Canário da Terra Verdadeiro. Lindo,, ele é muito mais bonito e imponente em sua corzinha amarela que todos os deputados e senadores brasileiros.

Canário da Terra Verdadeiro. Lindo, ele é muito mais bonito e imponente em sua corzinha amarela natural, que todos os deputados e senadores brasileiros.

Vamos em frente que a coisa está quente. Este assunto sempre desperta grande interesse nas pessoas e isto é bom. Antigamente só se tinha acesso a ele se se entrasse para uma Sociedade Ocultista Secreta, cheia de rituais que eu, particularmente, não acho válidos. Todo ritual, seja ele exotérico (fora do Círculo do Conhecimento Oculto), seja esotérico (dentro do Circulo do Conhecimento Oculto), apenas serve para inflar o Egoísmo e, com isto, criar uma venda para os “Olhos Espirituais”, aquilo que se chama de “Iluminação”. Por exemplo: sistema de hierarquia dentro de uma Ordem Esotérica leva aos mais “adiantados” se sentirem “superiores” aos novatos e às vezes isto fica bem claro no modo arrogante com que tratam a estes. É próprio de dojôs japoneses, onde os mestres de Arte Marcial exigem rituais humilhantes a serem rigorosamente cumpridos pelos iniciantes. Isto não é bom. Desperta no “inferior” reação de revolta surda e o predispõe à retaliação em função da qualidade de sua Alma Mortal. Concordo que há de haver regras disciplinares onde quer que haja agrupamento humano, mas às vezes estas regras disciplinares são exageradas. Um Mestre de Arte Marcial precisa, sim, se destacar e impor normas de conduta aos seus praticantes, mas não chegar ao absurdo, como tive de experimentar, de proibir que os iniciantes olhem para o Mestre quando este estiver dentro do dojô; de impor que eles se movimentem em seizá, ou seja, andem sobre os joelhos, sendo permitido apenas ao mestre se mover de modo natural; que fale com seus iniciantes com voz estudadamente rude, gutural, imitando uma época que há muito deixou de ser necessária considerando que as dinâmicas sociais e relacionais mudaram muito.

Fui praticante de aiki-dô e de Aiki-jujutsu e ainda tenho em meu íntimo a beleza da disciplina que se exige dentro dos dojôs de prática de tais artes. Mas encontrei grande diferença entre o dojô dirigido por um verdadeiro japonês e outro, dirigido por um brasileiro que se pensava "ajaponesado".

Fui praticante de aiki-dô e de Aiki-jujutsu e ainda tenho em meu íntimo a beleza da disciplina que se exige dentro dos dojôs de prática de tais artes. Mas encontrei grande diferença entre o dojô dirigido por um verdadeiro japonês e outro, dirigido por um brasileiro que se pensava “ajaponesado”.

Ainda há mestres, (não japoneses) que impõem que o iniciante, antes de falar para fazer uma pergunta, coloque as mãos espalmadas no dojô, sente sobre os calcanhares e poste sua testa no triângulo formado com os dedos polegares e indicadores das mãos (o sankaku) e assim permaneça enquanto pergunta algo, ou apenas solicite permissão para sair do dojô por algum motivo imperioso. Que exigem que o iniciante jamais saia do dojô antes de seu mestre fazer isto, e outras regrinhas perfeitamente dispensáveis. Disciplina é fundamental em qualquer lugar, e no tempo do sabre, da espada e da kataná este tipo de disciplina rígida, que visava quebrantar a Moral do subordinado e submetê-lo a um sistema tremendamente rígido, que até exigia que ele praticasse o sepuku (nome correto do ritual de suicídio de um samurai ou de um ninja) era fundamental. Afinal, naqueles tempos a vida não valia muito, mas a arte de matar, sim.

Também pratiquei a Arte Wushu de Tai-Chi-Chuen com um Monge Shao-lin e a disciplina dele era suave, embora rígida. Ele ensinava Arte Marcial verdadeira, não Arte de Combate de Competição.

Também pratiquei a Arte Wushu de Tai-Chi-Chuen com um Monge Shao-lin e a disciplina dele era suave, embora rígida. Ele ensinava Arte Marcial verdadeira, não Arte de Combate de Competição.

É claro que atualmente tem de haver disciplina, educação desportiva, visto que não mais se pratica Arte Marcial (= Arte de Matar), mas sim Arte de Luta de Competição, o que é bem diferente. Os iniciantes não podem simplesmente deitar no dojô com o seu “Smartphone” em mãos a ouvir música, enviar e receber mensagens pelo “Wattsup” ou a ler as fofocas no Facebook, dando gargalhadas estrondosas e dizendo palavrões como se estivesse numa feira livre. Nem tanto ao ar, nem tanto ao mar.

Pode verificar: quando alguém quer-se destacar entre as demais inventa (ou lhe inventam) rituais que a colocam como destaque entre seus pares. E estes, ao praticar tais rituais tendo aquele alguém como “pessoa de destaque”; “pessoa muito importante, superior às demais”, fazem o que popularmente se chama de “inflar o ego” de tal pessoa e isto é um desastre para ela do ponto de vista da Espiritualidade. É ridícula, por exemplo, a empáfia de um Deputado ou de um Senador dentro de um Templo seja de que religião exotérica seja. Os melhores lugares são reservados para ele. Sua roupagem tem de ser obrigatoriamente ostensiva, dentro de um padrão ritualístico que ele não pode quebrar e ele só toma assento entre seus pares. Você não verá jamais qualquer deles misturado com a “plebe rude”. Sua postura, seus gestos, sua pose corporal e até suas expressões faciais transmitem aquela aura de “autoridade”. Ridículo!

Eis "O Furioso" que danou os brasileiros.

Arrogância é com ele mesmo. No entanto, é indigno do cargo eletivo que ocupa.

Vemos no Brasil que a maioria esmagadora de nossas “Excelências” são pessoas pusilânimes, sem qualquer qualidade boa, meritória, que lhe mereça os rapapés ritualísticos do Cargo ou da Função que devem exercer por um tempo determinado. Mas pior que eles são os Padres e seus ridículos superiores. Ou os pastores que exigem que suas “ovelhas” se vistam diferentemente do resto do “rebanho do Cristo”, pensem e falem apenas o que ele lhes diz que é bom, preferentemente recitando ao pé da letra trechos da Bíblia, com destaque para os Salmos, tudo com o único objetivo de atrair para si uma importância… Nula. E não vou falar dos muçulmanos…

Mas voltando à base de nosso estudo, você já sabe algo sobre a Grande Jornada que todos nós empreendemos a partir de um início que jamais conheceremos enquanto não tivermos retornado à Casa do Pai. Por exemplo: sabe que o Livre Arbítrio é um direito inalienável seu, de seu Espírito; mas sabe também da tremenda responsabilidade que lhe é exigida quando encontra espaço para usufruir deste direito; sabe que o mundo terrestre “infernal” em que vive neste momento de sua jornada não somente é uma grande ilusão, como também é um desafio gigantesco, monumental, para seu Espírito em Aprendizagem, pois tudo neste mundo parece trabalhar para o extermínio de todos os encarnados sobre a crosta do Planeta. Tanto é assim que o ser humano se encontra, até hoje, dentro de um pequeno ovo de luz que brilha aos olhos dos que podem enxergar na quinta dimensão e flutua em estado de inconsciência na maioria esmagadora da humanidade atual dentro do Ovo Áurico em que nossos sete envoltórios materiais, nossos corpos sutis e o próprio corpo denso estão envolvidos. Não vou discorrer sobre o Ovo Áurico porque já o fiz em artigos anteriores. Se você não conhece o que seja isto, procure meus artigos mandando abrir a categoria em que este se enquadra, na lista que há no lado direito desta página, sob a designação TÍTULOS DE PUBLICAÇÕES.

Disciplina Militar, logo, marcial, nas forças armadas.

Disciplina Militar, logo, marcial, nas forças armadas.

Você deve ter notado que falei muito sobre os rituais e tomei como base para minha argumentação aqueles praticados dos dojôs de Artes de Lutas de Competição. Isto foi proposital e teve como objetivo colocar em destaque diante de sua atenção a necessidade da Disciplina no que quer que uma pessoa faça ou trabalhe. A Disciplina é a mãe da Ordem e a Ordem é a irmã da Evolução. Se você se acostumar a observar atentamente grupamentos de pessoas em qualquer lugar, verá que nenhum deles se organiza sem um determinado grau de disciplina. E nesta, uns se subordinam ao comando de outros, pois estes possuem maior experiência e maior conhecimento daquilo em que todos estão engajados.

Aqui uma estudante de medicina. Ela tem de se impor disciplina, se deseja chegar ao final de seu curso com aproveitamento.

Aqui uma estudante de medicina. Ela tem de se impor disciplina, se deseja chegar ao final de seu curso com aproveitamento.

Agora, vamos notar algo muito importante no nosso viver social. As Ciências que o homem criou até hoje têm como objetivo: a) a segurança do corpo físico e de sua frágil vida orgânica; b) o controle sobre o ambiente em que esteja inserido, inclusive sobre grupamentos de seus semelhantes; c) o domínio ou controle de todos os processos que acontecem ininterruptamente em cada ambiente em que a pessoa esteja. A Medicina e a Psiquiatria são exemplos de Ciências que visam à segurança da saúde do corpo físico denso da pessoa; a Psicologia e a Sociologia são exemplos de Ciências que visam à segurança da saúde da Alma Mortal, Personalidade ou Identidade da pessoa em sua vida interativa de aprendizagem e condicionamento psicológicos. Ambas também visam fornecer meios de o indivíduo manter o controle sobre seu ambiente, seja o interior, emocional, seja o externo, social. A Política é exemplo de ciência que visa ao controle dos processos sociais grupais, amplos, de uma comunidade humana.

Artefatos de destruição em massa inventados sob o acicate do medo coletivo.

Artefatos de destruição em massa inventados sob o acicate do medo coletivo.

Há, ainda, Ciências desenvolvidas pelo acicate da EMOÇÃO DE MEDO, como é o caso das Ciências de Guerra, quando se pesquisam e se criam armas cada vez mais poderosas em potencial destrutivo, por medo do próprio semelhante (ainda percebido como ameaça, não como irmão) e com o objetivo subliminar de voltar este medo para ele, o “inimigo”. Aliás, todo o Conhecimento Científico que o homem desenvolveu e desenvolverá sempre enquanto encarnado, são basicamente estimuladas, motivadas, por esta EMOÇÃO. Embora quase a totalidade da humanidade encarnada desconheça isto, somos um povo cósmico tangido, na Terceira Dimensão, pela reação emocional de MEDO, o que nos diz com clareza que ainda não demos o passo inicial na senda da verdadeira Evolução Espiritual ou, melhor dizendo, não demos o primeiro passo no Caminho da Iluminação. No entanto, em todas estas modalidades de atividade humana é imprescindível a Disciplina dos envolvidos nelas para que dêem bons frutos. Em função desta motivação de Medo, o ser humano inventou a palavra coragem para exprimir ações que são tomadas no limite do desespero. No entanto, coragem é um eufemismo que se usa para ocultar o Medo que nos domina em tudo o que fazemos e em todo ambiente em que estamos. Para sobrevivermos às ameças constantes que não deixam que a Emoção de Medo adormeça em nós, submetemo-nos a rituais de Disciplina para alcançar algum objetivo individual ou coletivo.

Então, você pode, agora, perceber, que não somente o planeta em que vivemos é perigoso, como nós, enquanto seres infantis do ponto de vista espiritual, também o somos. E o somos não somente para o próprio planta, mas também para nós mesmos. Ainda imaturos, nossos Espíritos ainda adormecidos na maioria esmagadora dos encarnados que vivem apenas pela Alma Mortal (Identidade), somos como crianças em um andaime solto no espaço a mais de cinqüenta metros de altura…

Assustador, não? Pois é. Mas é assim mesmo que estamos neste momento evolutivo de nossa Espiritualidade. E neste instante me vem à lembrança a sentença lapidar do Rei dos Reis: Atire a primeira pedra aquele de vós que se julga sem pecado“.

Quando erramos (ao nosso juízo), temos um motivo muito forte por detrás de nosso erro: MEDO. Mesmo quando agimos intempestivamente, agressivamente, destrutivamente, brutalmente, atrás destes comportamentos considerados de ÓDIO está, na verdade o MEDO. Só atacamos quando nos sentimos acuados e com MEDO. E só nos acuam quando nos percebem como AMEAÇADORES. Para compreender bem isto que digo, estude criteriosamente a situação do Brasil neste momento Político em que se encontra.

Ora, o Espírito Humano é o Senhor absoluto desta Terceira Dimensão. Apenas não o sabe porque se encontra ainda adormecido, pois é um trabalho de Hércules vencer o Poder da Alma Mortal que é senhora poderosa dentro do mundo onde foi nascida, é criada e é ensinada a dominar como seu território. Ao inventarmos um DEUS de Bondade e Pai que tudo Perdoa e que vive algures, bem longe de nós, é porque somos entidades primitivas e MEDROSAS. Temos medo até do Deus de Bondade que criamos fantasiosamente. Não é à-toa que as religiões exotéricas falam tanto em “temer a Deus” e, não, em “amar a Deus”, mesmo que um dos mais poderosos mandamentos exija “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”. Não àquele Deusinho de pesadelo, que vive bem longe de sua suposta criação, mas o verdadeiro Deus que reside no interior de cada um de nós. Lembremos do que disse o Rei dos Reis: Sois deuses e podeis fazer o que faço e muito mais até“.

E todo ser gerido pelo MEDO comete “barbaridades”, isto é, comete ações que aos olhos dos outros são censuráveis e condenáveis. Mas é assim que vivemos enquanto seres encarnados: sob o domínio da Reação Emocional de MEDO. É esta reação que nos impulsiona para as grandes descobertas, tanto construtivas e protetoras, quanto destrutivas e ameaçadoras.

Quero que fique bem claro para você que somos “bebês da Evolução Espiritual” e, como tal, não temos um Juiz a nos julgar e nos punir com rigor pelos nossos erros e enganos. Você, como pai, não vai bater no seu bebê quando ele, imprudentemente, ultrapassa as grades do berço e cai de cabeça no chão; ou quando puxa o rabo do gato e leva uns arranhões do bichano. Só se você estiver absolutamente desequilibrado emocionalmente. Pois  bem, do mesmo modo, não imagine que haja alguém ou “alguéns” a julgar sua vida encarnada separando e pesando seus erros e seus acertos para lhe cobrar estes últimos, quando você retornar para casa, depois de uma viagem estafante em que teve de realizar, sob grande pressão e sem conhecimento prévio, tarefas até perigosas e mortais.

Agora, voltando à Disciplina, tão necessária à vida em comunidade, você deve notar que esta qualidade de Alma não vem de dentro do indivíduo, mas lhe deve ser imposta pela vida social e tem obrigatoriamente de começar no núcleo familiar, aquele que o recebeu quando você atravessou o Portal Vagina. Embora não seja uma qualidade espiritual, como é o Amor ou a Verdade, a Disciplina é um atributo que deve ser ensinado ao indivíduo para que tenha uma forte ferramenta de vitória nos desafios ou Dilemas de vida que terá de enfrentar durante o tempo que estiver vivendo no “inferno”. A par com a Disciplina outro atributo da educação social e que não é inerente ao Espírito é o Comedimento. Você tem de contar com uma família firmemente fundamentada para lhe ensinar a ser comedido em tudo o que fizer ou pretenda fazer. O Comedimento implica necessariamente a Cautela e esta, também não um atributo espiritual, é tão importante para o viver com paz e harmonia sociais quando os outros dois. Além destes atributos inerentes à existência “infernal”, que são exigidos da Alma Mortal (Identidade) pelo meio social em que o Ser deve aprender e se fortalecer, há outros dois de grande importância. São eles Tenacidade e Perseverança. Ser tenaz não é ser teimoso, mas sim determinado, vigoroso, pertinaz e firme na intenção de realizar algo, de alcançar uma determinada meta na vida.

Bom, citei apenas oito dos atributos “infernais” sem os quais as pessoas não têm muita chance de obterem sucesso no esforço inaudito para alcançar o Portal que levará a Alma Mortal a fazer vibrar o Antakarana e levar ao despertamento de seu Espírito no Corpo Egóico. Só quando alguém consegue esta façanha hercúlea é que inicia sua caminhada rumo à Iluminação. Por aqui você compreende que para nosso Espírito Divino a experiência no Mundo da Matéria Densa, ou Mundo Infernal, é absolutamente indispensável para sua Evolução Divina. Descer a este mundo é uma necessidade, não uma obrigação, não um castigo imposto ao Espírito Humano.

Agora, vamos à crença muito difundida entre espíritas e ocultistas superficiais, a de que nossas ações são divididas em boas, positivas e, por isto, válidas para o resgate espiritual; e más, negativas, prejudiciais ao resgate do Espírito. Esta visão está errada. O que chamam de Karma não é o retorno ao Mundo Infernal para “corrigir erros cometidos em vidas anteriores”. Nada mais equivocado. Até porque a idéia de erro é restrita demais. Não pode ser generalizada. Como bem o dizem os cientistas sociais, “o homem é produto do meio”. E eles estão certos. O meio forma a Identidade humana de modo a que o ser humano possa viver no meio em que se encontre em determinada época. Acima estão atributos não-espirituais, mas do meio social “infernal”, que não se pode deixar de aprender e cultivar. Entre eles citei a Disciplina, a meu ver o atributo social mais importante dentre os demais. Houve um período em que a disciplina rígida, implacável, militar, era a rainha dentre as demais e seu ranço até hoje se faz presente em dojôs que ainda cultivam determinados rituais totalmente fora de moda no momento atual da humanidade. Esta modalidade de Disciplina é válida somente entre os muros dos quartéis da atualidade, mas ainda assim, ela também evoluiu. A ninguém mais é pedido que pratique o sepuku porque perdeu uma batalha ou não conseguiu realizar uma determinada missão. Image se o Governador de Santa Catarina exigisse que os 170 policiais rebelados, em vez de serem expulsos da corporação, realizassem o sepuku, o suicídio vergonhoso dos tempos pretéritos. Aos olhos dos seres humanos de hoje isto seria um absurdo.

Quero dizer, então, que não há erros que gravem a Alma Mortal ou o Espirito adormecido. A Evolução ocorre numa espiral no Tempo. De tal modo é esta espiral evolutiva que um ponto em uma de suas volutas se corresponde exatamente com outro, mas em época diferente, ultrapassada, onde costumes, crenças, hábitos e leis sociais vigentes eram totalmente diferentes das que vigem no ponto acima. Um Espírito que tenha descido e tomado do meio social daquela época passada uma Identidade formada na cultura da época, não pode ser responsabilizado por ações que tenha cometido ou por decisões erradas que tenha tomado em função de variáveis que não pôde suportar quando vivia naquela época. Ele era produto das crenças, dos meios de comunicação, dos modismos, da Educação Cívica e Religiosa, dos costumes e de muitos outros modelos que caracterizam determinadas épocas e não pode agir diferentemente dos demais; não pode reagir emocionalmente diferentemente dos demais. Agirá e reagirá de conformidade com as condições de que dispõe naquela época cosiderada

Correspondências entre pontos culturais em culturas de épocas diferentes.

Correspondências entre pontos culturais em culturas de épocas diferentes.

Se em 1900, num ponto “C” daquela cultura brasileira, um Espírito Encarnado teve uma Alma Mortal que cometeu uma injúria que causou dores e sofrimentos a um punhado de gente e o Espírito fez sua passagem sob o acicate da raiva e do ódio de seus algozes, não significa que necessariamente tal estigma emocional tenha que ser manifestado em alguém atingido naquela época, hoje também presente na realidade de 2017, para que esta pessoa (ou estas pessoas) se vinguem do insulto sofrido e imponha àquela nova pessoa agruras correspondentes àquelas que ela fez que sofressem, no passado de 1900. Seria a lei hebraica do olho por olho e dente por dente, o que não condiz com os ensinamentos do Rei dos Reis. Então, como se explica que seja verdade que alguém que tenha ofendido a outrem num passado remoto, veja-se às voltas com ele atualmente encarnado e sofra dele perseguição “injusta” e o faça sofrer em “vingança” pelo que ocorreu algures, no tempo-espaço?

Bom, vou deixar que você pense um pouco a respeito e busque sua resposta para isto.

NAMASTÊ.