jesus cristo

Ele também se irritava, como qualquer pessoa.

Após haver curado o leproso em Cafarnaum e ter atendido os rogos do centurião romano, Yehoshua se retirou da cidade. Como sempre, uma multidão de pedintes o seguia desesperada. Não todos doentes e mendigos. Havia, sempre, os que ansiavam por sua ajuda para milagres voltados exclusivamente para o auferimento de bens materiais. Estes, irritavam profundamente o Rei dos Reis. De mal humor, irritado, Yehoshua apertou o passo e até o general romano, acostumado a grandes caminhadas apressadas, teve dificuldade de o acompanhar. Mas à custa de grande esforço conseguiu manter-se ao lado do judeu raivoso. O Mestre logo deixou para trás a gentalha que o perseguia feito moscas varejeiras. O general romano decidiu provocar um diálogo com Yehoshua.

ASSIM O CINEMA RETRATOU JESUS E O CENTURIÃO

Esta cena cinematográfica representando Jesus e o centurião ficou famosa, mas o centurião romano não tinha esta postura arrogante nem o ator faz jus à figura atlética e autoritária do Filho do Homem.

— Vejo que estás irritado. Posso saber a razão? Teus apóstolos ficaram lá atrás e tu não pareces te importar com eles. Por que estás assim?

Yehoshua lançou um olhar raivoso à face do general, mas este sustentou aquele olhar com galhardia. Depois de um longo silêncio, o Senhor falou.

— Aquela gente toda, independente de qual nação seja ela, não compreende o que faço na Terra. Não vim para cá para promover o bem-estar material de ninguém. Nada deste mundo tem significado real, objetivo, para o Espírito divino que habita em qualquer um dos filhos de Meu Pai. Só os desgraçados que sofrem dores físicas e amargam o pão da pobreza e da indigência me buscam com o desejo sincero de obter a cura para suas dores e seus sofrimentos. Não que sejam melhores do que os que me procuram em busca de milagres que os façam milionários ou que joguem em seus braços libidinosos as esposas de seus desafetos ou de amigos que eles pretendem trair usufruindo do corpo e das carícias de suas mulheres. Não que sejam melhores que os dignitários de países distantes que me procuram com o desejo de que eu faça que seus adversários sejam derrotados por suas manobras de guerra ou por intrigas mesquinhas. Todos são pecadores indignos de meu Pai. No entanto, vim para promover a Caridade e a Piedade entre todos os povos, pois todos são irmãos. As diferenças entre países e línguas e fronteiras não os diferenciam perante o Supremo Criador de todas as coisas e dos homens também.

— Espera aí, Yehoshua — quase gritou o general romano. —  tu estás dizendo que tu e eu somos irmãos? Que todo romano é igual aos hebreus, aos judeus, aos idumeus… a todos os demais povos?

— Estou. E afirmo isto porque é a Verdade e eu não minto, general.

— Sabias que se dissesses isto diante do augusto Tiberius Claudius Nero Cæsar, nosso Imperador, serias imediatamente condenado à morte e teu corpo dependurado numa cruz para ser devorado pelos abutres e animais carniceiros?

— Eu o sei, mas isto não significa nada para mim, pois que ninguém aqui está senão de passagem. Este mundo não é definitivo, general. Também ele vai envelhecer e morrer, pois que é matéria e a matéria tem duração finita.

UM GENERAL ROMANO - COMO REPRESENTADO NO CINEMA

Um general romano sabia muito sobre técnicas de combate e estratégia de guerra, mas era totalmente despreparado quanto ao que o Rei dos Reis pregava entre os homens.

Pasmo e confundido em sua capacidade intelectual, o general manteve-se silencioso por um longo tempo. Durante este, Yehoshua mudou a direção de sua caminhada e se dirigiu para Betsaida, onde vivia a sogra de seu apóstolo Cefas. O general percebeu a manobra do Mestre, mas se absteve de fazer comentários. Estava impactado pelo que tinha acabado de ouvir do impetuoso líder hebraico. Seu posto de comando no Exército de Roma não impressionavam aquele galileu atrevido. O romano pensava no que tinha visto acontecer em Cafarnaum e meditava profundamente em sua próxima ação. Não viera até ali ser um admirador do galileu milagroso. Viera com a missão de o deter e o levar sob escolta até a presença do Governador da Judéia, Pôncio Pilatos. Mas decidira, primeiro, constatar a veracidade do que se dizia sobre os feitos milagrosos do sujeito, bem como avaliar o quão perigoso poderia ser prender um líder tão admirado e tão idolatrado como era o galileu. E para seu espanto tudo o que ouvira a respeito daquele homem era verdadeiro. Yehoshua tinha podres além da compreensão humana. Malgrado seu,  o general vinha desenvolvendo não somente admiração, mas também amor pelo fantástico e incompreensível homem ao seu lado.

Enquanto caminhava em silêncio ao lado de Yehoshua, o general romano ia-se recordando do que lhe acontecera antes e que o levara até à presença do galileu misterioso.

CLEÓPATRA

A Rainha do Egito foi uma política esperta e muito hábil.

Estava em seu acampamento, nas quentes areias do Egito, em missão de pacificação diplomática junto ao governador daquela terra de clima terrível, quando um emissário de Tiberius Claudius lhe entregou uma mensagem do Imperador. O general discutia com seus comandantes as táticas diplomáticas e militares que intentava usar junto ao Governador do país de Cleópatra. Tinha, sob seu comando, uma legião de três mil homens. Esta legião compunha-se de 30 centúrias, cada uma com 100 combatentes, número que ele determinara que assim fosse, visto que normalmente uma centúria, apesar do nome designativo, não era composta por cem combatentes, mas por oitenta em sua generalidade. Naquele momento tinha diante de si 30 centuriões altamente treinados e competentes nas artes da guerra. Tudo aquilo era para exercer uma pressão psicológica sobre o governo egípcio. Tibérius Claudius não desejava uma guerra contra o Egito.

A mensagem diante de seus olhos dizia imperativamente:

Sou sabedor de que há um homem misterioso nas terras da Palestina, mais precisamente nas terras judaicas, que anda causando grande alvoroço. Pôncio Pilatos não tem conseguido dominar aquele povo rebelde e suas ações mais incrementam o ódio que eles nos votam do que o arrefece. Preocupa-me o que lá acontece, portanto, é meu desejo que tu te disponhas a ir até a Palestina e contatar pessoalmente o tal homem agitador. Vê quais são realmente seus desejos e se forem claramente voltados para o incremento de uma revolta popular contra Roma, prende-o e o traz até mim, para que eu o julgue e o sentencie. Mostra esta mensagem ao Governador da Judéia, Pôncio Pilatos, para que saiba que ele não tem poder sobre ti, pois estás diretamente sob minhas ordens e em missão que eu te confiei. Só prestarás contas a mim e a ninguém mais e só eu decidirei sobre as decisões que tomares, caso alguma se faça necessária.

Petronius, o general, permaneceu meditativo com a mensagem em mãos. Sim, tinha ouvido falar, por um celta que servia em sua legião, de um homem fantástico que andara pelas terras celtas e germanas e agira de modo poderoso para pacificar os líderes daqueles povos. Haimirich e Hrodulf entre os germanos; Armínio, entre os celtas... E havia o centurião Lepidus e seu comandante, Lēntulo que se envolveram profundamente com o tal estrangeiro misterioso. Issa era o nome citado pelo celta, para quem o estranho se dizia ser não somente hebreu, mas também indiano… O tal Issa pregava a paz entre as nações e suas ações entre aquela gente, segundo o celta legionário, sempre tinham sido de paz e harmonia. Issa não se mostrara beligerante. Nunca portara uma arma e, no entanto, derrotara os maiores campeões celtas e germanos. E havia um legionário naquelas paragens que tinha sido conquistado pelo tal Issa. Seu nome era Primus. A história não lhe despertara interesse, até aquele momento. Seria o mesmo homem, lá entre os celtas e germanos e, agora, na Judéia também? Os dois causavam assombro pelos poderes estranhos que possuíam…

O general passeou os olhos pelos presentes e percebeu que todos estavam atentos ao que poderia dizer. Uma mensagem do Imperador era sempre algo preocupante para qualquer um. Então, falou e disse simplesmente que tinha uma missão urgente a cumprir em terras judaicas e precisava ausentar-se, mas em seu lugar ficaria seu segundo em comando, o também general Cesarino. Dispensou o seu contingente de centuriões e chamou Cesarino para lhe passar temporariamente o comando da tropa e lhe dar as orientações políticas para aquela missão ali, no Egito.

Diante de Pilatos e atento às reações do Governador, que lia de cenho franzido de contrariedade a mensagem do Imperador, o general Petronius observava com o canto dos olhos o Senador Publio Lentulus. A postura arrogante e ameaçadora do homem dizia bem de como estava impregnado de Roma e suas ilusões. 

— Com quê, então, o Imperador te põe fora de meu alcance?! — havia rancor nas palavras do Governador e isto desagradou profundamente ao general.

— Posso ver a mensagem? — Pediu o Senador. Pôncio Pilatos lhe estendeu o papiro com certo desdém. Ele mirava o general diante de si e despertava neste uma forte repugnância por sua pessoa.

— Não vejo a coisa por teu prisma, Pôncio — disse o Senador, após ler atentamente a mensagem. — Entendo que Tiberius deseja tão-só uma opinião isenta de julgamentos adredemente formados, como seria a tua, se tivesses de lhe dar informações sobre o milagreiro de Nazaré. Quanto a ti, general, peço que me tragas esse… homem, esse suposto agitador. Eu gostaria de tê-lo frente a frente, comigo. Depois, podes conduzi-lo ao Divino César e levarás, por escrito, minha opinião sobre o Nazareno. Estamos acertados?

— Perfeitamente, Senador. Agora, se ambos me dão licença, vou viajar até a Galiléia, mas como um homem comum. Talvez um comerciante romano, pois onde quer que eu vá não poderei negar que sou um cidadão romano. Então, acredito que sob este disfarce eu possa chegar até o homem.

— Não — cortou o Senador Publio Lentulus. — Sugiro que vás como um militar em licença e que está desejoso de encontrar o nazareno. O disfarce de comerciante já e bastante conhecido entre os hebreus de modo geral e poderia complicar tuas intenções. Até onde tenho sabido, ele recebe muitos soldados romanos entre seus admiradores e seguidores e até mesmo lhes atende os pedidos. Soube que, inclusive, ajudou a uma decúria quando esta, atacada por sicários, estava em estado deplorável. Eu também gostaria de me encontrar com o homem. Ah, sim, vai em companhia de egípcios comerciantes. Assim, diminuirás o perigo de seres atacado por sicários sanguinários. Esta terra está fervilhando de hebreus que militam neste grupo religioso e político, ao mesmo tempo.

— Vais como quiseres — atalhou Pôncio Pilatos, rancoroso. — Mas trarás o tal milagreiro até mim… até nós. Eu pessoalmente desejo interrogá-lo. Ele vem causando grande agitação entre os hebreus e este povo não é fácil de controlar. Como Governador desta terra infeliz, tenho a obrigação de manter-me informado de tudo e de todos os que são importantes para a paz entre essa gente intratável.

E foi assim que o general Petronius veio a se encontrar com Yehoshua e, agora, estava totalmente envolvido com as ações deste nazareno que o desconcertava e o intrigava.