por seus discípulos ou pelos que os seguiram em nome de Pedro, tido como o fundador do Cristianismo. Esta supressão não fez nenhum bem à imagem do Grande Mestre, pois o coloca prisioneiro de uma bondade absurda, sem juízo sobre as maldades que a raça humana abriga em si mesma. Seletivamente, a Bíblia atual condena os que aos políticos seculares bíblicos são aceitos como um instrumento para a venda de uma concepção de Yehoshua que não lhe faz justiça).

— Senhor — gritou uma mulher de vestes limpas, mas que tentava cobrir a face para ser enxergada o menos possível —, sou fiel cumpridora de nossas Leis. Não alimento desejos impuros de quaisquer espécies. Aqui venho pedir pelo meu marido que está enfermo e não pode ir trabalhar como fazia. Ele é pescador e o mal que o aflige ninguém sabe dizer o que seja. Mas nossa família necessita de sua força e de seu trabalho, caso contrário ficaremos sem nada, pois os cobradores de impostos virão sem dó sobre nós ao final do mês. Nós não somos ricos como se diz entre os invejosos. Temos o que temos pelo suor de meu marido.

— Amália — disse Yehoshua, fazendo que a mulher soltasse uma exclamação de espanto. O Mestre sabia seu nome, no entanto era a primeira vez que ela se encontrava diante dele. Como era possível aquilo? — Teu marido não vai morrer como temes. A doença dele é passageira e já está de partida. Quando chegares a casa tu o encontrarás de pé. Amanhã mesmo já estará apto para voltar ao trabalho. Agora, preciso que me ouçais com atenção, pois é preciso que compreendais que antes de pedir pela saúde de vossos corpos deveis pedir primeiramente pela saúde de vossas Almas.

Yehoshua o doutrinador

“Ouvis, mas não me compreendeis. E, no entanto, sou claro como a água do regato que vos lava os pés”.

— Em verdade em verdade vos digo que são bem-aventurados os que são pobres de espírito, pois deles será o Reino de Meu Pai. A humanidade é rica de maldades; rica de pensamentos e desejos abjetos, voltados para a luxúria, a gula e o egoísmo. Não deveis pautar vossos caminhos pela carne, mas pelo que é do Espírito, pois este é puro. E acrediteis em mim: sois espíritos filhos de meu Pai. Sois meus irmãos. Então, agi como eu vos demonstro agindo como ajo e certamente não necessitareis de vir a mim pedir por vossos corpos.

— Bem-aventurados os mansos de coração, porque eles possuirão a Terra. Os mansos de coração não mentem nem desejam senão aquilo que possuem. E em possuindo somente a roupa do corpo, ainda assim agradecem ao Pai pelo que Ele de Justiça lhe deu. Mesmo que vos pareça injustiça, asseguro-vos que cada qual tem justo e merecido o que fez por ter.

— Bem-aventurados os que choram nesta vida, pois estes serão consolados no Reino de Meu Pai. As lágrimas, quando de arrependimento, de enlevo ou de adoração, e não quando de raiva e revolta, são bênçãos de vossos espíritos aos vossos corpos. E crede em mim: tais lágrimas são pérolas que farão crescer vossos verdadeiros tesouros nos baús que cada um de vós tendes junto ao meu Pai;

— Bem-aventurados os que têm fome e sede de Justiça, porque serão fartos. A Justiça não vem da ação do homem sobre o homem, mas vem do julgamento de meu Pai sobre vossos pensamentos, vossos desejos e vossas corrupções. Os que mais se corrompem e mais fazem sofrer são os que mais receberão a Justiça do Justo dos Justos;

— Bem-aventurados os que praticam a Misericórdia, pois que encontrarão a Misericórdia no Reino do Meu Pai. Não vos iludais: neste Reino só os justos e puros de coração entrarão; só os que praticam o Bem e ajudam seus irmãos podem ver os tesouros do Reino de meu Pai. Mas não confundais esta ajuda com o dar do que vos sobra sobre vossas mesas e em vossos bens. A ajuda a que me refiro é o auxílio abnegado, visando minimizar a dor e o desespero dos que se vêem sós, abandonados e humilhados, aparentemente sem razão, pelos que lhes são próximos. Estender a mão a estes irmãos e ajudá-los a se limparem diante de si mesmos, eis a ajuda que merece prêmio diante do Juiz dos Juízes. 

— Bem-aventurados os que são limpos de coração, pois estes verão ao Pai. Então, limpai vossos corações de maus sentimentos e, para que estes não vicejem neles, limpai vossas mentes de maus pensamentos e maus desejos. Vigiai sempre, pois a carne é inimiga do Espírito e ela sempre está a postos para vos instigar ao egoísmo e à gula, dois abismos para vossos espíritos ainda crianças na longa caminha que tendes pela frente para chegar ao Paraíso;

— Bem-aventurados os pacíficos porque serão chamados de os filhos do Pai e receberão riquezas que iguais não há neste mundo. Estas aqui ficarão sempre intocadas pelos vossos espíritos, pois a estes tais tesouros nada valem;

— Bem-aventurados os que padecem perseguição por Amor à Justiça, porque deles é o Reino do Céu. E a Justiça a que me refiro não é aquela do Templo nem aquela de César, mas a Justiça do Pai, aquela que não privilegia uns em função do poder venal que possuem, em detrimento daqueles que nenhum poder venal têm. É a Justiça do Amor sem distinção e do permanente esforço para que os espíritos humanos vençam os perigos da carne;

— Bem-aventurados sois, quando vos injuriarem, e vos perseguirem, e disserem, mentindo, todo o mal contra vós, porque sois respeitosos para comigo. A estes eu mesmo receberei quando a hora for chegada e o Juízo descer sobre vós para escolher e separar os vitoriosos dos derrotados;

— Sofreis agora e não podeis enxergar o quão as dores de agora são moedas de ouro que tendes sem o saber. Vossas dores, fruto de vossos enganos e erros, vos purificam a Alma e vos fazem brilhar o Espírito. Por isto o vosso galardão será copioso e farto no Reino Celestial; pois assim como a vós, também aos profetas perseguiram as dores, e eles se foram antes de vós sem lhes dar importância maior do que mereciam.

— Vós sois o sal da terra. E se o sal perder a sua força, com que outra cousa se há-de salgar? Para nenhuma cousa mais fica servindo, senão para se lançar fora e ser pisado pelos pés dos homens.

— Vós sois a luz do mundo, vez que de vossos trabalhos e de vossas canseiras vivem os ricos e abastados. Ouvi que não se pode esconder uma cidade que esteja situada sobre um monte. Assim como é com a cidade, será convosco.

— Nem os que acendem uma luzerna (= grande clarão; grande luz) a metem debaixo do alqueire, mas põem-na sobre o candeeiro a fim de que ela alumie a todos os que estão na casa.

— Assim, brilhe a vossa luz diante dos homens; que eles vejam as vossas boas obras e glorifiquem ao Pai que vos capacitou para o que outros não podem fazer. Não mintais nem enganeis vossos irmãos em meu nome, pois que a estes serei juiz implacável quando a hora for chegada;

— Não julgueis que vim destruir a Lei ou os Profetas; não vim destruí-los mas sim dar-lhes cumprimento, pois que a Lei é indestrutível e a palavra dos profetas são mensagens do Pai aos homens e não podem ser nem desmentidas nem adulteradas por eles.

— Em verdade em verdade vos digo que enquanto não passar o céu e a Terra, não passará da Lei um só “j” ou um só til, sem que tudo seja cumprido.

 — Aquele, pois, que quebrar a um só que seja destas mínimas orientações que vos dou e que não ensinar aos homens conforme com o que hoje eu vos ensinei será considerando mínimo no Reino de Meu Pai; mas os que pugnarem por seguir o que aqui eu vos declarei e não tergiversarem nesta Lei eu vos digo que a estes se terá por grandes no Reino de Meu Pai.

— Pois em verdade em verdade eu vos digo: se a vossa justiça não for maior nem mais perfeita do que a dos escribas e dos fariseus, não entrareis no Reino de meu Pai, pois Ele não aceita imperfeições nem iniqüidades. E a mentira, a falsidade e o engodo, que é uma das formas da mentira inventado pelos homens, são os galardões mais usados pelos rabis e pelos fariseus e pelos escribas para enganar e tomar do que trabalha o fruto de seu suor.  E o fazem cobrando o dízimo ao qual não fazem jus, visto que este dinheiro e o que derdes aos representantes do Templo e das sinagogas em substituição a ele não têm qualquer valor nem despertam qualquer interesse em meu Pai. Ao Pai tudo pertence, até mesmo vossos espíritos antes mesmos que tivessem existência. Então, só podeis ofertar a Ele, o Criador de todas as coisas e de todas as raças, o que vossos corações e vossos pensamentos puderem produzir de bom e amoroso. Fora isto, nada mais tendes a Lhe ofertar.

— Ouvistes que foi dito aos antigos: não matarás. E também foi dito que quem matar será réu no dia do Juízo. Eu, porém, vos digo que não deveis matar nem mesmo os animais, pois a Vida que em tudo se manifesta pertence a um único dono: Meu Pai que está no céu.

— Digo-vos, porém, que aquele que se ira contra seu irmão ou sua irmã; contra seu pai ou sua mãe; contra qualquer outro ser humano que seja, será réu no dia do Juízo; e o que disser a seu irmão raca, será réu no conselho supremo; e o que disser ao seu irmão és um tolo, também será réu do fogo do inferno. E vos digo que o Inferno mora em vosso íntimo tanto quanto meu Pai também o faz, pois a Sombra não existe sem Aquele que lhe dá razão de ser e o Pai a tudo dá essa razão (NOTA: raca era um expressão de nojo, de repugnância, que era pronunciada virando-se a cabeça para o lado e cuspindo-se no chão para demonstrar repulsa ao ofendido. Mal comparando seria o equivalente ao nosso insulto: “filho de uma puta”. Do mesmo modo, chamar a alguém de “tolo” seria igualá-lo a um possesso, ou seja, a um retardado mental em nossos dias, visto que naquele tempo a idiotia e o retardo mental não eram vistos como doenças, mas como possessões demoníacas).

Templos assombrosamente e desnecessariamente ricos.

Templos assombrosamente e desnecessariamente ricos (profetirando.com.br).

— Os rabis e seus semelhantes entre outros povos cobram dos homens que façam suas ofertas ao Pai diante de altares de pedra e com tais ofertas constroem templos suntuosos que só deslumbram e impressionam os pobres de espírito. Mas eu vos digo que o único altar a que Meu Pai assiste é o coração de seus filhos. Portanto, não deis importância a templos suntuosos nem a altares pejados de pedrarias e ouro e prata. Nada disto tem valor nem brilho diante de meu Pai. E se estiverdes perante vosso altar íntimo para ofertar ao Pai vossas orações e a Ele fazer vossos pedidos e, naquele momento, vos lembrardes que vosso irmão tem alguma coisa contra vós, por injúria ou insulto vosso, abandonai vosso Templo e ide reconciliar-vos com vosso irmão, pois a ira dele, mormente se justa, nublará e tornará fétido o ar que houver em vosso Templo íntimo.

— E se tiverdes adversários em qualquer lugar, ide  e vos esforçais para concertar-vos com eles, a fim de evitar que ele vos entregue ao juiz e este, ao seu Ministro e, então, sejais mandado para a masmorra. O juiz está em vós e é vossa consciência, da qual não podeis fugir; o Ministro está em vós e é vosso sentimento de culpa, que vos aprisionará na masmorra da culpa, da qual poucos escapam.

— Em verdade em verdade vos digo, aos que forem condenados à masmorra da culpa, que não saireis de lá até que pagueis o último ceitil de débito para com vosso irmão.

Hoje, as mulheres são usadas e propagadas como objetos de desejo e, não, como seres humanos (bol.notícias.com).

Hoje, as mulheres são usadas e propagadas como objetos de desejo e, não, como seres humanos (bol.notícias.com).

— Ouvistes que foi dito aos antigos: não cometerás adultério. Eu porém vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher cobiçando-a com concupiscência, já no seu coração terá cometido adultério com ela, visto que o pensamento é um animal sem rédeas que obedece ao impulso do desejo, vil ou não. E digo às mulheres que toda aquela que de propósito se preparar e enfeitar e embelezar e perfumar com a intenção de provocar o desejo do homem, cometerá o mesmo pecado que ele que responde aos seus ardis. Então, sejais castos e puros em vossos desejos animais, pois estes podem lançar no precipício da dor e do sofrimento esposas e filhos que não têm porque serem punidos pela lascívia de seus pais ou da mulher irresponsável. Em verdade em verdade vos digo que os que por estes caminhos tortuosos enveredarem jamais terão sossego em suas vidas até o final de seus dias na Terra. E a dor que um filho de meu Pai provocar em inocentes lhe será cobrada sem piedade e pelo tempo que durar sua vida entre os vivos da terra.

— E se vosso olho direito vos serve de escândalo, arrancai-o e o lançai fora de vós, pois melhor vos é que se perca um de vossos membros do que terdes todo vosso corpo lançado no inferno da culpa e do sofrimento sem consolo.

— E vos digo mais: se a vossa mão direita vos serve de escândalo, cortai-a e lançai-a fora de vós, porque melhor vos será que se perca um de vossos membros do que terdes todo o vosso corpo lançado às agruras do Inferno.

E por hoje eu vos exorto a irdes para vossos lares e pensardes no que eu aqui vos disse de verdade e com verdade, visto que eu não minto nem engano jamais. Vim a este mundo para ser vosso guia e o sou, embora poucos de vós possua olhos de ver e ouvidos de ouvir.

E dizendo isto, Yehoshua voltou-se e subiu o promontório, sumindo das vistas da assistência que permaneceu desorientada, com seus membros a se entreolharem aturdidos, sem apreender bem o que tinham acabado de ouvir. No entanto, o Mestre sabia bem que suas palavras chegariam ao Templo em Jerusalém e despertariam medo e ódio nos corações malévolos dos que se voltariam contra ele como lobos enraivecidos…