jair bolsonaro 2

Toda pessoa é uma incógnita. Tão incógnita que mesmo ela não se conhece. Quem é este homem? Nosso destino enquanto Nação estará em boas mãos, quando o entregarmos à sua gerência política? Terá ele tenacidade e energias psicoemocionais para enfrentar os tremendos desafios que terá pela frente tão logo vista a Faixa Presidencial?

Este é um novo método de “abrir os Arcanos do Tarô do Egito” criado por mim e em consonância com a Psicologia do Grafismo. Procuro unir os estudos interpretativos da Psicologia do Grafismo aos significados “Ocultos” do Tarô e e de seus Arcanos Mágicos. Eu prefiro, em vez de “Ocultos”, chamá-los Teosóficos. Além de mais clássica, esta designação é atual e foge ao estereótipo negativo e ultrapassado que pesa sobre o termo “Oculto” nas Ciências não convencionais, mas Pragmáticas, como a Física, por exemplo.

Eu sou Psicólogo de formação universitária, mas acima de tudo sou um pesquisador inveterado. A Psicologia é mais um instrumento em minha sede de Saber e Conhecer, Embora tenha clinicado por exatos 18 anos sem interrupção, atendendo adultos, casais e famílias, nunca me considerei um profissional da clínica psicológica, mas sim um pesquisador. Meus pacientes sempre foram cobaias para mim. E eles me enriqueceram muito, mas muito além do que os livros contêm. E o que é melhor: não falhei com nenhum deles. Hoje, “chuteiras dependuradas nas paredes da idade”, dedico-me a pesquisar livrescamente. Mas a amplidão de conhecimentos que adquiri eu não colocaria em uma enciclopédia por falta de tempo. Dito isto, vamos adiante.

Trabalhei muito com testes projetivos, mas o que mais me fascinou foi o H.T.P.F. (House, Tree, Person, Family), sobre o qual desenvolvi uma teoria que jamais pude dar a conhecer aos acadêmicos por pura briga entre mim e o Sistema, onde a Lei de Diretrizes e Bases não é absolutamente obedecida. Abdiquei de prosseguir nos meus estudos acadêmicos e larguei a Universidade para ser livre e continuar minhas pesquisas sobre o que vinha desenvolvendo, mas sem cabrestos. Hoje, tenho uma dezena de pastas, se muito, do que sobrou sobre minha teoria. O resto ou as traças comeram, ou eu simplesmente rasguei e joguei fora porque tomavam muito espaço inútil em minha biblioteca. Perdeu-se algo valioso? Com certeza, sim. Mas o Brasil ainda está longe de reconhecer o trabalho de pessoas que não se curvam ao Sistema venal que atropela até as Leis neste país e transforma o Ensino Superior em um grande negócio para enriquecer gente medíocre.

No Grafismo do HTPF, entrega-se uma folha de papel em branco, deitada (na horizontal) para o testando que vai desenhar as figuras de uma Casa, uma Árvore, uma Pessoa e uma Família. Pede-se apenas que ele desenhe a figura que o teste possui e não se dá mais nenhuma orientação nem qualquer informação. A pessoa é livre para fazer seu desenho como lhe vier à mente.

A folha em branco simboliza todo o campo de vida contendo todas as probabilidades possíveis de vida do testando. Ela é como uma tela projetiva cinematográfica, na qual, a Identidade Profunda do indivíduo em teste expõe em figuras o que se passa no íntimo psíquico do indivíduo. O Inconsciente Individual e o Inconsciente Coletivo são os “artistas” que, através da linguagem do desenho, colocam na “tela projetiva” do Teste suas mensagens inconscientes e arquetípicas. Durante 18 anos de minha vida, de modo ininterrupto, analisei algo em torno de cinco centenas de grafismos HTPF de crianças, entre cinco e doze anos, e mais de um milhar, de adultos nas faixas etárias dos 18 aos 70 anos.Comprovei, irrefutavelmente, que o teste projetivo HTPF é excelente e superior ao tão cantado e divulgado teste de Rorschah. O Teste Projetivo HTPF é o melhor que há entre todos os seus semelhantes.

Vou colocar aqui um jogo dos Arcanos do Tarô cujo método foi criado por mim e no qual o Campo Projetivo do HTPF é a base da compreensão da “revelação” dos significados dos Arcanos em suas posições na distribuição das Cartas do Tarô do Egito. Esclareço que não sou um TAROMÂNTICO, isto é, o profissional que “abre os Arcanos” segundo seu método próprio e individual de interpretá-los intuitivamente. Estou longe disto, visto que sou um cético por Natureza e por Treinamento Universitário. Na verdade, defino-me como um TARÓLOGO, ou seja, aquele que estuda os Arcanos (Mistérios) do Tarô. Mesmo sendo um cético, não deixo de ser também um crédulo, visto que admito que “há muito mais entre o céu e a Terra do que podem enxergar nossos olhos e compreender nossa Mente”. 

Há dezenas de Baralhos Tarô à disposição dos interessados na taromancia, cada um deles com desenhos arquetípicos unicamente seus e que visam, segundo seus criadores, à revelação intuitiva dos processos ultrassensíveis dos Arcanos ali representados pelas figuras gravadas em cada carta. Pela experiência adquirida com as análises dos grafismos do Teste HTPF, aceito que seja verdade que cada baralho tenha seus arquétipos específicos e que cada baralho se destina à revelação dos arcanos (segredos; mistérios) de determinadas áreas da vida humana (Paixão; Negócios; Matrimônio; Jogos de Azar; Vitórias ou Derrotas em Viagens ou Aventuras etc…). Os desenhos são, em última análise, projeções de nossos Inconscientes Coletivos e Individuais, logo, eles têm origem além de nosso mundo sensível e perceptível. Nascem no Mundo das Intuições e são, por isto mesmo, arquetípicos (isto é, além da forma física).

Quando alguém afeito à Magia do Tarô cria imagens para a construção de um Baralho Tarô, aquelas figuras são arquetípicas e, como tal, têm o mesmo poder de revelação que quaisquer outras. Eu prefiro o Tarô do Egito porque sempre fui fascinado pelo estudo dos mistérios milenários daquela civilização passada. Os extintos flamen Dialis, os Sacerdotes Egípcios, tinham grande conhecimento a respeito dos mundos além do mundo denso que sentimos como nossa realidade última. É um oceano de conhecimento o seu fantástico panteão de deuses e deusas. Além disto, o Tarô do Egito não se atém a determinadas áreas da vida humana, mas abrange todas as suas facetas, o que é muito rico e quase infinito. Mas não estou aqui para falar dos extintos egípcios faraônicos, e sim do jogo que fiz para perquirir sobre o Indivíduo Jair Messias Bolsonaro. Então, vamos adiante.

Vejamos, abaixo, o Campo Projetivo do Teste HTPF e, dentro dele, o Campo Projetivo Arquetípico do Baralho Tarô do Egito, segundo minha concepção.

TÁBUA PARA O JOGO DO TARÔ DO EGITO BASEADA NO HTP

O quadrado representa a folha de papel do HTPF. O Círculo representa o campo hodológico, isto é, o campo onde todas, absolutamente todas as probabilidades fenomenológicas dos ambientes onde um indivíduo se encontra são factíveis, segundo Kurt Lewin. Aqui, até aquelas que são arquetípicas e fogem ao mundo físico e seus processos sociais, psicológicos e fenomenológicos restritos à terceira dimensão, ou seja: restritos à nossa realidade dita objetiva.

No círculo mantive a divisão do Campo Fenomenológico do HTPF, ou seja: quatro quadrantes explícitos e um implícito, o quadrante central. Apenas não adotei o formato quadrado pois este é o símbolo negativo e oculto do Arcano 4 e significa rigidez, imobilidade, fixação. No Tarô do Egito, cada figura tem um significado arquetípico oculto. Usando o Círculo e não o Quadrado eu me aproximo mais da idéia da mutabilidade e da globalidade que caracterizam a vida humana e todos os processos de vida sobre a Terra e, quiçá, no Universo. No entanto, mantive a divisão quadrangular adotada pelo Teste HTPF. Há o quinto quadrante que se situa no centro da Folha de Papel e significa EQUILÍBRIO. Geralmente não é figurado no Estudo do Teste. Também mantive esta representação “oculta” no caso do Círculo do Tarô. O desenho deve se centrar preponderantemente no quadrado central do Campo Projetivo, mas quase sempre ele tende a ser mais localizado em um dos outros quadrados. Mesmo estando com sua base no quadrado central, muito de seu desenho tende a se localizar mais em um dos outros quatros quadrados e cada um destes tem um significado, tanto do Inconsciente Arquetípico, Global, quanto  do Inconsciente Individual. Também há os desenhos que se centram mais em uma metade do Campo Projetivo (metade esquerda da folha de papel, ou metade inferior da mesma folha, por exemplo). Isto também tem grande significado para a Psicologia do Grafismo, mas não vou me estender sobre esta parte.

No lado superior direito temos o Primeiro Quadrante.

O desenho que tende para este quadrante sem nele se situar totalmente, mas apenas algo em torno de 25%, revela as qualidades psicológicas contidas nesta parte do Campo Projetivo (otimismo exagerado; desejo de vencer sem a capacidade de estudar ou avaliar bem suas chances de vitória: onirismo fantasioso; excesso de ansiedade para mostrar que pode e impulsividade sem base). Um grafismo que tenha tendência para este quadrante revela que há alta probabilidade de o psiquismo e a emocionalidade do desenhista estarem mal ancoradas na realidade, ou seja, embora tenha a percepção da situação dilemática em que se encontra, a pessoa sonha com projetos de vida como qualquer outra, mas de modo muito ansioso, muito superficial, isto é, sem entrar em considerações desagradáveis, pois tende a emprestar a seus projetos um otimismo exagerado. O desenhista “não tem os pés no chão” e, por isto mesmo, não dispõe de energia psicossomática suficiente para tentar e persistir na busca da realização de seus projetos, seus desejos, seus sonhos de crescimento etc… Pessoas assim tendem a se desestruturar e desistir da realização do projeto assim que se deparam com uma dificuldade de complexidade média ou alta. A frase que mais caracteriza uma pessoa cujo grafismo tende para este quadrante é: “Gente, vai dar certo! Eu garanto! Vocês são demasiadamente pessimistas!”

No lado superior esquerdo temos o Segundo Quadrante.

O desenho que tende para este quadrante sem nele se situar totalmente, demonstra que o indivíduo tem um psiquismo que mais devaneia e fantasia do que imagina criativamente e objetivamente. Trata-se de uma Identidade sem elã vital ativo. Uma Identidade sem assertividade na realização de seus projetos de vida. Isto revela uma pessoa que provavelmente teve sua vida infantil e pubertária castrada por adultos com quem conviveu intensamente. Não lhe deram a oportunidade de enfrentar seus desafios por temor que cometesse erros e se magoasse e, por isto, não desenvolveu uma capacidade sadia de enfrentar os dilemas naturais no ato de viver de qualquer ser humano e deles sair vitorioso ou não, mas servindo-se de seus próprios meios psicoativos. Revela alguém cheio de dúvidas e com pouca ou quase nenhuma capacidade decisória etc… A frase que mais caracteriza uma pessoa nestas condições é: “Nâo dá! Eu não consigo!”

No lado inferior esquerdo temos o Terceiro Quadrante.

O desenho que tende para este quadrante sem nele se situar totalmente, demonstra que a Identidade do desenhista fixou-se no passado e este lhe foi traumático e suscitou-lhe tanto Medo, Inibição e Busca de fuga à situação aflitiva, quanto Raiva, Auto-julgamento depreciativo e derrotismo, além de fixação em conflitos que não soube ou não pôde solucionar a contento. É como se a pessoa andasse a vida de costas, olhando para trás, para o que deveria ter feito e não fez. Tende a tomar suas derrotas e suas dores pregressas como base para definir para si mesma o âmago dos dilemas que tem de enfrentar em sua atualidade. A frase que mais caracteriza quem coloca seu desenho nesta posição é: “Ah, se naquele tempo eu soubesse o que sei hoje…” 

No lado inferior direito temos o quarto quadrante. 

O desenho que tende para este quadrante sem nele se situar totalmente, demonstra que a pessoa se fixa defensivamente na realidade presente e não aceita experiências pretéritas como base para a compreensão e o enfrentamento dos dilemas atuais. A frase que mais a define é “O que passou passou. Temos mais é que nos centrarmos no momento presente”. A vida, quer física, exterior, quer psíquica, interior, é um continuum. Não há como torná-la compartimentada. Assim, a pessoa que nega seu passado como fonte de informações e energias preciosas para o enfrentamento de seus dilemas atuais é alguém inseguro, cheio de receios e com tendência ou a ser impulsivo e agir impensadamente, ou a ser travado, pé no freio, e onde outros agiriam e arriscariam centrados no que de melhor colheu em sua vida, ele empaca feito uma mula e tem dificuldade de aceitar ponderações de terceiros . A frase que mais caracteriza quem coloca seu grafismo tendenciosamente dentro deste quadrante é: “Mas que droga! Isto já esgotou minha paciência. Não há solução. O melhor é deixar pra lá!”

O grafismo não deve, portanto, estar tendenciosamente voltado para um destes quatro quadrantes. Se alguém que me lê tentar fazer um desenho numa folha de papel para ver qual é sua condição psicológica dentro das informações acima vai fracassar redondamente. Há que haver certas condições ambientais que tornem o local de teste algo imponderável e onde os estímulos visuais e auditivos não sejam pregnantes, isto é, não dominem o ambiente. Isto, entre outras condições que quebram as defesas psicológicas da pessoa, é imprescindível pois o Psiquismo de qualquer Identidade só se revela quando inseguro e indefeso.

A Ciência da Psicologia nos ensina que nenhum movimento; nenhuma ação e nenhuma expressão oral de nossos pensamentos e devaneios são destituídos de significado e “desligados” do turbilhão de conflitos que colecionamos ao longo de nosso viver. Conflitos que estão permanentemente interferindo com nossos momentos presentes. Ninguém consegue viver o aqui e agora sem estar totalmente vinculado com seus conflitos solucionados ou não, do passado de sua existência. As energias psicológicas daqueles momentos cruciais do passado estão, sempre, atuando no momento presente, pois Energia Psicológica é uma energia que jamais se dispersa.

Dito isto, peço que o leitor fixe seu olhar na figura abaixo:

HOMEM - BINÁRIO ANULADO PELO TERCIÁRIO

O método que criei de abrir os Arcanos do Tarô do Egito está baseado neste esquema do corpo humano, onde se encaixa perfeitamente o Estudo do Grafismo do Teste HTPF.

Na foto acima, colhida no Google (e de cujo autor não tenho o nome mas, mesmo assim, agradeço por ter tido a brilhante idéia de fazer a foto), temos a perfeita representação tanto para a análise do Grafismo do teste HTPF quanto para a compreensão dos Arcanos do Tarô do Egito encaixado na figura humana. O Campo Psicológico, no Teste HTPF, não se restringe à unidimensionalidade. O limite da representação deste “Campo” é função de nossa restrição tridimensional. No Tarô do Egito, no entanto, esta representação é holística, e compreende a totalidade individual dentro de uma realidade transmaterial, trans-social. Entretanto, o Teste HTPF se restringe à realidade imediata e mediata do indivíduo; a realidade restrita à sua vida já vivida neste momento de sua existência, enquanto os Arcanos do Tarô do Egito transcendem o tempo e são perenes. Os conflitos de uma pessoa estão restritas à sua vida presente; e suas projeções futuras (sonhos, desejos, fantasias etc…). Também se restringem ao campo de suas experiências dentro desta existência atual, enquanto as influências dos Arcanos do Tarô são perenes e ultrapassam até mesmo o Inconsciente Coletivo tal como o definiu Carl Gustav Jung. Mas vejo em ambos estes “arcanos”, os psíquicos e os do Tarô, uma imensa afinidade pelo que pude ousar a intersecção entre eles.

Embora tenha tentado não ser extenso, visto que nosso povo não gosta de ler senão as três linhas do twitter, não tive como não me estender a fim de dar ao leigo em ambos estes campos do Conhecimento Holístico Humano uma mínima compreensão para que possa assimilar o jogo que fiz para obter respostas dos Arcanos sobre o indivíduo Jair Messias Bolsonaro.

Na figura da pessoa, acima, a seta amarela corresponde à linha ortogonal vertical no círculo dentro do Campo Psicológico do Teste HTPF. As setas pretas para a direita e a esquerda sobre os braços estendidos da pessoa, correspondem à linha ortogonal horizontal no mesmo círculo. Ou seja: o Homem está invariavelmente dentro do simbolismo transmaterial oculto, tanto na Psicologia quanto na Teosofia do Tarô do Egito.

O jogo é feito tomando-se por base quatro Centros de Forças Cósmicas do corpo humano, conhecidos como Chakras. Eles são:

1º — Chakra Ajna ou Frontal. Este Chakra gerencia a Identidade do Indivíduo; gerencia seus pensamentos quanto à energia que neles deve se conter. Identidade não é sinônimo de Personalidade. Identidade é aquilo que define e singulariza uma pessoa. Na Identidade estão as estruturas que fazem um indivíduo ser tal como é e não possuir similares entre os bilhões de outros seres humanos sobre o planeta. Já Personalidade é a máscara social que adotamos para interagir com outras pessoas e simultaneamente esconder de todos quem realmente somos. As energias transcendentais do Ajna põem em ordem os pensamentos segundo as forças psíquicas da emocionalidade despertadas no indivíduo durante suas vivências boas ou más, na vida pretérita e que continuam a atuar nele no presente e no futuro. Eu sei que está meio complexo o que digo, então, vamos para o “popular”. Tome alguém que vive a vida interagindo e aprendendo a se comunicar segundo os costumes do estrato social em que atua como pessoa. Se este estrato social é baixo, próximo da linha da pobreza, a interação tende a ocorrer dentro da violência, seja física, seja verbal, seja através de pensamentos rancorosos, odiosos, agressivos-destrutivos. Assim, a pessoa tende a ser coprolálica, isto é, sua fala é agressiva, cheia de palavrões, mesmo quando pensa que está sendo gentil. O Chakra Ajna rege o intelecto e não usa nada que nele não exista, isto é, não inova absolutamente nada. O Chakra apenas dimensiona e gerencia a energia psicológica e transpessoal que a comunicação verbal e gestual requer. Não tenho como dizer isto de modo mais simples, sinto muito. 

2. Chakra Larígeo. Como o nome diz, este chakra abre sua boca à altura da laringe, mais precisamente sobre o Pomo de Adão, isto é, na garganta do indivíduo. Ele gerencia as energias que o som da fala contém. O SOM é o Arcano da Criação do Universo e de tudo o que nele existe na Forma. A Bíblia diz, ocultamente, que no Princípio era o Verbo e o Verbo se fez Carne. O Chakra Laríngeo representa objetivamente o que a Bíblia diz veladamente. Enquanto o Ajna energiza as formas-pensamento da ideação e da imaginação, o Laríngeo energiza o som da palavra e esta energia atinge o ouvinte ou como uma pedra lançada contra ele, ou como uma luz que lhe chega a partir daquele que lhe fala. O peso da pedra ou a suavidade da luz são simbolicamente a qualidade da energia que flui do chakra Laríngeo para o som da palavra pronunciada. Tudo vai depender da intenção com que a palavra foi moldada pelo ato do pensamento. Nâo foi à-toa que o Cristo disse: “O que mata não é o entra pela boca, mas o que dela sai”. No popular: a agressividade na comunicação oral pode destruir uma boa intenção e, pior, pode imprimir infelicidade, dor e sofrimento no viver de alguém. no entanto, é bom notar que, no Campo das Forças Transpsíquicas e Transmateriais, tudo o que sobe, desce; tudo o que é lançado, retorna ao seu lançador…

3 – O Chakra Cardíaco.  Este é o chakra que gerencia as energias positivas ou negativas que estão perenemente interpenetrando os e simultaneamente fluindo dos nossos sistemas fisiológicos emocionais-hormonais. Boas palavras estimulam  a produção de hormônios bons, assim como boas reações emocionais, logo, estimulam glândulas produtoras de hormônios bons, sadios, eufóricos e causadores de otimismo. Más palavras estimulam as glândulas a produzirem hormônios doentios, maus, que atingem diretamente a saúde da pessoa porque causam pessimismos, mal-humor, azedume e tendência ao derrotismo ou à agressividade destrutiva verbal ou física. “O que mata não é o que entra pela boca, mas o que dela sai”. Então, em resumo, quanto mais coprolálico (copro = fezes; lalos = fala. Coprolálico quer dizer o que defeca pela boca) na expressão verbal, na comunicação interpessoal, mais rudes, primitivas e agressivas são as reações comportamentais da pessoa e mais reprimidas se tornam as palavras positivas, sadias, que estimulam o otimismo e a fraternidade inter-indivíduos e até podem quebrantar resistências. É por isto que as pessoas não devem deixar-se levar pela agressividade verbal; pelo chulismo no falar. Ao contrário, devem sempre buscar meios de reprimir os insultos verbais e usar palavras que, ainda que censurosas e duras, não são ofensivas à dignidade de seu próximo. Em qualquer Estadista ou Político, em qualquer país, este comportamento é crucial e, ocultamente, fortalece sua força psíquica para a vitória no que quer que esteja envolvido. Todos nós sabemos que as pessoas coprolálicas não são bem aceitas pelos que tendem a não agir verbalmente assim.

4 – Chakra Umbilical. É o Chakra que gerencia a socialização humana ou seja: gerencia o processo de humanização do animal humano. Estão sob sua regência as energias transpessoais que lentamente levam o animal humano a se tornar um animal social. As energias deste Chakra induzem os indivíduos a demonstrarem em seus comportamentos as qualidades de humanidade ou desumanidade respectivamente evolutivas ou involutivas de que estão prenhes. É o Chakra da Cruz do Mundo. Na atualidade, a raça humana batalha tenazmente para ultrapassar a evolução neste Chakra, o que, observando-se as Nações e suas gentes, não está sendo nada fácil. Ao contrário, parece que todos estamos perdendo a batalha. Os sete chakras estão representados no sonho da Escada de Jacó. Quem é religioso sabe a que me refiro na Mitologia Bíblica.

Faltam três chakras na fórmula do jogo dos Arcanos do Tarô segundo meu método de abrir tais Arcanos. Mas o primeiro, o Chacra Coronário, isto é, da Coroa da Cabeça, não está diretamente vinculado a qualidades psíquicas humanas, mas sim àquelas Espirituais. É, pois, um chakra que, no indivíduo simples e comum, não se encontra em grande atividade. Os dois outros, inferiores na escala ascensional da Evolução Psíquica-Emocional humana, são o Svadhisthana ou Sexual e o Muladhara ou Básico. A Humanidade já está praticamente fora da influência altamente negativa das forças que tais chakras controlam e, por isto, não os levei em conta.

Boom, no próximo post colocarei o jogo que realizei buscando responder a duas perguntas feitas aos Arcanos do Tarô do Egito:

a) Como se estrutura diante dos Arcanos, a Identidade de Jair M. Bolsonaro?

b) Como será o Governo do País sob a direção política de Jair Bolsonaro?

O ideal é que a pessoa para quem se abrem os Arcanos esteja ou presente, ou interessada nas respostas dos Arcanos, pois isto, por si só, já a vincula à Magia Elemental Transcendental dos Arcanos do Baralho Tarô. Mas como tal condição não é possível, até porque não creio que algum dia nós dois, Bolsonaro e eu, venhamos a nos encontrar nesta vida, as perguntas foram feitas e os Arcanos deitados. Vejamos se eles atenderam à minha curiosidade. Se não, ao menos valeu como exercício, não é?