Neste momento você passou por um dos dois portais do Samsara - aquele que se abre para o mundo mayávico: a vagina de sua mãe.

Neste momento você passou por um dos dois portais do Samsara – aquele que se abre para o mundo mayávico: a vagina de sua mãe.

Bom, você certamente aprendeu muita coisa no artigo anterior e, espero, ele lhe deu uma nova visão de algo que todo mundo desconhece, mas é doido para saber como é, pois todos vamos novamente passar pela experiência tantas vezes esquecidas.

Então, só para reafirmar, vamos recordar: você passa por dois portais importantíssimos quando, no Mundo Celestial, adquire o ponto de maturidade Espiritual para fazer jus ao maior desafio que o Espírito pode enfrentar: vir ao mundo do Mâyâ, o mundo das Ilusões, criar uma alma mortal (que, enquanto encarnado, uma Ciência Pragmática humana denomina de Identidade ou Personalidade), que se desenvolve dentro de uma Mente que se prende a um sistema físico complexo chamado Cérebro, para aprender a pesquisar e descobrir os segredos deste mundo mayávico e deles se servir como melhor lhe aprouver, ou para o bem geral, ou para o mal geral; ou para seu bem e sua felicidade momentâneos, ou para seu mal e seu sofrimento também momentâneos. Além disto, você tem o dever de experienciar todas as reações emocionais derivadas da Energia Cósmica Sentimento e, por causa delas, desenvolver as mais variadas fantasias, as mais variadas imaginações e os mais variados comportamentos. Você tem total livre arbítrio para usar como puder e quiser tudo aquilo que conquistar nos curtos intervalos de mergulho de seu Espírito na Escuridão do Inferno. Desculpe, preciso esclarecer que o vocábulo inferno, aqui, não tem a conotação horrorosa e fantasiosa que lhe emprestam os que se dizem “cristãos”. O termo “inferno” quer dizer “a condição mais inferior” ou “a condição mais densa”, no que diz respeito à Matéria Divina.

Velório

Aqui, aquele que já cumpriu com sua tarefa, está de retornou e atravessa o Portal “Túmulo”.

Após amealhar o máximo de experiências e de vivências que lhe foram dados viver no curto período de uma encarnação, sua Alma Mortal é desligada do corpo físico-químico, orgânico, e você passa pelo segundo portal, o que lhe franquia o retorno ao Plano Espiritual, só que com um “pequeno” detalhe: você terá de atravessar um determinado número de Mundos totalmente estranhos no caminho ascensional. Mundos aos quais o Cristo chamou de “casas de meu pai”. É quando deve elevar-se para uma dimensão material sutilíssima, onde todas as suas experiências e vivências, assim como todas as emoções que experienciou serão passadas numa peneira e as negativas serão dispensadas, enquanto as positivas serão aproveitadas como futuro “adubo” para sua próxima visita.

E é aqui que o bicho pega pra valer. Se não, vejamos.

Viciadas em drogas

Drogadicta, ela optou por experienciar um dos ramos amargos dentre os inúmeros galhos da Árvore da Vida.

Suponha que você é a jovem ao lado. Neste mundo, nesta vida, você é considerada uma fracassada. Viciou-se em cocaína e o resultado foi estragar rapidamente o único bem que realmente lhe pertencia desde quando aqui chegou; o único bem que a acompanharia por toda a sua temporada, de portal a portal. Tornou-se digna de piedade e de ajuda governamental (e no Brasil isto é a pior coisa que lhe poderia acontecer). No entanto, você não palmilhou aquele caminho repulsivo para muitos outros seres humanos à-toa ou porque você era uma doidivanas ou uma coitadinha que não teve boa orientação paterna e materna. Lembre-se do que disse o Cristo: Não cai uma folha do galho de uma árvore que não seja pela vontade do Pai”Ora, este Pai a que Ele se referia não está num tal de céu, um lugar que ninguém sabe dizer onde fica. Este Pai está em cada um de nós e é, em última instância, o Espírito Imortal que nos habita. É o sopro de vida que, metaforicamente, Deus soprou nas narinas do homem de barro que havia criado no Éden [na verdade, esta Vida Imortal não foi soprada por nenhum Deus na narina de nenhum boneco de barro. É somente uma alegoria para esconder algo bem mais profundo e complexo. No Espaço Infinito, no mais sutil Plano de Matéria que há, denominado de Plano de Matéria Divina, que no máximo que se pode dizer dele para o representar imaginariamente é que é feito de uma luz absoluta e indescritível, sutilíssima e inefável. “Alguém Poderosíssimo” (algumas vezes chamado de “Aquilo” na Teosofia), por Sua pura Vontade, criou um “imenso balão” daquela matéria luminosa e concedeu a este balão o dom da Vida. Enquanto no “Balão”, a Vida Divina está em estado de suspensão, totalmente inconsciente de si mesma. Este balão é conhecido em Teosofia e no Ocultismo pela designação de Mônada Humana – pois há a Mônada Mineral, há a Mônada Vegetal e há a Mônada Animal também, cada qual com seu tipo de Vida específica para o Reino em que vai desenvolver seres específicos. Em algum momento depois que o Inominado cria os orbes celestiais (Sistemas Solares) nos sistemas galácticos em todas as dimensões Materiais (em número de 343 Níveis fundamentais), as Mônadas começam a emitir de si “gotículas” de Matéria Monádica, cada uma com um “sopro de Vida Divina” segundo sua especificidade. Estas “gotículas” monádicas passam por um longo processo de descida rumo a determinado “planeta” dentro da imensidão de uma galáxia e ali vão dar nascimento a entidades especiais, com corpos feitos com a mesma matéria do planeta, a fim de iniciar sua longa caminhada evolutiva que terá, no final, o retorno à Mônada de onde partiu, desta vez com uma Grande Consciência Galáctica. As “gotículas monádicas humanas” jamais perdem contato com sua “Mãe Cósmica”, a Mônada Humana, no nosso caso. Elas estão perenemente ligadas à Mônada pelo Sutratma, o fio luminoso e sutilíssimo de que falei no artigo anterior. Por enquanto, bastam estas informações que já são muitas para você, que possivelmente lê sobre este assunto esotérico pela primeira vez, ou anda totalmente enrolado com uma porção de informações que mais confundem do que esclarecem]. Então, voltando à Terra e ao caso do nosso exemplo, se a Alma Mortal (Personalidade ou Identidade), que é você, toma o rumo da drogadicção ela não o faz porque o queira. Tanto é assim, que no início o corpo recusa o Mal. Tontura, dor de cabeça, incômodo generalizado, medo, às vezes crises de vômito, tudo ele usa buscando se defender do perigo mortal a que está sendo submetido. Mas a Alma Mortal, a Identidade do Individuo, por sua vez, impulsiona-o intensamente para aquela experiência justamente pela força e pelo desejo do Pai que habita naquele corpo (que daqui para a frente chamaremos de Elemental Físico), no sentido de conhecer o máximo possível sobre aquela vivência. Ela é prejudicial à sua “vestimenta”, o Elemental Físico, mas é de grande importância, para sua evolução, que tenha o Conhecimento daquela amargura e daquela dor. O porquê disto não vem ao caso, agora.

João Paulo II

“Esqueçam disto! É pura heresia!”

Muito interessante, não? Pois bem, a Religião Católica, através de seus bispos, cardeais e seus Papas, sabem muito bem disto que aqui coloco às claras. Mas como seguem ao pé da letra a arcaica visão hebraica de um Deus que habita algures, bem longe, fora do homem, sua criação predileta e primorosa, não só não ensina isto aos “fiéis” como também esconde como pode este conhecimento. Pudera! Se os cristãos, de todos os ramos, apreendem a grandeza deste Arcano (segredo), adeus religiões!

Resumidamente, eu lhe dei o material necessário para que você retire os antolhos que as religiões exotéricas (fora do círculo secreto) colocam naqueles que as seguem em seus rituais vazios e sem sentido.

A Alegoria da Luta entre o Bem e o Mal. Algo que é somente uma alegoria.

A Alegoria da Luta entre o Bem e o Mal. Algo que é somente uma alegoria.

Vamos ressaltar porque é importante: você, agora, tem conhecimento da razão pela qual estamos aqui; da razão pela qual as sociedades que criamos não conseguem frear o impulso da Alma Mortal no sentido do caos e da auto-destruição. No entanto, até porque há, na Alma Mortal, uma leve influência do Espírito, que é incorruptível por ser de origem divina, as pessoas tendem a criar sistemas de leis com as quais buscam encontrar um estado de equilíbrio, que bem podemos chamar de TAO. Ao Nível Espiritual não há verdadeiramente uma luta de um imaginário Bem contra um imaginário Mal. O que há é a necessidade de que as experiências e o impulso para as vivências fora do eixo de equilíbrio sejam controladas, pois como o Espírito não sente absolutamente nada do que sofre a Alma Mortal e é totalmente inconsciente de seu estado enquanto vivendo em um Corpo Egóico que, por sua vez, se aninha no alto do Ovo Áurico que nos protege das forças destruidoras exteriores, Ele tende a impulsionar seu Elemental Físico para as experiências mais dolorosas e mais espantosas possíveis. Tudo é válido, pois quando tiver de espuir (= cuspir; lançar fora) o que não deve ser aproveitado, tem de apresentar o máximo de “riqueza vivencial” possível.

Eu creio que agora você tem condições de apreender a profundidade da sentença do Cristo, que citei linhas acima.

"Cara! Cê deu um nó na minha cachola!"

“Cara! Cê deu um nó na minha cachola!”

Não se esqueça de que para adentrar este mundo “infernal” de modo equilibrado, o ser humano tem de passar pelo “Portal” conhecido como Vagina, pelo que o parto natural é o ideal para o equilíbrio desta caminhada. No entanto, mesmo que o ser que vai adentrar esta realidade infernal onde nos encontramos não passe pela experiência que devia ser absolutamente inalterada, o simbolismo enquanto Arquétipo, não sofre muita alteração ou muito desvio. Mas a Medicina desta dimensão terrena tem descoberto que os seres humanos que não nascem de modo natural tendem a desenvolver perturbações psíquicas (na sua Alma Mortal) com mais facilidade do que os que nascem do modo natural. A Psicologia tem várias teorias desenvolvidas para encontrar uma explicação terra-a-terra para este acontecimento perfeitamente natural do ponto de vista Esotérico, mas considerando que nesta dimensão nada acontece por acaso, o parto cesariano deve se conter num contexto experiencial evolutivo necessário para o Espírito em aprendizagem.

Por enquanto, paro por aqui. Você terá de ler várias vezes este artigo, se estiver realmente interessado em aprender o Esoterismo corretamente, a fim de conseguir introjetar esta grande quantidade de informações que podem, se você repensar sobre esta base, ampliar sobremaneira o modo como se percebe, se sente e se coloca em sua vida de relação com todos os ambientes em que adentre.

NAMASTÊ.