A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – CXVIII: YEHOSHUA ENSINA AOS SEUS APÓSTOLOS

Deixe um comentário

Era assim, sentado no chão, que o Rei dos Reis gostava de ensinar a seus apóstolos.

O Mestre estava reunido com seus discípulos e lhes ensinava sobre os significados ocultos dos Livros do Pentateuco. Era manhã cedo e eles estavam próximo a Nazaré. A mata era luxuriante e a temperatura amena. No chão, diante deles, farta refeição preparada pela família do Mestre. Sentados, comiam e dialogavam livremente com o Rei dos Reis. Yehoshua falava e todos o ouviam.

— Senhor — disse Cefas —, está no Livro I de Reis que David se irou contra Nabal porque este não quis lhe entregar os suprimentos que lhe pedia, em troca da acolhida que dera aos servos daquele homem durante o tempo em que estiveram no deserto. Zangado com Nabal, David aprontou seu exército para varrer da terra o homem usurário. Mas a esposa de Nabal, Abigail, muito bela e gentil, sabendo do que tinha acontecido e que Davi já se lançara a caminho de sua casa e para arrasá-la, preparou duzentos pães e dois odres de vinho. Ajuntou mais cinco carneiros cozidos e cinco alqueires de farinha e cem penduras de uvas passas e mais duzentas pastas de figos secos. Então, tendo preparado todos estes mantimentos foi ao encontro de David e lhe entregou tudo, suplicando ao guerreiro irado que lhe perdoasse ao marido. Tens conhecimento desta passagem, não?

Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – CXVIII: A GRAVIDEZ DE MÍRIAM DE MAGDALA

Deixe um comentário

Hoje, vários pesquisadores contestam a versão de que Jesus não se casou. Aqui ele é representado em companhia de Míriam de Magdala, sua legítima esposa.

Míriam de Magdala colocou a cabeça no ombro de seu esposo. Estava suada e ainda tinha engulhos.

— Meu amor —, balbuciou ela — o que há comigo? Por que este mal-estar horrível? Eu detesto vomitar…

Yehoshua sorriu e apertou sua esposa ao peito musculoso.

— Estás provando que realmente és humana. Estás grávida. É só isto.

Míriam de Magdala afastou a cabeça do tronco de seu esposo e o fitou com aqueles olhos azuis cativantes.

— O quê? Eu… Eu estou grávida? Eu vou ser mamãe? Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – CXVII: YEHOSHUA DOUTRINA SEUS APÓSTOLOS

Deixe um comentário

YEHOSHUA ALIMENTA-SE EM COMPANHIA DE GENTE SIMPLES

Yehoshua ensinando aos seus apóstolos.

Nazaré amanheceu fria e com o céu nublado. Mesmo assim, Yehoshua se levantara cedo e fizera suas abluções costumeiras, antes do desjejum. Seus apóstolos não demoraram a chegar e a ele se juntarem. Onze. Yehoshua notou que Yehudah  ish Qeryoth não estava entre eles. Então, sem falar, ordenou mentalmente que seu apóstolo rebelde viesse ter com ele, onde quer que estivesse.

Seguindo o Mestre, na última hora da noite (5 horas da manhã em nosso horário) todos se sentaram ao redor do poço de pedra construído para receber as límpidas águas que desciam do morro densamente arborizado que cercava a vilazinha de Nazaré. Ali, no poço, todos vinham buscar água para suas necessidades diversas. Também ali os viajores paravam para se dessedentar, encher seus odres e dar de beber aos seus animais. Naquela hora, antes da primeira hora do do dia (as 6 horas de nosso horário) não havia ninguém, exceto o Mestre e seus apóstolos. Yehoshua não falou nada. Limitou-se a se sentar em padmasambava e orar em voz baixa. Depois de um tempo abriu os olhos e olhou para seus expectantes apóstolos. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – CXVII: YEHOSUA INCOMODA O SINÉDRIO

3 Comentários

Caifás temia as idéias inovadoras de Yehoshua porque elas punham em perigo o Sistema Político-Religioso que os rabis tinham implantado entre os hebreus. 

Caifás recebia a visita do rabi Ezequiel, filho de Josué. A manhã era amena em Jerusalém e a brisa tornava o dia muito agradável. O grão-sacerdote tinha diante de si um homem saudável, de faces rosadas e com expressão de grande alegria em todo ele. Caifás olhava seu parceiro de Templo com desconfiança e preocupação. Mas nada disse, preferendo ouvir o que o outro tinha para lhe contar. Sentado ao lado de ambos, Anás ouvia tudo atentamente.

— Então, vens de Nazaré e sei que perambulaste por lá à procura daquele que se diz ser o descendente de David que faz milagres e prega contrário ao que nossos livros nos dizem. O que tens a nos contar? Vejo que estás com excelente saúde. Aonde foi parar aquele sofrimento que te martirizava? Não vais dizer-nos que tu também foste curado pelo tal rabi milagroso… Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO – CXVI: YEHOSHUA E SUAS BEM-AVENTURANÇAS.

1 Comentário

No monte Gerezim ele pregou seus melhores sermões.

À noite chovera muito e Siqem amanhecera com muita lama e bastante fria. Mesmo assim, Yehoshua se levantou bem cedo, no alvorecer, mais ou menos às 5 horas da manhã,  fim de se pôr a caminho para o monte Gerezim. Fez o desjejum junto com a família de Jeremiah, onde tinha sido recebido no dia anterior e cujo filho de cinco anos obtivera a cura de sua afonia na última vez em que o Mestre pregara ali. Após a despedida Yehoshua encetou sua caminhada.  Passou pelos vigias romanos que não se incomodaram com sua presença e subiu até o topo do monte. Lá, sentou-se sobre uma pedra e descortinou o vale abaixo. A visão era bonita. Ele fechou os olhos e se concentrou na testa de Cefas. Este, que estava em Nazaré, distante de Siqem (também chamada de Nablus), distante 59 Km de onde o Mestre se encontrava sentiu algo em seu cérebro. Fechou os olhos e sacudiu a cabeça e imediatamente viu Yehoshua sentado sobre a pedra, em Gerezim. Cefas compreendeu que o Mestre chamava seus apóstolos e tratou de juntar todos eles na casa de Míriam de Magdala, a esposa de Yehoshua. Comunicou aos demais o chamamento e todos se aprestaram para encetar a caminhada, inclusive Míriam, a mãe e Míriam de Magdala, a esposa. Junto a elas seguiram Ruth, Marta, e Míriam, todas irmãs do Mestre. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO CXV: NOVAMENTE EM SIQEM AOS PÉS DOS MONTES GERIZIM E EBAL

Deixe um comentário

Até hoje os dois morros preferidos por Yehoshua para falar às gentes se mantêm de pé, guardiães da História.

Gerizim é um Monte famoso entre os hebreus, fica bem defronte a outra pequena elevação, o Monte Ebal. Entre ambos estava a pequena vila de Siqem. Há uma semana que Yehoshua tinha desaparecido diante da turbamulta que se desesperava para dele obter cura para seus males físicos. Hoje, com o tempo ameaçando chuva, ele caminhava a passos largos em direção à pequena vila entre os dois morros famosos. Diziam as lendas locais que Noé tinha erigido o primeiro altar ao Santíssimo depois que o dilúvio secara no topo do morro Gerizim. Contava-se, tradicionalmente, que Josué tinha lançado uma maldição sobre o morro Ebal. A história, transmitida oralmente de geração a geração e repetida como um dogma constante dos livros sagrados dos hebreus, dizia que  o Senhor teria falado a Josué, filho de Nun e ajudante de Moisés, dizendo-lhe o seguinte: “Meu servo Moisés morreu. Agora, levanta-te e atravessa o rio Jordão, tu e todo este povo, e vai para a terra que vou dar aos filhos de Israel. Eu vos farei senhores de todo lugar que os vossos pés pisarem, conforme tinha eu prometido a  Moisés. A terra que vos darei  estender-se-á do deserto e do Líbano até o  o rio Eufrates, por toda a terra dos heteus, até ao Grande Mar, a ocidente. Ninguém poderá opor-se a ti enquanto viveres. Assim como estive com Moisés eu estarei contigo e não te deixarei nem te abandonarei e ao meu povo. Sê forte e corajoso, pois farás este povo herdar a terra que jurei dar a seus pais. Sê, portanto, forte e muito corajoso, e cuida de agir segundo manda a lei que Moisés, meu servo, te prescreveu e a esse povo que agora tu guiarás. Não te desvies nem para a direita nem para a esquerda, a fim de que tenhas êxito por onde quer que andes. Não pares de falar deste livro da Lei ao teu povo. Medita no que nele se contém dia e noite, para que procures agir de acordo com tudo o que nele está escrito. Assim farás prosperar teus caminhos e serás bem sucedido juntamente com teu povo. Não te ordenei que sejas forte e corajoso? Não tenhas medo, não te acovardes, pois Eu, o Senhor teu Deus, estarei contigo por onde quer que vás”. Mais

A RESSURREIÇÃO DE LÁZARO (CXIV): CONTRARIEDADE

Deixe um comentário

O Rei dos Reis às vezes se entristecia pela dificuldade do povo em assimilar seus ensinamentos.

O Senhor, como agora os apóstolos o chamavam, encaminhou-se para o morro onde o povo já se acostumara a ouvir-lhe as palavras e, mais que isto, a obter curas para seus males físicos. Yehoshua não gostava desta última condição e o dizia insistentemente aos seus seguidores. “Não é o corpo o que importa”, dizia enfático, “mas sim o Espírito. Não é a Alma mortal o que importa, mas sim o Espírito. Quando será que ireis entender minhas palavras?” Mesmo os mais letrados nas Leis hebraicas tinham dificuldade de compreender o que insistentemente Yehoshua tentava lhes ensinar. Espírito, Alma e Corpo lhes pareciam uma única criação de Yaveh. O Reino pelo qual eles esperavam não se encontrava além do limite de seus cinco sentidos. Por isto acreditavam piamente que aqui, neste mundo, dentro desta terceira dimensão, após o Juízo Final, os hebreus, por serem o povo escolhido de Yaveh, herdariam a Terra e seus tesouros. Todos os outros povos tinham a obrigação de se curvarem diante de um hebreu, estivesse ele onde estivesse que não em território hebraico. Este pensamento era a raiz da fé dos hebreus e mesmo o Filho do Homem não conseguia abalar tal crença. Mais

Older Entries