Gente como Lula, perdido no tempo e no espaço, venal e corruptível, nunca mais deve ter nas mãos os destinos de nosso país.

Gente como Lula, perdido no tempo e no espaço, venal e corruptível, nunca mais deve ter nas mãos os destinos de nosso país.

Acabou-se de vez o “faz de conta”. Acuados por todos os lados e desmoralizados irremediavelmente perante a Sociedade Brasileira, os políticos adeptos do crime e da roubalheira deslavada estão espremidos contra a parede. Finalmente deram-se conta de que não adianta palavras bonitas nem posturas imponentes. O povo fechou o cerco e dá um suporte de granito à Polícia Federal e ao Juiz Moro (e outros que lhe seguem o exemplo irrepreensível).  Além disto, a vigilância sobre o que fazem é ininterrupta. A Mídia, então, não lhes dá sossego. As madrugadas já não mais são seguras para tramar e aprovar medidas que vão totalmente contra nosso país. Aos poucos os que restam surgem nas delações dos que, presos, entram em desespero ao perceber que para eles a única solução é entregar os seus comparsas. Muitos dos detidos, como alguns empresários, foram de alguma forma induzidos ao crime pelos próprios políticos que não se envergonhavam de coagi-los. É fácil. Ainda é fácil. Podemos ver isto claramente nos processos licitatórios de cidades pequenas. Nelas, sem exceção, as empresas são encostadas nas paredes para escolherem a quem vão apoiar em troca de ganhar uma ou várias licitações. Todas, viciadas, ou seja, de antemão já definidos os ganhadores.

Debilóides como esta, nunca mais!

Debilóides como esta, nunca mais!

Este modo de proceder é absolutamente generalizado, seja no Rio de Janeiro ou em São Paulo, as megalópoles do Brasil, seja em capitais mais modestas, como Goiânia, Campo Grande e outras semelhantes. Seja, ainda, em micro-municípios como em Senador Canedo, em Goiás, ou em Campo Grande, no Rio de Janeiro.

O vício do crime é equivalente ao vício da cocaína: o viciado se torna um zumbi, isto é, já não mais tem sensibilidade para o perigo que corre. Assim como o viciado em cocaína, após um tempo de drogadicção, parece não mais se incomodar com o estrago que a droga vai causando em seu organismo psicoemocional e físico, também assim o viciado no crime perde a sensibilidade para o que seja Moral e Ético. Estas duas qualidades do bom indivíduo ou da boa Organização Administrativa Pública perdem qualquer mínima capacidade de sensibilizar as consciências corrompidas dos cidadãos eleitos para cargos altamente desafiadores e perigosos, como os cargos eletivos.

Viciados no crime político, como as figuras acima, devem até ser apagados de nossa História.

Viciados no crime político, como as figuras acima, devem até ser apagados de nossa História.

Mas o Sistema podia ser bem diferente se a organização Ética dos Partidos Políticos fossem realmente firmes e voltada para o país, para seu crescimento e o bem-estar de seus cidadãos.

Um Partido Político tem de:

  1. Defender uma Ideologia. Isto não significa que seus afiliados devam-se tornar zumbis de tal ideologia. Significa que os dirigentes do Partido, aqueles que compõem as Executivas partidárias, desde a Nacional até a Municipal, devem trabalhar sem descanso no estudo do que é melhor, dentro daquela filosofia ideológica que o Partido adotou como seu lema, para ser adaptado às condições do estágio de desenvolvimento social e tecnológico, bem como de Educação Cívica e Moral, das gentes que compõem os Estados do país. No nosso caso, este item é de uma importância transcendental, visto que somos um país continental, cuja história de colonização é complexa e cheia de caminhos tortuosos, graças mesmo ao berço de onde derivamos: a oligarquia européia.
  2. Selecionar rigorosamente aqueles filiados que pretende lançar como candidatos sob sua sigla. A sigla de um Partido Político devia ser como a bandeira de um país: um símbolo absolutamente irrepreensível e respeitado. Um símbolo que todos os cidadãos, mesmo que filiados a outros Partidos Políticos, respeitem com reverência, ainda quando discordando de sua Ideologia. 
  3. Possuir um código de Ética escrita que impusesse aos candidatos a obrigação moral de ser honesto e praticar a Ética, a Justiça e a Moral em todas as suas obrigações políticas, sob pena de o próprio Partido abrir processo criminal contra seu candidato, impondo-lhe, ainda, multas pesadíssimas, capazes de, por si só, desestimular a tentação de enveredar pelos fáceis caminhos do crime político. Além disto, no documento a ser assinado como compromisso formal do candidato para com o partido, deveria constar uma cláusula que o impediria de sair do partido, por oito anos, no mínimo, por ter sido punido por desvio de conduta ética; deveria ser, também, obrigação do Partido, a divulgação em toda a Mídia, do crime cometido pelo candidato ou pelo político já eleito, inviabilizando, assim, sua filiação ou sua transferência para qualquer outra sigla partidária pelo tempo mínimo de 8 anos. 
  4. Fazer reverter em benefício dos afiliados as contribuições mensais pagas por ele, como, por exemplo, na criação de creches para as crianças dos filiados; na parceria com hospitais particulares do município para atendimento aos filiados do partido, como num sistema de Saúde Complementar; na doutrinação constante, através de cursos sobre a Ideologia Partidária e as adaptações que o Partido pretende levar a cabo em função das condições político-sociais do país; em excursões pelo Estado, pelo País ou mesmo pelo Exterior, sempre com o objetivo de fazer que o afiliado se acostume a enxergar o que os políticos daquelas regiões visitadas realizaram de bom para a população sob sua administração… Etc, etc, etc…
  5. Na Educação Cívica, Moral e Ética dos seus afiliados exigindo deles que se comportem com honestidade, lisura e honra em qualquer momento social que vivam e em qualquer lugar em que estejam, honrando, deste modo, o bom nome do Partido a que se filiam.

Não vou continuar a declinar aqui tudo o que um verdadeiro Partido Político devia fazer para ser uma instituição confiável para o cidadão e para o país. Pelo que acima disse o leitor pode verificar que este é realmente o caminho que todo e qualquer partido político, no Brasil, devia seguir.

Mas não segue.

E não segue porque o Sistema que vige desde o Grito do Ipiranga é desorganizado, egoísta, imoral, anti-ético e corrupto.

Neste momento de nossa História vivemos um momento crítico de importância Histórica inquestionável. No entanto, eis que a Reforma Educacional que os atuais políticos aprovam, retira do curriculum escolar o estudo da História do Brasil. Isto é um crime inominável, pois retira do brasileiro a memória de sua História, da evolução político-social de seu povo, de sua gente, de seus antepassados.

Estamos em guerra. Uma guerra cruenta, onde até sangue se derrama à-toa pelas ruas de nossas cidades. Em que cada gota desse sangue desconhecido está misturado com o sal das lágrimas de desespero dos que ficam aqui saudosos dos que se foram à revelia de suas vontades. E estamos num momento crucial desta guerra, quando o inimigo, outrora oculto sob a capa da respeitabilidade, se desmascara e se mostra tal qual é: nosso inimigo acima de tudo.

E é porque estamos em guerra que nenhum cidadão brasileiro, independente de a qual partido se filie, pode descuidar-se. Cada brasileiro deve manter-se atento ao “bunker” dos Políticos Corruptos no Planalto Central Brasileiro. Neste momento é crucial a vigilância sem descanso de todos nós, pois que as peças decisivas no tabuleiro que desenha o nosso futuro como país estão sendo mexidas. Cada jogada é crucial para nosso futuro e o futuro de nossas gerações. E estas, ainda não podem se defender dos ataques covardes que os criminosos destes tempos que vivemos perpetuam contra eles através de Leis imorais e criminosas.

Vamos, pois, vigiar, orar e principalmente agir. Não podemos deixar a nenhum santo o carregar o andor de nosso destino. Temos de fazer por nós para que possamos receber ajuda, pois já o disse muito bem dito o Rei dos Reis: “Servos-á dado conforme vosso merecimento”.