A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXIII): AS CURAS SE MULTIPLICAM

Deixe um comentário

APÓSTOLO PEDRO - SIMÃO BARJONAS

Cefas ou Simão Barjonas. Posteriormente, Pedro.

Yehoshua retomou a direção de Cafarnaum, mas não enveredou pela cidade, que fervilhava de gente vinda das redondezas, todas ansiosas para conseguir alguma cura para suas mazelas. Encaminhou-se para o morro onde havia feito sua pregação depois conhecida como O Sermão da Montanha. Mal o pequeno grupo chegou ao local e já uma romaria começava a se fazer presente. As pessoas pareciam formigas vindas de todas as direções. Quase todas eram gente pobre, com vestes sujas ou esfarrapadas. No entanto, era possível também enxergar abastados, pois estes vinham em liteiras ou cercados de empregados para os servir. Martha, Ruth e Míriam, as irmãs do Mestre; Míriam, sua mãe, e Míriam, sua esposa, também estavam ali. Tinham acompanhado toda a caminhada, mas eram as últimas do grupo, pois não conseguiam acompanhar o passo acelerado de Yehoshua. O Mestre esperou que elas se sentassem ao seu lado e bebessem a água que João lhes servia. Estavam sedentas. Yehoshua também notou que os homens, na multidão que se aproximava e se espalhava ao redor, buscavam obter os melhores lugares, os mais próximos dele e de seu grupo, e não se pejavam de empurrar com grosseria as mulheres, principalmente aquelas que traziam filhos nos braços. Muitas choravam e se desesperavam por não conseguirem chegar bem próximo de Yehoshua. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXII): YEHOSHUA PROVOCA DISCUSSÕES ENTRE O POVO

Deixe um comentário

Senador Romano em sua roupagem

Abel errou quando pensou ser capaz de bater-se em esperteza com o Senador Romano.

É domingo e Cafarnaum fervilha com os comerciantes ambulantes. Mas agora há um assunto novo, principalmente entre os hebreus e este assunto que polariza a atenção de fariseus e saduceus é o Deus de bondade que Yehoshua vem apregoando por todo lugar por onde passa. Devido aos milagres que ao seu redor acontecem aos montes, o povo anda muito inclinado a abdicar do Jeovah sanguinário, vingativo e discriminador. Mas não é só entre os hebreus que grassa a discussão sobre o desconhecido Deus de bondade que Yehoshua prega. A discussão é bem maior entre os goins. Eles também confrontam seus deuses com o Deus de Yehoshua e o choque entre estas entidades são fortes. 

Yoseph

Os trajes sempre foram os distintivos das classes sociais entre os humanos.

Caminhando lentamente por entre o povaréu, Abel aguça os ouvidos para ouvir o que é dito e seu coração está disparado, sua garganta seca e suas mãos suadas de ansiedade. Ele acredita que está coberto de razão. Yehoshua é mil vezes mais perigoso do que os rabis do Templo em Jerusalém podem suspeitar. Espertamente ele exerce seu ministério longe da capital e quase sempre não se serve de sinagogas. Quando faz isto é para jogar em ridículo qualquer rabi que esteja no parlatório cumprindo com seu dever. O destino de Abel é a mansão de Pôncio Pilatos onde está hospedado o Senador de Roma. Quer encontrar-se com o homem para avaliá-lo e às suas intenções com relação ao encontro com o agitador. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXI ): YEHOSHUA DESAFIA O RABI

Deixe um comentário

Abel era um rabi cego e aguerrido adversário de Yehoshua.

Tu não és bem-vindo à minha leitura! ─ Gritou Abel, dedo em riste, olhos flamejantes de ira. ─ Tu e teus seguidores insultam o Templo e seus rabis! Tu e teus seguidores desfiguram as escrituras! Todos vós devíeis ser presos!

Yehoshua continuou sua caminhada em total silêncio, mas com um sorriso divertido na face. Os que o observavam ficavam confusos com aquele riso estranho, mas alguns começaram a também rir por empatia. O Rei dos Reis subiu ao parlatório e sem qualquer cerimônia empurrou Abel para o lado. Este tentou resistir, mas a força do jovem era bem superior à sua. Tentou, então, uma retirada, mas a mão poderosa de Yehoshua segurou-o pelo braço e o obrigou a permanecer ali, ao seu lado.

— O que queres comigo, maldito? — A face de Abel estava vermelho apoplético. Parecia que ia infartar. Mais

RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CX ): A IDENTIDADE SECRETA DE JOSÉ DE ARIMATÉIA.

Deixe um comentário

JUDAS ISCARIOTES 1Abel deu um salto de sua cadeira, olhos arregalados de espanto e raiva. Não podia acreditar no que ouvia. Tinha mandado buscar Qeryoth para saber quais eram as novas aprontações de Yehoshua, o milagreiro agitador, e o discípulo do Cristo sem rodeios lhe contou a palestra de seu Mestre com os apóstolos e sua família. Não fizera isto por sua vontade, mas porque seu Mestre o havia chamado em particular e lhe avisara de que o rabi o procurava por toda Cafarnaum. E lhe dera ordens expressas de ir ter com o detestado homem e lhe contar com a máxima fidelidade o que ele, Yehoshua, havia dito sobre os Demônios aos seus familiares e seus apóstolos. Yehudhah não compreendera a razão daquela ordem esquisita, mas discordou dela e o disse, como sempre, diretamente ao seu Senhor. No entanto, este lhe impôs que cumprisse com o que ele ordenava e não lhe questionasse razões que não estava disposto a explicar a ninguém. Agora, vendo o rabi Abel avermelhado de ira e com os olhos injetados de sangue, o apóstolo do Cristo se divertia intimamente. “O idiota”, pensava ele, “nunca vai alcançar a sabedoria dos ensinamentos de meu Senhor Yehoshua. É mesmo um asno”. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO-(CXXXIX): E YEHOSHUA PROSSEGUE COM SEU PLANO.

Deixe um comentário

A árvore sicômoro. Sob uma destas árvores Yehoshua descansou com seus apóstolos e sua família.

O Rei dos Reis caminhava apressado. Junto a ele iam seus discípulos e ao seu lado caminhavam sua irmã Ruth, sua Mãe Míriam e sua esposa, também Míriam. Era por isto que o Mestre andava a passos mais vagarosos que os de costume. Não desejava cansar o pequeno grupo que ocupava todo o seu coração humano. Mesmo assim, suas passadas largas obrigavam os seus familiares a se esforçar para se manterem ao seu lado. Iam por caminhos rústicos, geralmente trilhas de cabras selvagens, por sobre montes e pedregulhos enormes, sempre fugindo aos caminhos freqüentados por todos. Yehoshua queria manter-se distante do assédio dos miseráveis e dos doutores da Lei que, infiltrados entre o povo, o vigiavam atentamente e anotavam ao máximo suas palavras para, depois, através delas, armarem um bote mortal contra ele. Yehoshua os conduzia a Citópolis, um vilarejo a 32 quilômetros aproximadamente de distância de Nazaré. Citópolis era pequena, habitada por gente simples, a maioria constituída de pastores, mas também havia ali gente que cultivava o campo e criava ovelhas. As plantações eram pequenas, familiares, e o produto não era comercializado senão na feira pública local, para a qual vinha gente das redondezas. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO-(CXXXVIII): OS PODEROSOS ESTÃO INCOMODADOS

Deixe um comentário

Ele começou a ser julgado ainda no primeiro ano em que deu início ao seu trabalho como Messias.

Abel tinha ao seu redor cinco rabis pregadores itinerantes. Conhecia-os  a todos e via neles temor diante de si, o que muito lhe agradava. Mas em seu íntimo as palavras de Yehoshua queimavam sua Alma. Ouvira as pregações que o milagreiro fizera desde quando ali chegara e fôra por ele curado. Eram pregações impressionantes e desconcertantes, mas certamente havia, por detrás daquelas palavras bem colocadas e bem cuidadosas em não se deixar enredar pela própria boca, algum objetivo escuso. Não sabia dizer o que era e isto o inquietava.

— Sei que tendes ouvido o que o pregador de Nazaré anda falando pelas cidades dos arredores e aqui também — começou Abel. — E espero que tenhais percebido, como eu já o fiz, que por detrás de suas verdades há algum objetivo escuso, que eu suponho seja cativar o máximo de pessoas para, quando ele julgar azado, levantá-las em rebelião. Não sei dizer se contra o Templo, se contra Herodes ou se contra Pôncio Pilatos, mas sei que alguma coisa o milagreiro trama. O que tendes a me dizer a respeito? Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO- (CXXXVII): ENSINAMENTOS DE YEHOSHUA SOBRE OS HOMOSSEXUAIS.

Deixe um comentário

Quando queria falar a pessoas escolhidas ele não procurava as sinagogas, mas um boque qualquer.

Yehoshua passeou os olhos sobre os homens diante de si. Estavam num bosque de arvores frondosas e o ambiente ensombrado era muito fresco. Uma brisa agradável soprava por entre a mata fazendo farfalhar as folhas, balançando os galhos mais finos e causando uma dança hipnótica das sombras e das réstias de luz que desciam até o solo de terra escura e pedras grandes. Ao lado do Mestre estava sua mãe, sua irmã Ruth e sua esposa. A conversa sussurrada entre os homens cessou, quando perceberam que o Mestre se tinha movido e os olhava de cima da pedra onde se sentara para poder abarcar a todos com a vista. As três mulheres estavam compenetradas, silenciosas e reverentes ao lado de Yehoshua, agora chamado por aqueles homens de “O Profeta do Amor Divino”. Mais

Older Entries