dilma-rousseff-2

Atenção, cambada! A ordem internacional é liberar total! A gente pode meter a mão no melado à vontade. O Collor está aí pra provar o que digo. Pra cima do Erário Público, moçada!!!

Graças à Imprensa todos os brasileiros de Q.I. mediano sabe o que seja o tal PIB. Não é palavrão. Não é apelido. É o suor nosso de cada dia, derramado sob as mais duras condições físicas ou psicológicas. Físicas, quando se trata do operariado em geral, seja da indústria, seja do campo. Psicológicas, quando se trata do executivo, desde o que é apenas auxiliar de escritório até o Diretor ou Presidente de grandes empresas. Todos suamos. Todos damos os preciosos segundos de nossas vidas em prol da construção de um País digno para todos nós. Ainda que estejamos aqui apenas de passagem; ainda que nossa vida seja curta demais, se comparada com a existência de nosso sistema solar, ainda assim todos batalhamos duro para que quando chegarmos à velhice estejamos de algum modo protegidos. E neste quesito nosso país tinha,  eu disse TINHA, o melhor sistema de ajuda ao idoso. O nosso Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS. Não há, em todo o mundo, nada que ao menos a ele se assemelhe. Nos outros países fica por conta do cidadão aprender desde cedo a lidar com o dinheiro e a se prevenir para a velhice. Coisa de Educação, o que não temos tido desde que os milicos debandaram de nosso Poder. Se o americano ou o europeu não se prevenirem… Vão amargar dissabores e dores até seu fim, pois o Estado não tem como prioridade ajudar sua população idosa. Tanto assim é que foi lá pr’aquelas bandas que inventaram a desgraça conhecida como neoliberalismo, que, traduzido ao rés do chão é o famoso (entre nós), liberou geral. 

FERNANDO COLLOR DE MELO 2

“Eu vou perder a paciência com esse velhote de uma figa…”

O neoliberalismo não chegou com o PT, temos de reconhecer isto. Ele já nos farejava desde que o judeu disfarçado de brasileiro sentou as nádegas na Cadeira Quente do Planalto Central. Sim, sim, falo do Fernando Collor de Melo. Judeuzinho da Silva. Um dos motivos pelos quais é tão arrogante e profundamente antipático. Ah, sim, e tremendamente desrespeitoso para com todo aquele que não seja judeu e se meta a besta a ameaçá-lo de algum modo. Que o diga o Rodrigo Janot, chamado de “filho da puta!” com todo o ódio de que o coração malévolo do “Furioso” é capaz de sentir pelos goins de um modo geral.

Ora, se vamos à Wikipédia vemos que lá o socialismo é definido assim: Socialismo refere-se a qualquer uma das várias teorias de organização econômica que advogam a administração da propriedade pública ou coletiva dos meios de produção e distribuição de bens, propondo-se a construir uma sociedade caracterizada pela igualdade de oportunidades e meios para todos os indivíduos, com um método isonômico de compensação. Atualmente, teorias socialistas são partes de posições da esquerda política, relacionadas com as atuações de Estado de bem-estar social“. 

lulinha-o-filhinho-de-papai

Este é o exemplo gritante de como os Partidos que se dizem Comunistas ou Socialistas pensam. Ao rés do chão a filosofia é: Mateus, primeiro os teus.

Administrar quer dizer gerir, gerenciar. Então, traduzido ao rés do chão, os Socialistas defendem não a minimização da presença do Estado em todo lugar de Poder, quer público, quer particular. Ao contrário, defendem o Estado como a mãe de todos. Ao Estado compete prover ao cidadão o bem-estar que, na Democracia, deve ser conquistado a duras penas e com esforço próprio. Se o cidadão fracassa, não interessa por qual motivo, nesta busca desesperada por uma velhice protegida, azar o dele. Então, a visão Democrática se confronta com a visão Socialista. Qual é a melhor? Nenhuma. Ainda está por ser inventada uma ideologia política que redunde na plena realização de todos, com igualdade para todos, com justiça para todos, com paz e harmonia para todos.

agressividade-infantil

Resultado de uma Educação Pública prostituída por ideologias absurdas e Leis imbecilizadas.

No nosso país ninguém entendeu nada, seja de Socialismo, seja de Democracia. A não ser os pseudo-eruditos, que só sabem de “gossip”, isto é, de falar à-toa, falar vacuidades em programas de TV vazios de qualquer importância e informação que preste, o resto do país vive mesmo é no “embrulha e manda”. E é porque “nossos” políticos não são coisa nenhuma em matéria de Ideologia Política, que chegamos ao fundo do poço em que nos encontramos. Não há, na verdade, quem defenda um princípio que devia ser inalienável para nosso povo: o Brasil é dos brasileiros e nele devemos construir uma ideologia política adequada ao seu modo de viver: alegre, participativo, receptivo, humano”. Em vez disto, permitiram, aqueles que foram eleitos para nos representar no exercício do Poder que é nosso, que idéias absolutamente contrárias ao nosso modo natural de viver, nos invadisse e nos estuprasse. Somos uma nação de estuprados. Estuprados nas Leis; estuprados na Educação Pública; estuprados na Moral; Estuprados na Ética e estuprados na Religião. E para não ficar de fora, somos um país de famílias prostituídas por tantos estupradores. 

HOMOSSEXUALISMO LIVRE DEMAIS EM COPACABANA

Isto não é liberdade. É libertinagem. É o insulto da minoria sobre uma maioria coartada e sem direito a se defender de comportamentos que não aceita.

O resultado deste caldo de estupros é a implantação de uma estarrecedora situação caótica nisto que alguém ainda chama de Sociedade Brasileira. Não, não vivemos em Sociedade. Vivemos num caos de tudo. Um caos absoluto, onde os que se assenhorearam de nosso Poder pensam que tudo podem e a eles todos devem obediência, subserviência e servilidade. Um povo reduzido a isto resulta no que vemos estarrecidos nas tais mídias de internet. Um povo sem cultura; um povo sem instrução; um povo que nem ao menos sabe se expressar com clareza na língua que devia aprender nas escolas públicas ou privadas. um povo sem Norte porque se guiar. Um povo que foi dividido e subdividido em classes e subclasses sociais, cada qual reivindicando uma coisa que todos desconhecem: liberdade. Nossa gente confunde Liberdade com Libertinagem. A liberdade de ir à praia abraçado com alguém de seu próprio sexo aos beijos televisivos, chupados, escandalosos. Uma “minoria” que se acha com o direito de zombar da maioria e de seus “preconceitos”. Isto não é Democracia. Isto é Demonolatria, no mínimo.

Não posso dizer que sou cristão. Ainda não entendo bem o que o Cristo nos deixou como mensagem, embora esteja sofregamente aprendendo diretamente na fonte de seus ensinamentos – a Luz Ódica. Um lugar que a maioria de nós desconhece e que não tenho qualquer interesse de falar sobre o que é e onde está. Mas posso dizer com orgulho que nasci brasileiro e fui educado na brasilidade de meus antepassados. E sinto dentro de mim grande orgulho por ser desta terra. Orgulho que não percebo existir mais nos jovens do pós-64. Não sinto nas gerações que não viveram a enorme transformação deste país, que passou abruptamente do Vitorianismo puritano seiscentista para a Libertinagem amoral e desorganizada das assim chamadas “Liberdades Democráticas”, o ufanismo por ser brasileiro. Um ufanismo que era centrado no estudo acurado de nosso idioma sobre qualquer outro; um ufanismo que era centrado na Ética nos negócios e na palavra empenhada; um ufanismo de poder dizer de boca cheia: eu sou honesto. Quem, hoje, pode ao menos sonhar em dizer isto? N I N G U É M! Pode ser que um leitor se sinta ofendido ao me ler, mas é honesto o que embolsa o troco a mais que lhe deu o caixa do supermercado, desculpando-se dizendo a si mesmo “ora, os donos dos supermercados ganham demais. Então, não faz mal eu levar esta vantagenzinha de nada”? É honesto o que cospe na calçada simplesmente porque a “a rua é pública”? É honesto o que sabe que enganar é crime e, ainda assim, sempre que há oportunidade, trata de enganar seu próximo? É honesto o que fura a fila ou invade aquela que é destinada aos idosos e deficientes? É honesto o que estaciona seu carro na vaga dos idosos ou dos deficientes? É honesto, enfim, viver pela Lei do Gerson? Não. Eu digo que não.  Mas é assim que vivemos, nós, do Terceiro Milênio.

Honestos ou desonestos, o certo é que, escravizados, somos os que enchemos a burra dos bancos federais. E este dinheiro é o famoso dízimo recolhido daquilo que se denomina de PIB. Mas como não temos ninguém honesto em nosso país, mormente em se tratando de políticos, o dinheiro que todos os desonestos escravos sofredores colocam lá dentro à força, gostando ou não, é assaltado gulosamente pelos que se auto-intitulam Excelências. E como assaltam, cruz credo!

E tanto roubaram que o Brasil caiu de joelhos e quase se estatela no chão. Agora, os Excelências, se unem para em primeiro lugar se defender da Justiça e, em segundo lugar, buscar meios de recompor o Erário Público encontrando meio de fazer o emprego voltar a escravizar o povo brasileiro e este, assim escravizado, contribua através de impostos escorchantes para os tesouros da Caverna de Ali-babá brasileira. Então, quando tudo estiver recomposto, com o povo cada vez mais desorientado, mais perdido, mais emburrecido (o que é o sonho dourado de nossos políticos), eis que eles voltarão a roubar de novo e de novo e de novo…

E nossas gerações imediatas, meus e seus netos e bisnetos, irão trilhar o duro caminho da escravidão democrática.

Que tristeza.